Com seus oito milhões de habitantes, com cerca de 18,7 milhões de habitantes

História

[editar] Até 1674

A região onde actualmente se localiza a cidade de Nova Iorque era habitada anteriormente por nativos americanos, principalmente pelo povo nativo americano Lenape. Acredita-se que o primeiro explorador europeu a explorar a região foi o italiano Giovanni da Verrazano, em serviço ao Rei Francisco I de França. Verrazzano desembarcou na atual ilha de Staten, em 1524, enquanto explorava a costa americana.

Outros exploradores também passaram pela região, após Verrazzano, seguindo descrições dadas pelos nativos Lenape, sobre a existência de uma ilha que eles chamavam de Manahata, mas nenhum deles conseguiu localizar a tal ilha, que é atualmente Manhattan. Foi somente em 1609 que Henry Hudson localizou e desembarcou na ilha de Manhattan. Hudson era um inglês em serviço dos Países Baixos, e, naturalmente, os neerlandeses tomaram posse da área descoberta. Eles nomearam a região de Novos Países Baixos.

Em 1613, o explorador e comerciante neerlandês Adriaen Block e sua tripulação tornaram-se os primeiros europeus a viverem na ilha de Manhattan, quando passaram o inverno deste ano na ilha, em pequenas cabanas de palha, devido a um incêndio que destruiu do navio em que eles viajavam. No final do inverno, já em 1614, Adrien e sua tripulação construíram um novo navio, e saíram de Manhattan na primavera.

Em 1624, a Companhia Holandesa das Índias Orientais, uma empresa de comércio e colonização, mandou um grupo de assentadores à Manhattan. Em 1625, tais assentadores construíram uma cidade e um forte chamado Forte Amsterdam, no sul da ilha. No ano seguinte, o governador dos Novos Países Baixos comprou aos nativos algoquian o terreno da ilha de Manhattan por produtos (cujo valor total era de 24 dólares americanos, em valores atuais).

A cidade construída na ilha de Manhattan logo foi nomeada de Nova Amsterdam. Nova Amsterdam cresceu lentamente durante seus primeiros anos, por causa da péssima administração dos primeiros governadores mandados pela metrópole, para a administração Novos Países Baixos. Mas, em 1647, com o competente Peter Stuyvesant assumindo este cargo, a colônia neerlandesa prosperou rapidamente.

Cerca de mil habitantes viviam na cidade, por volta de 1650. Em 1653, os colonizadores construíram uma muralha ao sul da cidade, por medo de ataques dos nativos americanos. Mas o muro caiu em poucos anos, e em seu lugar, os colonizadores construíram uma rua, que seria posteriomente conhecida como Wall Street.

A prosperidade económica da cidade e a pouca importância dada pelos governadores da colónia neerlandesa ao balanço étnico-racial da comunidade, atraiu imigrantes como espanhóis e judeus e africanos. Entre eles, em 1654, um grupo de judeus, que haviam sido expulsos do Brasil. De fato, na primeira sinagoga localizada em Manhatan ainda se lê alguns pergaminhos em português[carece de fontes?].

[editar] 1674 – 1760

Os Países Baixos e a Inglaterra enfrentaram-se em três guerras, as Guerras Anglo-Neerlandesas, que duraram entre 1652 a 1670. Em 1664, a força naval inglesa forçou entrada na baía de Nova Iorque, e capturando a cidade de Nova Iorque enfrentando mínima resistência dos habitantes da cidade. Os ingleses renomearam a cidade de New York, em homenagem a James, Duque de York.

Em 1673, os neerlandeses recuperaram novamente a cidade, e o renomearam de New Orange, mas um ano depois, em 1674, cederam definitivamente a cidade aos ingleses (bem como toda a região de Novos Países Baixos), após a derrota neerlandesa na Terceira Guerra Anglo-Neerlandesa.

A cidade cresceu rapidamente sob controle inglês. Em 1700, a cidade possuía uma população de sete mil habitantes, e ruas e estruturas cobriam a parte inferior de Manhattan. O primeiro jornal diário da cidade, o New York Gazette, foi impresso pela primeira vez em 1725. Liberdade de imprensa foi instituída em 1735. Em 1754, foi construída a primeira faculdade da cidade, a Kings College, que é atualmente a Universidade de Columbia. Em 1756, o Dia de São Patrício foi celebrada em 17 de março, que desde então é famosa mundialmente como a parada de São Patrício, que é um feriado na cidade e tem influência direta dos imigrantes Irlandeses – as pessoas saem às ruas vestidos de verde para o desfile.

[editar] 1760 – 1880
Nova Iorque em 1848.
Nova Iorque em 1848.
Bairro de Bowery, em 1895, em pintura de Louis Sontag.
Bairro de Bowery, em 1895, em pintura de Louis Sontag.

A cidade de Nova Iorque teve um papel essencial ao longo da resistência americana ao controle britânico. Em 1765, comerciantes juntaram-se no centro na cidade, protestando novos impostos criados pelos britânicos. Em 1770, habitantes da cidade enfrentaram soldados britânicos, tendo uma pessoa morrido em combate.

Logo que a Guerra da Independência dos Estados Unidos da América começara, em 1775, os rebeldes americanos tomaram controle da cidade de Nova Iorque. Mas em 1776, os britânicos recapturaram a cidade, que continuou sob domínio britânico até o final da guerra, em 1783.

Em janeiro de 1785, e até 1790, Nova Iorque foi escolhida para ser a capital temporária do recém-formado Estados Unidos da América. George Washington foi eleito como o primeiro Presidente do país em 1789, na cidade. Então, Nova Iorque, com seus 49 mil habitantes, era a terceira maior cidade do país, superada apenas por Boston e da Filadélfia. Mas Nova Iorque cresceu rapidamente, tanto economicamente quanto populacionalmente, devido à sua excelente posição geográfica e às excelentes condições da baía de Nova Iorque. Em 1792, a bolsa de valores de Nova Iorque foi criada, na Wall Street. Por volta de 1800, Nova Iorque tinha cerca de 60 mil habitantes, e já era a maior cidade dos Estados Unidos.

Em 1811, a municipalidade de Nova Iorque, buscando melhor planejar o crescimento da cidade, que até então crescera desordenamente, decidiu que toda via pública construída na cidade teria que correr em linhas paralelas, num sentido norte-sul (avenidas) ou leste-oeste (ruas).

O Canal de Erie, que permitiu acesso dos Grandes Lagos ao Oceano Atlântico, foi aberto em 1825, e a importância da cidade de Nova Iorque como um centro portuário crescera bastante, ultrapassando a cidade de Montreal, e tornando Nova Iorque a cidade portuária mais importante do leste americano. Além disto, um número crescente de bancos e companhias financeiras que escolheram Nova Iorque como sede contribuíram muito para o rápido crescimento da cidade.

Ao longo do século XIX, milhares de imigrantes desembarcavam na cidade, anualmente. Até o final do século, por volta de 1890, a maioria era procedente da Alemanha, Irlanda, Inglaterra, Suécia, Noruega ou Dinamarca e após 1890, Itália. Muitos imigrantes tinham muitos problemas para se ajustarem ao estilo de vida americano, vivendo em favelas super lotadas e tendo problemas para conseguir um trabalho.

Uma sociedade política, a Tammany Hall Society, composta de diversos políticos do Partido Democrático, oferecia postos de trabalho, presentes e conselhos aos imigrantes, em troca de votos para membros da sociedade. Como consequência, esta organização política controlou a cidade por um longo período de tempo, até 1934.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *