Economia mercadoria cultural

Bernard Miège em 1978, publicou “Capitalisme et Industries Culturelles”, onde buscou interrogar sobre o conceito real de mercadoria cultural, qual obstáculo o sistema capitalista encontraria para produzir valor a partir da arte e da cultura? A mercadoria cultural materializada em livro, disco, filme, tv, jornal, revista, etc, segue uma determinada lógica.

Em seu estudo a indústria cultural não é uma coisa só, é um conjunto de elementos que se diferenciam, se segmentam para rentabilizar o mercado cultural e no modo de institucionalização das indústrias culturais que abarcam serviço público, relações públicas, pesquisa, etc. Além de referir-se ao caráter empresarial de planejamento, produção e distribuição de tais mercadorias.

Patrice Flichy em “Les Industries de l´imaginaire”, busca entender o conceito de “cultura de onda”, emissões culturais continuadas, onde a informação e expressão cultural individualmente é menor do que o conjunto de programação cultural oferecida. Flichy aborda sobre o uso social das máquinas de comunicação, e seu interesse na produção de hardware e software neste uso.

Dentro da economia capitalista, a mercadoria cultural necessita de audiência, ou seja, consumidores. Através de comportamentos e modismos é necessário construir audiência, interesse pelas mercadorias culturais.


Os principais produtores mundiais são: Estados Unidos, Índia e Rússia, sendo que o Brasil aparece apenas em 7º lugar com uma produção total de 23.320 toneladas/ano. Essa posição desvantajosa no país deve-se principalmente a baixa produtividade/animal e sua principal causa é o rebanho não ser selecionado geneticamente para a produção de leite (animais zebuínos).

Além do imenso potencial produtivo do país (grandes áreas, mão-de-obra, clima), há ainda um crescente mercado interno. Baseando o consumo nas recomendações do Ministério da Saúde, podemos estimar que a nossa produção fica muito abaixo do que seria necessário (38 bilhões de toneladas/ano) se os brasileiros ingerissem as quantidades recomendadas de leite (tabela 2).

Há inúmeras formas de se aumentar a produtividade por animal, entre elas: investir em genética dos animais (raças com habilidade para produção de leite), melhorar o manejo dos animais, dar suporte com uma nutrição adequada dos mesmos, investir em instalações adequadas e melhorar as qualidades sanitárias do rebanho.

Tabela 2. Consumo recomendado de leite pelo Ministério da Saúde (CNPATIA, 2006).

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *