Como o mosquito da malaria é atraido?

 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


Pesquisadores da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, identificaram um elemento químico no suor humano que atrai o mosquito transmissor da malária na África em suas vítimas.


Os cientistas acreditam que o conhecimento sobre a molécula do suor e como ela funciona pode levar à formulação de novos repelentes e outros mecanismos para combater insetos.


A malária é causada por um parasita microscópico transportado pelo mosquito e transmitido de um humano para outro cada vez que o mosquito suga um pouco de sangue.


O estudo da equipe de Yale liderada por John Carlson foi publicado na revista científica Nature.


Mistério


Apenas a fêmea do mosquito pica pessoas, escolhendo sua vítima, na maioria das vezes, usando seu agudo olfato.


O olfato do mosquito da malária tem um alcance considerável. O inseto pode “farejar” sua vítima a centenas de metros de distância.


Mas precisamente como o inseto faz isso era um mistério até o novo estudo.


O grupo de Carlson detalhou esse trajeto químico. Experimentos de engenharia genética com insetos mostraram que pequenas quantidades de suor humano são suficientes para ativar as células nervosas localizadas nas antenas do mosquito.


Odor


O elemento químico no suor responsável por essa atração é o 4-metilfenol. Os cientistas encontraram inclusive o receptor nas células que interceptam o composto. Ele é chamado de AgOr1.


Um segundo receptor, o AgOr2, parece responder a um elemento diferente no suor, o 2-metilfenol.


“É a primeira vez que um determinado receptor químico de mosquitos demonstrou responder a odores de suor humano”, disse John Carlson, que faz parte do Departamento de Yale de Biologia Molecular, Celular e de Desenvolvimento.


“Ele é encontrado apenas na fêmea do mosquito, o que é interessante, porque apenas a fêmea pica as pessoas.”


A pesquisa cria expectativas a respeito de um avanço importante na luta contra a malária.


Na África, o mosquito, chamado de Anopheles gambiae, é o principal transmissor do parasita da malária (Plasmodium falciparum), o mais perigoso de quatro parasitas diferentes.


Em todo o mundo, são registrados pelo menos 300 milhões de casos de malária por ano, resultando em mais de um milhão de mortes.


Cerca de 90% dessas mortes ocorrem na África. A maioria das vítimas são crianças.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *