O que é ginástica artística

Ginástica artística





 

A ginástica artística, também conhecida no Brasil por ginástica olímpica, é uma modalidade de ginástica onde os atletas realizam um conjunto de exercícios em aparelhos oficiais. Os movimentos dos ginastas devem ser elegantes e demonstrar força, agilidade, flexibilidade, coordenação, equilíbrio e controle do corpo.


Os aparelhos da ginástica artística masculina (MAG) são diferentes dos aparelhos disputados na ginástica artística feminina (WAG). Os aparelhos masculinos (SoloSalto sobre a mesaCavalo com alça (Cavalo com arções) – Barras paralelasBarra fixaArgolas) procuram demonstrar a força e domínio do ginasta. Os aparelhos femininos (TraveSoloSalto sobre a mesaParalelas assimétricas) colocam maior ênfase na vertente artística e de agilidade


Todas as competições oficiais de ginástica artística são reguladas pela Federação Internacional de Ginástica (FIG), que estabelece normas e calendários para todos os eventos internacionais. As competições nacionais são geralmente regulamentadas pelas diversas federações locais. A FIG tem ainda a responsabilidade sobre o Código de Pontuação, a publicação que orienta os ginastas, técnicos e árbitros na elaboração, composição e avaliação das séries em todas as provas, e que ainda rege os resultados da modalidade.


A FIG impõe um limite mínimo de idade para competições oficiais de nível sénior de dezesseis anos. Este limite, importante sobretudo nas provas femininas, pretende impedir a entrada em competição de ginastas pré-adolescentes, o que pode implicar problemas de saúde futuros.


A ginástica artística está presente nos Jogos Olímpicos da era moderna desde a sua primeira edição em Atenas 1896 e nos Jogos Pan-americanos desde o Jogos Pan-americanos de 1951|Pan 1951 em Buenos Aires. A FIG é responsável pela realização do Campeonato Mundial de ginástica artística e pela Copa do Mundo de ginástica artística, realizada em várias etapas. Existem diversas outras outras competições, a nível continental, nacional e regional.


Para a obtenção do resultado completo de um campeonato de ginástica artística os ginastas devem participar de quatro competições, cada uma delas com características e objetivos próprios, sendo assim denominadas: Competição I (Qualificatória), Competição II (Final Individual Geral), Competição III (Final Individual por Prova) e Competição IV (Final por Equipes). A seguir serão apresentados os detalhes de organização, participação, qualificação e desenvolvimento de cada uma destas competições.


Competição I (C I): A Competição I objetiva a qualificação para as competições finais (C II, C III e C IV) e ainda determina a classificação das equipes a partir do 9º lugar e dos ginastas a partir do 25º lugar. As 8 primeiras equipes aqui qualificadas definirão as suas classificações na Final por Equipes (C IV) e os 24 ginastas melhores qualificados individualmente definirão as suas classificações na Final Individual Geral (C II). Da C I participam todas as equipes e todos os ginastas individuais inscritos no evento. Somente os ginastas que competem em todas as provas poderão se qualificar para participar da Final Individual Geral (C II). O Campeonato Mundial que antecede os Jogos Olímpicos define as equipes e os ginastas individuais que participarão dos JO, considerando os resultados obtidos na C I.


Competição II (C II): A Competição II é a Final Individual Geral (All Around Finals). Dela participam os 24 ginastas melhores classificados individualmente na C I, sendo permitida a participação de no máximo 2 ginastas de cada entidade. Na C II os ginastas executarão uma nova série em cada uma das provas e somente 1 salto, desconsiderando, para o resultado desta competição, as notas obtidas na C I. Ao término da competição serão somadas as notas obtidas por cada ginasta em cada prova, chegando ao total de pontos de cada um, sendo então confrontados os totais de cada participante para se chegar à classificação individual geral. O ginasta que obtiver o maior somatório de pontos será considerado o vencedor da competição.


Competição III (C III): A Competição III é a Final por Provas, onde é definida a classificação individual de cada uma das provas. Estarão qualificados para esta competição os 8 ginastas que obtiveram as pontuações mais altas na C I, em cada uma das provas, sendo permitida a participação de no máximo 2 ginastas de cada entidade em cada prova. Os 8 ginastas qualificados executam uma nova série na prova na qual se classificaram, sendo que no Salto os ginastas deverão executar 2 saltos diferentes. Em cada prova, a classificação final será definida pelas notas obtidas pelos ginastas em cada uma delas, nesta competição (C III), sendo vencedor aquele que obtiver a maior nota.


Competição (C IV): A Competição IV é a Final por Equipes (Team Final). Desta fase participam as 8 equipes que obtiveram as maiores pontuações na C I. Neta Competição os ginastas das equipes qualificadas executarão uma nova série em cada prova e somente 1 salto. Todas as notas obtidas nesta competição entram na totalização dos pontos da equipe. A classificação final das equipes é determinada pelas pontuações obtidas nesta competição.



Principais Equipes / Nações


União Soviética/Rússia/Ucrânia: Até ao desmembramento da União Soviética em 1991, os ginastas soviéticos foram a força dominante em todas as competições oficiais. Entre 1952 e 1992, as equipes soviéticas ganharam quase todas as medalhas colectivas dos Campeonatos Mundiais e Jogos Olímpicos. As excepções foram os Jogos de 1984 em Los Angeles, onde não competiram devido ao boicote do Bloco de Leste e os Campeonatos Mundiais de 1966, 1979 e 1987. Depois da separação, a Rússia manteve uma forte tradição de excelência, com medalhas em todas as competições femininas e masculinas. A Ucrânia manteve também uma equipa forte, bem como bons ginastas a nível individual. Lilia Podkopayeva, a vencedora do individual geral em Atlanta 1996 é um exemplo.


Romênia: O primeiro grande sucesso da equipa romena surgiu nos Jogos Olímpicos de 1976, em Montreal, com os sucessos de Nadia Comaneci. A partir de então, a Roménia tornou-se pioneira em métodos inovadores de treino, com treinadores como Béla Károlyi. Este país destaca-se especialmente nas competições por equipas e femininas e por ter sido a única nação a derrotar a equipa soviética em competições de nível internacional antes de 1991. Apresenta também uma ótima tradição com alguns ginastas masculinos.


Estados Unidos da América:, Até meados da década de 1980, os EUA eram um país de segunda linha na ginástica artística. O primeiro título mundial chegou em 1991 e as primeira medalha por equipas foi alcançadas nos Jogos de Barcelona 1992 (bronze) e Atlanta 1996 (ouro).


O Japão foi a grande potência dominadora dos eventos masculinos nas décadas de 1960s e 1970s com cinco medalhas de ouro olímpicas consecutivas. A qualidade dos atletas japoneses continuou até o sucesso dos Jogos de Atenas 2004.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que é ginástica artística?

A ginástica artística, também conhecida como ginástica olimpíca é um esporte que requer força, agilidade, coordenação, controle do corpo, flexibilidade, equilíbrio e elegância. Os ginastas realizam exercicios em aparelhos oficiais.

Os aparelhos de ginástica femininos são:

Trave – os movimentos são executados em um espaço estreito. Tem as seguintes medidas: 10 cm de largura e 5 metros de comprimento.
Solo – exercícios realizados no solo tem fundo musical, sendo que os movimentos mais comuns são os saltos mortais e twist. O espaço é de 12 m².

Barras assimétricas – nas barras, é considerado o movimento ao passar de uma barra para a outra e os saltos, como os encarpados e os mortais. As medidas das barras são: 2,45 m e 1,65 m de altura.

Salto sobre o cavalo – antes de pular sobre o cavalo, que tem 1,25 m, o atleta pode tomar impulso correndo de uma distância de 25 m, no máximo.

Na ginástica olímpica masculina, as modalidades solo e salto sobre o cavalo também são disputadas, mas com uma diferença: o cavalo tem 1,35 m de altura. Os aparelhos de ginástica masculinos são:

Barra fixa – na barra fixa, ao executar os movimentos, o atleta deixa de tocar o aparelho, sendo os saltos mais comuns os mortais ou encarpados. A barra tem 2,75 cm de altura e 2.40 cm de comprimento.

Barras paralelas – é obrigatório realizar movimento no ar, sem nenhuma das mãos no aparelho. A altura é de 1,75 m

Cavalo com alças – no cavalo com alças, só é permitido tocar o aparelho com as mãos. Os movimentos devem ser contínuos, de tesouras e de círculo. Os cavalos têm as seguintes medidas: 1,6 m de comprimento e 1,05 m de altura.

Argolas – nas argolas o atleta deve ficar no mínimo dois segundos imóvel, em uma posição horizontal ou vertical.

O alemão Frederic Louis Jahn é chamado de pai da ginástica olímpica. Foi ele quem observou os movimentos em um circo e deu valor a aqueles movimentos, que serviram de base para a atual ginástica artística.



Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que é ginastica artistica ?

A ginástica artística, também conhecida no Brasil por ginástica olímpica, é uma modalidade de ginástica onde os atletas realizam um conjunto de exercícios em aparelhos oficiais. Os movimentos dos ginastas devem ser elegantes e demonstrar força, agilidade, flexibilidade, coordenação, equilíbrio e controle do corpo.


Os aparelhos da ginástica artística masculina (MAG) são diferentes dos aparelhos disputados na ginástica artística femina (WAG). Os aparelhos masculinos (SoloSalto sobre a mesaCavalo com alça (Cavalo com arções) – Barras paralelasBarra fixaArgolas) procuram demonstrar a força e domínio do ginasta. Os aparelhos femininos (TraveSoloSalto sobre a mesaParalelas assimétricas) colocam maior ênfase na vertente artística e de agilidade


Todas as competições oficiais de ginástica artística são reguladas pela Federação Internacional de Ginástica (FIG), que estabelece normas e calendários para todos os eventos internacionais. As competições nacionais são geralmente regulamentadas pelas diversas federações locais. A FIG tem ainda a responsabilidade sobre o Código de Pontuação, a publicação que orienta os ginastas, técnicos e árbitros na elaboração, composição e avaliação das séries em todas as provas, e que ainda rege os resultados da modalidade.


A FIG impõe um limite mínimo de idade para competições oficiais de nível sénior de dezesseis anos. Este limite, importante sobretudo nas provas femininas, pretende impedir a entrada em competição de ginastas pré-adolescentes, o que pode implicar problemas de saúde futuros.


A ginástica artística está presente nos Jogos Olímpicos da era moderna desde a sua primeira edição em Atenas 1896 e nos Jogos Pan-americanos desde o Jogos Pan-americanos de 1951|Pan 1951 em Buenos Aires. A FIG é responsável pela realização do Campeonato Mundial de ginástica artística e pela Copa do Mundo de ginástica artística, realizada em várias etapas. Existem diversas outras outras competições, a nível continental, nacional e regional.


Para a obtenção do resultado completo de um campeonato de ginástica artística os ginastas devem participar de quatro competições, cada uma delas com características e objetivos próprios, sendo assim denominadas: Competição I (Qualificatória), Competição II (Final Individual Geral), Competição III (Final Individual por Prova) e Competição IV (Final por Equipes). A seguir serão apresentados os detalhes de organização, participação, qualificação e desenvolvimento de cada uma destas competições.


Competição I (C I): A Competição I objetiva a qualificação para as competições finais (C II, C III e C IV) e ainda determina a classificação das equipes a partir do 9º lugar e dos ginastas a partir do 25º lugar. As 8 primeiras equipes aqui qualificadas definirão as suas classificações na Final por Equipes (C IV) e os 24 ginastas melhores qualificados individualmente definirão as suas classificações na Final Individual Geral (C II). Da C I participam todas as equipes e todos os ginastas individuais inscritos no evento. Somente os ginastas que competem em todas as provas poderão se qualificar para participar da Final Individual Geral (C II). O Campeonato Mundial que antecede os Jogos Olímpicos define as equipes e os ginastas individuais que participarão dos JO, considerando os resultados obtidos na C I.


Competição II (C II): A Competição II é a Final Individual Geral (All Around Finals). Dela participam os 24 ginastas melhores classificados individualmente na C I, sendo permitida a participação de no máximo 2 ginastas de cada entidade. Na C II os ginastas executarão uma nova série em cada uma das provas e somente 1 salto, desconsiderando, para o resultado desta competição, as notas obtidas na C I. Ao término da competição serão somadas as notas obtidas por cada ginasta em cada prova, chegando ao total de pontos de cada um, sendo então confrontados os totais de cada participante para se chegar à classificação individual geral. O ginasta que obtiver o maior somatório de pontos será considerado o vencedor da competição.


Competição III (C III): A Competição III é a Final por Provas, onde é definida a classificação individual de cada uma das provas. Estarão qualificados para esta competição os 8 ginastas que obtiveram as pontuações mais altas na C I, em cada uma das provas, sendo permitida a participação de no máximo 2 ginastas de cada entidade em cada prova. Os 8 ginastas qualificados executam uma nova série na prova na qual se classificaram, sendo que no Salto os ginastas deverão executar 2 saltos diferentes. Em cada prova, a classificação final será definida pelas notas obtidas pelos ginastas em cada uma delas, nesta competição (C III), sendo vencedor aquele que obtiver a maior nota.


Competição (C IV): A Competição IV é a Final por Equipes (Team Final). Desta fase participam as 8 equipes que obtiveram as maiores pontuações na C I. Neta Competição os ginastas das equipes qualificadas executarão uma nova série em cada prova e somente 1 salto. Todas as notas obtidas nesta competição entram na totalização dos pontos da equipe. A classificação final das equipes é determinada pelas pontuações obtidas nesta ereçao


União Soviética/Rússia/Ucrânia: Até ao desmembramento da União Soviética em 1991, os ginastas soviéticos foram a força dominante em todas as competições oficiais. Entre 1952 e 1992, as equipes soviéticas ganharam quase todas as medalhas colectivas dos Campeonatos Mundiais e Jogos Olímpicos. As excepções foram os Jogos de 1984 em Los Angeles, onde não competiram devido ao boicote do Bloco de Leste e os Campeonatos Mundiais de 1966, 1979 e 1987. Depois da separação, a Rússia manteve uma forte tradição de excelência, com medalhas em todas as competições femininas e masculinas. A Ucrânia manteve também uma equipa forte, bem como bons ginastas a nível individual. Lilia Podkopayeva, a vencedora do individual geral em Atlanta 1996 é um exemplo.


Romênia: O primeiro grande sucesso da equipa romena surgiu nos Jogos Olímpicos de 1976, em Montreal, com os sucessos de Nadia Comaneci. A partir de então, a Roménia tornou-se pioneira em métodos inovadores de treino, com treinadores como Béla Károlyi. Este país destaca-se especialmente nas competições por equipas e femininas e por ter sido a única nação a derrotar a equipa soviética em competições de nível internacional antes de 1991. Apresenta também uma ótima tradição com alguns ginastas masculinos.


Estados Unidos da América:, Até meados da década de 1980, os EUA eram um país de segunda linha na ginástica artística. O primeiro título mundial chegou em 1991 e as primeira medalha por equipas foi alcançadas nos Jogos de Barcelona 1992 (bronze) e Atlanta 1996 (ouro).


O Japão foi a grande potência dominadora dos eventos masculinos nas décadas de 1960s e 1970s com cinco medalhas de ouro olímpicas consecutivas. A qualidade dos atletas japoneses continuou até o sucesso dos Jogos de Atenas 2004.filhos da terra.


 

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que é ginástica artística?

A ginástica artística, também conhecida no Brasil por ginástica olímpica, é uma modalidade de ginástica onde os atletas realizam um conjunto de exercícios em aparelhos oficiais. Os movimentos dos ginastas devem ser elegantes e demonstrar força, agilidade, flexibilidade, coordenação, equilíbrio e controle do corpo.


Os aparelhos da ginástica artística masculina (MAG) são diferentes dos aparelhos disputados na ginástica artística femina (WAG). Os aparelhos masculinos (SoloSalto sobre a mesaCavalo com alça (Cavalo com arções) – Barras paralelasBarra fixaArgolas) procuram demonstrar a força e domínio do ginasta. Os aparelhos femininos (TraveSoloSalto sobre a mesaParalelas assimétricas) colocam maior ênfase na vertente artística e de agilidade


Todas as competições oficiais de ginástica artística são reguladas pela Federação Internacional de Ginástica (FIG), que estabelece normas e calendários para todos os eventos internacionais. As competições nacionais são geralmente regulamentadas pelas diversas federações locais. A FIG tem ainda a responsabilidade sobre o Código de Pontuação, a publicação que orienta os ginastas, técnicos e árbitros na elaboração, composição e avaliação das séries em todas as provas, e que ainda rege os resultados da modalidade.


A FIG impõe um limite mínimo de idade para competições oficiais de nível sénior de dezesseis anos. Este limite, importante sobretudo nas provas femininas, pretende impedir a entrada em competição de ginastas pré-adolescentes, o que pode implicar problemas de saúde futuros.


A ginástica artística está presente nos Jogos Olímpicos da era moderna desde a sua primeira edição em Atenas 1896 e nos Jogos Pan-americanos desde o Jogos Pan-americanos de 1951|Pan 1951 em Buenos Aires. A FIG é responsável pela realização do Campeonato Mundial de ginástica artística e pela Copa do Mundo de ginástica artística, realizada em várias etapas. Existem diversas outras outras competições, a nível continental, nacional e regional.


Para a obtenção do resultado completo de um campeonato de ginástica artística os ginastas devem participar de quatro competições, cada uma delas com características e objetivos próprios, sendo assim denominadas: Competição I (Qualificatória), Competição II (Final Individual Geral), Competição III (Final Individual por Prova) e Competição IV (Final por Equipes). A seguir serão apresentados os detalhes de organização, participação, qualificação e desenvolvimento de cada uma destas competições.


Competição I (C I): A Competição I objetiva a qualificação para as competições finais (C II, C III e C IV) e ainda determina a classificação das equipes a partir do 9º lugar e dos ginastas a partir do 25º lugar. As 8 primeiras equipes aqui qualificadas definirão as suas classificações na Final por Equipes (C IV) e os 24 ginastas melhores qualificados individualmente definirão as suas classificações na Final Individual Geral (C II). Da C I participam todas as equipes e todos os ginastas individuais inscritos no evento. Somente os ginastas que competem em todas as provas poderão se qualificar para participar da Final Individual Geral (C II). O Campeonato Mundial que antecede os Jogos Olímpicos define as equipes e os ginastas individuais que participarão dos JO, considerando os resultados obtidos na C I.


Competição II (C II): A Competição II é a Final Individual Geral (All Around Finals). Dela participam os 24 ginastas melhores classificados individualmente na C I, sendo permitida a participação de no máximo 2 ginastas de cada entidade. Na C II os ginastas executarão uma nova série em cada uma das provas e somente 1 salto, desconsiderando, para o resultado desta competição, as notas obtidas na C I. Ao término da competição serão somadas as notas obtidas por cada ginasta em cada prova, chegando ao total de pontos de cada um, sendo então confrontados os totais de cada participante para se chegar à classificação individual geral. O ginasta que obtiver o maior somatório de pontos será considerado o vencedor da competição.


Competição III (C III): A Competição III é a Final por Provas, onde é definida a classificação individual de cada uma das provas. Estarão qualificados para esta competição os 8 ginastas que obtiveram as pontuações mais altas na C I, em cada uma das provas, sendo permitida a participação de no máximo 2 ginastas de cada entidade em cada prova. Os 8 ginastas qualificados executam uma nova série na prova na qual se classificaram, sendo que no Salto os ginastas deverão executar 2 saltos diferentes. Em cada prova, a classificação final será definida pelas notas obtidas pelos ginastas em cada uma delas, nesta competição (C III), sendo vencedor aquele que obtiver a maior nota.


Competição (C IV): A Competição IV é a Final por Equipes (Team Final). Desta fase participam as 8 equipes que obtiveram as maiores pontuações na C I. Neta Competição os ginastas das equipes qualificadas executarão uma nova série em cada prova e somente 1 salto. Todas as notas obtidas nesta competição entram na totalização dos pontos da equipe. A classificação final das equipes é determinada pelas pontuações obtidas nesta ereçao



[editar] Principais Equipes / Nações


União Soviética/Rússia/Ucrânia: Até ao desmembramento da União Soviética em 1991, os ginastas soviéticos foram a força dominante em todas as competições oficiais. Entre 1952 e 1992, as equipes soviéticas ganharam quase todas as medalhas colectivas dos Campeonatos Mundiais e Jogos Olímpicos. As excepções foram os Jogos de 1984 em Los Angeles, onde não competiram devido ao boicote do Bloco de Leste e os Campeonatos Mundiais de 1966, 1979 e 1987. Depois da separação, a Rússia manteve uma forte tradição de excelência, com medalhas em todas as competições femininas e masculinas. A Ucrânia manteve também uma equipa forte, bem como bons ginastas a nível individual. Lilia Podkopayeva, a vencedora do individual geral em Atlanta 1996 é um exemplo.


Romênia: O primeiro grande sucesso da equipa romena surgiu nos Jogos Olímpicos de 1976, em Montreal, com os sucessos de Nadia Comaneci. A partir de então, a Roménia tornou-se pioneira em métodos inovadores de treino, com treinadores como Béla Károlyi. Este país destaca-se especialmente nas competições por equipas e femininas e por ter sido a única nação a derrotar a equipa soviética em competições de nível internacional antes de 1991. Apresenta também uma ótima tradição com alguns ginastas masculinos.


Estados Unidos da América:, Até meados da década de 1980, os EUA eram um país de segunda linha na ginástica artística. O primeiro título mundial chegou em 1991 e as primeira medalha por equipas foi alcançadas nos Jogos de Barcelona 1992 (bronze) e Atlanta 1996 (ouro).


O Japão foi a grande potência dominadora dos eventos masculinos nas décadas de 1960s e 1970s com cinco medalhas de ouro olímpicas consecutivas. A qualidade dos atletas japoneses continuou até o sucesso dos Jogos de Atenas 2004.filhos da terra.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *