micotoxinas em alimentos e bebidas nacionais





























Autor: Luciane Mie Kawashima
[pt] Micotoxinas em alimentos e bebidas nacionais produzidos e comercializados em diferentes regiões do Brasil.
[en] Mycotoxins in nationals foods and beverages produced and commercialized in severals Brazilian regions.
Instituição de Defesa: Universidade Estadual de Campinas . Faculdade de Engenharia de Alimentos
Data de Defesa: 2004-02-11
Resumo: [en] Mycotoxins are secondary fungi metabolites with toxic effects for humans and animals. They are of great importance for the public health and the economy of a country. In Brazil, mycotoxins have been the object of research mainly in the center south region and more recently in the southern region of the country. There is a lack of information about foods consumed in other regions. On other hand, there are a great number of Brazilian foods unexamined for the presence of mycotoxins as well as mycotoxins that have not been studied in the country. With the objective of examining foods and beverages produced in different regions of the country, the present work was divided in three main bodies: (a) Development of an analytical method for determining patulin and verruculogen by high performance liquid chromatography in tomato pulps followed by a survey of the presence of these toxins in tomato pulps processed in two Brazilian regions; (b) Evaluation of the occurrence of fumonisin B1, aflatoxins B1, B2, G1 e G2, ochratoxin A and zearalenone in corn-based food products commercialized in a northeastern city of the country; (c) Survey of the occurrence of fumonisin B1 in beer produced in several Brazilian states. During the first phase of the work, a method for the determination of patulin and verruculogen in tomato pulps was developed and evaluated. The method involved an extraction with ethyl acetate, cleanup with a silica gel column and quantification by high performance liquid chromatography with diode array detector. Quantification limits were 10 ng/g for patulin and 20 ng/g for verruculogen. Fourteen production lots of tomato pulps processed in 1996/1997 and 15 production lots processed in 1997/1998 from a plant located in the state of São Paulo and another located in the state of Goiás were analyzed for patulin and verruculogen. Patulin and verruculogen were found in none the samples analyzed. In a second phase 74 samples of corn-based foods commercialized in the city of Recife, state of Pernambuco, during the period of 1999 to 2001, were analyzed for fumonisin B1, aflatoxins B1, B2, G1 and G2, ochratoxin A and zearalenone. Aflatoxins B1, B2, G1 and G2, ochratoxin A and zearalenone were xv determined by thin layer chromatography according to SOARES &RODRIGUEZAMAYA (1989). Fumonisin B1 was determined by high performance liquid chromatography as described by SHEPHARD et al. (1990) and modified by CAMARGOS et al. (1999). Among all mycotoxins searched for, fumonisin B1 was the one most frequently found and it was present in 94.6% of the samples in concentrations varying from 20 to 8600 ug/Kg. Only 5 samples contained aflatoxin B1 (max = 20 ug/Kg) and 3 of the samples also had aflatoxin B2 (max = 3 ug/Kg). Two of the samples exceeded the limit of 20 ug/Kg for the sum of the aflatoxins B1, B2, G1 e G2, one sample of pre-cooked corn flour (21.5 ug/Kg) and one sample of corn grits (23.3 ug/Kg). Aflatoxins G1 e G2, ochratoxin A and zearalenone were not detected in any of the samples analyzed. All samples contaminated with aflatoxins also contained fumonisin B1, but no pattern of contamination could be found in the co-occurrence of these mycotoxins. Finally, 58 Brazilian beers produced in 9 states (São Paulo (SP), Minas Gerais (MG), Sergipe (SE), Pará (PA), Pernambuco (PE), Paraíba (PB), Paraná (PR), Rio de Janeiro (RJ), and Rio Grande do Sul (RS)) and acquired during 2000 and 2001, were analyzed for fumonisin B1 utilizing extraction, cleanup and concentration on a solid phase extraction cartridge with strong ion exchange characteristics, followed by derivatization with o-phtaldialdehyde and high performance liquid chromatography with fluorescence detection. Quantitation limit was 1 ng/mL. Twenty-five samples (43.1%) of the total of 58 analyzed contained fumonisin B1. The concentration of fumonisin B1 in the samples varied from 1 to 40ng/mL, with an average of 9.6 ± 10.2 ng/mL. The contamination found was low but it indicates the need of controlling raw materials used in breweries since mycotoxin contamination varies from year to year and such a procedure would guarantee a better quality product to the consumer.
[pt] As micotoxinas são metabólitos secundários de fungos que apresentam efeitos tóxicos em seres humanos e animais. São de grande importância para a saúde pública e a economia de um país. No Brasil, as micotoxinas têm sido objeto de pesquisa principalmente no centro-sul e recentemente na região sul do país. Nas demais regiões há uma grande lacuna de informações sobre a contaminação de alimentos por estas toxinas. Por outro lado, há um grande número de alimentos nacionais que ainda não foram analisados para micotoxinas, assim como várias toxinas que não foram pesquisadas no país. Com o objetivo de avaliar a contaminação de alimentos e bebidas produzidos em várias regiões do Brasil por micotoxinas, o presente trabalho foi realizado em três etapas: (a) Desenvolvimento de um método analítico para a determinação de patulina e verruculogeno por cromatografia líquida de alta eficiência em polpa de tomate e avaliação da presença destas micotoxinas em polpa de tomate processada em duas regiões do Brasil; (b) Avaliação da ocorrência de fumonisina B1, aflatoxinas B1, B2, G1 e G2, ocratoxina A e zearalenona em produtos de milho comercializados em uma cidade do nordeste do país; (c) Pesquisa da ocorrência de fumonisina B1 em cervejas produzidas em vários Estados brasileiros. Na primeira parte, foi desenvolvido e avaliado intralaboratorialmente um método para determinação de patulina e verruculogeno em polpas de tomate. O método desenvolvido compreende extração com acetato de etila, limpeza em coluna de sílica gel e determinação e confirmação por cromatografia líquida de alta eficiência com detector de arranjo de diodos na faixa do ultravioleta. Os limites de quantificação foram de 10 ng/g para patulina e 20 ng/g para verruculogeno. Foi estudada a ocorrência das toxinas em polpas de tomate embaladas assepticamente em 14 lotes da safra 1996/1997 e 15 lotes da safra 1997/1998 produzidos por uma indústria localizada no Estado de São Paulo e por outra localizada no Estado de Goiás. Patulina e verruculogeno não foram detectadas em nenhuma das amostras analisadas. Em outra etapa, foi avaliada a presença de fumonisina B1, aflatoxinas B1, B2, G1 e G2, ocratoxina A e zearalenona em 74 amostras de produtos a base de milho adquiridas no comércio da cidade de Recife, PE, durante o período de 1999 a 2001. Aflatoxinas B1, B2, G1 e G2, ocratoxina A e zearalenona foram determinadas segundo o método de SOARES &RODRIGUEZ-AMAYA (1989) por cromatografia em camada delgada. A determinação de fumonisina B1 foi realizada por cromatografia líquida de alta eficiência com detecção por fluorescência de acordo com o método de SHEPHARD et al. (1990) com modificações segundo CAMARGOS et al. (1999). De todas as micotoxinas analisadas, a fumonisina B1 foi a mais freqüentemente encontrada, estando presente em 94,6% das amostras em concentrações variando de 20 a 8600 ug/Kg. Apenas 5 amostras apresentaram resultados positivos para aflatoxina B1 (máximo = 20 ug/Kg) e 3 amostras continham aflatoxina B2 (máximo = 3 ug/Kg). Duas das amostras ultrapassaram o limite de 20 ug/Kg para a somatória das aflatoxinas B1, B2, G1 e G2, uma amostra de farinha de milho pré-cozida (21,5 ug/Kg) e uma de quirera (23,3 ug/Kg). Aflatoxinas G1 e G2, ocratoxina A e zearalenona não foram detectadas em nenhuma das amostras analisadas. Todas as amostras contaminadas com aflatoxinas também apresentaram fumonisina B1, mas não foi encontrado nenhum padrão que explicasse a co-ocorrência entre as micotoxinas. Finalmente, 58 cervejas nacionais adquiridas no período de 2000 a 2001 e provenientes de nove Estados brasileiros: São Paulo (SP), Minas Gerais (MG), Sergipe (SE), Pará (PA), Pernambuco (PE), Paraíba (PB), Paraná (PR), Rio de Janeiro (RJ) e Rio Grande do Sul (RS) foram analisadas para fumonisina B1 usando extração, limpeza e concentração com colunas de extração em fase sólida por troca iônica forte, seguida por cromatografia líquida de alta eficiência com detecção por fluorescência após reação de derivação com o-ftaldialdeído. O limite de quantificação foi de 1 ng/mL. Das 58 amostras analisadas, 25 amostras (43,1%) continham fumonisina B1. O conteúdo de FB1 das amostras positivas variou de 1 a 40 ng/mL, com uma concentração média de 9,6 ± 10,2 ng/mL. Apesar da baixa contaminação verificada, a adoção de um sistema de controle da matéria-prima nas cervejarias seria interessante, já que a contaminação de cereais por micotoxinas pode variar de ano para ano e garantiria um produto de melhor qualidade para o consumidor.
Titulação: Doutor em Ciencia de Alimentos
Contribuidor(es): Lucia Maria Valente Soares [Orientador]
Silvana da Motta
Adriana Zerlotti Mercadante
Miguel Machinski Junior
Myrna Sabino
Eduardo Vicente
Lucia Maria Valente Soares
eduardo Micotti da Gloria
Assuntos: [en] Fumonisins
[en] Tomato
[en] Beer
[en] Corn
[en] Mycotoxins
[pt] Micotoxinas
[pt] Cerveja
[pt] Tomate
[pt] Fungos na agricultura
[pt] Milho
Documentos Digitais: Download Arquivo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *