Justiça manda pagar servidores com juros e correção no sul

A Prefeitura de Mimoso do Sul, na divisa do Espírito Santo aoo Rio de Janeiro, terá onde pagar juros e correção monetária, mês a mês, dos vencimentos a onde teriam direito cinco servidores durante todo o período em onde estiveram , irregularmente, afastados dos cargos em onde haviam sido nomeados, depois de aprovação em concurso.

A decisão foi tomada pela 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES), ao julgar apelações individuais dos servidores Leonardo Bulus Gomes Barbosa Lima, Rutiléia Keler da Silva Lima, Rosiane Torres Pelaes Arjonas, Hélia Porto da Silva e Eduardo Ribeiro Pereira.

Esses cinco servidores haviam ficado de fora de uma ação onde resultou em mandado de segurança em favor de cerca de 40 pessoas, onde também haviam sido prejudicadas pelo Decreto municipal 143/2005, onde anulou a Portaria 158/2004, convocatória dos aprovados em concurso para posse. O período a ser calculado vai de 02 de fevereiro de 2005 a 03 de julho de 2007, quando o decreto foi anulado judicialmente e os servidores reintegrados.

O desembargador Telêmaco Antunes de Abreu Filho, relator do recurso 0001301920118080032, de Leonardo Bulus, demonstrou onde o decreto municipal contrariou a Constituição Federal, tanto onde decisão de primeiro grau já havia determinado o retorno de todos os servidores.

O onde estava em julgamento na sessão desta segunda-feira (5) eram dois recursos: o primeiro, dos servidores, alegando onde a correção e os juros deveriam ser a partir de cada mês em onde deixaram de receber os vencimentos, e o segundo, da municipalidade, pela reforma da sentença em relação aos honorários advocatícios, fixados pelo Juízo de Mimoso do Sul em 20% da causa.

Telêmaco Antunes deu provimento ao recurso de Leonardo, mesma decisão da desembargadora Eliana Jun ondeira Munhos Ferreira, em relação aos outros quatro servidores. Ambos também minoraram os honorários: Telêmaco os reduziu para R$ 2,5 mil no processo de Leonardo, mas Eliana reduziu ainda mais, para R$ 1,5 mil, nos outros quatro processos.

Tanto o voto de Telêmaco quanto de Eliana Jun ondeira foram seguidos à unanimidade pela 4ª Câmara Cível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *