A história do grupo barão vermelho







Biografia “Barão Vermelho”  













Em 1981, estudantes do Colégio Imaculada Conceição, no bairro de Botafogo, Rio de Janeiro, influenciados pelo blues e pela banda Rolling Stones, resolveram formar uma banda de rock’n’roll. Surgia então o Barão Vermelho, com Maurício Barros nos teclados, Guto Golfi na bateria, Roberto Frejat na guitarra e André Cunha no baixo. Por algum tempo, ensaiaram na casa dos pais de Maurício, no bairro carioca do Rio Comprido. Faltava ainda um vocalista. Léo Jaime participou de alguns ensaios, mas acabou indicando o amigo Cazuza. Surgiu assim uma das mais produtivas parcerias do rock nacional: Frejat e Cazuza.

A banda começou realizando shows ao ar livre e lançou sua primeira fita demo, que originaria o primeiro álbum, auto-intitulado, em 1982, do qual se destacaram as faixas “Bilhetinho Azul”, “Down de Mim”, “Ponto Fraco” e “Todo Amor que Houver Nesta Vida”.

Em 1983, a banda ficou em estúdio por um mês e lançou o LP “Barão Vermelho 2”. As rádios, porém, não achavam que as músicas fossem suficientemente comerciais, rejeitando solenemente o álbum. O sucesso só veio mesmo após Ney Matogrosso gravar uma versão para “O Dia Nascer Feliz” e Caetano Veloso ter definido Cazuza como um “grande jovem poeta”, quando incluiu a faixa “Todo Amor que Houver Nesta Vida” em seu show.

Com o sucesso, os garotos do Barão Vermelho foram convidados a compor a trilha sonora do filme “Beth Balanço”, de Lael Rodrigues. A música tema revelou a banda para todo o Brasil. Aproveitando o embalo, o Barão lançou o terceiro disco, “Maior Abandonado”, com os ‘hits’ “Beth Balanço”, “Porque Que a Gente é Assim?” e a faixa título. O álbum vendeu mais de 100 mil cópias.

As provas de fogo para a banda foram a apresentação na Praça da Apoteose, no Rio de Janeiro, em setembro de 84, com a Orquestra Sinfônica Brasileira, e o convite para subir ao palco do Rock in Rio em 85. Finalmente, a carreira estava consolidada.

Cazuza, porém, pensava em fazer um trabalho solo. Frejat o incentivava, desde que para tal não fosse necessária a saída do vocalista da banda. As brigas fizeram com que Cazuza largasse o Barão definitivamente, levando de quebra algumas canções que acabariam fazendo parte do seu primeiro trabalho solo, como “Só as Mães são Felizes” e “Exagerado”. Frejat assumiu então os vocais da banda.

O Barão Vermelho passou por uma fase ruim e a primeira música sem Cazuza foi “Torre de Babel”, gravada num programa infantil de TV. Em 1986 lançaram o quarto LP, “Declare Guerra”, que contou com a participação de letristas como Renato Russo e Arnaldo Antunes, mas o álbum não teve publicidade e a banda sentiu-se abandonada, assinando então um contrato com a WEA.

O LP “Rock n´Geral” foi lançado em 87 com fortes influências do blues, no entanto foi a vez de Maurício deixar o grupo. Entram então o guitarrista Fernando Magalhães e o percussionista Peninha.

Em 88, o álbum “Carnaval”, com a mistura de rock romântico e pesado, estourou nas rádios. A faixa “Pense e Dance” virou ‘hit’ em todo o país.

Em 89, é lançada pela Som Livre a coletânea “Os Melhores Momentos de Cazuza e Barão Vermelho”. Na mesma época, o Barão lançou o LP “Barão ao Vivo”, que vendeu 98 mil cópias.

Em 90, devido a constantes brigas com Frejat, saiu o baixista Dé, sendo substituído por Dadi. Gravaram “Na calada da Noite”, dando ênfase ao lado acústico. Foi nesse álbum que registraram a canção “O Poeta Está Vivo”, que se tornou uma espécie de réquiem para Cazuza, que morreria de AIDS em 7 de julho do mesmo ano.

O Barão recebeu o Prêmio Sharp de “Melhor Conjunto de Rock” em 91 e 92 e foram eleitos pelo público e crítica como “A Melhor Banda do Hollywood Rock”. O nono disco, “Supermercados da Vida”, trouxe participações de Dulce Quental, Guilherme Arantes, Paulinho Moska, entre outros. O baixista Dadi foi substituído por Rodrigo Santos.

Em 94, saiu “Carne Crua”, considerado um dos melhores álbuns de rock de toda a história nacional. As canções “Meus Bons Amigos”, “Daqui por Diante” e “Guarde Essa Canção” conseguiram repercussão imediata. Dois anos depois, “@lbum”, mostrava regravações de músicas conhecidas, como “Vem Quente que Estou Fervendo” e “Perdidos na Selva”.

Flertaram com o eletrônico em “Puro Êxtase”, não agradando aos fãs mais antigos. No fim de 99, lançaram o CD “Balada”, gravado pela MTV, no qual grandes clássicos da carreira do Barão ganharam uma roupagem acústica, mais suave e intimista.

Em 2001, após o Rock in Rio 3, os integrantes do Barão resolveram se dedicar a seus projetos paralelos, voltando somente em 2004 com o disco “Barão Vermelho”, sendo esse o último trabalho do produtor Tom Capone com a banda.

“MTV ao Vivo” saiu em 2005, dando nova energia à banda, com os grandes ‘hits’ acumulados em 14 álbuns e 24 anos de estrada.








Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *