Definiçoes para traumas e bloqueios

TRAUMAS E BLOQUEIOS
Busca:

TRAUMAS E BLOQUEIOS

De modo geral, os aspectos do desenvolvimento emocional do ser humano ficam registrados, guardados e armazenados em nosso inconsciente e modificam nossas vidas, mas nem sempre de uma forma agradável como queremos.

Momentos de grande angústia nos tiram o sono, enquanto nos perguntamos qual o melhor caminho a trilhar.

Precisamos consultar o nosso juiz interno, muitas vezes confuso, e decidir o que é certo e o que é errado.

O coração pede por um lado, mas a razão argumenta e torce pelo outro, e aí se instala o conflito que causa ansiedade e angústia.

Quando dúvidas tão fortes aparecem, é até comum se desencadearem reações físicas no nosso corpo como mal-estar, baixa resistência a vírus, baixa imunidade a bactérias, dores pelo corpo, tonturas, enxaquecas, alterações na pressão sangüínea, hipertensão – é o emocional acionando o físico; começam a aparecer sintomas que nunca havíamos sentido antes, comprometendo nosso relacionamento diário, e passamos a ter um comportamento muitas vezes explosivo, agressivo e insuportável para com as pessoas que convivemos, que estão à nossa volta.

Dependendo das atitudes e das decisões que tomamos, mudamos totalmente o rumo de nossas vidas, mesmo que essa decisão, muitas vezes tensa, signifique uma perda definitiva e também desnecessária, tornando-se por muito tempo sofredora.

Dependendo também de como estas emoções foram arquivadas e registradas no nosso inconsciente e agridam nosso físico, vão instalando-se os famosos bloqueios, os traumas, os complexos, os problemas sexuais, e o desenvolvimento em todos os sentidos da vida passa a ser prejudicado, lento e conturbado, surgindo desentendimentos no lar, separações, brigas e desequilíbrios de uma forma geral.

O indivíduo não consegue se firmar profissional e financeiramente, permanecendo sempre com dúvidas e com insegurança em relação ao caminho a seguir em sua vida.

Hoje em dia muita gente vive se culpando por tudo. Principalmente as mulheres, que costumam viver cheias de remorso, por estarem acima do peso, por não terem amamentado o filho, por terem brigado com a mãe, com o marido ou com o filho, por pensarem em si próprias e esquecerem de alguém, por não terem feito isso ou aquilo antes e agora não dar mais tempo… “n” tipos de pensamentos de culpa.

Se seu ombro anda pesado demais, cuidado!

Imagine se a humanidade fosse isenta do sentimento de culpa! Seria um caos total, um verdadeiro Deus-nos-acuda, pois poderíamos perder o controle dos nossos instintos agressivos e destrutivos e sair atirando por todo o lado.

Apesar de ser essencial para evitar que as pessoas saiam por aí atirando por todo o lado, o sentimento de culpa em dose exagerada pode tornar-se uma prisão capaz de levar o organismo a responder com problemas físicos e emocionais. Com as cobranças, o homem moderno, além de adotar padrões sociais e éticos, enfrenta uma batalha pessoal pelas escolhas erradas que faz.

O limite entre o certo e o errado já não é tão definido.

Surgiram tantas exigências que as pessoas cobram de si a perfeição em tudo. Ser magro, esbelto, bonito, bem-sucedido, colaborar com o social, ser excelente profissional, excelente mãe, excelente dona de casa, deixar tudo em ordem, brilhar em tudo.

O alto índice de exigência da sociedade atual é um potente gerador de culpas e cobranças.

Muitas mulheres cobram eficiência e qualidade total em suas tarefas de mãe, esposa, profissional, amante, amiga e filha, não podendo falhar, não se permitindo errar!

Com o homem não é diferente. Se antes seu papel era só de provedor da família, hoje ele deve ser bom pai, bom marido, participativo, profissional exemplar e ainda muitos ajudam nos afazeres domésticos e na educação dos filhos.

Diante de tanta pressão, não é nada fácil dar conta de tudo.

Acumular muitas funções e não conseguir desempenhá-las direito pode ser pior do que você imagina. Quando você se dá conta, está mergulhado até o pescoço em um mar de sentimentos negativos. Haja culpa, haja cobrança…

O perigo é maior quando a pessoa acha que deve se punir por seus erros reais e imaginários.

O sentimento de culpa é um assunto sério. De acordo com as pesquisas realizadas por estudiosos da mente, 75% das pessoas que adoecem estão punindo a si mesmas.

A depressão e a síndrome do pânico são muito comuns em pessoas com elevado sentimento de culpa. E nesses casos em particular, a qualidade de vida dessas pessoas vai por água abaixo.

As pessoas que procuram autopunição costumam ter relacionamentos complicados, não se desenvolvem profissionalmente, tornando-se submissas, com dificuldades em impor limites e em sentir prazer na vida. Além disso, elas perdem também a auto-estima e o amor-próprio.

Não permita que isso atrapalhe sua vida! Faça terapia psicanalítica e viva mais tranqüilamente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *