Desempenho de bolt nas olipiadas

Questionado por vários críticos, seja por seu jeito brincalhão durante a disputa das provas ou por suspeitarem que ele esteja usando algum aditivo para melhorar seu desempenho, Usain Bolt entrou na pista do Estádio Nacional, conhecido como Ninho de Pássaro, mais introspectivo do que nas eliminatórias e até do que na final dos 100 metros rasos, quando quebrou o recorde mundial (9s69).

Após alguns minutos de rápido aquecimento, o atleta esboçou uma pequena dança, cerca de três minutos antes da prova. Ao ter seu nome anunciado, flashes começam a ser disparados da arquibancada e o jamaicano fez o sinal carcaterístico que vem marcando a sua participação nos Jogos Olímpicos: os dois dedos indicadores apontando para sua imagem no telão.

Silêncio no Ninho de Pássaro. A largada é dada, a euforia toma conta das arquibancadas. Nos primeiros 100 metros a disputa é acirrada. Após virar a curva, Bolt domina e com folga começa a abrir vantagem para os rivais na reta final. Porém, dessa vez, não vem nenhuma ironia ou nem passadas mais tranqüilas.

Seleção espera tensão e quer “inteligência” contra Itália
Rapadura vira combustível de nadadora brasileira
Em meio à “azaração”, casais levam romantismo à Vila
Está na hora de colocar a medalha no peito, diz Marta
Assista aos Jogos de Pequim em seu desktop e compartilhe no Orkut

Apenas após a chegada, Bolt reduz o ritmo e esboça uma reação. Olha para o telão, vê 19s30 no placar, percebe que acabou de deixar o recorde de 12 anos do norte-americano Michael Johnson para trás em 0s02. A alegria e o jeito brincalhão voltam a tomar conta de Bolt, enquanto as pessoas nas arquibancadas do Estádio Nacional não acreditavam no que tinham acabado de ver.

O jamaicano inicia a volta olímpica, pega uma bandeira da Jamaica e, em frente ao local de onde deu a largada para entrar na história como apenas o nono homem a ganhar os 100 m e os 200 m rasos, tira as sapatilhas e faz uma dança típica de seu país.

Com a sensação de dever cumprido, o atleta respirou aliviado na entrevista após a vitória. “Era um sonho que eu tinha desde os 15 anos ganhar os 200 metros. Essa prova para mim era mais importante do que a dos 100 metros”.

Calmo, Bolt preferiu não entrar em polêmica sobre as declarações de Michael Johnson, horas antes da prova, dizendo que não achava que o jamaicano conseguiria fazer 19s30.
Olimpíada no Terra: ao vivo e exclusivo
Brasileira Juliana Veloso admite sentir medo de alturas elevadas
Atleta carioca diz que não chega perto de varandas e luta para controlar o temor de se contundir em seus saltos ornamentais.
Leia mais

Veja também:
» Nadadora ganha força com rapadura
» Ex-catador de laranjas vive decepção
» Pancadaria irrita técnico de brasileira
» Bernardinho admite “cornetagem” no jogo Argentina x Brasil
» Confira o quadro geral de medalhas

Xiang abdica de seguro milionário
Fora dos 110 m com barreira por contusão, ídolo chinês decide ficar sem cerca de R$ 23 milhões.
Leia mais

Veja também:
» Protesto americano tira prata das Antilhas
» Usain Bolt diz ter deixado mundo boquiaberto
» Prefeito de Londres vai à China receber chama

Agente: Robinho fica no Real Madrid
Diante da recusa do time espanhol, empresário admite que atacante não irá para o Chelsea.
Leia mais

Veja também:
» Manchester pode entrar na briga por Huntelaar
» Jornal garante volta de Shevchenko ao Milan
» Betis garante permanência de Rafael Sóbis
Amistoso 1
Campeã européia vence Dinamarca
Em Copenhague, time espanhol passa fácil pelos donos da casa.
Fotos Leia mais

Amistoso 2
Inglaterra arranca empate no final
Em Wembley, equipe de Capello sofre diante da República Checa.
Fotos Leia mais

Em Minsk, Argentina fica no empate
sem gols com a seleção bielo-russa
Enquanto seleção olímpica caminha rumo ao
ouro em Pequim, time principal argentino não consegue nada além de um empate em Minsk.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *