A vida de eurico gaspar dutra

A vida de eurico gaspar dutra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A vida de eurico gaspar dutra

Eurico Gaspar Dutra



Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.








































Marechal Eurico Gaspar Dutra
Presidente do Brasil
Mandato: 31 de janeiro de 1946 até
31 de janeiro de 1951
Vice-presidente Nereu Ramos
Precedido por: José Linhares
Sucedido por: Getúlio Vargas
Nascimento: 18 de maio de 1883
Cuiabá (MT)
Falecimento: 11 de Junho de 1974 (91 anos)
Rio de Janeiro (RJ)
Primeira-dama: Carmela Teles Leite
Partido político: PSD
Profissão: Militar



[[WP:PPO#{{{projecto}}}|…]]

WP:PPO#{{{projecto}}}

Marechal Eurico Gaspar Dutra (Cuiabá, 18 de maio de 1883Rio de Janeiro, 11 de junho de 1974) foi um militar brasileiro e décimo nono Presidente do Brasil e único presidente do Brasil oriundo do Mato Grosso.







Índice

[esconder]



[editar] Biografia



[editar] Começo da carreira


Em 1902, Dutra ingressou na Escola Preparatória e Tática do Rio Pardo, no Rio Grande do Sul e depois na Escola Militar de Realengo e na Escola de Guerra de Porto Alegre. Desta última foi desligado ao protestar contra a campanha de vacinação promovida por Oswaldo Cruz.



[editar] Carreira militar


Em 1922 formou-se na Escola de Estado-Maior. Sua atuação frente Revolução Constitucionalista de 1932, em São Paulo, fez com que fosse recomendado para general e assim em 1932 foi promovido a General de Divisão (na época a patente mais alta. Dois anos antes havia defendido a legalidade frente a Revolução de 1930.


Em 1935 comandou a repressão à Intentona Comunista nas cidades do Rio de Janeiro, Natal e Recife na qualidade de comandante da I Região Militar durante o governo provisório de Getúlio Vargas, que em 5 de dezembro de 1936 o nomearia ministro da Guerra, atual comandante do Exército Brasileiro.


Nesse posto, cumpriu papel decisivo, junto com Getulio Vargas e com o general Góis Monteiro, no fechamento do regime, que levou à instauração da ditadura do Estado Novo em 10 novembro de 1937. Permaneceu no ministério até ser exonerado para poder disputar a eleição de 1945 para presidente.


Após a Segunda Guerra Mundial pregou a redemocratização do país renunciando ao ministério em 3 de agosto de 1945 e participando a seguir, embora sem grande vulto, da queda de Vargas. Paradoxalmente o líder deposto anunciou seu apoio à candidatura de Dutra à Presidência da República nas eleições que se seguiriam.


Dutra candidatou-se pelo Partido Social Democrático (PSD) em coligação com o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e venceu as eleições de 2 de dezembro de 1945 com 3.351.507 votos, superando Eduardo Gomes da União Democrática Nacional e Iedo Fiuza do Partido Comunista Brasileiro.


Para vice-presidente a escolha recaiu sobre o político catarinense Nereu Ramos, também do PSD, eleito pela Assembléia Nacional Constituinte de 1946, porque quando Dutra foi eleito ainda estava em vigência a constituição de 1937, na qual não existia a figura do vice-presidente.



[editar] Presidência


Empossado em 31 de janeiro de 1946, Dutra aproximou-se dos setores conservadores. Não se furtou a receber o apoio da UDN através do chamado Acordo Interpartidário, o que acarretou a marginalização de Vargas e do PTB, que acabaram por romper com o presidente. O governo Dutra foi marcado por uma política econômica conduzida a partir de postulados liberais, pelo rápido esgotamento das reservas cambiais acumuladas durante a guerra e por uma severa política de arrocho salarial. Afastou o país do bloco socialista leste-europeu, inclusive colocando na ilegalidade o PCB em 1947 sob a alegação de que o PCB servia aos interesses da União Soviética, com a qual o Brasil rompeu relações diplomáticas em 1948. Definitivamente deve-se a Dutra boa parte da predominância que os Estados Unidos exerceram sobre o Brasil nas décadas seguintes.



Realizações administrativas

De caráter desenvolvimentista, Eurico Dutra reunia sugestões de vários Ministérios e dava prioridade a quatro áreas: Saúde, Alimentação, Transporte e Energia (cujas iniciais formam a sigla SALTE). Os recursos para a execução do plano SALTE seriam provenientes da Receita Federal e de empréstimos externos, mas fracassou e foi abandonado. O governo de Dutra iniciou a ligação rodoviária do Rio de Janeiro a São Paulo pela estrada que hoje é conhecida como Rodovia Presidente Dutra — uma das mais importantes do país. Entretanto, a resistência da coalizão conservadora e a ortodoxia da equipe econômica acabaram por inviabilizar o plano, que praticamente não saiu do papel.


Foi durante sua gestão na Presidência da República que surgiram o Conselho Nacional de Economia, as Comissões de Planejamento Regional e o Tribunal Federal de Recursos. Em seu governo foi elaborado o Estatuto do Petróleo, a partir do qual tiveram início a construção das primeiras refinarias e a aquisição dos primeiros navios petroleiros. A administração Dutra também criou a Companhia Hidrelétrica do São Francisco (CHESF) e pôs em funcionamento a Hidrelétrica de Paulo Afonso.


Durante seu governo foram extintos os territórios federais de Ponta Porã e Iguaçu.


Uma de suas medidas mais polêmicas foi certamente a Proibição do jogo no Brasil, em 30 de abril de 1946. Em 18 de setembro de 1950 foi inaugurada a TV Tupi, a primeira emissora de televisão do Brasil. Entre 24 de junho e 16 de julho daquele ano o Brasil sediou a Copa do Mundo em cuja partida final a equipe do Uruguai derrotou o Brasil e levantou o título de campeão mundial de futebol.



[editar] Ministros




[editar] Depois da Presidência


Deixou a presidência em janeiro de 1951, mas continuou a participar da vida política brasileira. Em 1964, logo após o golpe militar contra João Goulart, tentou voltar a presidência, mas já estava por demais afastado do grupo militar dominante, sendo preterido por Humberto de Alencar Castelo Branco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *