O que significa igreja catolica?

Igreja Católica



Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.









Este artigo ou secção possui passagens que não respeitam o princípio da imparcialidade.
Tenha algum cuidado ao ler as informações contidas nele. Se puder, tente tornar o artigo mais imparcial.






Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.


Nota: Se procura outros usos da expressão Igreja Católica, consulte Igreja Católica (desambiguação).




















Igreja Católica
Basílica de São Pedro, no Vaticano, ao amanhecer











A Igreja Católica é uma Igreja cristã colocada sob a autoridade suprema do papa, bispo de Roma. Seu objectivo é a conversão ao ensinamento e à pessoa de Jesus Cristo em vista do Reino de Deus. Para este fim, ela administra os sacramentos e prega o evangelho de Jesus Cristo. Ela não pensa como uma Igreja entre outras mas como a Igreja estabelecida por Deus para salvar todos os homens, o termo “católico” significa com efeito universal em grego. Ela elaborou sua doutrina ao longo dos concílios a partir da Bíblia e do Novo Testamento, comentados pelos Pais e pelos doutores da Igreja. Ela propõe uma vida espiritual e uma regra de vida à seus fiéis inspirada no evangelho e definidas de maneira precisa. Regida pelo código de direito canónico, ela se compõe, outra sua própria estrutura, de vários movimentos apostólicos, que comportam notadamente as ordens religiosas.


No início dos anos 1990, a Igreja Católica contava aproximadamente 928,5 milhões de membros[1] (seja 17,7 p. 100 da população mundial), principalmente na Europa e na América latina mas também noutras regiões do mundo. Sua influência na história do pensamento bem como sobre a história da arte é considerável, notadamente na Europa. Chama-se também a Igreja Católica Romana[2] e Igreja Católica Apostólica Romana.[3]







Índice

[esconder]



[editar] Eclesiologia


A Igreja define-se pelas palavras do Credo, como: « una » porque nela subsiste a única instituição verdadeiramente fundada e encabeçada por Cristo para reunir o povo de Deus, porque tem como alma o Espírito Santo, que une todos os fiéis na comunhão em Cristo e porque tem uma só fé, uma só vida sacramental, uma única sucessão apostólica, uma comum esperança e a mesma caridade; « santa » porque é a Noiva de Cristo “se tornará Esposa quando se derem as bodas celestiais” (Cristo entregou-se por ela), por sua ligação única com Deus, o seu autor, e que visa, através dos sacramentos, santificar, purificar e transformar os fiéis; « católica » porque é universal, espalhada por toda a Terra, portadora da integralidade e totalidade do depósito da e nela está presente Cristo (“Onde está Cristo Jesus, aí está a Igreja Católica“, citação de Santo Inácio de Antioquia); « apostólica » porque ela é fundamentada na doutrina dos apóstolos cuja missão recebeu sem ruptura.


A Igreja Católica é constituída por 23 Igrejas autônomas (sui juris), em ligação umas com as outras e subordinadas ao Papa que também é o Bispo de Roma, também chamado de Vossa Santidade, Sucessor do Apóstolo de Pedro e Vigário de Cristo, na sua qualidade de Sumo Pontífice da Igreja Universal (Católica), segundo a doutrina tradicional católica. Estas igrejas, dentro da sua autonomia, professam a mesma doutrina e fé, salvaguardada na sua integridade e totalidade pelo Papa. Mas, elas possuem diferentes particularidades histórico-culturais, uma tradição teológica e litúrgica diferentes e uma estrutura e organização territorial separadas.


A Igreja Católica é muitas vezes confundida com a Igreja Católica Latina, uma das 23 Igrejas autónomas da Igreja Católica.


O atual Papa é Bento XVI (nome de batismo Joseph Ratzinger) eleito em 19 de Abril de 2005. O Papa também é conhecido como sucessor do apóstolo Pedro, sendo este o perpétuo e visível princípio e fundamento da unidade da Igreja Universal. O Papa é o vigário de Cristo, cabeça do colégio dos Bispos e pastor de toda a Igreja, sobre a qual, por instituição divina, teria poder, pleno, supremo, imediato e universal.



[editar] Doutrina




Ver artigo principal: Doutrina da Igreja Católica

A doutrina tradicional da igreja católica instituiu o que se chama de dogmas, sendo um dos mais importantes o dogma da Santíssima Trindade. Este dogma professa que Deus é simultaneamente uno (porque só existe um Deus) e trino (porque está pessoalizado em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. A doutrina professa também a divindade de Jesus, que seria a segunda pessoa da Trindade, e que a salvação é através da fé em Jesus Cristo e por amar a Deus acima de todas as coisas.


A doutrina Católica está expressa e resumida no Catecismo da Igreja Católica.


A doutrina católica professa que a Igreja constitui o Corpus Mysticum, em que Cristo seria a cabeça e os fiéis membros deste corpo único, inquebrável e divino para reunir toda a humanidade a caminhar rumo à vida no Reino de Deus, buscando juntos para a santidade. A doutrina católica professa que os cristãos não-católicos também pertencem, apesar de um modo imperfeito, ao Corpo Místico, visto que tornaram-se uma parte inseparável Dele através do Baptismo.


Os pontos de vista católicos diferem dos ortodoxos em alguns pontos, incluindo a natureza do Ministério de S. Pedro (o Papado), a natureza da Trindade e o modo como ela deve ser expressa no Credo Niceno-Constantinopolitano, e o entendimento da salvação e do arrependimento. Os católicos divergem dos protestantes em vários pontos, incluindo a necessidade da penitência, o significado da comunhão, a composição do Cânone das Escrituras, o purgatório e o modo como se atinge a salvação:


Os protestantes acreditam que a salvação se atinge apenas através da fé (sola fide), ao passo que os católicos acreditam que a fé deve ser expressa também através das boas obras. Esta divergência levou a um conflito sobre a doutrina da justificação (na Reforma ensinava-se que “nos justificamos apenas pela fé”). O diálogo ecuménico moderno levou a alguns consensos sobre a doutrina da justificação entre os católicos e os luteranos, anglicanos e outros. Nas últimas décadas milhares de grupos religiosos têm sido fundados visando atrair sobre si o título de verdadeira e única igreja de Cristo, negando toda a tradição da igreja Católica e a sucessão direta do apóstolo São Pedro, instituido primeiro Papa pelo próprio Jesus Cristo, tomando como base uma interpretação livre da Bíblia Sagrada, apesar de este Livro ter sido constituído e compilado na igreja Católica.



[editar] Os Dez Mandamentos da Lei de Deus


Existem várias representações dos Dez Mandamentos (a Lei de Deus) devido à diversidade de traduções existentes. Aqui está uma representação inspirada no Livro do Êxodo (c. 20), embora com algumas adaptações, da versão de João Ferreira de Almeida (Ver no Wikisource):



  • 1º Amar a Deus sobre todas as coisas.
  • 2º Não tomar o Seu Santo Nome em vão.
  • 3º Guardar domingos e festas de guarda.
  • 4º Honrar pai e mãe.
  • 5º Não matar.
  • 6º Não pecar contra a castidade.
  • 7º Não roubar.
  • 8º Não levantar falso testemunho.
  • 9º Não desejar a mulher do próximo.
  • 10º Não cobiçar as coisas alheias.

ou ainda:



  • 1º Não terás outros Deuses diante de mim.
  • 2º Não farás para ti imagem de escultura.
  • 3º Não usar o santo nome de Deus em vão.
  • 4º Lembra-te do dia de Sábado para o santificar.
  • 5º Respeite seu pai e sua mãe.
  • 6º Não matarás.
  • 7º Não adulterarás.
  • 8º Não furtarás.
  • 9º Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.
  • 10º Não cobiçar as coisas alheias.

Aqui está mais uma versão, ensinada actualmente na catequese de língua portuguesa da Igreja Católica:



  • 1º Amar a Deus sobre todas as coisas.
  • 2º Não invocar o Santo Nome de Deus em vão.
  • 3º Guardar domingos e festas de guarda.
  • 4º Honrar pai e mãe.
  • 5º Não matar.
  • 6º Guardar castidade nas palavras e nas obras.
  • 7º Não roubar.
  • 8º Não levantar falsos testemunhos.
  • 9º Guardar castidade nos pensamentos e nos desejos.
  • 10º Não cobiçar as coisas alheias.


[editar] Sacramentos




Ver artigo principal: Sacramentos católicos


Baptismo de uma menina

Baptismo de uma menina

Dentro da fé católica, os sacramentos são gestos e palavras de Cristo que concedem graça santificadora sobre quem os recebe. A Igreja Católica tem sete sacramentos:



  • Batismo é dado às crianças e a convertidos adultos que não tenham sido antes batizados validamente (o batismo da maior parte das igrejas cristãs é considerado válido pela Igreja Católica visto que se considera que o efeito chega diretamente de Deus independentemente da fé pessoal, embora não da intenção, do sacerdote).
  • Confissão ou Penitência ou Reconciliação envolve a admissão de pecados perante um padre e o recebimento de penitências (tarefas a desempenhar a fim de alcançar a absolvição ou o perdão de Deus).
  • Eucaristia (Comunhão) é o sacrifício de Cristo marcado pela partilha do Corpo de Cristo e do Sangue de Cristo que se considera que substituem em tudo menos na aparência o pão e o vinho utilizados na celebração. A crença católica romana de que pão e vinho são transformados no Corpo e no Sangue de Cristo chama-se transubstanciação.
  • Na Confirmação ou Crisma, o presente do Espírito Santo que é dado no baptismo é “fortalecido e aprofundado” (veja o Catequismo da Igreja Católica, para. 1303) através da imposição de mãos e da unção com óleo. Na maior parte das igrejas de Rito latino, este sacramento é presidido por um bispo e tem lugar no início da idade adulta. Nas Igrejas Católicas Orientais o sacramento do Crisma é geralmente executado por um padre imediatamente depois do baptismo.
  • Sagrado matrimónio.
  • As Ordens Sagradas recebem-se ao entrar para o sacerdócio e, no rito latino (ou ocidental), envolvem um voto de castidade enquanto que nos ritos orientais, os homens casados são admitidos como padres diocesanos, mas não como bispos ou padres monásticos. Em raras ocasiões, permitiu-se que padres casados que se converteram a partir de outros grupos cristãos fossem ordenados no rito ocidental. No rito ocidental, os homens casados podem ser ordenados diáconos permanentes, mas não podem voltar a casar se a esposa morrer ou se for declarada a nulidade do casamento. O sacramento das Ordens Sagradas é dado em três graus: o do diácono (desde Vaticano II um diácono permanente pode ser casado antes de se tornar diácono), o de sacerdote e o de bispo.
  • A Unção dos enfermos era conhecida como “extrema unção” ou “último sacramento”. Envolve a unção de um doente com um óleo sagrado abençoado especificamente para esse fim e já não está limitada aos doentes graves e aos moribundos.


[editar] Cinco Mandamentos da Igreja Católica



  1. Participar da Missa aos Domingos e outras festas de guarda, exceto quando houver trabalhos e atividades que possam impedir a santificação desses dias.

    Na maior parte dos países ocidentais católicos os dias santos de guarda são:
    Santa Maria, Mãe de Deus – 1 de janeiro
    Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo (Corpus Christi) – data variável entre maio e junho: 1ª quinta-feira após o domingo da Santíssima Trindade
    Imaculada Conceição de Maria – 8 de dezembro
    Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo – 25 de dezembro

  2. Confessar-se ao menos uma vez por ano.
  3. Receber o sacramento da Eucaristia, pelo menos pela Páscoa.
  4. Abster-se de comer carne e observar o jejum nos dias estabelecidos pela Igreja.

    Dias de jejum: Quarta-feira de Cinzas e Sexta-feira Santa.
    Dias de abstinência de carne: sextas-feiras da Quaresma.

  5. Atender às necessidades materiais da Igreja, cada qual segundo as próprias possibilidades

    Estes cinco mandamentos, na sua forma atual, foram promulgados em 2005 pelo Papa Bento XVI, quando suprimiu o termo “dízimos” do quinto mandamento (pagar dízimos conforme o costume), cujo sentido real era, obviamente, contribuição, não taxação.


[editar] Estrutura e Cargos



Basílica de São Pedro, Cidade do Vaticano

Basílica de São Pedro, Cidade do Vaticano

A Igreja Católica tem uma estrutura hierarquizada. O seu Chefe é o Papa, Sumo Pontífice da Igreja Católica Universal. A expressão “Santa Sé” significa o conjunto do Papa e dos dicastérios da Cúria Romana, que o ajudam no governo de toda a Igreja. O Papa é eleito, aconselhado e assistido pelo Colégio dos Cardeais, conhecidos também como Príncipes da Igreja. Na Igreja latina e em algumas das orientais, só o Papa pode designar os membros da Hierarquia da Igreja acima do nível de presbítero. Todos os membros da hierarquia respondem perante o Papa e a sua corte papal, chamada de Cúria Romana.


A autoridade do Papa vem da fé de que ele é o sucessor directo do Apóstolo Simão Pedro, conforme o Evangelho de Mateus 16,18-19 , chamado Príncipe dos Apóstolos, e, como tal, o Vigário de Cristo na Terra. A Igreja tem uma estrutura hierárquica de títulos que são, em ordem descendente:



  • Papa, líder da Igreja Católica (ou Igreja Universal) e também Bispo de Roma, possuidor do Pastoreio de todos os cristãos, concedido por Nosso Senhor Jesus Cristo. A sucessão dos Papas, desde Pedro, possuiu sua sede em Roma, a chamada cátedra de Pedro. Por isso, o Papa (Bispo de Roma), herda toda autoridade (Jurisdição Universal) depositada nessa cátedra e além de Bispo de Roma, é também Chefe de toda a Igreja Universal, exercendo assim o Pastoreio Universal. Os que o assistem e aconselham na liderança da Igreja são os Cardeais. Aos papas, no seio da Igreja Católica, atribui-se infalibilidade, desde o Concílio Vaticano I, em 1870. Por essa prerrogativa, as decisões papais em questões de fé e costumes são infalíveis.[4]
  • Patriarcas são normalmente títulos possuídos pelos líderes das Igrejas Católicas Particulares Orientais sui juris, que, com os seus sínodos, constituem a instância suprema para todos os assuntos dos Patriarcados Orientais, não excluído o direito de constituir novas eparquias e de nomear Bispos do seu rito dentro dos limites do território patriarcal, salvo o direito inalienável do Romano Pontífice de intervir em cada caso. Estes patriarcas são eleitos pelos respectivos sínodos das Igrejas Orientais e depois reconhecidos pelo Papa. Mas alguns dos grandes arcebispos da Igreja Latina também são chamados Patriarcas; entre estes contam-se o Arcebispo de Lisboa e o Arcebispo de Veneza, mas eles não têm o poder que os Patriarcas Orientais possuem;
  • Bispos (Arcebispo e Bispo Sufragário): são os sucessores directos dos doze apóstolos. Receberam o todo do sacramento da Ordem;
  • Presbítero (Monsenhor é um título honorário para um presbítero, que não dá quaisquer poderes sacramentais adicionais): colaboradores dos bispos, que não o mesmo nivel de jurisdição completa sobre os fiéis.
  • Diácono: possui o primeiro grau do Sacramento da Ordem. É ordenado não para o sacerdócio, mas para o serviço da caridade da proclamação da Palavra de Deus e da liturgia. Auxilia directamente os presbíteros e bispos. Os ministros aqui citados fazem parte do clero.

Existem ainda funções menores: Leitor, Ministro Extraordinário da Comunhão eucarística, Ministro da Palavra e Acólito (desde o Concílio Vaticano Segundo, o cargo de sub-diácono deixou de existir).Estas funções tomados em conjunto não fazem parte do clero, pois são conferidas aos leigos, uma vez que, para entrar para o sacerdócio, é preciso ao cristão receber as Ordens Sagradas. As ordens religiosas têm a sua própria hierarquia e títulos específicos.


O Papa é eleito pelo Colégio dos Cardeais (o processo de eleição, que tem lugar na Capela Sistina, é chamado Conclave). Cada Papa continua no cargo até a sua morte ou até que abdique (o que aconteceu poucas vezes, e nunca desde a Idade Média).


O Colégio dos Cardeais é um conjunto de bispos católicos que são conselheiros especiais do Papa. Um presbítero (padre) pode ser nomeado Cardeal, desde que se “distinga em fé, moral e piedade”. Se um cardeal que ainda não tiver sido ordenado bispo for eleito Papa, deverá receber a ordenação episcopal mais tarde. (ver a Constituição Apostólica Universi Dominici Gregis[1]) Todos os cardeais com menos de 80 anos têm o direito de votar para eleger um novo papa depois da morte do seu predecessor. Os escolhidos para serem cardeais são quase sempre bispos, mas no entanto o Papa concedeu no passado a presbíteros destacados (por exemplo, a teólogos) lugares de membro do Colégio, após ultrapassarem a idade eleitoral. A cada cardeal é atribuída uma igreja ou capela (e daí a classificação em bispo cardeal, padre cardeal e diácono cardeal) em Roma para fazer dele membro do clero da cidade. Muitos dos cardeais servem na cúria, que assiste o Papa na administração da Igreja. Todos os cardeais que não são residentes em Roma são bispos diocesanos.



[editar] Organização por região


A unidade geográfica e organizacional fundamental da Igreja Católica é a diocese (chamada eparquia nas Igrejas Orientais). Estas correspondem geralmente a uma área geográfica definida, centrada numa cidade principal, e é chefiada por um bispo. A igreja central de uma diocese recebe o nome de catedral, da cátedra, ou cadeira, do bispo, que é um dos símbolos principais do seu cargo. Dentro da diocese ou eparquia, o bispo exerce aquilo que é conhecido como poder ordinário, ou seja, autoridade própria, não delegada por outra pessoa. (Os membros de algumas ordens religiosas são semi-independentes das dioceses a que pertencem; o superior religioso da ordem exerce jurisdição ordinária sobre eles.) Embora o Papa nomeie bispos e avalie o seu desempenho, e exista uma série de outras instituições que governam ou supervisionam certas actividades, um bispo tem bastante independência na administração de uma diocese ou eparquia. Algumas dioceses ou eparquias, geralmente centradas em cidades grandes e importantes, são chamadas arquidioceses ou arquieparquias e são chefiadas por um arcebispo metropolitano. Em grandes dioceses (ou eparquias) e arquidioceses (ou arquieparquias), o bispo é frequentemente assistido por bispos auxiliares, bispos integrais e membros do Colégio dos Bispos não designados para chefiá-las. Arcebispos, bispos sufragários (designação frequentemente abreviada simplesmente para “bispos”), e bispos auxiliares, são igualmente bispos; os títulos diferentes indicam apenas que tipo de unidade eclesiástica chefiam. Muitos países têm vicariatos que apoiam as suas forças armadas (ver Ordinariato Militar).


Quase todas as dioceses ou eparquias estão organizadas em grupos conhecidos como províncias eclesiásticas, cada uma das quais era chefiada por um arcebispo metropolitano. Existem também as conferências episcopais, geralmente constituídas por todas as dioceses de um determinado país ou grupo de países. Estes grupos lidam com um vasto conjunto de assuntos comuns, incluindo a supervisão de textos e práticas litúrgicas para os grupos culturais e linguísticos da área, e as relações com os governos locais. A autoridade destas conferências para restringir as actividades de bispos individuais é limitada. As conferências episcopais começaram a surgir no princípio do século XX e foram oficialmente reconhecidas no Concílio Vaticano Segundo, no documento Christus Dominus.


As dioceses ou eparquias são divididas em distritos locais chamados paróquias. Todos os católicos devem frequentar e sustentar a sua igreja paroquiana local. Ao mesmo tempo que a Igreja Católica desenvolveu um sistema elaborado de governo global, o catolicismo, no dia a dia, é vivido na comunidade local, unida em prece na paróquia local. As paróquias são em grande medida auto-suficientes; uma igreja, freqüentemente situada numa comunidade pobre ou em crescimento, que é sustentada por uma diocese, é chamada “missão”.


A Igreja Católica sustenta muitas ordens (grupos) de monges, não necessariamente ordenados, e freiras que vivem vidas especialmente devotadas a servir Deus. São pessoas que se juntaram sob um determinado sistema a fim de atingir a perfeita comunhão com Deus.



[editar] Liturgia e Prece


O ato de prece mais importante na Igreja Católica é a liturgia Eucarística, normalmente chamada Missa. A missa é celebrada todos os domingos de manhã na maioria das paróquias Católicas; no entanto, os católicos podem cumprir as suas obrigações dominicais se forem à missa no sábado à noite. Os católicos devem também rezar missa cerca de dez dias adicionais por ano, chamados Dias Santos de Obrigação. Missas adicionais podem ser celebradas em qualquer dia do ano litúrgico, excepto na Sexta-feira Santa, pois neste dia não celebra-se a Missa em nenhuma igreja católica do mundo. Muitas igrejas têm missas diárias. A missa é composta por duas partes principais: a Liturgia da Palavra e a Liturgia da Eucaristia. Durante a Liturgia da Palavra, são lidas em voz alta uma ou mais passagens da Bíblia, acto desempenhado por um Leitor (um leigo da igreja) e pelo padre ou diácono. O padre ou diácono lê sempre as leituras do Evangelho. Depois de concluídas as leituras, é feita a homilia por um padre ou diácono. Nas missas rezadas aos domingos e dias de festa, é professado por todos os católicos presentes o Credo, que afirma as crenças ortodoxas do catolicismo. A Liturgia da Eucaristia inclui a oferta de pão e vinho, a Prece Eucarística, durante a qual o pão e o vinho se transformam na Carne e Sangue de Cristo, e a procissão da comunhão.


O Mistério de Cristo, sua Encarnação e sua Páscoa, que celebramos na Eucaristia, especialmente na assembléia dominical, penetra e transfigura o tempo de cada dia pela celebração da Liturgia das Horas, “o Ofício Divino” Esta celebração, em fidelidade às recomendações apostólicas de “orar sem cessar”, “está constituída de tal modo que todo o curso do dia e da noite seja consagrado pelo louvor de Deus” Ela constitui “a oração pública da Igreja”, na qual os fiéis (clérigos, religiosos e leigos) exercem o sacerdócio régio dos batizados. Celebrada “segundo a forma aprovada” pela Igreja, a Liturgia das Horas “é verdadeiramente a voz da própria esposa que fala com o esposo, e é até a oração de Cristo, com seu corpo, ao Pai”. A Liturgia das Horas é destinada a tornar-se a oração de todo o povo de Deus. Nela, o próprio Cristo “continua a exercer sua função sacerdotal por meio de sua Igreja”; cada um participa dela segundo seu lugar próprio na Igreja e segundo as circunstâncias de sua vida: os presbíteros, enquanto dedicados ao ministério da palavra; os religiosos e as religiosas, pelo carisma de sua vida consagrada; todos os fiéis, segundo suas possibilidades: “Os pastores de almas cuidarão que as horas principais, especialmente as vésperas, nos domingos e dias festivos mais solenes, sejam celebradas comunitariamente na Igreja. Recomenda-se que os próprios leigos recitem o Ofício divino, ou juntamente com os presbíteros, ou reunidos entre si, e até cada um individualmente”. Celebrar a Liturgia das Horas exige não somente que se harmonize a voz com o coração que reza, mas também “que se adquira um conhecimento litúrgico e bíblico mais rico, principalmente dos Salmos”. Os hinos e as ladainhas da Oração das Horas inserem a oração dos salmos no tempo da Igreja, exprimindo o simbolismo do momento do dia, do tempo litúrgico ou da festa celebrada. Além disso, a leitura da Palavra de Deus a cada hora (com os responsos ou os tropários que vêm depois dela) e, em certas horas, as leituras dos Padres da Igreja e dos mestres espirituais revelam mais profundamente o sentido do mistério celebrado, ajudam na compreensão dos salmos e preparam para a oração silenciosa. A lectio divina, em que a Palavra de Deus é lida e meditada para tornar-se oração, está assim enraizada na celebração litúrgica. A Liturgia das Horas, que é como que uma antecipacão para a celebração eucarística, preparando o fiel a participar da liturgia eucarística, não exclui, mas requer de maneira complementar as diversas devoções do Povo de Deus, particularmente a adoração e o culto do Santíssimo Sacramento.



[editar] Variedade de Igrejas particulares


A maior das Igrejas pariculares da Igreja Católica é a Igreja Católica Latina. As restantes 22 Igrejas sui juris, conhecidas colectivamente como “Igrejas Católicas do Oriente”, são governadas por um hierarca que ou é um Patriarca, ou um Arcebispo Principal, ou um Metropolita. A Cúria Romana administra quer a igreja ocidental, quer (de maneira mais limitada) as igrejas orientais. Devido a este sistema, é possível que um católico esteja em comunhão completa com o Pontífice de Roma sem ser um católico latino.


As Igrejas sui iuris ou sui juris utilizam uma das seis tradições litúrgicas tradicionais (que emanam de Sés tradicionais de importância histórica), chamadas Ritos. Os ritos litúrgicos principais são o Romano, o Bizantino, o de Antioquia, o Alexandrino, o Caldeu e o Arménio. O Rito Romano, que predomina na Igreja Latina, é por isso dominante em grande parte do mundo, e é usado pela vasta maioria dos católicos (cerca de 98%); mas mesmo na Igreja Latina existem ainda outros ritos litúrgicos menores, em particular o Rito Ambrosiano, o Rito Bracarense e o Rito Moçárabe). Antigamente havia muitos outros ritos litúrgicos ocidentais, que foram substituídos pelo Rito Romano pelas reformas litúrgicas do Concílio de Trento.


Historicamente, a forma do Santo Sacrifício da Missa usada no Rito Romano de 1570 até 1970 (a “Missa Tridentina“) era conduzido, na maioria dos países, inteiramente em Latim eclesiástico, mas no Concílio Vaticano Segundo, no início dos anos 60, foi promulgada uma grande revisão da Missa, que agora é celebrada com o padre a voltar para o povo, ficando entre eles o altar, e em todos os países na língua vernacular (local) além do Latim.


A partir 7 de Julho de 2007, através da carta apostólica “Summorum Pontificum“, o Papa Bento XVI autorizou os padres a celebrar novamente a Missa Tridentina em latim a pedido dos fiéis.


O serviço correspondente das Igrejas Católicas Orientais, a Divina Liturgia, é conduzido em várias línguas modernas o antigas, segundo o Rito e a Igreja: as Igrejas de Rito Bizantino usam o grego, o eslavónico, o árabe, o romeno, o georgiano e outras; as igrejas de Ritos Antioquiano e Caldeu usam o siríaco e o árabe, a Igreja de Rito Arménio usa o arménio e as Igrejas de tradição alexandrina usam o copta e o geez.



[editar] Ritos e Igrejas sui juris


Aqui estão as 23 Igrejas católicas sui juris, os seus respectivos ritos litúrgicos e a sua respectiva data de fundação. Esta lista baseia-se no Anuário Pontifício da Santa Sé, presente neste website.



Nota: Alguns consideram a Igreja Católica Bizantina Georgiana como uma igreja sui juris de rito bizantino mas, como a Santa Sé não reconheceu-a, ela não é uma igreja católica particular.


[editar] Ritos Ocidentais

São utilizados pela Igreja Católica Latina. Existem seis ritos ocidentais, sendo o mais utilizado o Rito Romano.




[editar] Rito Bizantino

É utilizado pelas seguintes Igrejas:




[editar] Ritos originários de Antioquia

São utilizados pelas seguintes Igrejas:




[editar] Ritos originários da Síria oriental

São utilizados pelas seguintes Igrejas:




[editar] Rito Arménio

É utilizado pela Igreja Católica Arménia (1742)



[editar] Ritos originários de Alexandria

São utilizados pelas seguintes Igrejas:




[editar] Igreja Católica no mundo contemporâneo



Mapa mostrando a percentagem de fiéis católicos em relação à população de cada país.

Mapa mostrando a percentagem de fiéis católicos em relação à população de cada país.

Na sociedade ocidental, mas não ao nível mundial, a Igreja Católica, como muitas outras denominações cristãs, assistiu a um rápido declínio na sua influência global no fim do século XX. Crenças doutrinárias rígidas em matérias relacionadas com a sexualidade humana são pouco atraentes num mundo ocidental secularizado onde a diversidade de práticas sexuais e a igualdade dos sexos são norma. A Igreja Católica Apostólica Romana, anteriormente influente nesta parte do globo terrestre, perdeu muita da sua influência, principalmente em lugares onde em tempos desempenhou um papel de primeira importância, como o Quebec, a Irlanda ou a Espanha. A generalidade população abraçou a ideia do secularismo e tentou diminuir a influência da Igreja na sociedade. Ao mesmo tempo, no entanto, o Catolicismo, principalmente o latino, vem experimentando uma dramática adesão em África e em partes da Ásia. Ao passo que em tempos os missionários católicos romanos oriundos do Ocidente serviam como padres em igrejas africanas, em finais do século XX havia um número crescente de países ocidentais que já recrutavam padres africanos para contrabalançar a redução nas suas próprias vocações.



[editar] Críticas à Igreja





A Igreja Católica é uma entidade que tem dois mil anos de história, sendo uma das instituições mais antigas do mundo contemporâneo. Historicamente, as críticas a esta Igreja já tiveram muitas formas e partiram de diversos pressupostos ao longo das gerações. Algumas vezes essas críticas tiveram grandes conseqüências, como as contestações morais e teológicas de Martinho Lutero no século XVI, que levaram ao nascimento do protestantismo.


Actualmente, as críticas são freqüentemente dirigidas a posições da Igreja sobre temas como bioética, sexualidade, matrimônio e pena de morte.


A Igreja Católica reconhece que erros graves foram cometidos por seus membros. No Jubileu dos 2000 anos, a Igreja pediu perdão pelos atos cometidos por membros que considerara errados.



Referências




  1. O Annuarium Statisticum Ecclesiae (ISBN 978-88-209-7928-7) indica 1.114.966.000 como número total dos fiéis registrados no último dia de 2005.
  2. Pio XI, Divini illius Magistri, Pio XII, Humani generis, 27, João

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *