O DENGUE ESTÁ COM OS DIAS CONTADOS


O dengue é uma doença infecciosa causada por um arbovírus. Segundo alguns estudiosos: na Colômbia, na Bolívia já existe um novo tipo de vírus mais cruel e matador, o cinco. Seria de bom alvitre que as autoridades brasileiras tomassem o devido cuidado para que essa praga não chegasse ao Brasil. A doença é transmitida por dois tipos de mosquitos, o Aedes Aegypti e o Aedes albopictus, que picam durante o dia. O dengue é uma enfermidade causada por um arbovírus da família Flaviviridae, gênero Flavivirus, que inclui quatro tipos imunológicos: 1, 2, 3 e 4. A dengue tem, como hospedeiro vertebrado, o homem e outros primatas, mas somente o primeiro apresenta manifestação clínica da infecção e período de viremia de aproximadamente sete dias. Nos demais primatas, a viremia é baixa e de curta duração.

O Instituto Butantã anunciou nesta segunda-feira (2) que deu início ao desenvolvimento da produção de uma vacina contra dengue. Segundo o presidente da fundação, Isaias Raw, a previsão é que em 2010 o Brasil já possua a vacina para ser utilizada na rede pública de saúde em crianças e em jovens. Raw afirmou, em entrevista na tarde de segunda no auditório do Museu Biológico do instituto, na Zona Oeste de São Paulo, que em dois anos o instituto deve passar a produzir entre 20 milhões e 30 milhões de doses da vacina por ano. A expectativa é que a vacina seja barata.

“Nossa intenção é vender a vacina barata para que o governo dê para todo mundo de graça”, disse. A vacina - será preventiva e tetravalente, protegendo contra quatro tipos de vírus da dengue. Resta agora às autoridades arregaçarem as mangas para evitar que o vírus cinco chegue ao Brasil. Segundo o presidente do Butantã, as negociações para a produção da vacina no Brasil começou há três anos, “antes de a epidemia ficar muito avançada”. Ele conta que pelo menos dois tipos de vacina já foram criados no mundo, mas se mostraram ineficazes.

“Acreditamos que essa tem tudo para dar certo”. Uma esperança, um alívio para a população brasileira, mas enquanto a vacina não chega os cuidados com a prevenção devem ser mantidos. O mosquito Aedes aegypti tem origem africana. Ele chegou ao Brasil junto com os navios negreiros, depois de uma longa viagem de seus ovos dentro dos depósitos de água das embarcações. O primeiro caso da doença foi registrado em 1685, em Recife (PE). Até 1953, o dengue era considerado uma virose benigna, sem letalidade, até haver um surto de dengue hemorrágico nas Filipinas.

A prevenção é à base de tudo, e como não estamos afeitos a esse procedimento, achando que vai acontecer com os outros e não conosco, deixamos para lá. Em 1692, o dengue provocou duas mil mortes em Salvador (BA), reaparecendo em novo surto em 1792. Vejam como o dengue é uma doença antiga e mortal, e passado tantos anos nenhuma descoberta para exterminar foi descoberta. Incrível. Estamos inserindo um histórico sobre a doença com todas as nuanças possíveis.

Em 1846, o mosquito Aedes aegypti tornou-se conhecido quando uma epidemia de dengue atingiu o Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador. Entre 1851 e 1853 e em 1916, São Paulo foi atingida por epidemias da doença. Em 1923, Niterói, no estado do Rio, lutou contra uma epidemia em sua região oceânica. Várias incursões foram feitas no combate ao mosquito, mas nos sentimos frustrados quando o governo Federal resolveu exterminar “os mata mosquitos” e criar a Sucam. Em 1903, Oswaldo Cruz, então Diretor Geral da Saúde Pública, implantou um programa de combate ao mosquito que alcançou seu auge em 1909. Em 1957, foi anunciado que a doença estava erradicada no Brasil, embora os casos continuassem ocorrendo até 1982, quando houve uma epidemia em Roraima.

Ledo engano e é por isso que apelidamos o mosquito do dengue de “mosquito inteligente”. “Contamos com o efetivo apoio dessa matéria que tem o tom de pesquisa com o apoio irrestrito do site:”http://www.combateadengue.com.br/. Já bem recente um novo surto assolou a nossa terra, em 1986, foram registradas epidemias nos estados do Rio de Janeiro, de Alagoas e do Ceará. Nos anos seguintes, outros estados brasileiros foram afetados. Ficamos a imaginar qual a afinidade que o mosquito tem com os estado do Rio de Janeiro, visto que esse Estado é o mais procurado pelos mosquitos e o número de mortes é bem mais acentuado. Encerrando queríamos afirmar que o Ministério da Saúde faça valer e mostrar para a população brasileira com que foi gasto os bilhões de reais arrecadados com a antiga CPMF (Contribuição Provisória de Contribuição Financeira).

E o pior - querem ressuscitá-la como outra sinonímia. No Rio de Janeiro (Região Sudeste) ocorreram duas grandes epidemias. A primeira, em 1986-87, com cerca de 90 mil casos; e a segunda, em 1990-91, com aproximadamente 100 mil casos confirmados. A partir de 1995, o dengue passou a ser registrado em todas as regiões do país. Em 1998 ocorreram 570.148 casos de dengue no Brasil; em 1999 foram registrados 204.210 e, em 2000, até a primeira semana de março, 6.104. Atualmente, o dengue na forma hemorrágica está entre as dez principais causas de hospitalização e morte de crianças em países da Ásia tropical.

Nas Américas, a primeira epidemia de dengue hemorrágico que se tem notícia ocorreu em Cuba, em 1981. Neste ano de 2008, ela se alastrou e causou um grande número de mortes não poupando classe social, raça, credo, ela veio com força total, querendo dizimar por completo a população brasileira.