O que é tularemia e qual seu diagnóstico

Tularemia é uma doença infecciosa rara que pode atacar a pele, olhos e pulmões. Menos de 200 casos de tularemia são informados anualmente nos Estados Unidos—principalmente em estados centrais ocidentais e do sul.

Tularemia, febre do coelho, como é freqüentemente chamada ou febre da mosca do cervo, é causada pela bactéria Francisella tularensis. A doença afeta animais principalmente, especialmente roedores, coelhos e lebres, entretanto também pode infetar pássaros, répteis e peixes.

A tularemia chega aos humanos de várias maneiras, inclusive mordidas de inseto e exposição direta a um animal infetado. Altamente contagioso e potencialmente fatal se não tratado, tularemia foi identificado como uma possível bioarma. Se diagnosticada cedo, os doutores normalmente podem tratá-la efetivamente com antibióticos, mas a meta é eliminá-la.
Índice
[esconder]

* 1 Sintomas
* 2 Causas
* 3 Epidemiologia
* 4 Diagnóstico
* 5 Complicações
* 6 Tratamento
* 7 Referências
* 8 Ligações externas

[editar] Sintomas

* Tularemia Ulceroglandular:

Sem dúvida a forma mais comum da doença. Começa com uma úlcera de pele que forma no local da infecção — normalmente um inseto ou mordida de animal. De lá, bactérias espalham-se às glândulas das linfas que ficam inchadas e doloridas. Outros sintomas incluem febre, dor de cabeça e esgotamento.

* Tularemia glandular:

As pessoas com tularemia glandular têm todos os sinais e sintomas da ulceroglandular, mas não desenvolvem úlceras na pele.

* Tularemia Oculoglandular:

Esta forma afeta os olhos, causando dor, vermelhidão, inchaço e descarga. Às vezes uma úlcera pode desenvolver no lado de dentro da pálpebra.

* Tularemia Orofaringeal:

Afetando a área digestiva, é marcada por vômito e diarréia.

* Tularemia Pneumônica:

Ela causa sintomas típicos de pneumonia: tosse, dor no peito, respiração difícil. Outras formas de tularemia também podem alcançar os pulmões.

* Tularemia Tifoidal:

Esta forma rara e séria da doença normalmente causa febre, esgotamento extremo e perda de peso, e pode afetar vários órgãos de corpo, inclusive os pulmões.

[editar] Causas

Tularemia não acontece naturalmente em humanos, mas sim em animais — mundialmente, mais de 200 espécies de mamíferos, porém também podem ser infetados pássaros, insetos e peixes, com F. tularensis. As bactérias podem viver durante muito tempo nos animais, e até mesmo insetos podem agir como reservatórios para doença. Ao contrário de algumas doenças infecciosas que espalham de animais à pessoas por uma única rota, tularemia tem vários modos de transmissão; como você normalmente contrai a doença determina o tipo e severidade de sintomas. Em geral, você pode conseguir tularemia através de:

* Mordidas de inseto: Embora vários insetos levam tularemia, carrapatos e moscas de cervos são mais comuns em transmitir a doença a humanos. O mordida do carrapato causa uma proporção grande de casos de tularemia ulceroglandular.

* Exposição à animais doentes ou mortos: Tularemia Ulceroglandular também podem ser o resultado de mexer ou ser mordido por um animal infetado, freqüentemente um coelho ou lebre. Bactérias entram na pele por cortes pequenos e abrasões ou por mordida, e uma úlcera forma no local de ferida. A forma ocular de tularemia pode acontecer quando você esfregar seus olhos depois de tocar um animal doente.

* Bactérias aerotransportadas: Bactérias na terra podem ficar aerotransportadas durante ajardinar, construção ou qualquer atividade que perturbe a terra. A inalação das bactérias pode conduzir à tularemia pneumônica.

Comida contaminada ou água. Embora incomum, é possível contrair tularemia por comer carne mal-cozida de um animal infetado ou bebendo água contaminada. Os sinais intestinais são: vômitos, diarréia e outros problemas digestivos (tularemia orofaringeal). O calor mata a F. tularensi, portanto carne bem-cozida está normalmente segura comer.

[editar] Epidemiologia

Tularemia acontece mundialmente—especialmente em áreas rurais na Europa oriental, China, Japão e Escandinávia. Nos Estados Unidos, a maioria dos casos—com a exceção do Vinhedo de Martha—é agrupado no oeste rural e em estados centrais do sul, como Arkansas, Missouri e Oklahoma. A estação do carrapato (geralmente junho a setembro) e caça são horários nobres para infecção.

É uma doença altamente contagiosa; a inalação de 10 a 50 bactérias pode causar a doença. Tularemia é rara, só um punhado de casos são informados cada ano. As bactérias são transmitidas de animais a humanos, não de pessoa para pessoa.

[editar] Diagnóstico

Os médicos podem conferir para F. tularensis em uma amostra de sangue ou de cuspe que são cultivadas para aumentar o crescimento das bactérias. Mas o modo preferido para diagnosticar tularemia normalmente é identificar anticorpos às bactérias em uma amostra de sangue. Também é provável que você tenha que realizar uma Radiografia do tórax para procurar sinais de pneumonia.

São utilizados também:

* Serologia para tularemia
* Prova de PCR (Reação em cadeia de Polimerasa)
* Hemocultivos

[editar] Complicações

A maioria das formas de tularemia pode chegar eventualmente aos pulmões, conduzindo à pneumonia e às vezes à parada respiratória—uma condição na qual os pulmões não levam bastante oxigênio e liberta bastante gás carbônico ou ambos. Outras possíveis complicações incluem:

* Meningite: É uma infecção séria do fluido e membranas (meninges) que cercam o cérebro e do cordão espinhal. Sinais e sintomas de meningites bacterianas incluem febre alta, dor de cabeça severa, pescoço duro e sensibilidade à iluminação. Se não tratado prontamente, meningites bacterianas podem causar lesão cerebral e morte.

* Pericardite: É o inchamento e irritação do pericárdio, a membrana magra que cerca o coração. A pericardite moderada melhora freqüentemente sem tratamento, mas em casos mais sérios podem requerer terapia antibiótica.

* Infecção dos ossos(osteomielite): bactérias de Tularemia às vezes chegam aos ossos, conduzindo à dor, diminuindo o movimento das juntas, vermelhidão na pele e feridas abertas nas áreas afetadas.

[editar] Tratamento
Advertência: A Wikipedia não é um consultório médico.

Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde.
As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.

Tularemia pode ser tratada efetivamente com antibióticos como estreptomicina ou gentamicina que são diretamente administrados através de injeção num músculo ou veia. Dependendo do tipo de tularemia que é tratado, os doutores podem prescrever antibióticos orais como tetraciclina. Será feito também terapia para qualquer complicação como meningites ou pneumonia. Em geral, os pacientes ficam imunes à tularemia após a recuperação, mas algumas pessoas podem experimentar um retorno da doença ou reinfecção;

[editar] Referências

* English

^ Morner T (1992). “The ecology of tularemia”. Rev Sci Tech 11: 1123–30.

^ Jellison WL, Owen C, Bell JF, Kohls GM (1961). “Tularemia and animal populations”. Wildl Dis 17: 1–22.

^ Hayes E, Marshall S, Dennis D, et al. (2002). “Tularemia—United States, 1990–2000”. MMWR 51 (09): 182–4.

^ Plourde PJ, Embree J, Friesen F, Lindsay G, Williams T (1992). “Glandular tularemia with typhoidal features in a Manitoba child”. Can Med Assoc J 146: 1953–5.

^ http://www.cidrap.umn.edu/cidrap/content/bt/tularemia/biofacts/tularemiafactsheet.html#_Overview_1

^ Enderlin G, Morales L, Jacobs RF, Cross JT (1994). “Streptomycin and alternative agents for the treatment of tularemia: review of the literature”. Clin Infect Dis 19: 42–7.

[editar] Ligações externas

* CDC Emergency Preparedness and Response index for tularemia
* Soviet Army used rat weapon during WWII
* Biohazard Sensors Triggered Mall Germ Levels Likely Not a ThreatMartin Weil and Susan Levine Washington Post October 1, 2005

[Esconder]

v • d • e • h
Doenças bacterianas (principalmente A00-A79)
G+/Firmicutes Clostridium (Colite pseudomembranosa, Botulismo, Tétano, Gangrena gasosa) – Streptococcus A and B (Escarlatina, Erisipela) – Staphylococcus (Síndrome do choque tóxico) – Bacilli (Anthrax, Listeriose)
G+/Actinobacteria Mycobacterium: Tuberculose (Ghon focus, Complexo de Ghon, Meningite tuberculosa, Mal de Pott, Escrófula, Doença de Bazin, Lúpus vulgar, Miliary tuberculosis) – Hanseníase – síndrome de Lady Windermere – Buruli ulcer –
Actinomycetales: Actinomicose – Nocardiose – Difteria – Eritrasma
G-/Espiroqueta Sífilis (Bejel) – Yaws – Pinta – Relapsing fever – Noma – Trench mouth – Doença de Lyme – Rat-bite fever (Sodoku) – Leptospirose
G-/Clamídia Chlamydophila (Ornitose) – Chlamydia (Clamídia, Linfogranuloma venéreo, Tracoma)
G-/α Proteobacteria Rickettsioses (Tifo, Scrub typhus, Febre maculosa, Boutonneuse fever, Febre Q, Trench fever, Rickettsialpox) – Brucelose – Doença da arranhadura do gato
Bartonellosis (Bacillary angiomatosis)
G-/β&γ Proteobacteria Salmonella (Febre tifóide, Febre paratifóide, Salmonelose) – outras intestinais (Cólera, Shigelose) – Zoonóticas (Peste bubônica, Tularemia, Glanders, Melioidose, Pasteurellosis) – Outras: Pertussis – Meningococcus (Meningococcemia, Síndrome de Waterhouse-Friderichsen) – Legionelose – Febre purpúrica brasileira – Cancro mole – Donovanose – Gonorréia

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *