O que é elefantes?

Elephantidae é uma família de mamíferos proboscídeos elefantídeos, de grande porte, do qual há três espécies no mundo atual, duas africanas (Loxodonta sp.) e uma asiática (Elephas sp.). Há ainda os mamutes (Mammuthus sp.), hoje extintos.

Até recentemente, acreditava-se que havia apenas duas espécies vivas de elefantes, o elefante africano e o elefante asiático, uma espécie menor. Entretanto, estudos recentes de DNA sugerem que havia, na verdade, duas espécies de elefante africano: Loxodonta africana, da savana, e Loxodonta cyclotis, que vive nas florestas. Os elefantes são os maiores animais terrestres da actualidade pesando até 12 toneladas e medindo em média quatro metros de altura. As suas características mais distintivas são as presas de marfim.
Espécies

FAMÍLIA ELEPHANTIDAE
Gênero Elephas
Elefante asiático Elephas maximus
Gênero Loxodonta (Elefante africano)
Elefante africano da savana Loxodonta africana
Elefante africano da floresta Loxodonta cyclotis
Gênero Mammuthus (extinto)
Mamute Mammuthus trogontherii
Gênero Mammut (extinto)
Mastodonte
Gênero Stegodon (extinto)
Gênero Deinotherium (extinto)
Características gerais

Os elefantes são animais herbívoros, alimentando-se de ervas, gramíneas, frutas e folhas de árvores. Dado o seu tamanho, um elefante adulto pode ingerir entre 140 a 270 kg de alimentos por dia. As fémeas vivem em manadas de 10 a 15 animais, lideradas por uma matriarca, compostas por várias reprodutoras e crias de variadas idades.

O período de gestação é longo (20 a 22 meses), assim como o desenvolvimento do animal que leva anos a atingir a idade adulta. Os filhotes podem nascer com 90 kg.

Os machos adolescentes tendem a viver em pequenos bandos e os machos adultos isolados, encontrando-se com as fémeas apenas no período reprodutivo.

Devido ao seu porte, os elefantes têm poucos predadores. Os elefantes exercem uma forte influência sobre as savanas, pois mantêm árvores e arbustos sob controle, permitindo que pastagens dominem o ambiente. Eles vivem cerca de 60 anos e morrem quando seus molares caem, impedindo que se alimentem de plantas.

Os elefantes africanos são maiores que as variedades asiáticas e têm orelhas mais desenvolvidas, uma adaptação que permite libertar calor em condições de altas temperaturas. Outra diferença importante é a ausência de presas de marfim nos elefantes asiáticos.

A caça de elefantes, causada principalmente pelo seu marfim, é geralmente ilegal em todos os países africanos. No entanto, dadas as enormes quantidades de comida que estes animais requerem, alguns parques naturais africanos recorrem à emissão de licenças de caça em número reduzido para controlar as populações e angariar fundos.

A caça dos elefantes teve também consequências a nível evolutivo. Visto que o objectivo primordial dos caçadores eram as presas, os animais que não as tinham graças a uma mutação genética, foram favorecidos.

O processo involuntário resultou numa selecção artificial das populações de elefantes (análogo ao que resultou nas raças de cães), onde os animais sem presas passaram de 1% do total a representar, em certos locais, cerca de 30% dos indivíduos.

Ao longo da história, os elefantes foram utilizados pelo Homem para várias funções, como transporte, entretenimento e guerra. Os elefantes de guerra foram uma peça táctica importante antes da generalização da artilharia, principalmente nos exércitos de Cartago e do Império Persa. Apesar destes usos, o elefante não é um animal doméstico, na medida em que não é criado em cativeiro. Quase todos os elefantes ao serviço do Homem foram ou são animais domados, isto é, nascidos em liberdade e adaptados às várias funções. Os motivos da falta de sucesso da domesticação dos elefantes incluem as despesas elevadas de manutenção, o longo período de gestação e crescimento e o temperamento por vezes violento destes animais. É por causa da sua personalidade que a grande maioria dos animais domados são fémeas; pelo contrário os elefantes de guerra eram exclusivamente machos.

Elefantes na história e na cultura

O elefante é o símbolo do Partido Republicano dos Estados Unidos

Os elefantes brancos são considerados sagrados na Tailândia e Myanmar; no Mundo Ocidental são um símbolo de algo com um custo bastante superior à sua utilidade

Ganesh, o Deus hindu da sabedoria, tem uma cabeça de elefante

Dumbo, um personagem da Disney, é um elefante voador

Jotalhão, um personagem da Turma da Mônica, é um elefante verde alvo do amor de uma formiga.

O olifante é um animal do universo de J.R.R. Tolkien

Fonte: pt.wikipedia.org

ELEFANTES

Os elefantes pertencem à família dos Elefantídeos e são os únicos sobreviventes de espécies gigantescas que habitaram a Terra há muito tempo os chamados Probocídeos.

O primeiro probocídeo surgiu há mais de 45 milhões de anos atrás na África, onde iniciaram a sua conquista global, os primeiros probocídeos a deixarem a África possuíam um porte menor,o qual pertenciam os mastodontes, porém estes chegaram até há América do Sul, os que continuaram na África se tornaram enormes e seus descendentes foram um dos maiores mamíferos a andar sobre a Terra, como os atuais elefantes e os extintos mamutes, e chegaram há atingir até a América do Norte, a partir daí surgiram mais de 600 espécies de Proboscídeos na Terra.

A maioria dessas espécies eram grandes, com longas presas.

Algumas porém, eram bem pequenas, com presas curtas. Hoje todas essas espécies já foram extintas, restando apenas o elefante africano e o asiático.

Fonte: avph.hpg.ig.com.br

ELEFANTES

Quando em África grande parte dos governos que têm elefantes no seu território tentam protegê-los e controlar as manadas, em Angola as notícias são as piores.

Segundo a World Wildlife Fund (WWF), o comércio de peças de marfim tem vido a aumentar descontroladamente nos últimos anos. Mesmo depois do fim da guerra civil, que serviu durante décadas como desculpa para o aparecimento de enormes quantidades de marfim, usado para a aquisição de armas, sem que nada fosse feito para contrariar esse comércio.

Um relatório apresentado pela Traffic, que faz a monitorização dos elefantes em vários países, concluiu que o comércio de marfim tem aumentado, principalmente em peças de artesanato que aparecem nos circuitos ilegais da capital angolana. Ainda segundo a Traffic, as autoridades locais são as primeiras a ignorar o comércio ilegal e a «olhar para o lado» perante sinais evidentes desta sanguinária actividade.

Em duas visitas feitas aos mercados angolanos clandestinos, foram encontrados cerca de 1500kg de peças de marfim trabalhadas e prontas a ser comercializadas, o que corresponde a cerca de 300 elefantes adultos mortos.

Convém lembrar que as manadas de elefantes são conduzidas pelos animais mais velhos, que decoram os locais onde existe alimentação e água, guiando depois os seus grupo até esses locais. Quando um elefante adulto é morto, essa «memória» é perdida para sempre, trazendo graves problemas ao resto do grupo, principalmente aos animais mais jovens, acabando muitos deles por vir a morrer, como consequência do abate dos animais mais velhos.

Angola é o único pais que não assinou os acordos do CITES para a protecção destes animais, acordo esse que foi ratificado pelos restantes 36 países onde existem elefantes em liberdade.

Os compradores, neste sinistro negócio, são cidadãos europeus, americanos e orientais sem quaisquer princípios, que depois enviam artigos para os seus países de origem, para ganhar chorudas quantias de dinheiro. Estas pessoas não têm escrúpulos nem qualquer respeito pela vida destes animais, mesmo sabendo que muitos são atingidos e os seus dentes são retirados com os animais ainda vivos, sendo depois deixados a agoniar até que morte chegue.

Fonte: bicharada.net
ELEFANTES

Nome popular: Elefante

Nome Científico: O elefante africano é Loxodonta africana e o elefante asiático é Elephas maximus

Habitat natural: De acordo com a subespécie, pode ocorrer uma variação de habitats como florestas, campos, savanas, regiões montanhosas e desertos.

Hábitos alimentares
Três quartos da vida do elefante são devotados à procura por recursos de comida e água, a dieta é estritamente herbívora. A maior parte dos elefantes consomem entre 70 e 150 quilos de comida e 80 a 100 litros de água por dia. As acácias estão entre folhagens e frutas as mais consumidas e favoritas dos elefantes.

Tamanho: O elefante africano é o maior deles, medindo entre 7 e 8 metros de cabeça e corpo e 4 metros de altura. As orelhas são enormes e podem alcançar metade da altura do indivíduo

Peso: Chega a pesar 7 toneladas. A longa e flexível tromba apresenta dois “dedos” na ponta e pode pesar até 200 Kg

Coloração: Cinza claro. Pode variar para marrom avermelhado, dependendo da cor do solo

Filhotes: Apresentam um período de gestação de 22 meses. Os filhotes podem pesar até 115 kg e medir 100 cm de altura. Toda a manada é cuidadosa com os filhotes: varias “babás” podem cuidar dos filhotes do grupo. A longevidade é de 70 anos

Saiba mais
Os elefantes são os maiores mamíferos terrestres sobreviventes de uma extensa radiação no período eoceno. Os mamutes e mastodontes também tinham sobrevivido, mas já foram extintos.

Atualmente existem duas espécies, o elefante africano (Loxodonta africana) e o elefante asiático (Elephas maximus). Eles são membros de um grupo ou ordem chamados Proboscidea, caracterizado pelo órgão proboscis, ou tromba.

Seu corpo pesado tem uma estrutura muito maciça. Ele se apóia sobre pernas grossas em forma de pilares em pés amplos. A tromba é um órgão flexível e longo que apresenta narinas na ponta e que tem a função de transportar alimento, água, cheirar, levantar e analisar objetos.

Outra característica dos elefantes são as enormes presas na mandíbula superior, que na realidade são grandes dentes incisivos. Nos elefantes africanos, há registros de um recorde de uma presa que pesava 102 quilos e media 3 metros de comprimento.

Algumas pesquisas mostram que os elefantes podem se comunicar através de infra-som – um som que os seres humanos não podem ouvir – passam informações para os outros membros do grupo desta maneira.

Eles costumam viver em grandes bandos, formam por vezes grupos de mais de 100 indivíduos, liderados pela fêmea mais velha, a “matriarca”.

Elefante asiático x Elefante africano
O elefante asiático mede de cabeça e corpo entre 6 a 8 m e até 3 m de altura e pesar 5,5 toneladas, enquanto o africano tem entre 7 e 8 m de cabeça e corpo e 4 metros de altura, pesando 7 toneladas.

A grande diferença entre o asiático e o africano está no tamanho das orelhas, que são menores e não excedem a altura do pescoço nos asiáticos. A longa tromba, com mais de um “dedo” na ponta, também faz diferença, pois pode pesar de 125 a 200 kg.

Normalmente o asiático tem mais pêlos no corpo do que o africano e sua coloração costuma ser cinza escuro. Na espécie asiática, somente os machos possuem presas.
Cultura

Em algumas culturas, como no Sri lanka, os elefantes são considerados sagrados. Em festividades religiosas, são enfeitados e desfilam como símbolos de grandiosidade. Em outros lugares, são usados como animais de tração e carga, sendo por vezes desrespeitados e explorados em trabalhos forçados.
Risco de extinção

A caça predatória para o comércio ilegal de marfim quase condena a espécie a extinção, por isso muita gente em todo mundo tem se dedicado a criar e aplicar novas leis para a proteção da espécie. Parques, zoológicos e reservas vêm contribuindo para a criação de uma nova consciência ecológica, ajudando a preservação e a garantia de futuro para uma criatura tão majestosa.

Fonte: www.terra.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *