Estudo da interação fuido rocha nos depositos da lavrinha





























Autor: Manoel Correa da Costa Neto
[pt] Estudo da interação fuido-rocha nos depositos da lavrinha, distrito aurifero de Pontes e Lacerda-MT
Instituição de Defesa: Universidade Estadual de Campinas . Instituto de Geociencias
Data de Defesa: 1998-03-06
Resumo: [en] Gold deposits of Lavrinha region, Mato Grosso State, are associated to quartz veins in shear zones formed by low angle tangencial compressive tectonics in a ductil-ruptil regim. As a result, the Proterozoic metasediments of the Aguapei group were thrusted above an igneous basement, represented by metagabros, basalts, tonalites and granites. These processes evolved to dextral transcurrences related a ruptile-ductile reglm. The gold can be founded in two structural domains: the lower domain: is represented by deformed igneous rocks, sheared in the contact area with lithotipes of the Aguapei group (metarenites and metaconglomerates); the upper is composed of quartz-sericite xists, magnetite-quartz-sericite xists and sericite xists and has intermediate position in the sediment strata ofthe Fortuna Formation (Aguapei group). The ore paragenesis is composed by pyrite and hematite where gold is c10sely related. The alteration mineral assemblage inc1ude rutile, epidote, chlorite, and carbonates which occurr in a restrict way. Sericitization is the most pervasive hydrothermal alteration. Fluids involved in the hydrothermal processes were identified as aquo-carbonic and low salinity aqueous fluid inc1usions (approximately 5% ofweight correspondent to NaCI), trapped in inc1usions of quartz veins. It is proposed that the gold was transported as a [Au(HS)2] complexo Its precipitation could be related to imiscibility processes of warmer aquo-carbonic fluids with metamorphic origin followed by an interaction with colder aqueous fluids possible from meteoric nature. Temperature conditions ofhydrotermal processes were estimated by the chlorite geothermometer and ranges between 303-335°C
[pt] As mineralizações auríferas da Lavrinha, Mato Grosso, estão associadas a veios de quartzo em zonas de cisalhamento, geradas por uma tectônica compressiva, tangencial de baixo ângulo em regime dúctil-rúptil. Como conseqüência os metassedimentos proterozóicos do Grupo Aguapeí foram empurrados sobre um piso representado por rochas ígneas (metagabro, basalto, tonalito e granito) pertencentes ao embasamento. Este processo evoluiu para transcorrências dextrais associadas a regime rúptil-dúctil. O ouro é encontrado em dois níveis estruturais: o nível estrutural inferior é representado por rochas ígneas deformadas e cisalhadas na zona de contato com os litotipos do Grupo Aguapeí (metarenitos e metaconglomerados); o nível superior, representado por quartzo-sericita xisto, magnetita-quartzo-sericita xisto e sericita xisto está localizado em nível intermediário do pacote de metassedimentos da Formação Fortuna (Grupo Aguapeí). A paragênese de minério é composta por pirita e hematita, às quais o ouro está intimamente associado. A assembléia mineral de alteração inclui: rutilo, epídoto, clorita e carbonato que ocorrem de modo restrito, sendo a sericitização a mais pervassiva alteração hidrotermal. Os fluídos envolvidos no processo hidrotermal foram identificados em inclusões fluídas aquo-carbônicas e aquosas de baixa salinidade (aproximadamente 5% em peso equivalente de NaCI), aprisionadas em quartzo de veios. Propõe-se que o ouro foi transportado como um complexo [Au(HSh]. Sua preciptação estaria associada a processo de imiscibilidade de fluídos aquo-carbônicos mais quentes, de possível natureza metamórfica, seguido de interação com fluídos aquosos mais frios, de possível natureza meteórica. As condições de temperatura em que ocorreu o processo hidrotermal foram estimadas com o geotermômetro da clorita em 303 – 3350 C
Titulação: Mestre em Geociencias
Contribuidor(es): Sebastiao Gomes de Carvalho
Roberto Perez Xavier
Job Jesus Batista
Roberto Perez Xavier [Orientador]
Assuntos: [pt] Ouro
[pt] Geologia estrutural
[pt] Alteração hidrotermal
[pt] Inclusões fluidas
Documentos Digitais: Download Arquivo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *