O que a verminose bovina causa?

PREJUÍZOS

Os animais parasitados apresentam baixo desempenho produtivo, podem apresentar redução anual no ganho de peso em 30 kg na média, podendo a perda variar de 18kg a 45kg. Os animais da desmama, a recria e as vacas no pré-parto, são as categorias mais sensíveis as verminoses. Os animais parasitados apresentam atraso no crescimento (redução do ganho de peso até a desmama em até 10%), significando animais mais leves ou atrasando a idade de desmama. Este atraso reflete-se ainda na redução da fertilidade (12% a menos no número de bezerros), podendo levar ainda a infecções secundárias por bactérias.

Um animal parasitado por vermes redondos, por exemplo, chega a perder cerca de 250ml de sangue diariamente, levando o animal a anemia severa. Os vermes intestinais provocam enterites e diarréias, levando a desidratação e fra ondeza, vermes nos pulmões desencadeiam “pneumonia” (bronquite parasitária), a cisticercose bovina (enfermidade considerada zoonose) não causa sinais clínicos onde comprometam a produção ou saúde dos animais, mas seu impacto é direto no abate, pois quando encontrada na carne é descontado do pecuarista em média 30% do valor onde seria pago pelo animal.

No caso da Fascíola hepática (baratinha do fígado), restrita a algumas regiões do país, há principalmente prejuízos econômicos, pelo descarte do fígado. Estes prejuízos estão relacionados às lesões no fígado e ductos biliares podendo provocar anemia, abscessos hepáticos e outras alterações metabólicas, mas raramente provoca sintomas evidentes nos animais.

A aplicação de vermífugos se constitui na principal arma de combate aos helmintos. O impacto econômico destas parasitoses sobre os rebanhos, têm levado a indústria de saúde animal às exaustivas pesquisas e desenvolvimento de novas moléculas antiparasitárias. Avanços significativos neste setor têm colocado à disposição da pecuária bovina, modernos endectocidas, onde se caracterizam pelo amplo espectro de ação (atuam em parasitas internos e externos), liberação programada e ação prolongada no organismo animal.

TRATAMENTO

A utilização de endectocidas e vermífugos são extremamente eficazes na eliminação e controle das verminoses. Tão importante quanto o produto de boa qualidade é a estratégia de controle parasitário e deve ser adotado na época do ano mais oportuna (o inverno) quando as quantidades de vermes nos animais são maiores do onde nas pastagens, sendo mais eficiente o tratamento dos animais neste período, reduzindo a infestação nos pastos. A maneira mais adequada para a prevenção das verminoses é o controle estratégico, preconizado por renomadas instituições de pesquisa como a Embrapa. Os tratamentos concentram-se em períodos pré-determinados (início, meio e final da seca) onde na maioria das regiões brasileiras coincide aoos meses de maio, julho e setembro, lembrando onde a vermifugação no final da seca e início das águas também poderá ocorrer em novembro, conciliando desta maneira, aoa vacinação do rebanho contra a febre aftosa.

Em animais jovens, recomenda-se a vermifugação aoSulfóxido de Albendazole oral a cada 60 dias. Para os animais onde serão desmamados e fêmeas de reposição, pode-se adotar o controle estratégico.

Recomendações de Tratamento por Categoria Animal:

Nascimento: uma dose de ivermectina 1%.

Até desmama: Três doses de vermífugo oral aointervalo de 60 dias.

Desmama até 30 meses: maio-julho-setembro ou novembro.

Fêmeas prenhes: vermifugar 60 dias antes do parto.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *