Doença celíaca o que é ?

É uma doença do intestino delgado, com maior ou menor atrofia das vilosidades da mucosa, causando prejuízo na absorção dos nutrientes, vitaminas, sais minerais e água.

As vilosidades são ondulações ou dobras microscópicas da camada que acarpeta internamente o intestino delgado (mucosa), que servem para aumentar a superfície de absorção e para sediar células com funções especializadas na digestão.

Quando a mucosa sofre agressões de tipos variados, ocorre um achatamento das dobras e uma diminuição da digestão e da absorção, resultando em diarréia crônica e suas repercussões: emagrecimento, distensão abdominal, inchaço das pernas e outros sinais de desnutrição protéico-calórica. Poderão acontecer deficiências no desenvolvimento da criança e mau estado de saúde geral no adulto.

Na Europa, a doença pelo glúten pode ocorrer em uma de cada 300 pessoas; nos EUA é mais freqüente nos brancos que nos negros; dez por cento dos parentes de primeiro grau podem apresentar a mesma dificuldade.

Como se desenvolve ?

Se a doença começa após a introdução de certos cereais – aveia, cevada, centeio ou trigo – na alimentação da criança, o assunto será da alçada pediátrica.

O diagnóstico tem sido feito entre os adultos com diarréia há mais de três ou quatro semanas. Aceita-se que a doença pode permanecer latente ou com sintomas mínimos e ocasionais durante longos períodos da vida.

Os cereais que contêm glúten têm gliadina – uma fração protéica – que é a responsável pelo dano na mucosa intestinal. As causas, entre outras em estudo, poderiam ser: predisposição genética, falta de enzima digestiva e formação de anticorpos.

O que se sente ?

Diarréia é a evidência mais freqüente, ainda que não necessariamente a primeira.

São queixas ou constatações:
 










































fezes fétidas, claras, volumosas, sobrenadantes, com ou sem gotas de gordura;
distensão abdominal por gases, cólicas, náuseas e vômitos;
dificuldade de adquirir peso e facilidade para perdê-lo;
baixa estatura;
fraqueza geral;
modificação do humor, dificuldade para um sono reparador;
alterações na pele;
fraqueza das unhas, queda de pêlos;
anemia por deficiente absorção do ferro e da Vitamina B 12;
alterações do ciclo menstrual;
diminuição da fertilidade;
inchaço dos membros inferiores;
osteoporose.

É interessante a observação de que sintomas da infância podem desaparecer na adolescência, para reaparecer na maturidade ou mesmo na velhice.

Como o médico faz o diagnóstico ?

Quando a história clínica é rica, a hipótese de Doença Celíaca surge naturalmente, permitindo, em certos ambientes, testar o diagnóstico usando, por três meses, uma dieta isenta de glúten. Se os sintomas melhorarem com a suspensão e piorarem com a re-introdução do glúten na alimentação, tem-se uma confirmação diagnóstica. Uma escalada de exames de sangue, urina, fezes e de imagem, poderá ser necessária rumo ao diagnóstico.

A verificação de gorduras não digeridas nas fezes significa, principalmente, que há uma dificuldade na sua absorção pela mucosa ou uma insuficiente produção de enzimas pancreáticas. O chamado Teste de Absorção da Xilose, quando alterado, sugere lesão da mucosa do intestino delgado, portanto, dificuldade de absorção.

O estudo radiológico do intestino delgado com ingestão de contraste baritado sugere o diagnóstico quando mostra um intestino dilatado com pregas mucosas espessadas e alisadas contendo bário floculado e disperso.

O exame microscópico do material colhido pela biópsia endoscópica da mucosa do jejuno, quando demonstra o achatamento das vilosidades, faz o diagnóstico de Doença Celíaca.

A franca positividade sanguínea dos Anticorpos Anti-Gliadina e Anti-Transglutaminase Tecidual (tTG), tem valor diagnóstico equivalente ao da biópsia e podem ser obtidos em nosso meio. O Anticorpo Anti-Endomísio, muito importante até há pouco tempo, foi substituído, com vantagem, pelo Anti-tTG.

O diagnóstico diferencial deve ser feito com Doença de Crohn, Supercrescimento Bactérico, Gastroenterite Eosinofílica, Espru Tropical, Linfoma do Intestino Delgado, Intolerância à Lactose e Síndrome de Zollinger-Ellison.

Há a possibilidade de encontrarmos uma associação com: Dermatite Herpetiforme, Diabete Insulino-Dependente, Retocolite Ulcerativa, Tireoidite Auto-Imune, Colangite Esclerosante, Síndrome de Sjöegren, Cirrose Biliar Primária.

Como se trata?

Pela não utilização permanente do Glúten na alimentação e pela reposição de tudo que se saiba poder estar deficiente; a ajuda de Nutricionista está indicada.

Eventualmente, está indicado o uso de “pancreatina” e de corticosteróide, bem como de ciclosporina – um imuno-supressor – mais para alcançar o controle de fase diarréica intensa.

Como se previne?

Exceto por não comer alimento que contenha glúten, não se conhece prevenção.

Perguntas que você pode fazer ao seu médico

Posso ter vida normal se tiver os cuidados com a alimentação?

Como posso saber se posso ou não comer determinado alimento?

Tenho risco de outras doenças por causa dessa?

Existem exames de sangue que ajudem no diagnóstico?

Para que serve a endoscopia nesse caso?

Outras pessoas da família têm também risco de ter essa doença?

Essa doença tem cura?

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *