Em público, Lula diz que não deseja disputar a re-reeleição em 2010. Desautoriza os aliados que tramam abrir na Constituição uma janela para o terceiro mandato. Entre quatro paredes, porém, o presidente não se anima a censurar a iniciativa. Teve a oportunidade de fazê-lo há uma semana. Mas preferiu o silêncio.

 

Lula encontrou-se na quinta-feira da semana passada com o deputado Devanir Ribeiro (PT-SP), um velho amigo do sindicalismo do ABC. É de Devanir a idéia que mais irrita a oposição, em especial o PSDB. Ele anuncia a intenção de protocolar na Câmara proposta que dá poderes ao presidente para convocar plebiscitos. O povo seria consultado diretamente sobre qualquer assunto, inclusive o terceiro mandato.

 

Cara a cara com Devanir, que foi ao Planalto para cumprimentar o amigo pela passagem do aniversário de 62 anos, Lula só tratou de amenidades. Nada de reprimendas ou admoestações. “Ele perguntou da minha família. Eu perguntei da dele. Coisa nossa. Pessoal”, relata Devanir, em entrevista ao blog.

 

- Por que propõe o plebiscito?

Hoje, só o Congresso pode convocar plebiscitos. Creio que o presidente da República também deveria ter esse direito. Não é para o Lula. É para qualquer presidente. E pode ser estendido aos governadores e aos prefeitos. O chefe do Executivo tem que ter esse instrumento na mão. Já temos uma democracia consolidada. Ele tem direito de convocar plebiscitos, para ouvir o povo sobre questões relevantes: o aborto, por exemplo. Ou a Constituinte exclusiva para fazer a reforma política A mídia fala em terceiro mandato, compara com a Venezuela. O Brasil não é Venezuela. O plebiscito serviria para saber o que o povo quer para o país.

- A proposta está pronta?

Ela está rascunhada. Estou esperando a oportunidade. Agora, fui procurado pelo deputado Carlos Willian. Ele me disse que pretendia apresentar a emenda autorizando as reeleições. Eu disse: quero dar ao presidente o instrumento do plebiscito, mas essa<