A origem e vantagens da hidroterapia

A hidroterapia é o uso da água na prevenção e tratamento de doenças. Ela é um método tradicional de tratamento que vem sendo usado por diferentes culturas há muitos séculos, principalmente por romanos, chineses, japoneses, egípcios e hebreus.
Johann S. Hahn (1696-1773), é considerado por muitos, o pai da hidroterapia moderna por tratar muitos de seus pacientes utilizando e aperfeiçoando esta técnica. Um monge chamado Sebastian Kneipp também ajudou à popularizar o uso terapêutico da água no século 19.

O efeito curativo da hidroterapia é baseado em seus efeitos mecânicos e ou termais. Ela explora a reação do corpo à estímulos quentes e frios, à pressão exercida pela água e à sensação que ela dá. Os nervos carregam impulsos sentidos na pele, para o interior do corpo, onde estimulam o sistema imunológico, aumentam a circulação, melhoram a digestão e diminuem a sensação de dor.

Geralmente o calor acalma e relaxa o corpo, diminuindo a atividade dos órgãos internos. Já o frio, estimula e revigora a atividade interna. Se você está com os músculos tensos e ansiedade causada pelo estresse, um banho quente ou ducha pode resolver. Se está se sentindo cansada e estressada, você pode tentar tomar um banho morno, seguido de uma ducha rápida fria para ajudar na estimulação de seu corpo e sua mente.

A hidroterapia é indicada para tonificar o corpo, estimular a digestão, a circulação, o sistema imunológico e aliviar a dor. A água parece ter um poder especial para ajudar no combate do estresse e rejuvenescer o corpo. Ela age sobre a pele e os músculos, acalma os pulmões, coração, estômago e sistema endócrino estimulando os reflexos nervosos na espinha dorsal.


Hoje, as técnicas mais utilizadas pela hidroterapia são as duchas, massagens, saunas, banhos de imersão completos ou parciais e compressas. Vamos abordar estas técnicas com mais profundidade em outros artigos.


Lembre-se sempre destas dicas importantes antes de iniciar qualquer tratamento de hidroterapia.



  • Se você é diabético, evite aplicações quentes nos pés e pernas. Evite também tratamentos quentes para o corpo todo.
  • Aqueles com esclerose múltipla, diabetes, mulheres grávidas, ou pessoas que tem pressão arterial muito alta ou baixa, devem evitar banhos de imersão longos e quentes, assim como na sauna.
  • Banhos frios para os pés, devem ser evitados em pessoas propensas à irritações na bexiga, que sofrem de reumatismo nos deodos dos pés e bacia, ou que tem inflamações pélvicas.
  • Pessoas mais idosas ou crianças muito novas podem se cansar pelo calor excessivo das saunas ou banhos de imersão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *