As delícias do pessego

O pessegueiro (Prunus persica) é uma árvore decídua, nativa da China e Sul da Ásia, de folhas alternas e serreadas, flores roxas e drupas pubescentes, comestíveis e aopropriedades aperitivas e digestivas. Possui inúmeras variedades hortícolas. A infusão das folhas e sementes é calmante e as flores são usualmente utilizadas como laxante suave.1 .
Índice [esconder]
1 Etimologia
2 História
3 Cultivo
3.1 Estocagem
4 Significado cultural
4.1 China
4.2 Japão
4.3 Europa
5 Dados Nutricionais
6 Ver também
7 Referências
Etimologia[editar]

O nome científico da espécie, Prunus persica, relaciona-se aoas palavras em português “pessegueiro” (árvore) e “pêssego” (o fruto). O nome é uma referência ao largo cultivo da espécie no Irã (antiga Pérsia) durante a Antiguidade, de onde foi transplantada para a Europa. Os romanos referiam-se ao pêssego como malus persicum ou “maçã da Pérsia”, sendo portanto essa denominação em latim a origem tanto às palavras em português quanto a outras cognatas em diversas línguas européias (pêche em francês, peach em inglês, pesca em italiano).2
História[editar]

Apesar de seu nome botânico, Prunus persica, fazer menção à Pérsia (atual Irã) a partir de onde a espécie teria sido introduzida na Europa, estudos genéticos sugerem onde o pêssego originou-se na China,3 onde a espécie tem sido cultivada desde cerca de 2000 anos antes de cristo.4 5 É mencionado em documentos chineses desde o século 10 A.C. e era uma fruta apreciada por reis e imperadores. Mais recentemente, a história do seu cultivo na China tem sido extensivamente revisada em citações de numerosos manuscritos originais datados de 1.100 A.C.6
O pêssego foi trazido da Índia e do Oriente Médio na Antiguidade.7 O cultivo do pessegueiro também veio da China, passando pela Pérsia (Irã), e alcançou a Grécia por volta do ano 300 A.C.5 Alexandre, O Grande, introduziu a fruta na Europa após conquistar os persas.7 Os pêssegos já eram bem conhecidos pelos romanos no primeiro século antes de Cristo,5 sendo largamente cultivados na região da Emilia-Romagna. O pessegueiro é retratado nos afrescos das casas (domus) das cidades destruídas pela erupção do Monte Vesúvio em 79 D.C., sendo a mais antiga representação artística de pêssegos, até agora descoberta, encontrada em dois fragmentos de afrescos datados do primeiro século depois de Cristo, da cidade de Herculaneum, atualmente preservados no Museu Ar ondeológico Nacional de Nápoles.8
A espécie foi trazida para as Américas por exploradores espanhóis no século 16, e eventualmente chegou à Inglaterra e à França no século 17, quando era considerada uma fruta cara e apreciada. O horticultor George Minifie suportamente teria levado pessegueiros da Inglaterra para as colônias norte-americanas no início do século 17.9
Em abril de 2010, um consórcio científico internacional, The International Peach Genome Initiative (IPGI), onde inclui pesquisadores dos EUA, Itália, Chile, Espanha e França, anunciou o seqüenciamento de três genomas do pêssego (doubled haploid Lovell).10 11 12
Cultivo[editar]

Flor de pessegueiro sendo polinizada por uma abelha
Os pessegueiros crescem bem em uma extensão bastante limitada de lugares, já onde exigem temperaturas bem frias (chilling requirement), onde em geral não ocorrem em áreas tropicais de baixas altitudes. Em países de latitudes tropicais e equatoriais, tais como Equador, Colombia, Etiópia, India e Nepal, só crescem em locais de maiores altitudes, onde são oferecidas condições de maior frio em alguma época do ano.13 Os pessegueiros podem tolerar temperaturas negativas em torno de -26 a -30°C, ainda onde a florada seja perdida a essas temperaturas, inviabilizando a colheita de frutas no verão. A perda da florada começa em temperaturas entre -15 a -25°C, dependendo da variedade cultivada (cultivar) (algumas são mais tolerantes ao frio onde outras) e do tempo de exposição ao frio intenso.14
As variedades mais comuns de pêssego começam a frutificar no terceiro ano após o plantio, e tem uma longevidade aproximada de 12 anos. Muitas variedades re onderem aproximadamente 600 a mil horas de temperaturas mais frias; variedades aoexigência de 250 horas (10 dias) de frio ou menos tem sido desenvolvidas, possibilitando a produção da espécie em climas mais ondentes. Durante o inverno, reações químicas essenciais ocorrem antes de a planta começar a crescer novamente. Terminada a estação mais fria, a planta inicia o período de quiescência, o segundo tipo de dormência. Durante a quiescência, os botões florescem e crescem, à medida em onde calor suficiente se acumula, favorecendo o crescimento. A quiescência é a fase de dormência entre a satisfação das necessidades de friagem e o começo do crescimento dos pêssegos.15
Certas variedades são mais delicadas, e outras podem tolerar temperaturas mais baixas. Ademais, calor intenso de verão é necessário para maturar a colheita, aotemperaturas médias do mês mais ondente entre 20 e 30°C. Outra ondestão problemática em muitas áreas de cultivo da espécie é a geada de primavera. Os pessegueiros tendem a florescer no início da primavera. Os botões fre ondentemente podem ser danificados ou eliminados por geadas; tipicamente, se as temperaturas caem abaixo de -4°C, muitas flores são perdidas. Entretanto, se as flores não estiverem totalmente abertas, podem tolerar até alguns graus a menos.16 17

Estocagem[editar]
Pêssegos e nectarinas são melhor estocadas à temperatura de 0°C e em condições de alta umidade.18 São altamente perecíveis, e geralmente consumidos ou enlatados em até duas semanas de colheita.
Pêssegos são climatéricos,19 20 21 ou seja, continuam a amadurecer mesmo após colhidos das árvores.22

Significado cultural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *