Avaliação das reações dos pais à internação do filho






























































Tese de Doutorado
Título original Avaliação das reações dos pais à internação do filho em unidade de terapia intensiva e desenvolvimento de uma proposta de apoio psicológico
Autor Baldini, Sonia Maria
E-mail [email protected]
Unidade Faculdade de Medicina (FM)
Área de concentração Pediatria
Orientador ¤ Krebs, Vera Lúcia Jornada
Banca Examinadora ¤ Assumpcao Junior, Francisco Baptista
¤ Carvalho, Werther Brunow de
¤ Ceccon, Maria Esther Jurfest Rivero
¤ Damiani, Durval
¤ Krebs, Vera Lúcia Jornada
Data da Defesa 07/02/2002
Palavras-chave ¤ Criança hospitalizada
¤ Mãe acompanhando filho no hospital
¤ Pacientes internados
¤ Pais/psicologia
¤ Protocolos clínicos/normas
¤ Relações pais-filho
¤ Unidades de terapia intensiva neonatal/tendências
¤ Unidades de terapia intensiva pediátrica/tendências
Resumo Original
Objetivos: Realizar uma avaliação das reações dos pais à internação do filho em unidade de terapia intensiva e desenvolver uma proposta de apoio psicológico. Casuística: Foram entrevistados 48 pais em unidade de terapia intensiva pediátrica e 27 em unidade de terapia intensiva neonatal, além dos pais que participaram nos grupos de pais. Métodos: 1) Realização de entrevistas semi-dirigidas com os pais, utilizando questionários previamente elaborados, à admissão do paciente e durante sua internação; 2) Avaliação do nível de ansiedade dos pais à internação do filho, pela aplicação do Inventário de ansiedade traço-estado; e 3) Realização de grupos de pais em unidade de terapia intensiva pediátrica, com a participação de equipe multiprofissional. Resultados: Em ambas as unidades de terapia intensiva as reações mais freqüentemente citadas pelos pais ao início da internação foram de desespero e tristeza, e citaram as necessidades de apoio psicológico como as mais importantes neste momento. Os principais sentimentos relatados no decorrer da internação foram de preocupação, medo e tristeza, e a maioria dos pais em ambas as UTIs ficaram assustados com a aparência do filho. Os níveis de ansiedade mostraram-se significativamente elevados à ocasião da internação do filho, não havendo diferença entre os pais em UTI pediátrica e neonatal. O grupo de pais revelou-se uma técnica eficaz de apoio psicológico em UTI. Conclusões: Há necessidade de apoio psicológico aos pais de pacientes pediátricos internados tanto em UTI pediátrica como neonatal, pelo elevado nível de ansiedade, desespero e tristeza que apresentam à internação do filho. As entrevistas semidirigidas com a aplicação dos questionários propostos para 11 avaliação dos pais mostraram-se estratégias adequadas para a investigação do estado emocional desses pais e constituem formas eficientes de fornecer apoio psicológico durante a realização das mesmas. O grupo de pais possibilitou o contato direto com profissionais de diversas áreas, com disposição a escutá-los, valorizá-los, compreender seus sentimentos e esclarecer suas dúvidas. Permitiu o convívio com outros pais em fases diferentes da mesma situação, mobilizando recursos para lidar com o período crítico da doença e internação e o apoio no processo de luto do filho saudável para conseguirem um vínculo satisfatório com o filho doente. A questão da morte, as dificuldades com a equipe, a falta de apoio de familiares e outras questões extremamente angustiantes puderam ser ampla e abertamente discutidas nos grupos, trazendo esclarecimentos e alívio. A reunião com a equipe após os grupos mostrou-se de extrema importância para a uniformização de condutas, entendimento das reações dos pais, e discussões relativas ao relacionamento entre eles e a equipe. Em relação às entrevistas individuais semi-dirigidas, o grupo de pais mostrou-se uma estratégia complementar, já que os mesmos problemas e queixas são discutidos de formas diferentes nos dois tipos de intervenção.
Título em Inglês Assessment of parents reactions to the admission of their child into an intensive care unit and development of a proposal of psychological support.
Palavras-chave em Inglês ¤ Child hospitalized
¤ Clinical protocols/standards
¤ Inpatients
¤ Intensive care units pediatric/trends
¤ Intensive care units neonatal/trends
¤ Parent-child relations
¤ Parents/psychology
Resumo em Inglês
Objectives: Assessment of parents reactions to the admission of their child into an ICU and development of a proposal of psychological support. Sample: 48 interviewed parents in pediatric ICU and 27 in neonatal ICU were included besides the participants of the groups of parents. Procedures: 1) Semi-directed interviews were performed with parents, with the application of previously elaborated questionaires; 2) Assessment of the parents anxiety at the admission of the child in ICU, with the application of the State-Trait Anxiety Inventory; and 3) lead groups of parents were performed in pediatric ICU with the participation of multidisciplinary staff. Results: The most frequent reactions cited by the parents to the admission of the child in an ICU were despair and sadness. Moreover, psychological support was the most essencial need at that moment. The most important feelings cited during hospitalization were worry, fear and sadness, and most parents in both ICU were very scared of the appearance of their children. There was a significant increase in parents anxiety at the admission of the child, and there were no differences between the scores of parents anxiety in pediatric or neonatal ICU. The group of parents was a good technique of psychological support in ICU. Conclusions: Psychological support to parents of pediatric patients admitted to an ICU is necessary, because of high anxiety level, dispair and sadness that parents show at the admission of their child to an ICU. The semi-directed interviews with the appication of the proposed questionaires to the assessment of parents were good techiques for the investigation of the emotional state of these parents and constituted efficient ways of giving them psychological support. The group of parents permitted the direct contact with professionals of various areas, willing to listen to them, value them, understand their feelings and clarify their doubts. They permitted contact with other parents in different phases of the same situation, mobilizing resources for dealing with the critical period of the disease and admission, and giving support in the mourning process of the healthy child so that they could get a satisfactory attachment to the sick one. The subject of death, the difficulties with the staff, the lack of support from relatives and other highly anxious questions could be discussed during the group sessions widely, bringing clarity and relief. The meetings with the staff after the group sessions were very important to unify the procedures, understand the parents reactions, and discuss the relationship between them and the staff. In relation to the individual semi-directed interviews, the parents group revealed a complementary technique, as the same problems and complaints were discussed in different ways in both forms of intervention.
Arquivos








Nome Tamanho
¤ soniambaldini.pdf 787.32 Kb
Data de Publicação 02/07/2007

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *