Doação de leite materno no distrito federal





























Autor: Lucienne Christine Estevez de Alencar
[pt] Doação de leite materno no Distrito Federal : aspectos psicossociais e experiências de mulheres doadoras
Instituição de Defesa: Universidade de Brasília
Data de Defesa: 2006-11-27
Resumo: [pt] As políticas públicas de fortalecimento dos bancos de leite e de incentivo ao aleitamento materno indicam a necessidade de se conhecer o perfil sociodemográfico e aspectos psicossociais envolvidos na doação de leite humano. O estudo teve como objetivos: (1) caracterizar o comportamento de doação e compreender os motivos, crenças e sentimentos relativos a essa prática, segundo relatos de mulheres doadoras cadastradas em dois bancos de leite da rede pública de saúde do Distrito Federal; (2) descrever as redes de suporte social informal e formal/institucional, identificando o nível de satisfação quanto ao apoio recebido pelas doadoras. As participantes foram 36 mulheres (27 doadoras e 9 ex-doadoras), com idades que variaram de 14 a 33 anos (M=24,78; DP=5,22), com níveis diversos de escolaridade, 58,3% eram primigestas. Trata-se de estudo exploratório, descritivo, de corte transversal; o procedimento de coleta de dados baseou-se em realização de entrevista, no domicílio das doadoras, com base em instrumentos elaborados para o estudo. Além das análises estatísticas descritivas de dados quantitativos, procedeu-se à análise de conteúdo dos dados qualitativos. Quanto aos motivos relatados para a doação de leite, a categoria altruísmo e excesso de produção lática foram as mais citadas. Observou-se que a maioria (n=25;72,2%) das mulheres ordenhava seu leite mais de uma vez ao dia. A alimentação, a falta de tempo disponível para ordenhar, os aspectos emocionais e a ingestão de líquidos foram consideradas as categorias que mais interferiram na produção lática. Quanto à técnica usada, houve predomínio da ordenha manual, mas o uso da “conchinha” foi citado por quase um terço das doadoras (n=11). Quanto à percepção de vantagens da conduta de doação, grande parte dos relatos se referiu à categoria “execução de um ato valorizado socialmente”. Relativamente à facilidade para a doação, 24 mulheres mencionaram o apoio institucional do serviço especializado e a maioria (n=25) não citou dificuldades no desempenho dessa conduta e não apontou desvantagens (n=28). Na percepção do apoio social, as principais fontes informais mencionadas foram o cônjuge/companheiro e a mãe, predominando a freqüência do apoio emocional, seguida pelo apoio instrumental. Em relação à satisfação pertinente ao apoio recebido, 91,7% mencionaram-na com as pessoas de seu convívio social; em contrapartida, 58,3%, manifestaram satisfação com o apoio formal/institucional. Atenção e suporte da instituição (BLH) às doadoras e campanhas de divulgação na mídia sobre doação de leite foram sugestões mais citadas pelas participantes para a melhoria do apoio dos BLH às doadoras. A relevância deste trabalho se deve ao fato do seu pioneirismo, no Brasil, em pesquisar sobre os aspectos psicossociais e experiências de mulheres doadoras, podendo contribuir para a solidificação da rede de apoio e suporte social formal e informal de doação, além de servir de estímulo para a implementação de estratégias políticas na esfera pública de saúde que favoreçam o reforço deste ato.
Titulação: Mestre em Psicologia
Contribuidor(es): Áderson Luiz Costa Junior
Dirce Guilhem de Matos
Eliane Maria Fleury Seidl
João Aprigio Guerra de Almeida
Assuntos: [pt] Amamentação
[pt] Psicologia social – Mulheres grávidas
[pt] Amas-de-leite – Aspectos psicológicos
[pt] PSICOLOGIA
[pt] Lactação
Documentos Digitais: [pt] Texto completo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *