Deutsche luftwaffe

Deutsche Luftwaffe ou Luftwaffe Sound? ouvir (alemão: força aérea, literalmente “arma de aviação”) é o termo geralmente usado para designar a força aérea alemã desde sua criação (em 1935, por Adolf Hitler, sendo comandada por Hermann Göring) e ainda usado após a Segunda Guerra Mundial. Geralmente, a palavra Luftwaffe não é específica a um país particular, assim sendo “Britische Luftwaffe” significaria “força aérea britânica”. A história das forças militares alemãs da aviação começou em 1910 com a fundação do serviço aéreo e do exército do Império Alemão, contudo não foi contínua porque a Alemanha perdeu ambas as guerras mundiais (19141918 e 19391945). Consequentemente, a Alemanha não teve nenhuma força aérea militar entre 1918 e 1935 e outra vez entre 1945 e 1956.


Durante a Segunda Guerra Mundial, a Luftwaffe teve um papel fundamental na rápida conquista da Europa Oriental e Ocidental, e na criação do conceito da Blitzkrieg. Mais tarde, apesar de seus melhores esforços, não pôde impedir a derrota da Alemanha, visto que a Luftwaffe combatia em dois fronts, e devido à falta de reposição de aviões, graças ao bombardeio aliado constante em fábricas e cidades alemãs, e por lutar com um inimigo com maior força numérica.


Entre 1956 e 1990 havia duas forças aéreas na Alemanha, em conseqüência da ruptura em dois da Alemanha derrotada em 1945. Após a reunificação a força aérea da Alemanha Oriental foi dissolvida e sua estrutura foi incorporada pela Luftwaffe. Em 1999 no Kosovo, a Luftwaffe teve sua primeira ação notada em guerra desde o fim da Segunda Guerra Mundial.



[editar] História



[editar] Primeira Guerra Mundial





Manfred von Richthofen, conhecido como “Barão Vermelho”, um dos maiores ases da primeira guerra mundial

O precursor da Luftwaffe foi fundado em 1910 antes do rompimento da Primeira Guerra Mundial, e era usado como um serviço aéreo do exército do Império alemão, o Luftstreitkräfte (Serviço Aéreo Imperial). Como o uso do avião para fins militares era recente, este serviço era usado primariamente para reconhecimento e sustentação do exército em terra, e antes do avião, usava-se balões para este fim, como se deu na guerra franco-prussiana (18701871).


Durante a Primeira Guerra Mundial, o Serviço Aéreo Imperial do exército utilizou uma grande variedade de aviões, variando entre caças (fabricados pela Albatros-Flugzeugwerke e pela Fokker), dos aviões de reconhecimento (Aviatik e DFW) e dos bombardeiros pesados (Gothaer Waggonfabrik, e Zeppelin-Staaken).


Entretanto, os caças receberam maior atenção nos anais da aviação militar, desde que produziram “ases” como Manfred von Richthofen, conhecido popularmente em inglês como Red Baron (Barão Vermelho), e em alemão como Der Rote Kampfflieger (Guerreiro-voador vermelho), e outros grandes pilotos como Ernst Udet, Hermann Göring, Oswald Boelcke, Max Immelmann (primeiro aviador a ganhar a Pour le Mérite, condecoração mais elevada do Império Alemão), e Werner Voss. Para melhorar a marinha alemã, e o exército alemão, foi usado também dirigíveis para alvos militares e civis no bombardeio da França, da Bélgica e do Reino Unido. Todo avião militar alemão e Austro-Húngaro em serviço usou como insígnia a cruz de ferro até 1918, quando foi substituída pela Balkenkreuz, uma cruz grega preta e branca. Depois que a guerra terminou com a derrota alemã, o serviço foi dissolvido completamente sob as condições do Tratado de Versalhes, que exigiu que seus aviões fossem destruídos completamente. Em conseqüência deste ato, a Luftwaffe não é considerada a força aérea independente mais velha do mundo, sendo que a Royal Air Force do Reino Unido é mais velha, tendo sido fundada em 1 de abril de 1918.



[editar] Período do entre-guerras


Desde a proibição infligida à Alemanha pelo Tratado de Versalhes, estava proibida a formação de uma força aérea, mas a necessidade de treinar pilotos para uma possível futura guerra era grande. Então, o treinamento era feito em segredo usando inicialmente escolas de aviação civil. A fim de treinar seus pilotos em aviões de combate mais modernos, a Alemanha solicitou a ajuda da URSS. Um aeródromo secreto de treinamento foi estabelecido em Lipetsk em 1924 e operado por aproximadamente nove anos, usando na maior parte neerlandeses, russos e alemães, até ser fechado em 1933.


Esta base foi conhecida oficialmente como o 4º esquadrão da 40º asa do exército vermelho. Em 26 de fevereiro de 1935, Adolf Hitler requisitou que Hermann Göring restabelecesse a Luftwaffe, rompendo assim o Tratado de Versalhes assinado em 1919. A Alemanha quebrou o tratado sem a sanção do Reino Unido, da França e da Liga das Nações, contudo nenhuma das duas nações, nem a Liga, fez qualquer coisa para se opôr a isto ou a qualquer outra ação que quebrasse as previsões do tratado. Entretanto, vale a pena notar que antes da promulgação oficial, a Luftwaffe estava operando como uma força aérea paramilitar conhecida como Deutscher Luftverband (união alemão do ar), tendo Ernst Udet como comandante. Fritz Todt, coordenador que fundou a Organisation Todt, foi apontado para o posto de General na Luftwaffe. Não era, estritamente falando, um aviador, embora servisse em um esquadrão da observação durante a Primeira Guerra Mundial, ganhando a cruz de ferro. Morreu em um ataque aéreo em fevereiro 1942.





Bandeira do alto comando da Luftwaffe, tendo a águia ao centro

Diz-se que Hermann Göring escolheu pessoalmente um emblema para a Luftwaffe que diferiu daquele das outras filiais armadas. A águia, um símbolo velho do império alemão, remanesceu, mas com uma outra postura. Göring recusou a velha águia heráldica que lhe pareceu muito estilizada e estática, e escolheu algo mais novo, uma águia mais natural e mais clara, com as asas espalhadas na posição do vôo, o que era mais apropriado para uma força aérea. Desde 1933, quando o Partido Nacional Socialista de Hitler subiu ao poder, a águia prendeu entre suas garras o símbolo do partido, a suástica, com as duas garras, enquanto a águia da Luftwaffe prendeu a suástica somente com uma garra enquanto a outra foi dobrada em um gesto ameaçador.


A Luftwaffe teve a oportunidade ideal de testar seus pilotos, aviões e táticas na guerra civil espanhola, quando em Julho de 1936 Hitler manda a Legião Condor ao General Francisco Franco, líder nacionalista espanhol, para lutar contra os republicanos e comunistas. As máquinas modernas incluíram os nomes que se tornariam famosos no mundo: o bombardeiro de mergulho Junkers Ju 87, mais conhecido como Stuka, e o caça Messerschmitt Bf 109. Um bombardeio sistemático das cidades durante a segunda guerra mundial veio em abril de 1937, quando uma força combinada de bombardeiros alemães e italianos sob o comando espanhol nacional destruiu a maioria da cidade basca de Guernica, na Espanha. Este bombardeio foi condenado por todo mundo, e a memória coletiva do horror do bombardeio em civis tem sempre se tornado mais aguda através da pintura famosa, nomeada com o nome da cidade, pelo artista Cubista, Pablo Picasso. Muitos temeram que esta seria a maneira que as guerras futuras do ar estariam conduzidas, e desde que o estrategista italiano, o general Giulio Douhet, formulou as teorias a respeito do que seriam um “bombardeio estratégico”, a idéia que as guerras seriam ganhas golpeando do ar no coração do músculo industrial de uma nação, e assim desmoralizando a população civil ao ponto onde o governo dessa nação seria forçado a se render.



[editar] Segunda Guerra Mundial


Desde a sua formação antes da guerra, a Luftwaffe era uma das forças aéreas mais modernas, mais poderosas e experientes no mundo, dominando os céus sobre Europa com aviões que eram muito mais avançados do que suas contrapartes iniciais. A Luftwaffe era central à doutrina alemã da Blitzkrieg, porque o apoio aéreo próximo fornecido por bombardeiros de mergulho Stuka e uma força oprimindo os caças de defesa, eram a chaves a diversos sucessos posteriores. Depois da batalha da Grã-Bretanha, entretanto, a Luftwaffe entrou em um declínio constante, gradual. Para o fim da guerra a Luftwaffe era já não um fator principal, e apesar de dos avanços no campo da aviação como o Me 262, ficou debilitada por faltas de combustível, pela capacidade insuficiente da produção e por falta de pilotos treinados.



[editar] Guerra fria





Emblema da Força Aérea da RDA, na fuselagem de um MiG-23.

Após a guerra, a aviação alemã no geral foi cortada severamente, e a aviação militar foi proibida quando a Luftwaffe foi derrotada oficialmente em agosto 1944. Isto mudou quando Alemanha Ocidental se juntou a OTAN em 1955, porque os aliados ocidentais acreditaram que Alemanha necessitava possuir uma força aérea em vista da crescente ameaça militar da URSS e de seus aliados do Pacto de Varsóvia. Todo avião continuou a ter a cruz de ferro na fuselagem, herança dos dias da Primeira Guerra Mundial.


Muitos pilotos de caças bem conhecidos, que tinham lutado pela Luftwaffe na Segunda Guerra Mundial, juntaram a nova força aérea do pós-guerra e submeteram-se ao treinamento de atualização nos EUA antes de retornar a Alemanha Ocidental. Estes incluíram Erich Hartmann, o piloto da Luftwaffe que derrubou o maior número de aviões inimigos (352), e outros pilotos como Gerhard Barkhorn (301), Günther Rall (275) e Johannes Steinhoff (176). Steinhoff, sofreu um ataque aéreo em um Messerschmitt Me 262 logo antes do fim da guerra, que resultou em grandes cicatrizes em seu rosto e em outras partes de seu corpo. Josef Kammhuber serviu também com a Luftwaffe pós-guerra, aposentando-se em 1962 como o Inspekteur der Bundesluftwaffe.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *