O que é origami ?

Origami (折り紙) é a arte japonesa de dobrar o papel. A origem da palavra advém do japonês ori (dobrar) kami (papel), que ao juntar as duas palavras a pronúncia fica “origami”. Geralmente parte-se de um pedaço de papel quadrado, cujas faces podem ser de cores diferentes, prosseguindo-se sem cortar o papel.


No entanto, a cultura do Origami Japonês, que se desenvolve desde o Período Edo, não é tão restritiva acerca destas definições, por vezes cortando o papel durante a criação do modelo, ou começando com outras formas de papel que não a quadrada (rectangular, circular, etc.). Segundo a cultura japonêsa aquele que fizer mil origamis (tsuru = grou japonês) teria um pedido realizado.



 História



Alguns modelos do Origami

Alguns modelos do Origami

Conforme se foram desenvolvendo métodos mais simples de criar papel, o papel foi tornando-se menos caro, e o Origami, cada vez mais uma arte popular. Contudo, os japoneses sempre foram muito cuidadosos em não desperdiçar; guardavam sempre todas as pequenas réstias de papel, e usavam-nas nos seus modelos de origami.


Durante séculos não existiram instruções para criar os modelos origami, pois eram transmitidas verbalmente de geração em geração. Esta forma de arte viria a tornar-se parte da herança cultural dos japoneses. Em 1797 foi publicado um livro (Hiden Senbazuru Orikata) contendo o primeiro conjunto de instruções origami para dobrar um pássaro sagrado do Japão. O Origami tornou-se uma forma de arte muito popular, conforme indica uma impressão em madeira de 1819 intitulada “Um mágico transforma folhas em pássaros”, que mostra pássaros a serem criados a partir de folhas de papel.



Pégaso, um cavalo alado.

Pégaso, um cavalo alado.

Em 1845 foi publicado outro livro (Kan no mado) que incluía uma coleção de aproximadamente 150 modelos Origami. Este livro introduzia o modelo do sapo, muito conhecido hoje em dia. Com esta publicação, o Origami espalha-se como atividade recreativa no Japão.


Não seriam apenas os Japoneses a dobrar o papel, mas também os Mouros, no Norte de África, que trouxeram a dobragem do papel para Espanha na sequência da invasão árabe no século VIII. Os mouros usavam a dobragem de papel para criar figuras geométricas, uma vez que a religião proibia-os de criar formas animais. Da Espanha espalhar-se-ia para a América do Sul. Com as rotas comerciais marítimas, o Origami entra na Europa e, mais tarde, nos Estados Unidos.



 Origami na Alemanha


Friedrich Froebel _(1782-1852) foi o fundador do Movimento Kindergarten que iria introduzir as dobragens de papel nas actividades pré-escolares. O Movimento Kindergarten foi levado para o Japão por uma senhora alemã, obtendo considerável aceitação. As dobragens de papel eram ensinadas às crianças e fundiram-se com o tradicional Origami.



 A divisão do Origami


A grande divisão entre a antiga dobragem do papel e a nova surgiu cerca de 1950 quando o trabalho de Akira Yoshizawa se tornou conhecido. Foi Yoshizawa quem criou a idéia da dobragem criativa (Sasaku Origami) e inventou todo um conjunto de métodos que nada deviam ao origami do passado, permitindo dobrar uma série de animais e pássaros. Porém, ainda precisava de duas partes de papel para conseguir animais de quatro patas, o que só viria a ser ultrapassado com a invenção das Bases Blintzed em meados da década de 1950 por outros entusiastas, particularmente o norte-americano George Rhoades. Até lá, apenas era possível dobrar animais muito primitivos, incluindo o tradicional porco.



 CPs


O que é uma CP? CP vem do inglês Crease Pattern, imagine que você dobrou um Porco, então resolveu desdobra-lo. As linhas que aparecerão no papel serão o “CP”. Alguns dobradores só publicam os CPs de suas obras.



 Matemática


A prática e o estudo do Origami envolve vários tópicos de relevo da matemática. Por exemplo, o problema do alisamento da dobragem (se um modelo pode ser desdobrado) tem sido tema de estudo matemático considerável.


A dobragem de um modelo alisável foi provado por Marshall Bern e Barry Hayes como sendo um problema NP completo [1].


O problema do Origami rígido (“se o papel for substituído por metal será ainda possível construir o modelo?”) é de grande importância prática. Por exemplo, a dobragem Miura é uma dobragem rígida que tem sido usada para levar para o espaço grelhas de painés solares para satélites.



 Variações




 Artistas


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que é origami?

ORIGAMI


Origami é , de forma simples, a arte de dobradura de papel. É uma arte milenar japonesa cujo nome de origem orikami, significa dobrar papel:


ori = drobrar


kami = papel


Transmitida de geração em geração entre os japoneses, desenvolveu-se de forma cativante. Mas, hoje esta muito longe de ser uma arte exclusiva ou principalmente japonesa. Há adeptos em todo o mundo , e inclusive dobraduras tradicionais do ocidente.


O Origami tem suas regras: folha de papel quadrada , sem cortes. Mas não são regras absolutas e há inumeras dobraduras fora deste esquema, mas trazem simplicidade e desafio à criação de modelos.


O Origami desenpenha um papel muito importante no desenvolvimento intelectual da criança, uma vez que desenvolve a capacidade criadora, além de contribuir para o desenvolvimento da psicomotricidade.


ORIGAMI


De uma forma simples, origami é a arte de dobrar o papel, pois “ori” vem do verbo “oru” que significa dobrar e “gami” vem da palavra “kami” que significa papel e quando ditas juntas a letra “k” é substituída pelo “g”.


Origami é uma arte milenar japonesa nascida há quase mil anos na Corte Imperial, onde era conhecido como um passatempo divertido e interessante. Com o passar do tempo esta arte foi transmitida ao povo que adotou-o com o entusiasmo e transformou numa arte.


No Japão, nos dias de hoje, o Origami é bastante divulgado entre crianças, jovens e idosos, seguindo as tradições de séculos passados. Mas, esta muito longe de ser uma arte exclusiva dos japoneses, pois atualmente há adeptos em quase todo o mundo, e há inclusive origami tradicionais do ocidente.


No origami há regras básicas, que são: as folhas de papel quadrado e sem corte. Mas não são regras absolutas e há inúmeros origami fora deste esquema trazendo simplicidade e desafio à criação de modelos.


O origami desenvolve um papel muito importante no desenvolvimento intelectual da criança, pois exige concentração, estimula a imaginação e desenvolve a destreza manual.


E além disso é muito divertido ver um simples papel quadrado se transformando em um objeto, ave ou flor com algumas simples dobras no papel.


ORIGAMI



Origami é a arte da dobradura de papel. “Ori” significa dobrar, e “Kami”, papel. Quando ambas palavras se juntam, o “k” torna-se “g”, sendo assim, “orikami” torna-se “origami”.


No ano 105, T’sai Lao, administrador no palácio do imperador chinês, começou a misturar cascas de árvores, panos e redes de pesca para substituir a sofisticada seda que se utilizava para escrever. Ele, com certeza, não poderia imaginar a utilização que a humanidade faria desse invento chamado papel. O império chinês manteve segredo sobre as técnicas de fabricação do papel durante séculos, pois exportava esse material a preços altos. No século VII, por intermédio de monges coreanos, a técnica para fabricar papel chegou ao Japão como “um negócio da China”, e um século mais tarde, os árabes obtiveram o segredo desse processo. Na Europa a técnica chegou por volta do século XII e, dois séculos depois, já se espalhava por todos os reinos cristãos.


Nem sempre o papel teve boa qualidade. Exceto na China e no Japão, onde desde os primeiros momentos era possível a prática de dobrá-lo, no resto do mundo, principalmente na Europa, o papel era grosso e frágil, dificultando a prática de dobraduras. Só a partir do século XIV, conseguiu-se fabricar um papel mais fino e flexível na Europa. Mas o altíssimo custo para sua fabricação era também obstáculo para a popularização do origami.


Não se sabe quem criou muitos origami, pois muitos deles foram passados por várias pessoas até a forma final. Isto ocorreu com a criação do “orizuru”, e acredita-se que esta era a essência do origami, a união de várias pessoas para a criação. Pode-se dizer que estes origami são uma das heranças peculiares mais antigas do país.


Segundo alguns estudiosos, as primeiras figuras de origami surgiram na Antigüidade, por volta do século VI, quando um monge budista trouxe para o Japão o método de fabricação do papel da China, via Coréia, onde até então não era conhecido.


No início, tinha caráter simbólico nos rituais das cerimônias xintoístas. Os noshi, oferendas que se faziam nos templos, eram envoltos em papel, cuja função era separar o puro do impuro. A evolução desses envoltórios com dobras cada vez mais complexas e atraentes foi tanta que o origami deixou de ser um meio para converter-se num fim. Assim, foram sendo apresentados de maneiras diferentes, seguindo algumas regras básicas, respeitadas por todos que dobravam. Uma tradição que tem raiz no século XII. Também nessa época constatou-se a existência de um rito matrimonial em que papéis eram dobrados partindo da base do balão, simbolizando os noivos (mariposas). As mariposas – macho e fêmea – envolviam as garrafas de saquê, simbolizando a união.


Nesta época, quando o Estado e a religião era um só, Seisei Ichi, os origami representavam a natureza das cerimônias religiosas. Dizem que foi utilizado para transmitir ou registrar a intenção da cerimônia religiosa. Porém, estes origami eram uma mistura de origami com kirigami, que é a arte de formar figuras através de recortes de papéis. Estes origami eram confeccionados utilizando-se papéis manufaturados especialmente para o uso das sacerdotes xintoístas.


Recortavam-se os papéis quadrados ou retângulos em forma de raio, dobrando-se a seguir em formato de tempo, ou de nusa ou shide, objetos utilizados durante as cerimônias. E ainda, nos Katashiro utilizado em harai, bonecos de papel utilizados no Hinamatsuri (festival das bonecas), o monkirigata que é o protótipo do emblema, todos eles eram feitos seguindo o método kirikomi origami, que é “origami com recortes”.



“Os katashiro são, ainda hoje, colocados nos templos xintoístas no lugar da divindade, tomando a sua forma. O mais antigo katashiro de origami se encontra no Ise Jingu, província de Mie, portanto se diz que a história do origami é tão antiga quanto a história do Japão.”(Kanegae,1988)


Estes tipos de origami são considerados um clássico da arte, e vem sendo ensinado até hoje aos alunos na Escola Ogasawara de etiquetas.


Na Europa, sem esse sentido religioso, existia no século XVI o costume dos estudantes da Universidade de Pádua que, ao visitar seus professores, deixavam um cartão de visita com seu nome,dobrado de forma a expressar um sentimento ou intenção.


O nó pentagonal que os japoneses usavam para escrever suas orações era conhecido na Europa desde o século XII, principalmente entre os estudiosos de Geometria.


A dessacralização do origami ganhou terreno paralelamente à redução dos custos. As classes mais populares começaram a ter acesso a essa prática e logo suas técnicas foram bastante disseminadas.


As figuras representavam objetos da vida diária (capacete de samurai, bonecas, barcos etc.). Muitas dessas peças são dobradas até os dias de hoje. A beleza das peças, em grande parte, vem da leveza do papel artesanal utilizado em sua confecção.


A semelhança entre as figuras japonesas e as tradicionais figuras européias pode ter acontecido por uma comunicação direta feita entre missionários e comerciantes. Ambas as tradições têm figuras iguais, com predominância das dobradas com ângulos de 45 graus. Algumas estão documentadas na Europa desde o século XVII. A pajarita (passarinho) espanhola passou a denominar todas as figuras dobradas na Espanha. Os espanhóis acreditam ser, no contexto europeu, o povo que com mais força manteve essa tradição.


Outro origami formal utilizado até os dias de hoje é o noshi, um ornamento colocado sobre o embrulho de presente, significando que a pessoa deseja muita fortuna para a pessoa presenteada. Os japoneses diziam que todo presente deveria ser embrulhado em papel puramente branco, e como não é possível, utilizasse o noshi simbolizando este branco do costume japonês. A raça japonesa considera o branco como algo sagrado. Dizem que no mundo os japoneses e coreanos são os únicos povos que adoram o branco.


Os princípios básicos ditam que o origami deve ser confeccionado a partir de um papel plano, bidimensional, a fim de que o resultado seja um objeto com três dimensões, sem utilizar-se de outros materiais como tesoura, cola ou similares. A partir do século XVII, estas rígidas regras foram um pouco alteradas, dando a liberdade de se utilizar pequenos cortes, desde que feitos no início do processo.



O origami recreativo conhecido atualmente teve origem na Era Heian (794-1192), época em que o origami deixa de ser formal para ser mais recreativo, evoluindo para as formas de garças, barco e bonecas.


Segundo pesquisador conceituado das origens do origami, professor Massao Okamura de 65 anos, o origami teve início no século XVII pelos samurais. Foram eles que deram os primeiros passos para o formato dos origami atuais. E o interessante, é que ao contrário dos dias de hoje, em que o origami é visto como uma atividade infantil, até meados do início do século XIX, era considerado como um passatempo divertido e interessante restrito aos adultos, principalmente devido ao valor muito caro da matéria-prima.


A partir da fabricação do papel no Japão, a população japonesa passa a conhecer e aprimorar o origami, e transmitindo de pai para filho. Durante a Era Edo (1590-1868), o origami passa a ser praticado principalmente pelas mulheres e crianças independente da classe social.


Até o final desta era, foram criados aproximadamente setenta tipos de origami, tais como o “tsuru” (grou), sapo, íris, lírio, navio, cesta, balão, homem etc. Estes receberam a denominação de origami, “origaka”, “orisue”, “tatami-gami” etc.


Na era Meiji (1868-1912) o origami voltou a ser ensinado nas escolas, após sofrer grandes influências do método de origami alemão. Isto porque o origami floresceu no Japão em outros países também ocorreu o mesmo, como na Espanha, onde os primeiros origami foram introduzidos pelos Mouros no século VIII.


Enquanto o intercâmbio internacional tornava o origami conhecido em todo o mundo, após a I Guerra Mundial as aulas de origami foram eliminadas das escolas japonesas, alegando que eram consideradas não-didáticas para o sistema educacional. Este tema ainda vem sendo discutido pois, depois desta retirada o origami se tornou restrito à crianças e ambientes familiares.


ORIGAMI


A palavra origami vem de Oru = dobrar mais Kami = papel. A junção acabou por formar origami e significa a arte de produzir figuras a partir de folhas de papel. O origami tradicional surgiu no Japão por volta do século IX e não se usava cola ou tesoura. As figuras formadas eram sempre animais ou objetos do cotidiano.


Alguns autores acreditam que desde o século VI os monges japoneses já praticavam algumas dobraduras. Essas dobraduras foram depois sendo transmitidas através das gerações, apenas entre as famílias nobres, até porque o papel era uma coisa cara e rara. Em 1797 foi publicado um livro chamado Senbazuru Orikata que pode ser traduzido por “como dobrar mil graças”. A partir daí o origami passou a ser uma matéria regular nas escolas japonesas.




Origamis representando objetos diversos eram queimados em rituais nos funerais japoneses como forma de possibilitar aos mortos, adquirirem coisas de que precisavam. Da mesma maneira, cédulas imitando dinheiro verdadeiro e colocadas em envelopes vermelhos confeccionados com técnicas de origami eram queimadas nos casamentos para atrair a fortuna. Diz a lenda ainda que quem fizer 1000 tsurus pensando em uma mesma coisa, obterá o que deseja. É só você experimentar. No Japão, todos os anos no dia 6 de agosto, milhares de Tsurus são depositados no mausoléu erigido em homenagem aos que morreram na tragédia atômica de Hiroxima, para que isso nunca mais volte a acontecer.



Tsuru – Ave simbólica do origami.


O origami arquitetônico forma figuras em três dimensões e foi uma evolução natural do origami puro. A primeira aplicação, ou talvez mesmo a primeira motivação, foi a confecção das lanternas de papel utilizadas na iluminação das casas de chá, no antigo Japão. Mas quem achar que tudo no origami tem uma origem e uma história muito antiga, está errado.



Esses cartões que formam figuras tridimensionais quando abertos, comuns em nossos dias, nasceram também no Japão, mas muito mais recentemente. Masahiro Chatani resolveu preparar cartões de ano novo para os amigos e criou essa nova técnica. A idéia obteve imediato sucesso e ele logo fez uma exposição, em Tóquio, dos seus trabalhos. Isso no século passado. Dito assim parece que faz também muito tempo, mas na verdade foi em 1982.



Todos nós já fizemos origamis. Se a sua primeira reação foi dizer “eu não”, melhor lembrar o seu tempo de criança. Na escola eu fazia aviõezinhos de papel que lançava, clandestinamente, no meio da aula. Divertia-me com aquilo e devo ter deixado de aprender muitas coisas por conta dos meus inocentes e simplórios origamis. Também fiz barquinhos de papel na minha infância e chapéus. Lembro-me que todas as crianças colocavam os chapéus feitos com folhas de jornal e saiamos cantando “marcha soldado, cabeça de papel…” Também se faziam balões, mas esses eu nunca aprendi como eram feitos. Minha especialidade eram os aviõezinhos.



O origami tem lá as suas regras. A folha de papel deve ser quadrada e sem cortes mas freqüentemente essa regra milenar não é respeitada. As técnicas usadas hoje deixariam os mestres japoneses da antiguidade humilhados. Se antigamente a representação de um inseto era uma grande conquista, hoje insetos anatomicamente quase perfeitos são coisas comuns entre os origamistas. Houve uma grande evolução através dos tempos. Já os aviõezinhos da minha infância não evoluíram nada. Continuam simples e divertidos do mesmo jeito.


Origami


A arte de dobrar o papel , Origami, conhecida no Japão há séculos,deixou de ser exclusiva dos japoneses para se tornar universal.


Isso se deve ao fascinio proporcionado pela formação de um simples pedaço de papel nas mais variadas figuras: animais, flores, objetos utilitários, figuras geometricas e decorativas.


Todas as pessoas , indistintamente, podem aprender o Origami, e sentir na prática os benefícios que esta atividade proporciona.


Tsuru



A figura do Tsuru ( grou) é uma das mais populares e belas dentro do Origami. Surgiu há seculos e ainda hoje é bastante admirada pelo seu valor simbólico.Representa a Paz,a Saúde,a Longevidade e a Fortuna, motivo pelo qual é bastante utilizada em comemorações festivas, fazendo-se presente nos enfeites e embalagens.


Diz -se que ao dobrarmos mil “tsuru”,os nossos desejos serão realizados, ou ainda que ao oferecê-los a uma pessoa doente, estaremos transmitindo-lhe o nosso desejo para o seu pronto restabelecimento.


Certo é que ao dobrarmos cada figura, nela são depositadas a nossa fé, esperança, carinho e energia, formando uma espécie de corrente com vibrações positivas.


Origami



É a arte milenar de produzir objetos e formas a partir da dobradura de papel. Tal arte é muito praticada no Japão. Alguns estudiosos acreditam na tese de que ela surgiu juntamente com o papel.


Os primeiros registros que revelam o surgimento do papel se deram na China, no ano 105 d.C. De lá, monges budistas levaram o método de fabricação do produto para outros países asiáticos, partir do século VII.


Um dos países a aprenderem à técnica de fabricação do papel foi o Japão, aonde a técnica do origami vinda junta com o papel iria se desenvolver.


A partir do século VIII, as dobraduras passaram a ser utilizadas nas cerimônias xintoístas, representando divindades adoradas pelos japoneses.


Foi no ano de 1876, que a arte de dobrar o papel formando uma imagem se tornou acessível a todos, principalmente nas escolas japonesas.


Origami


Arte da Dobradura de Papel



O origami (dobradura de papel) surgiu na China há 1.800 anos. Foi levado ao Japão entre os séculos VI e X, juntamente com o papel, por monges budistas chineses. No inicio era acessível apenas à nobreza, sendo usado em diversas cerimônias. Por muitos anos, a tradição e as formas criadas a partir de uma folha quadrada de papel foram passadas apenas de geração para geração.


Os primeiros esquemas escritos só surgiram em 1797, com a publicação do Senbazuru Orikata (“Como Dobrar Mil Garças”). A arte começa a se popularizar efetivamente quando o Japão passa a fabricar papel e ganha grande impulso, em 1876, ao passar a fazer parte do currículo escolar. A prática do origami promove o desenvolvimento intelectual da criança, desenvolve a capacidade criativa e a psicomotricidade.


A palavra origami teria surgido em 1880 a partir dos termos ori (dobrar) e kami (papel). Antes, era conhecida como orikata.


No Japão, era comum fazer origamis de diversas formas, que eram queimados em rituais fúnebres para que o espírito da pessoa falecida pudesse ter na outra vida tudo o que almejava. Dobraduras imitando cédula de dinheiro e postas em envelopes vermelhos eram queimadas nas festas de casamento, com o objetivo de desejar prosperidade ao casal.


Ainda hoje, as figuras feitas em origami são carregadas de simbolismos: o sapo representa o amor e a fertilidade; a tartaruga, a longevidade; e o tsuru, a mais famosa figura de origami, é o desejo de boa sorte, felicidade e saúde.


Diz uma lenda que quem fizer mil tsurus, com a mente fixa naquilo que deseja alcançar, terá sucesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *