O porto de lisboa é o principal terminal de transporte marítimo de portugal.

História

Existem dados da presença humana no estuário do Tejo desde a pré-história. Acredita-se na presença dos Fenícios na zona no século XXII a.C., que teriam criado um porto comercial na margem norte do rio. A localização estratégica de Lisboa levou à fixação de outros povos, até que em 205 a. C. a cidade é conquistada pelos Romanos; a estes seguiram os Suevos e os Visigodos. Em 714 d. C. os Mouros conquistam Lisboa e expandem o porto com o seu comércio mediterrânico e atlântico.

No século XI, com a reorganização da Europa, o tráfego e comércio marítimo cresceram, o que levou D. Afonso Henriques a direccionar a sua conquista para sul com o objectivo de obter apoio ao longo da costa Portuguesa para a conquista da cidade de Lisboa, ponto importante para o domínio do estuário do Tejo, que daria muita importância ao território no contexto europeu. Em 1147 entra no Tejo uma frota de 164 navios com um exército de cruzados que desempenharam um papel crucial na conquista da cidade de Lisboa e mais tarde na defesa desta. No século XIII os métodos de navegação desenvolvem-se muito e em consequência as embarcações também, construindo-se navios de grande dimensão e capacidade. Nascem também as primeiras linhas do Mediterrâneo para Inglaterra e Norte da Europa, sendo Lisboa paragem obrigatória a todos os navios que passam pela costa portuguesa.

É no reinado de D. João I que, a partir do porto de Lisboa, se dá o início à descoberta de novos povos e novos comércios, aumentando a fronteira do mundo já conhecido e transformando o porto de Lisboa num ponto importante para todo o comércio global. Foi nesta época que se fortaleceu a segurança e a vigilância da entrada no estuário do Tejo sendo erguidas fortalezas na sua margem esquerda desde Cabeça Seca até Almada.

Nos séculos XVI e XVII, com o comércio luso-espanhol desembarcavam em Lisboa produtos vindos do Brasil como madeiras, açúcar e ouro. Em 1755 como terramoto de Lisboa toda a cidade foi reconstruída tendo em vista o comércio. Já no século XIX existe necessidade de modernizar o porto de Lisboa, fazem-se estudos e projectos e em 31 de Outubro de 1887 são inauguradas as grandes obras no porto de Lisboa por D. Luís I.

[editar] Terminais de cargas[1]
Terminal de carga
Terminal de carga

Contentores de Alcântara

Este terminal está particularmente direccionado para o tráfego de alto-mar, constitui um elo de ligação entre a Europa, a América e o continente africano. Possui um ramal ferroviário.

Multipurpose de Lisboa

Este terminal localizado em Santa Apolónia recebe principalmente navios que fazem Portugal Continental até às ilhas da Madeira e Açores.

Contentores de Santa Apolónia

Este terminal destina-se ao transporte marítimo de curta distância.

Multiusos do Beato

Este terminal tem capacidade para receber todo o tipo de carga, mas está especialmente equipado para cargas fraccionadas e alguns granéis sólidos. As principais mercadorias são rolos de papel, alumínio, fruta e açúcar. Destina-se ao transporte marítimo de curta distância.

Granéis alimentares do Beato

Destina-se principalmente ao movimento de granéis sólidos. As principais mercadorias são trigo, cevada, milho, aveia, luzerna.

Multiusos do Poço Bispo

Movimenta todo o tipo de carga, mas principalmente carga fraccionada e alguns granéis sólidos.

Alhandra (Iberol)

Este terminal recebe descargas de óleo e seus derivados, sendo feita através de barcaças que transportam a carga dos navios que ficam ancorados no meio do rio.

Alhandra (Cimpor)

Este terminal movimenta granéis sólidos para a produção de cimento.

Granéis alimentares da Trafaria

De águas profundas é um dos maiores terminais da Europa tendo a capacidade de 20000 toneladas que se destinam ao armazenamento de cereais e seus derivados, assim como derivados de óleo e outros produtos agro-alimentares. Este terminal está preparado para receber navios Panamax e Capesize.

Granéis alimentares de Palença

Movimenta granéis sólidos e líquidos, sendo estas mercadorias derivadas do óleo.

Seixal

Recebe principalmente granéis sólidos.

Barreiro

Recebe sobretudo granéis sólidos como biletes, ferro e aço.

Líquidos da Banática

Movimenta principalmente gasóleo, fuel óleo, asfaltos, LPG e produtos químicos.

Líquidos do Porto Brandão

Este terminal recebe navios-tanque até 180m, com combustíveis líquidos.

Líquidos do Porto dos Buchos

Destina-se principalmente ao gás butano e propano, gasóleo e óleos minerais.

Marítimo de Porto Brandão

Recebe e armazena combustíveis líquidos, sendo também uma estação de limpeza e de desgasificação dos navios.

Granéis líquidos do Barreiro

Movimenta fuel, gasóleo, amoníaco, ácido fosfórico e acrilonitrilo.

Cais avançado de Alcântara

Neste cais é movimentada a carga Ro-Ro. Sendo este cais direccionado para cargas e descargas de automóveis devido à sua proximidade com o centro da cidade, exigindo por isso, cuidados de segurança especiais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *