Como é vista a passagem (morte) na umbanda?

Este foi, e ainda é, o maior medo da humanidade. Ela, a passagem, nada mais é do que o inicio de uma nova etapa de existência, positiva ou negativa, dependendo do que se tenha feito para o merecimento de tais diferenças. Todos nós, estamos envolvidos por esta camada fétida, chamada “matéria”, que se envelhece a cada segundo que se passa, por um único motivo: Aperfeiçoamento espiritual. E como conseguirmos este aperfeiçoamento? Através do amor, que é o sentimento mátri, dele, nasce todos os outros sentimentos, inclusive os negativos, por isso, deve-se tomar muito cuidado. Estamos aqui, neste invólucro material, para nos aperfeiçoarmos através da reencarnação, pois não é como muitas religiões que se alimentam do medo e da incompreensão dos seus fieis dizem, pois todos os espíritos serão totalmente purificados em um certo tempo determinado para cada um, por isso, a reencarnação, para que os espíritos se livrem de suas dívidas passadas, e se aperfeiçoem, para que se desprendam cada vez mais da matéria; e é aí que entra aquele velho ditado: “Aqui se faz, aqui se paga”. nenhum espírito será sempre um espírito sem luz (esclarecimento), pois isso, só depende do arrependimento do espírito, pois quando ele se arrepender das suas faltas, ele terá, após um certo período, uma nova chance para se redimir, sendo que ele mesmo, terá a chance de escolher o seu karma, e é aí que entram as pessoas que já nascem aleijadas, as doenças que a ciência não consegue descobrir a origem e a cura, e quando descobrem, sempre aparecem outras muito piores; pois é através do sofrimento, é que o espírito irá se aperfeiçoar, pois assim, ele, o espírito envolvido na matéria, irá “sentir na pele”, o sofrimento que ele causou a outras pessoas em vidas passadas. Sendo que tempo não é importante, isso é o que se menos pensa no mundo espiritual, pois todos os espíritos desencarnados, sabem que o espírito é eterno, ou seja, todos nós somos eternos. Muitos espíritos sem luz, se julgam casos perdidos, pois pensam que nunca irão se aperfeiçoar. Por quê? Por causa da ignorância de muitas religiões, que teimam em dizer que o tal do Demônio existe, aquele Demônio dos católicos que fica sentado em um trono, nos quintos do inferno, e se alimentando do mal e, que tem como seu maior rival, o Poder Supremo. Ignorância pura! Pois não existe nada que se oponha ao grande Poder Supremo. Como já foi dito, existem espíritos sem esclarecimento, e que quando são chamados de Demônios, se sentem poderosos demais ou, se julgam casos perdidos; sendo que ao invés de excomunga-los como determinadas religiões de fundamentos ignorantes fazem, devemos pedir por eles, devemos tentar explica-los de uma maneira sutil, o caminho certo, e não trata-los com desprezo, pois um dia, poderemos ser tratados assim, pois “o que plantamos, colheremos”. Isso, sem contar que, talvez em um certo tempo, talvez alguém já nos tenha tratado com desprezo, talvez até este próprio espírito que está precisando de ajuda, e é a hora de fazermos o contrário. Por tanto, a passagem é uma forma de evolução, por isso, ela já mais deve ser forçada (suicídio ou assassinato), pois fazendo isso, iremos estar perdendo a chance de nos aperfeiçoarmos; estaremos fugindo do nosso destino, e ainda, ganhando mais uma divida, pois a vida é uma dádiva, e se desfazer desta dádiva, é se desfazer do próprio Poder Supremo. Lembrando que, sempre temos uma escolha, e devemos pensar muito bem antes de seguirmos determinado caminho, pois é nisto, que também nos aperfeiçoamos, aprendendo a medir as conseqüências. Por estas e outras razões, é que não devemos temer a morte, devemos agradecer todos os dias esta chance de nos redimirmos e de nos aperfeiçoarmos, e não de ficarmos reclamando por mínimas coisas; devemos aprender a aceitar o que nos foi reservado, mesmo que isso seja de muito custo e, talvez, até incompreensível a todos nós. Sabemos que é triste vermos a passagem de uma pessoa querida, mas devemos entender, que esta pessoa, já terminou a sua missão, junta a forças superiores; se não for por suicídio, pois se for, devemos simplesmente pedir (tentar explicar o que é certo e o que é errado, e, não ficar rezando sem parar ou mandando celebrar missas) por esta pessoa, e ela irá se aperfeiçoar da mesma forma, lembrando que o tempo varia muito; sendo que se o desencarnado tiver sido uma boa pessoa em vida, e tenha forçado a sua passagem por uma fraqueza de espírito, o seu aperfeiçoamento será muito mais rápido. Por isso, devemos viver a vida com bastante intensidade, pois não é o tempo de vida que importa, mas sim, como vivemos este tempo que nos é dado. Também, compreendendo que passagem é passagem, e não importa a forma que se ocorra esta passagem, se é por acidente, por doenças etc.; a passagem é a mesma, o que muda, é o que a pessoa pode passar até que a passagem se consume, ou seja, o karma que lhe resta. Devemos nos lembrar que, a passagem, é o início de uma nova etapa de existência, e para que esta etapa seja positiva, devemos fazer por merecer, pois só tememos aquilo que não compreendemos. Por isso, é que devemos passar a aceitar o que nos foi reservado, pois a passagem é inevitável, pois ela existe para o nosso bem. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *