O que é psitacose?

Psitacose


Aspectos Clínicos
Descrição – Doença infecciosa aguda produzida por clamídias, que cursa com febre, prostração, tosse, cefaléia, calafrios, acompanhados de acometimento das vias aéreas superiores ou inferiores. Os pacientes acometidos podem apresentar epistaxe, esplenomegalia, sendo o quadro pulmonar compatível com o de pneumonia atípica. Ocorre, ainda, distensão abdominal, obstipação ou diarréia, delírio e lesões cutâneas sob a forma de roséolas, similares à febre tifóide. A enfermidade, em geral, é leve ou moderada no homem, podendo ser mais grave em idosos que não recebam tratamento adequado.

Sinonímia – Ornitose.

Aspectos Epidemiológicos
Agente etiológico – Chlamydia psittaci.



Chlamydia psittaci


Reservatório – Os pássaros, principalmente os psitacídeos (papagaios, araras, periquitos), podendo ser acometidas outras espécies, como pombos, perus e gansos; algumas espécies de mamíferos também podem ser afetados, como caprinos e ovinos.

Modo de transmissão – Via respiratória, através da aspiração de poeira contaminada por dejetos dos animais doentes ou portadores. Apesar de rara, é possível a transmissão via respiratória, de pessoa a pessoa, na fase aguda da doença.

Período de incubação – De 1 a 4 semanas.

Período de transmissibilidade – Dura semanas ou meses.

Complicações – Pericardite, miocardite, endocardite, tromboflebite superficial, hepatites e encefalopatia são Complicações não muito freqüentes.

Diagnóstico Laboratorial
Diagnóstico – Clínico-epidemiológico e sorológico, através da reação de fixação do complemento. Títulos aumentados em quatro vezes entre a fase aguda e a convalescença, obtidos com intervalo de duas a três semanas entre cada coleta, confirmam o diagnóstico. Na presença de quadro clínico sugestivo, o achado de títulos de 1:32 pode ser considerado evidência de infecção. O isolamento do agente no sangue ou em secreções, além de cultura de tecidos, apesar de possível, é de difícil execução, requerendo laboratórios especializados para a sua realização.

Diagnóstico diferencial – Pneumonia viral aguda causada por rickettsia ou mycoplasma, endocardite com cultura negativa. Havendo alterações cutâneas, deverá ser feito Diagnóstico diferencial com febre tifóide.

Características epidemiológicas – Doença de distribuição universal, ocorrendo em qualquer estação do ano. Acomete, principalmente, indivíduos que mantêm contato direto com aves e animais, a exemplo de trabalhadores em abatedouros de aves, lojas de animais ou proprietários de pássaros e outros animais domésticos, o que lhe dá um caráter de doença ocupacional nessas situações. Os surtos estão associados a locais onde existam animais confinados, como zoológicos e em situações envolvendo transporte de animais. Infecções em crianças são raras. Há relato da ocorrência da doença grave em gestante, seguida de aborto, após contato com ovelha infectada.

Vigilância Epidemiológica
Objetivo – Não se desenvolve ações específicas de Vigilância Epidemiológica. Os casos devem ser diagnosticados e tratados precocemente para evitar Complicações e transmissão da doença.

Notificação – Não é doença de notificação compulsória e não se encontra sob Vigilância Epidemiológica, sendo obrigatória apenas a investigação de surtos.

Medidas de Controle



a) Gerais: Educação em saúde para alertar a população sobre os riscos de exposição dos Reservatórios, regulamentação da importação, criação e transporte de aves, utilização de antibioticoterapia ou quarentena desses animais, quando indicado. Vigilância dos locais de venda de animais, aviários, granjas. As aves suspeitas de fonte de infecção para o homem devem ser avaliadas por veterinário e eliminadas em caso de infecção.
b) Específicas: Desinfecção concorrente de todas as secreções. Limpeza terminal.
c) Eliminação das fontes de infecção: nos locais com aves domésticas infectadas, pode-se eliminá-las ou tratá-las e fazer a desinfecção local.
d) Investigação dos contatos: identificação da procedência das aves infectadas. O corpo do animal acometido deve ser submetido à desinfecção antes de eliminado. Pessoas expostas à infecção devem ser observadas quanto ao desenvolvimento de febre ou outros sintomas.


Fonte: Guia Brasileiro de Vigilância Epidemiológica 1998. 1998.
Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde


Data da Publicação: 23/04/2003

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que é psitacose

Psitacose



 



 

Psitacose, também conhecida como ornitose ou febre dos papagaios, é uma doença infecciosa causada por clamídias (agente etiológico: Chlamydia psittaci), é de distribuição universal (pode ocorrer em qualquer lugar do mundo), ocorrendo em qualquer época do ano.


Pássaros, principalmente os psitacídeos (papagaios, araras, periquitos), são o reservatório natural da doença, todavia, outras espécies como pombos, perus e gansos também podem atuar como reservatório. Algumas espécies de mamíferos (caprinos e ovinos) podem ser afetadas. Atualmente, conhece-se mais de 130 espécies de aves que podem ser hospedeiras da bactéria. Acomete principalmente pessoas que mantêm contato direto com esses animais (ex.: trabalhadores de abatedouros de aves, trabalhadores de lojas de animais e criadores de aves).


A psitacose é transmitida por via respiratória, por meio da aspiração de poeira contaminada pelos dejetos de animais doentes ou portadores. A transmissão respiratória de pessoa a pessoa pode acontecer, mas é um evento raro e ocorre somente na fase aguda da doença. Uma vez no corpo do infectado, permanece incubada por um período de uma a quatro semanas e, o período de transmissibilidade pode durar semanas ou meses.


Sintomas característicos são febre, prostração, tosse, cefaléia e calafrios, acompanhados de comprometimento das vias aéreas superiores e inferiores, porém os pacientes com psitacose podem apresentar, ainda, epistaxe e esplenomegalia com quadro pulmonar semelhante a uma pneumonia atípica.


Essa infecção, geralmente, é leve ou moderada no homem adulto, rara em crianças e mais grave em idosos que não recebem o tratamento adequado. Complicações podem surgir mas não são muito freqüentes (ex.: encefalopatia, hepatites, tromboflebite superficial, endocardite, pericardite e miocardite).


O diagnóstico é clínico-epidemiológico e sorológico, através da reação de fixação do complemento e/ou Elisa. Títulos aumentados em quatros vezes entre a fase aguda e a convalescença, conseguidos com intervalo de duas a três semanas entre cada coleta, confirmam o diagnóstico. O isolamento do agente infeccioso no sangue ou em secreções é de difícil execução e é realizado somente em laboratórios especializados.


Para o tratamento em adultos é recomendado doxiciclina, via oral, 100mg de 12/12horas por um período de 14 a 21 dias. Já para menores de 07 anos, usa-se eritromicina, via oral, 30-40mg/kg/dia de 6/6horas. A sintomatologia começa a regredir após 24/48 de tratamento.


Foi descrita pela primeira vez no ano de 1893 por Morange que descreveu uma patologia infecciosa transmitida por papagaios e com quadro sintomático semelhante ao da gripe. Psitacose deriva da palavra grega psitaccus que significa papagaio. O termo ornitose descreve com maior exatidão o potencial que qualquer pássaro possui de transmitir a doença, porém, ainda hoje, o termo psitacose persiste.


CID10: A70 – infecções causadas por Chlamydia psittaci

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *