Museu municipal de caxias do sul

O Museu Municipal de Caxias do Sul é um museu histórico, artístico e etnográfico brasileiro, localizado na rua Visconde de Pelotas, nº 586, em Caxias do Sul, RS.


O Museu Municipal, além de mostrar permanentemente seu acervo próprio, oferece visitas monitoradas, uma sala de exposições temporárias, exposições itinerantes, além de diversos projetos de Educação Patrimonial.Histórico


O Museu Municipal de Caxias do Sul foi criado pelo Decreto Municipal nº 02, de 3 de outubro de 1947, pelo intendente Demétrio Niederauer. É um museu eclético, de caráter didático, e durante muitos anos ocupou uma sala no prédio junto à Biblioteca Pública Municipal, em frente à praça Dante Alighieri, inicialmente ocupado pela Intendência Municipal. Este prédio foi demolido em 1960, e o acervo do museu passou para a guarda do Centro de Tradições Gaúchas (CTG) Rincão da Lealdade, quando boa parte das peças foi extraviada. Permaneceu fechado por quinze anos, e para a sua reabertura foi necessária a reestruturação profunda de seu acervo, que novamente crescera com a doação de novos ítens, e de suas instalações. Assim, em 1975, o “novo” Museu abriu suas portas à comunidade com mais de quinhentas peças expostas.



Prédio do Museu

Prédio do Museu


 O prédio


O prédio foi construído por volta de 1880, para servir de residência à família Otolini. Foi leiloado em 1894, sendo adquirido pela Intendência Municipal, que mudou-se para lá em 1919. O local ficou sendo a sede administrativa de Caxias do Sul até o ano de 1974. Neste meio tempo, muitas reformas e pequenos acréscimos foram realizados no prédio. Em 1974, o prédio encontrava-se completamente superpovoado, pois nele funcionavam quase todas as secretarias municipais. Decidiu-se, então, que a Prefeitura seria transferida para a edificação, bem mais espaçosa, onde até então se realizava a Festa da Uva.


No mesmo ano em que a Prefeitura desocupou o prédio, em 1975, iniciaram-se pequenas obras de adaptação para que o Museu Municipal pudesse mudar-se, renascer e expandir-se num local mais de acordo com a pujança da cidade.



Imagem de roca de Santa Maria da Misericórdia, de Tarquinio Zambelli

Imagem de roca de Santa Maria da Misericórdia, de Tarquinio Zambelli

De 1975 para cá o museu foi gradativamente ganhando mais atenção da comunidade, e novos desafios se apresentaram. Em 1998, frente a inúmeros problemas estruturais, foi executada a maior das intervenções que o prédio sofreu no decorrer de sua história: substituição da rede elétrica, revisão e reformas nas instalações hidráulica e sanitária, e revisão de toda parte de madeira e dos telhados. A construção de um anexo nos fundos possibilitou criar uma reserva técnica e reunir num só espaço todo o acervo disperso em diversos locais, e também dotar o museu de serviços essenciais como oficina, sala de vídeo, biblioteca e salas de apoio.


O prédio do Museu Municipal foi tombado pela Prefeitura em 28 de novembro de 2001.



 O acervo


O museu dedica-se à preservação da cultura material representativa do processo imigratório italiano iniciado em 1875. As peças são dispostas em uma seqüência lógica, produzindo um discurso museográfico inteligível, ilustrando o próprio ato da imigração, a tomada de posse e cultivo inicial da terra, e depois os desdobramentos e mudanças nas principais atividades e profissões ocorridas na área de Caxias do Sul ao longo do processo de urbanização.



Peças de cobre

Peças de cobre

Em linhas gerais, o acervo constitui-se de apetrechos de viagem; maquinário e ferramental artesanal usado nas atividades agrícolas; muitos tipos de objetos de ferro, vidro, louça e cobre usados nas cozinhas e oficinas; móveis, sapatos e roupas; instrumentos técnicos, musicais e acessórios de uso pessoal; peças de arte sacra e, finalmente, objetos derivados das atividades de prestação de serviços, do comércio, do lazer, cultura e brinquedos.


Dentre as peças individuais mais interessantes estão uma rústica máquina para joeirar feijão; um armário de parede inteira, com inúmeros frascos de remédios e objetos farmacêuticos, que pertenceu a uma antiga farmácia hoje demolida; uma curiosa máquina registradora; uma grande tela a óleo representando São Marcos, de autoria de Pietro Stangherlin; a antiga estátua de Santa Teresa que adornava o altar principal da Catedral; a estátua de roca de Santa Maria da Misericórdia; um grupo representando Nossa Senhora da Neve com o Menino, uma Pietà de traços extraordinariamente arcaicos, e um belíssimo São Miguel derrotando o demônio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *