O conceito de divindade assumiu, ao longo dos séculos, várias concepções

Conceito

Divindade é um ser sobrenatural, usualmente com poderes significantes, cultuado, tido como santo, divino ou sagrado, e/ou respeitado por seres humanos. Normalmente as divindades são superiores aos seres humanos e à natureza.

Divindades assumem uma variedade de formas, mas são freqüentemente antropomorfas ou zoomorfas. Uma divindade pode ser masculina, feminina, hermafrodita ou neutra, sendo usualmente imortal.

Muitas vezes, as divindades são identificadas com elementos ou fenômenos da natureza, virtudes ou vícios humanos ou ainda atividades inerentes aos seres humanos.

Assume-se que uma divindade tenha personalidade e consciência, intelecto, desejos e emoções, num sentido bastante humano desses termos. Além disso, é usual que uma determinada divindade presida sobre aspectos do cotidiano do homem, como o nascimento, a morte, o tempo, o destino etc. A algumas divindades é atribuída a função de dar à humanidade leis civis e morais, assim como serem os juízes do valor e comportamento humano.

É também comum atribuir às divindades, ou a interações entre elas, a criação do universo e sua futura destruição.

[editar] Visão histórica

Historicamente, não é possível definir qual foi a primeira tribo a criar o conceito de divindade. Contudo, os escritos mais antigos até hoje encontrados referem-se às concepções vindas das religiões suméria, védica e egípcia, as quais surgiram por volta de 3600 aC.

No intuito de criar explicações para a existência dos elementos e dos seres da natureza, bem como para conhecer o sentido dos fenômenos naturais (a tempestade, o vento, o dia e a noite, as estações, etc.), os povos e tribos da antiguidade conceberam diversas divindades que, no mais das vezes, passaram a ter sentimentos e emoções idênticas às dos humanos. Daí derivaram os rituais, cerimônias e sacrifícios, que tinham como objetivo agradecer as benesses enviadas por essas divindades ou aplacar sua ira, que castigava a humanidade com alguma calamidade.

[editar] Visão contemporânea

Atualmente, muitos intelectuais questionam e especulam sobre o próprio conceito de Divindade, como também diversas investigações históricas e arqueológicas tentam desvendar os acontecimentos e circunstâncias em que os homens primitivos criaram os primeiros conceitos religiosos.

[editar] Exemplos

Ver artigo principal Anexo:Lista de divindades

* na mitologia egípcia
o Hórus – Deus Falcão;
o Ísis – Deusa do Amor, da Magia e das coleitas
o Osíris – Deus do Juízo;
o Seth – Deus da destruição;
o Ré (ou Rá) – Deus Sol;
o Ptah – Deus criador do universo;
o Tot (ou Toth) – Deus da sabedoria e da escrita;
o Anúbis – Deus dos cemitérios, o patrono dos embalsamares e da Morte;
o Bast – Deusa Gata padroeira dos felinos e da cidade de bubastis;
o Sekmeth – Deusa Leoa cuja fome infinita faz a tudo devorar.
* na mitologia grega:
o Hefesto, Deus do fogo;
o Caos, entidade criadora;
o Erebus, personificação da névoa;
o Nix, personificação da noite;
o Deméter, Deusa da agricultura
o Gaia, mãe terra;
o Poseidon, Deus dos Mares e das criaturas marinhas;
o Hades, Deus dos Mortos e do submundo;
o Hera, Protetora da família
o Urano, personificação do céu;
o Zeus, Deus líder do panteão olímpico, do raio;
o Afrodite, Deusa da beleza;
o Atena, Deusa da sabedoria, da estratégia e da razão;
o Apolo, Deus das profecias;
o Ártemis, Deusa da caça;
o Hélios, Deus do Sol;
o Selene, Deusa da Lua
o Ares, Deus da guerra;
* na mitologia nórdica:
o Odin, Deus líder dos Aesires;
o Thor, Deus do trovão;
o Tyr, Deus da justiça;
o Freya, Deusa do amor e da beleza;
o Jord, Deusa da terra;
o Bragi, Deus da sabedoria e da poesia;
o Loki, Deus trapaceiro;
o Ran, Deusa do mar;
* na religião de Camdoblé (Nação Ketu):
o Oxalá, Deus de todos os deuses;
o Iemanjá, Deusa dos mares;
o Oxum, Deusa dos rios;
o Iansã, Deusa dos ventos e das tempestades;
o Ogum, Deus da guerra;
o Xangô, Deus da justiça;
* na religião hinduísta:
o Shiva, Deus da criação e da destruição;
o Varuna, Deus guardião da ordem cósmica;
o Vishnu, Deus da justiça e da disciplina;
o Lakshimi, Deusa da prosperidade e da generosidade;
o Agni, Divindade do fogo;
* na mitologia tolkieniana:
o Eru Ilúvatar, único Deus
o Valar, No Silmarillion, Tolkien diz que muitos os nomearam como deuses, mas erroneamente. São Poderes, instrumentos, aqueles que cumpriram o Plano de Eru.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *