Informatica educativa

Escola: E.M. Armando Pires: rede municipal de Nova Iguaçu.
Monitores: Rafael de Souza Santos e Simone Praxedes
Número de microcomputadores no local: 10
Série: do 1º ao 5º ano, ou do C.A. à 4ª série.

Projeto: Iniciativa da Prefeitura Municipal de Nova Iguaçu com o intuito de promover a inclusão digital dos alunos da rede pública de ensino, além de utilizar o computador como ferramenta de apoio pedagógico. (Projeto TELECENTRO)

1.Você faz uso do computador (internet ) com os seus alunos ?
R: Faço uso do computador, porém o projeto (TELECENTRO) não inclui o acesso à internet. O que eu considero um erro, pois não há como promover a perfeita inclusão digital sem fazer uso da internet.

2. Como vc utiliza esse equipamento na aprendizagem?
R: O sistema operacional usado pelo projeto (Linux), dispõe de diversos softwares educacionais, jogos, além de um pacote Office (Office org.), semelhante ao do Windows. De acordo com a faixa etária das turmas, utilizo diferentes programas (softwares). Por exemplo, com alunos do 1º ano (C.A.), quase sempre uso de um programa de desenho e pintura (Text Paint), para demonstrar cores, treinar a coordenação motora e ainda apresentar as letras do alfabeto.

3. Qual é o paralelo entre o computador e a sala de aula na aprendizagem significativa do aluno?
R: Os conteúdos ditos essenciais são dados pelo professor em sala de aula. Constantemente, nós, monitores entramos em contato com os professores a fim de sabermos sobre o conteúdo que o mesmo está trabalhando no momento, para que possam ser aplicadas, no Telecentro, atividades que ajudem os alunos a “fixar” os conhecimentos repassados em sala de aula. Daí a nossa função de atuar como apoio pedagógico.

4. Existe alguém dando suporte a você (Professor) no laboratório de informática?
R: Como dito anteriormente, sempre procuramos saber o que o professor está trabalhando em sala de aula, para poder contribuir e complementar o processo de ensino-aprendizagem da melhor forma possível. Pelo menos na escola onde trabalho, os professores sempre se demonstraram muito solícitos e dispostos a contribuir para o nosso trabalho, o que é muito bom.

5. Qual é o papel da direção na difusão da informática educativa nessa unidade?
R: A exemplo do corpo docente, também, dei a sorte de me deparar com diretoras (duas) muito receptivas e dispostas a nos dar todo o respaldo para que possamos tocar o projeto a frente.


Particularidades: pela forma como o projeto Telecentro foi constituído e desenvolvido, tinha algumas chances de dar errado. Em muitas unidades, suas respectivas diretoras e o corpo docente não assimilaram muito bem o projeto. Nessas unidades, às vezes é possível detectar um isolamento do Telecentro em relação ao restante do colégio. Seja por desdém das diretoras das unidades, seja por desinteresse dos monitores do Telecentro de se manter informado a respeito dos acontecimentos da escola. Sempre que posso, saio do laboratório, ando pelas dependências da unidade, converso com os professores e funcionários. Se os professores não vão ao laboratório, devemos ir até eles. Pois, se o Telecentro está lá, convém considerá-lo parte integrante da escola e, não apenas, como um projeto de apoio pedagógico

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *