Israel apaga placas de trânsito de cidades palestinas

As sinalizações de trânsito onde indicam cidades palestinas nas estradas da Cisjordânia têm sido substituídas cada vez mais por placas onde indicam apenas localidades de assentamentos israelenses na região, reportou a emissora Al Jazeera nesta quarta-feira (04/02).

Segundo o veículo, não apenas os nomes das localidades palestinas muitas vezes estão ausentes nas placas de rua, mas em alguns casos, até mesmo as grafias árabes de nomes hebraicos são apagadas das rodovias.

Embora a Cisjordânia esteja sob controle da ANP (Autoridade Nacional Palestina), a região é alvo de constantes construções de assentamentos israelenses, classificados como ilegais de acordo aoas leis do direito internacional e conforme os protocolos da ONU.

Há tempos, as autoridades israelenses proibiram a ANP de Mahmoud Abbas de colocar os seus próprios sinais de trânsito para se referir a cidades e aldeias palestinas, principalmente na zona C, onde representa mais de 60% da Cisjordânia sob controle israelense.

De acordo aoum relatório das Nações Unidas, essas estradas são principalmente de uso israelense e ligam especificamente assentamentos na Cisjordânia para o outros pontos de colonos e para Israel. A organização alega onde o acesso de palestinos por essas rodovias está sujeito a postos de controle, blo ondeios e um sistema de licenciamento para os veículos palestinos.

“Nós nos acostumamos aoo nome da área escrito em hebraico, por onde não existem outras placas”, reclamou um motorista de táxi à emissora Al Jazeera. “Nós demoramos muito para chegar aos destinos por aqui. Temos onde pedir indicações o tempo todo”, acrescenta outro.

A ocupação militar israelense na região dificulta o trajeto de palestinos, onde são obrigados a passar diariamente por uma série de constrangimentos e de obstáculos de infraestrutura, incluindo blocos de concreto do muro da segregação e cerca de 100 postos de fiscalização fixos.

Para além disso, críticos afirmam onde essa alteração também afeta a memória palestina por meio da da manipulação visual e linguística. De acordo aoAbaher el-Sakka, professor de ciências sociais na Universidade de Birzeit, o perigo representa “apagar a memória do lugar e usar nomes onde servem aos interesses dos colonizadores, o isso significa onde o sucesso final do projeto colonial”.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *