Cálculos biliares o que é?

Cálculos biliares ou cálculos das vias biliares, tecnicamente são chamados de litíase biliar. Litíase vem do grego “lithos”- pedra. De fato, cálculos são pedras mais ou menos duras.

Conceito de Vias Biliares:

O fígado tem múltiplas funções e uma delas é produzir bile que será eliminada através do intestino. O órgão se constitui de duas porções, chamadas lobos, que por sua vez se subdividem em vários segmentos.

A via biliar é um conjunto de canais que se forma dentro do fígado e que confluem de modo completamente similar a um rio. Começam com canalículos, dentro dos diversos segmentos, que vão confluindo até formar dois canais maiores que drenam o lobo hepático direito e o lobo hepático esquerdo.

Já ao saírem do fígado, esses dois canais se unem para formar um canal hepático comum que, depois de receber o canal da vesícula biliar, continua com o nome de colédoco.

Este nada mais é do que a última porção da via biliar que desembocará no duodeno, sendo este a primeira porção do intestino delgado.

Nessa junção do colédoco com o duodeno, há um músculo circular, denominado esfíncter de Oddi, que regula a passagem de bile para o intestino. O colédoco reforçado por esse esfíncter, ao entrar no duodeno, forma uma saliência visível designada papila duodenal.

A vesícula biliar é uma bolsa, localizada sob o fígado, fora deste, comparável a um lago, que se comunica com a via biliar comum por um canal próprio, o ducto cístico. Na vesícula biliar a bile se concentra no intervalo das refeições e é esguichada, logo após as mesmas, para o intestino.

Onde ocorrem cálculos biliares?

Cálculos biliares podem existir em qualquer porção da via biliar, mas aparecem comumente na vesícula e com menor freqüência no colédoco.

Como se formam os cálculos biliares?

A bile tem três componentes básicos: bilirrubina, sais biliares e colesterol. A bilirrubina é um pigmento derivado da destruição dos glóbulos vermelhos do sangue, efetuada no baço. Através da circulação, é levada para o fígado que a elimina pelos canais biliares; ela dá a cor à bile. O fígado produz os sais biliares que são importantes no processo de digestão dos alimentos, especialmente das gorduras. O colesterol é eliminado pelo fígado, através da bile. Há um equilíbrio físico-químico entre essas três substâncias que mantêm a bile em estado líquido. Rupturas nesse equilíbrio provocam precipitação de seus componentes, dando origem aos cálculos. Os componentes dos cálculos, entre outros, são sais de cálcio e colesterol. Conforme a predominância, serão cálculos colesterólicos, cálcicos ou mistos.

Conseqüências da litíase biliar?

Os cálculos biliares podem permanecer silenciosos durante anos ou se manifestarem a qualquer momento. Quando um cálculo da vesícula biliar obstrui o ducto cístico, seu canal de drenagem pára o colédoco, provocando contração da parede muscular da vesícula que se traduz por dor em cólica – cólica biliar. Quando o cálculo se encrava no ducto cístico, impedindo a passagem de bile, esta é retida e desencadeia um processo inflamatório agudo – colecistite aguda. Habitualmente, nessa bile retida, crescem bactérias e a vesícula obstruída se comporta com um abscesso e pode ser o desencadeamento de doença grave.

A colecistite aguda pode regredir ou não. Quando for persistente, vai se comportar como um abscesso local. Pode romper, ficando bloqueada sob o fígado ou romper para dentro do abdômen provocando peritonite aguda. Quando um cálculo localizado no colédoco obstrui esse canal, a bile não passa para o intestino e reflui através das células hepáticas para a corrente circulatória. A bilirrubina refluída para o sangue provoca uma cor amarelada típica da pele – icterícia. Essa bile retida pode infectar, provocando doença grave designada colangite aguda.

Cálculos biliares e câncer

O câncer da vesícula biliar não é freqüente e o câncer em canais biliares é ainda mais raro. Seu índice de cura é muito baixo. Câncer da vesícula biliar é relacionado à presença de cálculos em seu interior, habitualmente presentes há muito tempo.

Tratamento da litíase biliar

A litíase biliar sintomática deve ser tratada. Seu tratamento habitual é cirúrgico. A litíase de colédoco pode ser tratada por endoscopia: o endoscopista faz uma incisão na papila duodenal, corta o esfíncter de Oddi e, por essa abertura, retira os cálculos. Houve mudança importante na abordagem cirúrgica da via biliar com o desenvolvimento da cirurgia laparoscópica. A ressecção laparoscópica da vesícula biliar é totalmente similar à extração do órgão por cirurgia tradicional, aberta.

Com essa nova abordagem cirúrgica (videolaparoscopia), há menos dor pós-operatória, recuperação mais rápida para as atividades normais, menor tempo de internação hospitalar e evitam-se complicações inerentes a extensas incisões cirúrgicas no abdômen.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *