Capa Jornal Livre
Pesquise no Portal
339940 publicações 26083 colunistas cadastrados
MAIS SEÇÕES
Classificados
Notícias
Música
Sexo
Vídeos
Educação
Política
Negócios
Cinema
Agronegócio
Humor
Utilidade Pública
Autos | Trânsito
CANAIS

Plano prevê ampliação do ensino de música no país


 



Brasília - O coordenador-geral do Plano Nacional de Cultura (PNC), Gustavo Vidigal, fala sobre o lançamento das diretrizes do PNC, que vão definir a política cultural para os próximos dez anos

Brasília - Em 2005, a cidade de São Paulo dispunha de 47 cursos superiores de música. Enquanto isso, os estados do Acre, Amapá, Rondônia, Roraima e Tocantins não tinham sequer uma escola. Com base nesse dado, o Plano Nacional de Cultura (PNC) estabelece como desafio a ampliação da oferta de ensino, pesquisa e formação profissional de música, principalmente clássica.

Os números são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e constam do caderno de diretrizes do plano, que será lançado hoje (3), em Brasília. Segundo a pesquisa do IBGE, somente 11,5% dos municípios brasileiros possuem orquestra, por exemplo.

No entanto, o caderno do PNC não cita a formação de um público que goste de orquestras e concertos como fator preponderante para que a maior difusão da música clássica traga retorno positivo aos investimentos do governo no setor.

Questionado sobre a questão, o representante de música erudita no Conselho Nacional de Políticas Culturais que acompanha e avalia o PNC , Álvaro Santi, defende que essa formação deve se dar por meio da educação musical.

"A formação de público passa, funcionalmente, pela educação musical, e principalmente, antes de mais nada, nas escolas, pelo ensino formal. Inclusive em relação a isso foi aprovado no Senado um projeto para tornar obrigatória a formação musical nas escolas. Isso passa pela educação artística como um todo."

Santi, que é o relator do PNC, acrescentou que, para haver mais clareza sobre o tema será preciso "enxugar" o documento, hoje com 88 páginas. Ele ainda será discutido em cinco seminários regionais e será submetido à consulta pública antes de voltar ao Congresso para substituir o texto do Projeto de Lei nº 6.835/2006, que propõe a aprovação do plano.

"Talvez é uma crítica que se pode fazer a esse documento como está hoje. Talvez ele precise ser mais sintetizado, menos esmiuçado em segmentos, setores e áreas, mas ter diretrizes que possam ser mais abrangentes. Eu acho que é isso que teremos que buscar para esse documento, que na verdade é um documento inicial, para discussão com a sociedade", defendeu Santi.

Já o coordenador-geral do plano, Gustavo Vidigal, acredita que o problema da formação de público e as demais peculiaridades da área de música devem ser resolvidos quando for criado um plano setorial para a música, previsto no PNC assim como para todas as outras áreas.

"O plano nacional aborda a cultura de modo geral e, a partir dele, planos setoriais serão feitos. É um plano que vai ter que ser elaborado e que vai ter que levar em conta que a música popular tem especificidades, assim como a música erudita. O plano tem que dar conta de tanto uma como outra característica especial", pontuou Vidigal.

Outra tese que ele defende é a formação de público deve ser trabalhada por meio de parcerias com os governos municipais e estaduais.

"Formação de público é a típica iniciativa que depende de uma articulação de governo municipal, estadual e União. Todo mundo tem que desenvolver uma política como essa. Mas você não pode discutir formação de público sem discutir o acesso. O estado de São Paulo teve há um tempo atrás uma política muito interessante de formação de público, de levar o teatro às escolas e aproximar a formação do estudante, na escola, das artes", exemplificou.



COMENTAR ARTIGO



   Música



Não achou o que estava procurando?

Digite uma palavra-chave


CANAIS
Advocacia | Direito
Artes | Cultura
Cinema
Humor
Religião
Turismo
COMPRAS
Pesquisar produto
O Jornal Livre é uma rede de conteúdo aberto onde você compartilha seus conhecimentos: vídeos, artigos, notícias, entre outros. O uso deste site implica na aceitação dos Termos e Condições Gerais do Jornal Livre. Os direitos autorais de todas as contribuições para o Jornal Livre pertencem aos seus respectivos autores.
Resolução Mínima de 1024x768 © 2007 - 2016.
Parceiros: Classificados | Free Classifieds | Compra Já | Mega Classificados | Central Brasileirão | Br 360 Graus | Todos os Concursos | Artigos | Anúncio Certo | Classificados Scambo | Anúncio Certo | Só Artigos | Marketing Digital
Permuta Livre