Onde fica a europa?

A Europa é a parte ocidental do supercontinente euroasiático. Embora geograficamente seja considerada uma península da Eurásia, os povos da Europa têm características culturais e uma história específicas, o que justifica que o território europeu seja geralmente considerado como um continente.
Esse continente é o segundo menor em extensão territorial e o quarto mais populoso. Sob o ponto de vista geográfico, a Europa é uma grande península da massa continental asiática (Eurásia), conforme já foi dito. Tradicionalmente, a divisão entre dois continentes é considerada coincidente com os montes Urais, que cortam a Rússia de norte a sul, e com o rio Ural, que deságua no mar Cáspio. Ao sul, a divisão é assinada convencionalmente pelas montanhas do Cáucaso e pelo mar Negro, incluindo os estreitos de Bósforo e Dardanelos. Sob esta denominação, possui uma área de 10.360.000 km2, pouco maior que o Brasil e os Estados Unidos, por exemplo. O continente europeu está separado da África pelo mar Mediterrâneo e pelo estreito de Gibraltar. Muitas extensões da costa irregular do continente formam penínsulas, como Jutlândia (Dinamarca), a Escandinávia, ao norte, e as penínsulas Ibérica, Itálica e Balcânica, ao sul.
A estrutura geológica da Europa é marcado pela elevação relativamente recente da cadeia alpina, que corta o continente de leste a oeste incluindo os Pireneus, os Alpes, os Apeninos, os Cárpatos, os Balcãs e o Cáucaso. O continente apresenta igualmente uma complexa rede hidrográfica, com grandes rios como o Volga, na Rússia, e o Danúbio, que atravessa territórios (ou delimita fronteiras) da Alemanha, Áustria, República Tcheca, Croácia, Hungria, Sérvia, Romênia, Bulgária e Ucrânia. Grande parte do continente consiste de planícies férteis, que se estendem das costas do Atlântico até os Urais. À exceção das grandes áreas polares da Escandinávia e da Rússia, o clima é de modo geral temperado. Estes e outros fatores, tais como os litorais piscosos, rios numerosos e abundantes recursos naturais tornaram a Europa um grande produtor de alimentos, e possiblitaram a manutenção de uma numerosa população, que hoje alcança cerca de 700 milhões de pessoas.
A Europa possui grande diversidade linguística: são faladas cerca de 60 línguas, quase todas da família indo-europeia (as exceções mais marcantes são o basco, o húngaro, o finlandês e o estoninano). A religião predominante é o cristianismo, incluindo o Catolicismo Romano, o Protestantismo e a Igreja Ortodoxa. Os muçulmanos e os judeus despontam com as duas minorias religiosas mais numerosas.
Índice [esconder]
1 Descrição geral
2 História
3 Política
3.1 União Europeia
3.2 Outras organizações
4 Divisão política
4.1 Estados soberanos europeus
4.1.1 Estados soberanos transcontinentais (europeus/asiáticos)
4.2 Estados não reconhecidos ou em disputa
4.3 Dependências
4.4 Entidades especiais reconhecidas por tratado ou acordo internacional
5 Geografia
5.1 Europa como continente
5.2 Localização
5.3 Acidentes geográficos
5.3.1 Golfos
5.3.2 Penínsulas
5.3.3 Principais ilhas e arquipélagos
5.4 Relevo
5.5 Clima
5.6 Hidrografia
5.7 Vegetação
5.8 Fauna
5.9 Problemas ecológicos
6 Regiões
7 Economia
7.1 Moeda
7.2 Europa Ocidental
7.2.1 Europa Centro-Ocidental
7.2.2 Europa Meridional
7.2.3 Países Nórdicos
7.3 Leste Europeu
8 Demografia
8.1 Densidade demográfica
8.2 Etnias
8.3 Línguas
8.4 Religião
8.4.1 Religiões com estatuto oficial
8.5 Distribuição populacional
9 Cultura
10 Problemas atuais
11 Estatísticas
12 Referências
13 Bibliografia
14 Ver também
15 Ligações externas
[editar]Descrição geral

A parte continental é limitada a Norte pelo Oceano Glacial Árctico, a oeste pelo Oceano Atlântico, a sul pelo Mar Mediterrâneo, pelo Mar Negro, pelas montanhas do Cáucaso e pelo Mar Cáspio, e a Leste, onde a delimitação é mais artificial, pelos Montes Urais e pelo Rio Ural. A Europa inclui também as Ilhas Britânicas, a Islândia e várias ilhas e arquipélagos menores, espalhados pelo Atlântico, Mediterrâneo e Árctico.
Segundo a mitologia grega, Europa foi uma mulher muito bonita que despertou os amores de Zeus, deus-rei do Olimpo.
O continente europeu, que durante a Era dos Descobrimentos foi chamado de Velho Mundo, estende-se quase que inteiramente na zona temperada, acima de 35º de latitude norte, com apenas uma estreita faixa até o círculo polar Ártico. Devido ao seu litoral muito recortado, a influência oceânica é grande, e as temperaturas são geralmente amenas (não há extremos acentuados), com precipitações que oscilam entre 500 e 1 000 mm anuais. Alternam-se no seu relevo extensas planícies, maciços pré-cambrianos e paleozóicos.
A quase totalidade do continente inclui-se no mundo desenvolvido. A agricultura, mecanizada, emprega em média apenas 10% da população economicamente activa, enquanto que um terço desta se ocupa da indústria e a maior parte é absorvida pelo sector terciário. A União Europeia (UE), compreendendo 27 Estados-membros, é a maior e mais importante entidade política, económica e cultural do mundo. A UE é também a maior economia mundial com um PIB estimado em 12,82 trilhões de dólares [1] ultrapassando largamente os Estados Unidos.
A Europa pertence, com a Ásia, a uma massa de terra chamada Eurásia. O continente europeu tem uma área de 10,3 milhões de km² e é banhado ao norte pelo oceano Glacial Ártico, a oeste pelo oceano Atlântico e ao sul pelo mar Mediterrâneo. A leste, a fronteira com a Ásia atravessa a Rússia e a Turquia. Esse limite é determinado pelos montes Urais, pelo rio Ural, pelo mar Cáspio, pelas montanhas do Cáucaso e pelo mar Negro. Três nações transcaucasianas (Armênia, Azerbaijão e Geórgia), cujos territórios se estendem até a Ásia, são consideradas integrantes do continente europeu.
O litoral europeu é bastante recortado e apresenta cinco grandes penínsulas — Ibérica, Itálica, Balcânica, Escandinava e da Jutlândia — e várias ilhas e arquipélagos, entre os quais as Ilhas Britânicas, a Islândia, Córsega, Sicília, Creta, os Açores e a Madeira.
A maior parte do território europeu é formada por planícies. Mais de metade da sua extensão está abaixo de 200 metros, e a altitude média é de 340 metros. O relevo montanhoso prevalece nas porções norte (onde se localizam os Alpes Escandinavos e as cadeias das Ilhas Britânicas) e sul (cortada pelos Pirinéus, Alpes, Cárpatos e Balcãs). No centro, uma vasta planície se estende, quase sem interrupção, dos Pirineus aos montes Urais. O continente não abriga rios extensos: o maior deles, o Volga, tem cerca de 3,5 mil quilômetros.

A Europa vista do espaço
Cortesia da NASA
Predomina o clima temperado, mas há variações determinadas pela latitude e pela influência do oceano e da massa continental asiática. O sul apresenta clima mediterrâneo e vegetação de arbustos. No centro e no leste, o clima é continental, tornando-se cada vez mais frio à medida que se avança para o interior. Essa faixa é ocupada por florestas temperadas e de coníferas. No noroeste prevalece o clima oceânico. O extremo norte tem clima polar e sua vegetação típica é a tundra. De acordo com o World Resources Institute, cerca de 40% das florestas do continente foram desmatadas. As maiores extensões de mata nativa são de coníferas e encontram-se na Suécia e na Finlândia.
A Europa tem 761 milhões de habitantes e é o único continente onde a população vem diminuindo. Segundo o Fundo de População das Nações Unidas (FNUAP), ela encolherá a uma taxa de 0,1% ao ano entre 2005 e 2010. O envelhecimento da população exige absorção de imigrantes, principalmente profissionais em tecnologia. Por outro lado, o crescimento do desemprego e o aumento da concorrência no mercado de trabalho vêm impondo obstáculos à entrada de mão-de-obra não qualificada.
A concentração populacional é alta no centro e no oeste e menor nas porções norte e leste. Metade dos europeus vive em cidades pequenas, com até 5 mil habitantes. As grandes cidades, como Berlim, Londres, Madrid, Moscou, Paris, Roma e São Petersburgo, concentram um quatro da população. A maioria dos habitantes fala idiomas do tronco indo-europeu, sendo as línguas mais difundidas as do ramo latino (francês, italiano, castelhano, romeno, português, catalão), germânico (alemão, inglês, neerlandês, norueguês, sueco, dinamarquês) e eslavo (russo, ucraniano, polaco, servo-croata, checo, búlgaro). Outros ramos indo-europeus com menos falantes são o ramo céltico (irlandês, galês, gaélico escocês), o ramo báltico (lituano, letão) e os idiomas albanês, grego e armênio, que constituem, com seus dialetos, ramos linguísticos próprios do tronco indo-europeu. Há também idiomas do tronco urálico, como o húngaro, o finlandês e o estoniano, além do georgiano, que pertence ao tronco caucasiano, do turco, que pertence ao tronco altaico e do basco, que não pertence a qualquer família linguística conhecida.
O cristianismo é a religião com o maior número de seguidores na Europa. No continente existe um número significativo de adeptos tanto do catolicismo quanto do protestantismo e da Igreja Ortodoxa.
Sede da Revolução Industrial, a Europa é o primeiro continente a modernizar sua economia. O parque industrial europeu é, até hoje, um dos mais avançados do mundo. Sua agropecuária utiliza intensivamente tecnologia de ponta, e o continente vem registrando progressiva expansão e modernização dos serviços. Persistem, entretanto, muitos contrastes de desenvolvimento entre os países ocidentais e as nações do leste, que fizeram parte do antigo bloco comunista e desde a década de 1990 buscam implantar a economia de mercado.
Na indústria europeia, destacam-se os setores automobilístico, têxtil, químico e de telecomunicações. A produção agropecuária é significativa, mas emprega pequena quantidade de mão-de-obra, por causa da utilização intensiva de máquinas e de técnicas avançadas de cultivo. Entre os principais produtos estão leite, carne bovina e suína, centeio, batata, aveia e trigo. Na mineração sobressai a extração de carvão e minério de ferro.
A Europa Ocidental concentra 90% do PIB do continente, mas os países do antigo bloco socialista, que aderiram à economia de mercado na década de 1990, têm crescido nos últimos anos. Maior pólo turístico do planeta, a Europa atrai anualmente 400 milhões de visitantes.
[editar]História

Ver artigo principal: História da Europa

Castros celtas na Galiza (Espanha).
O homem de Neandertal (Homo sapiens neanderthalensis) é considerada a única espécie humana autóctone da Europa. Esta espécie se encontrava já na Europa quando chegou o homem de Cro-Magnon (Homo sapiens), espécie a que pertence toda a humanidade atual. Estas duas espécies humanas conviveram durante bastante tempo até que o homem de Neandertal se extinguiu provavelmente devido à competição com o homem de Cro-Magnon, se bem que ainda restam inúmeras controvérsias sobre o homem de Neandertal e sua extinção. Por outro lado, parece provado que existiu cruzamento reprodutivo entre ambas as espécies, de forma que em sentido estrito, o Homo sapiens sapiens atual descenderia de ambas as espécies.
A antigüidade clássica está dominada pelo influxo da civilização greco-latina, e do Império Romano sobre o resto de Europa. A decadência do Império Romano e a chegada de novos grupos étnicos com novos reinos, levou à fragmentação política de Europa, sendo seguida por sucessivas tentativas de unificação e conquista, que envolveram o continente em numerosos conflitos e guerras durante a Idade Média, como a guerra dos Cem Anos (que durou 116 anos). Isto, junto com a influência ao continente de novos grupos, como os mongóis chegados das estepes ou o surgimento do Islã, formando uma barreira que dividiu duas culturas e o Mediterrâneo, com choques nesta fronteira, moldou esta época no continente.
A Idade Moderna, iniciada com o movimento de exploração geográfica dos descobrimentos e de expansão do conhecimento no renascimento, marca para a Europa o início de processos que mais tarde darão lugar à globalização, sendo a época em que os conflitos bélicos se sucederam, como a chamada guerra dos Trinta Anos. Os processos econômicos e o desenvolvimento científico e tecnológico se aceleraram, em prejuízo de outros continentes, de maneira bem mais notória durante a Idade Contemporânea, produzindo conflitos que desencadearam mais guerras (como as guerras Napoleônicas e as guerras mundiais). Hoje os processos tendentes à unificação se tentam pacificamente, tal é o caso da União Europeia, conquanto não isenta de avanços e retrocessos.
A Europa é o continente que teve mais influência na história do mundo (descobertas, conquistas, colonizações, movimentos e revoluções, guerras mundiais, etc).
[editar]Política

[editar]União Europeia
Ver artigo principal: União Europeia
Com que fisionomia a maior parte da Europa já entrou no ano 2000? Uma união constituída por mais de uma dezena de países, que fazem transações comerciais utilizando uma moeda única – Euro – e cujos interesses são representados por instituições comuns. Essa nova Europa começou a ganhar corpo em dezembro de 1991, quando os 12 países-membros da União Europeia concluíram o Tratado de Maastricht, que objetivava a união política, econômica e monetária dos participantes, sem fechar espaço para novas adesões.
Através desse acordo, Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Espanha, França, Grécia, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Países Baixos, Portugal e Reino Unido iniciaram a caminhada da integração europeia. Áustria, Finlândia e Suécia são uns dos mais novos membros e vários outros países já entraram com seu pedido de adesão.

Bandeira da BENELUX.

Bandeira da CECA.
BENELUX (België/Belgique, Nederland [Países Baixos] e Luxembourg) – Países-membros: Bélgica, Países Baixos e Luxemburgo.
Foi a primeira organização (1948) e tornou-se modelo e estímulo para as demais. Visava ao desenvolvimento econômico dos três países-membros e à ampliação do comércio entre eles.
CECA (Comunidade Europeia do Carvão e do Aço) – Países-membros: os integrantes do BENELUX e mais Alemanha, Dinamarca, França, Reino Unido e Itália.
Primeira entidade que, já em 1951, reunia vencedores e vencidos da Segunda Guerra Mundial, a CECA tinha como objetivo principaís a livre circulação de ferro, carvão, aço e outros minerais no interior da comunidade. Através da redução dos gastos com transportes e das tarifas alfandegárias, facilitava-se o escoamento daqueles produtos, essenciais à industrialização.
AELC (Associação Europeia de Livre Comércio) – Países-membros: Islândia, Liechtenstein, Noruega e Suíça (países da Europa Ocidental).
Criada em 1960, a AELC objetivava a eliminação de tarifas internacionais sobre produtos industrializados e negociação de acordos bilaterais sobre produtos agrícolas. Era prevista a unificação da AELC com a União Europeia a partir de 1995, mas a Islândia, a Noruega e a Suíça decidiram ficar de fora. A união dos dois blocos receberia o nome de Espaço Econômico Europeu ou Área Econômica Européia.
A Comunidade Econômica Europeia (CEE) ou Mercado Comum Europeu (MCE) foi o embrião da atual União Européia (UE). Seus países membros são: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Países Baixos, Portugal, Reino Unido e Suécia.

Processo de ampliação da União Europeia.
Quando de sua formação, em 1957, a entidade era constituída apenas por Alemanha, Bélgica, França, Itália, Luxemburgo e Países Baixos. Em 1973, ingressaram a Dinamarca, a Irlanda e o Reino Unido; em 1981, a Grécia, e em 1986, Espanha e Portugal. Em 1995, a chamada Europa dos Doze cresceu ainda mais, ganhando a adesão de Áustria, Finlândia e Suécia.
A partir de 1994, os países-membros da Comunidade Econômica Européia, que adotou então o nome de União Europeia, se integrariam para formar um mercado único, em que seriam abolidos os sistemas alfandegários e as diferentes taxas de impostos, além das restrições ao comércio, serviços e à circulação de capitais. Isso significaria, entre outras coisas, que os habitantes da União Européia teriam trânsito livre em todos os países-membros, inclusive para trabalho; os impostos seriam aos poucos unificados e haveria livre acesso às mercadorias e serviços de todos os países-membros dentro da comunidade.
Desde 1995, para facilitar a circulação de pessoas por alguns países da União Europeia, entrou em vigor um acordo entre Portugal, Espanha, França, Bélgica, Países Baixos, Luxemburgo e Alemanha para eliminar as barreiras alfandegárias e a obrigação da apresentação do passaporte entre esses países. Essa área recebeu o nome de Espaço Schengen, tirado da cidade luxemburguesa onde o acordo foi assinado. No sentido da integração econômica, outro passo importante seria a utilização de uma moeda comum. O ECU (European Currency Unity ou Unidade Monetária Européia) circula, desde 1993, como padrão em operações financeiras e, apesar da discordância de alguns membros, pretendeu-se que, gradualmente, ele fosse adotado nas operações cotidianas até 1999, quando o Euro entrou em vigor como moeda escritural e como moeda oficial desde 2002.

A sede da União Europeia, em Bruxelas (Bélgica).

Bandeira da União Europeia.
A sede da União Européia é em Bruxelas, na Bélgica, e suas principais metas são:
promover progresso econômico coordenado, através da construção de um espaço sem fronteiras internas, por meio da união econômica
e monetária; reforçar a infraestrutura de transporte, telecomunicações, energia; garantir políticas agrícolas, pesqueiras e de pesquisas nucleares comuns, além de normas de proteção ao meio ambiente;
coordenar o desenvolvimento social de todos os países-membros, equilibrando as desigualdades entre eles, garantindo políticas únicas de saúde, políticas culturais e cooperação no domínio da justiça;
garantir a união política dos Estados democráticos da União Europeia; estabelecer políticas internacionais comuns; construir um sistema único de defesa para todos os países-membros, desativando os exércitos nacionais;
garantir a eficácia dos órgãos e mecanismos da comunidade.
Todos os países que integram a União Europeia apresentam economia desenvolvida, ainda que existam diferenças extraordinárias entre eles, como entre Irlanda e Alemanha, por exemplo, ou Grécia e Dinamarca. A meta, no entanto, é reduzir esses contrastes, tornando a comunidade cada vez mais homogênea.
Apesar das metas em comum, há divergências entre os países-membros da União Europeia e são freqüentes os atritos e necessários os ajustes para garantir a execução de tais metas. O ano de 1994 foi de provas para a integridade da União Europeia, já que ocorreram, nos países, plebiscitos para ratificar seus objetivos e confirmar ou não a adesão à União. Na Dinamarca e no Reino Unido, as opiniões estavam muito divididas, mas o apoio à comunidade prevaleceu. Na Noruega, entretanto, sua população decldiu não ingressar na União Européia, apesar da solicitação de adesão feita anteriormente.
[editar]Outras organizações
Os países europeus ocidentais estão vinculados a importantes organizações que agregam países de outros continentes, como a OTAN e a OECD.
A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), criada em 1949, tem caráter militar. Além de países europeus, inclui outros dois banhados pelo oceano Atlântico Norte: Canadá e Estados Unidos. Seu objetivo fundamental é a cooperação militar e a defesa de seus membros, no caso de agressâo internacional.
Com o fim da Guerra Fria, o papel da OTAN tem estado em segundo plano. A aliança assumiu um caráter preponderantemente político em 1990, desenvolvendo o papel de resolver crises localizadas. Vários países do Leste Europeu solicitaram o ingresso à OTAN.
A OECD (Organization for Economic Cooperation and Development ou Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) foi estabelecida em 1961 para promover bem-estar econômico e social entre seus membros e harmonizar a qualidade de vida nos países em desenvolvimento. Além de 18 países europeus, engloba também Austrália, Canadá, Japão, Nova Zelândia e Estados Unidos.
[editar]Divisão política

Alb.
And.
Áustria
Bielorrússia
Bélgica
Bós.Her.
Bulgária
Croácia
Chipre
Rep.
Checa
Dinamarca
Estônia
Finlândia
França
(Fr.)
Alemanha
Grécia
Hungria
Islândia
Rep.
Irlanda
Itália
(It.)
(It.)
Kos.
Letônia
Lie.
Lituânia
Lux.
Mac.
Malta
Moldávia
Mon.
Mont.
P.B.
Noruega
Polônia
Portugal
Romênia
Rússia
(Rus.)
S. Mar.
Sérvia
Eslováquia
Eslovénia
Espanha
Suécia
Suíça
Turquia
Ucrânia
Reino
Unido
Vat.
Mar
Adriático
Oceano Ártico
Mar
Báltico
Mar de Barents
Golfo de
Biscaia
Mar
Negro
Mar
Celta
Estreito
de Dinamarca
Mar da Groenlândia
Golfo de
Cádis
Mar Mediterrâneo
Oceano
Atlântico
Norte
Mar do
Norte
Mar da
Noruega
Estreito de
Gibraltar
[editar]Estados soberanos europeus
Albânia
Alemanha
Andorra
Áustria
Bélgica
Bielorrússia
Bósnia e Herzegovina
Bulgária
Croácia
Dinamarca
Eslováquia
Eslovénia
Espanha[2]
Estónia
Finlândia
França[2] [3]
Grécia[4]
Hungria
Irlanda
Islândia
Itália
Letónia
Liechtenstein
Lituânia
Luxemburgo
República da Macedónia (FYROM)
Malta
Moldávia
Mónaco
Montenegro
Noruega
Países Baixos
Polónia
Portugal[5]
Reino Unido
República Checa
Roménia
São Marinho
Sérvia
Suécia
Suíça
Ucrânia
Estado do Vaticano
[editar]Estados soberanos transcontinentais (europeus/asiáticos)
Azerbaijão
Cazaquistão
Geórgia
Rússia
Turquia
Armênia
Chipre
A Turquia, a Geórgia, o Azerbaijão e o Cazaquistão têm porções de seus territórios localizadas na Europa. Na Turquia, é europeu o território situado a norte do Bósforo, que faz fronteira com a Grécia e a Bulgária (a Trácia); no Cazaquistão, pertence à Europa o território a oeste do Rio Ural, fronteira à Rússia. A Rússia, embora tenha mais superfície asiática que europeia, considera-se pertencente à Europa dado ser no território europeu que se situam as suas principais cidades e onde vive a maior parte da sua população.
Arménia e Chipre, embora geograficamente não se localizem na Europa, consideram-se europeus por razões históricas e culturais. Por vezes, também se considera parte da Europa Israel, devido aos laços culturais que ambos mantêm. De acordo com algumas definições, partes do Irão poderão ser consideradas europeias (ver o artigo nações transcontinentais).
[editar]Estados não reconhecidos ou em disputa
Kosovo
República Turca do Norte do Chipre [6]
Ossétia do Sul [7]
Nagorno-Karabakh [7]
Transnístria
Abecásia [7]
[editar]Dependências
Dinamarca
Ilhas Faroé
Reino Unido
Acrotíri e Decélia [6]
Gibraltar
Guernsey
Jérsei
Ilha de Man
[editar]Entidades especiais reconhecidas por tratado ou acordo internacional
Finlândia
Ilhas Åland
Noruega
Svalbard
[editar]Geografia

A Europa é o segundo menor continente do mundo depois da Oceânia, tendo uma extensão de 10.530.751 km², representando 7% das terras emersas.
Estritamente falando em termos de geográfica contemporânea, a Europa, como a Oceania, deixam de estar categorizadas como continentes e são consideradas Macro-Unidades Geográficas, MUG; já que efetivamente, no caso da Europa esta macrounidade geográfica é um prolongamento ocidental do continente eurasiático. Caracteriza a Europa, tanto no geográfico (com muita incidência no climático como em sua geografia humana), a elevada quantidade média de costas marítimas e oceânicas devida à presença de abundantes penínsulas, golfos, mares interiores e ilhas. Isto e o influxo da Corrente do Golfo e a proximidade dos desertos quentes de África e Ásia determinam que na Europa prepondere, pese às latitudes, um clima temperado excepcionalmente benigno para a habitabilidade humana. Por outra parte a abundância de costas e hidrovias permitiu e permite o trânsito de populações e depois seu estabelecimento desde fins do pleistoceno (quando os Homo sapiens substituíram aos Homo neandertalensis).
Também é a Europa, que se considera tradicionalmente como um continente, o mais plano de todos eles, com uma altitude média de 230 metros. A máxima expressão destas planícies é a grande planície do Norte, que se estende 2000 km desde as costas atlânticas francesas até os montes Urais, a fronteira física mais oriental com a Ásia. Os pontos mais altos são o monte Elbrus (Rússia) na Europa oriental (5.642 metros), o Dykh-Tau (próximo do Elbrus, na Rússia) (5.205 metros), o Shkhara (Geórgia) (5.204 metros) e o Monte Branco (França/Itália) na Europa ocidental (4.807 metros).
Ao sul, a Europa está separada do continente africano pelo mar Mediterrâneo, fronteira que se reduz a uns 30 km no estreito de Gibraltar, ao sudeste os limites com a Ásia também estão dados pelo Mediterrâneo e pelos seus mares subsidiários (o estreito dos Dardanelos, o Mar de Mármara e o Helesponto têm muito poucos quilômetros de largura, o Bósforo é tão estreito que atualmente várias pontes o cruzam). Na realidade o Mar Mediterrâneo e a sua bacia, mais do que um limite – segundo os momentos históricos – são um nexo de união com os outros “continentes” (as macro-unidades geográficas de Ásia e África), resultando como verdadeiros limites culturais e étnicos entre eles as extensas regiões desérticas que se localizam do outro lado do Mediterrâneo. Considerando a Islândia como parte de Europa e a Groenlândia como parte da América, pode-se observar que as distâncias entre a Europa e o continente americano são também bastante exíguas.
Os pontos extremos da Europa são:
Norte: Cabo Nordkinn, Noruega (continental), e Knivskjellodden, Noruega (ilha)
Sul: Península de Gibraltar, Gibraltar
Oeste: Cabo da Roca, Portugal (continental), e ilhéu de Monchique, Portugal (ilha)
[editar]Europa como continente
Mais de três quartos do globo terrestre são cobertos pelas águas de oceanos e mares. O restante, que se encontra emerso, apresenta-se como milhares de ilhas e cinco massas continentais ou, simplesmente, continentes: Eurásia, América, África, Oceania e Antártida.
Dessa maneira, levando-se em conta apenas os aspectos físicos, a Europa em si não constitui um continente, mas uma grande península do continente eurasiano. Entretanto, considerando a história – bem como as características populacionais e, principalmente, culturais -, podemos notar que, na Eurásia, a Europa e a Ásia são duas realidades distintas, o que justifica estudá-las separadamente, como continentes isolados.
[editar]Localização

Localização da Europa.
A Europa encontra-se totalmente no hemisfério norte da Terra, também chamado hemisfério setentrional ou boreal.
Somente um dos paralelos mais importantes cruza o continente europeu: trata-se do Círculo Polar Ártico, que passa pelo extremo norte da Islândia, norte da Escandinávia e da Rússia.
O meridiano inicial (0°) corta a cidade de Londres, onde está instalado o observatório astronômico de Greenwich; daí a denominação Meridiano de Greenwich. Devido a isso, a Europa ocupa terras dos hemisférios oriental e ocidental.
Suas terras se estendem de 34 graus e 45 minutos a 80 graus de latitude norte, e de 24 graus de longitude oeste a 65 graus de longitude leste. Conseqüenteliente, os países europeus são cortados por vários fusos horários e pertencem a duas zonas climáticas: temperada e polar.
Os limites do continente europeu são: ao norte, o oceano Glacial Ártico; ao sul, os mares Mediterrâneo e Negro; a oeste, o oceano Atlântico; e a leste, os montes Urais, que constituem a divisa natural entre a Rússia européia e a asiática.
[editar]Acidentes geográficos
[editar]Golfos
Entre os golfos da Europa destacam-se o golfo de Biscaia (França e Espanha), o de Cádis (Espanha, Marrocos e Portugal), o dos Dardanelos (Turquia), o do Bósforo (Turquia), o de Messina (Itália) e o de Öresund (Dinamarca e Suécia).
[editar]Penínsulas
Suas principais penínsulas são a Escandinava (Suécia e Noruega), península Hispânica ou Ibérica (Andorra, Espanha, Gibraltar e Portugal), Itálica (Itália, São Marinho e Vaticano), Balcânica (Albânia, Bósnia e Herzegovina, Bulgária, Croácia, Grécia, Eslovénia, Macedônia, Sérvia, e Romênia); além das penínsulas de Kola (Rússia), Jutlândia (Dinamarca), Bretanha (França) e península da Crimeia (Ucrânia).
[editar]Principais ilhas e arquipélagos

Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto.
Por ordem de tamanho
Reino Unido Grã-Bretanha, com mais de 218.000 km²
Islândia: Islândia com mais de 103.000 km²
Irlanda e Reino Unido: Irlanda, com mais de 83.000 km²
Rússia: Nova Zembla (ilha setentrional), com quase 49.000 km²
Rússia: Nova Zembla (ilha meridional), com mais de 33.000 km²
Itália: Sicília, com mais de 25.000 km²
Itália: Sardenha, com mais de 24.000 km²
Chipre, Chipre, com mais de 9.200 km²
França: Córsega, com mais de 8.700 km²
Grécia: Creta, com mais de 8.300 km²
Dinamarca: Zelândia, com mais de 7.500 km²
Grécia: Eubéia, com mais de 3.900 km²
Espanha: Maiorca, com mais de 3.600 km²
Malta, Malta, com mais de 316 km²
Dinamarca: Fiônia, com mais de 3.400 km²
Portugal: Açores (região autónoma), com mais de 2333 km²
Dinamarca: Ilhas Faroe (região autônoma), com mais de 1.390 km²
Portugal: Madeira (região autónoma), com mais de 793 km²
Espanha: Minorca, com mais de 690 km²
Espanha: Ibiza (Eivissa), com mais de 570 km²
[editar]Relevo

Mapa físico da Europa.
Embora haja cadeias de montanhas, as formas de relevo predominantes na Europa são as planícies, que apresentam duas características muito positivas: um solo geralmente fértil e favorável à agricultura e grande facilidade para o estabelecimento de vias de comunicação. Os planaltos mais elevados e as montanhas não chegam a cobrir 35% do território europeu e, por essa razão, a altitude média das terras da Europa é de apenas 340 metros.
De maneira geral, portanto, no relevo europeu predominam elevações modestas, e são muito comuns as planícies, principalmente na metade norte do continente e em toda a porção leste, onde aparece a grande Planície Russa. Além dessa, merecem destaque a Planície Húngara, percorrida pelo rio Danúbio, a Planície do Pó, no norte da Itália, e as planícies que contornam o leste e o sul das Ilhas Britânicas. A Planície Germano-Polonesa, de tipo fluvial, estende do interior para o litoral norte do continente.
Além dessa enorme área de planícies, encontra-se ainda no mapa do continente europeu:
maciços da Era Primária, desgastados pela erosão e reduzidos a planaltos pouco elevados; no noroeste formam os Alpes Escandinavos; aparecem nas Ilhas Britânicas formando os Montes Peninos; na Península Ibérica surgem com Montes Cantábricos, Meseta Espanhola e outros; na Península Balcânica, chamam-se Montes Pindos; e na fronteira natural entre a Europa e a Ásia levam o nome de Montes Urais;
cordilheiras muito altas na parte centro-sul, formando os Alpes, onde se situa os pontos culminantes do relevo europeu, como o pico do Monte Branco (4.807 metros). Ainda nessa região merecem destaque as cristas dos Apeninos, Pireneus, Balcãs, Cárpatos e Cadeia do Cáucaso.
O litoral da Europa é extremamente recortado, o que favorece a instalação dos portos, a navegação e o comércio. Possui grande número de penínsulas e ilhas de extensões diversas isolandos mares interiores. Observando atentamente o mapa, percebe-se:
no norte, a Península Escandinava, que abriga o Mar Báltico, encontra-se a Península da Jutlândia e as Ilhas Britânicas, envolvidas pelo Mar do Norte. A porção norte do litoral europeu é limitada pelo Oceano Glacial Ártico, que engloba ainda outros mares, como o Mar da Noruega, nos limites com o Oceano Atlântico.
no sul, separando a Europa da África, encontra-se o Mar Mediterrâneo, que, por sua vez, abriga mares menores. Nele sobressaem as penínsulas Balcânica, Itálica e a grande Península Ibérica, que separa o Mediterrâneo do Oceano Atlântico. Nessa parte do continente europeu existem inúmeras ilhas, merecendo destaque as Ilhas Baleares, a Córsega, a Sardenha e a Sicília, além de um verdadeiro mosaico constituído pelas ilhas gregas. Os mares Tirreno, Adriático, Jônico, Egeu, de Mármara, Negro, de Azov, e Cáspio modelam o contorno sul e sudeste da Europa.
As costas ocidentais da Europa são banhadas pelo Oceano Atlântico e e por seus mares secundários. Ao redor de toda a Europa, a plataforma continental é muito larga, propiciando boas condições para a pesca e o extrativismo mineral.
[editar]Clima

Mapa climático da Europa de acordo com a classificação climática de Köppen-Geiger.
A Europa apresenta na maior parte de seu território, clima temperado, com estações bem definidas, sem excessos de temperatura, pluviosidade ou queda de neve. Somente no extremo norte e em altitudes elevadas, nas cordilheiras, são encontradas temperaturas não muito propícias à atividade humana.
As condições climáticas extremamente favoráveis da Europa de maneira geral resultam da combinação de quatro fatores:
a maior parte das terras europeias encontra-se em latitudes médias, entre 35 e 70 graus de latitude norte;
o continente é rodeado por muitos mares e os recortes de litoral não favorecem mudanças bruscas de temperaturas;
o continente recebe, o ano inteiro, ventos do oeste, que levam a umidade do Atlântico até o interior.
a Corrente do Golfo leva águas aquecidas até o litoral das Ilhas Britânicas e da Península Escandinava, contribuindo para o equilíbrio térmico das latitudes mais altas, sobretudo ao longo da costa ocidental.
A combinação desses fatores favorece o domínio, na Europa Ocidental, do clima temperado oceânico, úmido e sem grandes variações de temperatura. Aparecem ainda, na Europa Oriental e em parte da Península Escandinava e da Rússia, o clima temperado continental — mais seco, com verões quentes e chuvosos e invernos extremamente frios — e o clima polar — com invernos rigorosos e verões curtos, que caracteriza uma parte da Península Escandinava e da Rússia europeia.
Esses tipos climáticos apresentam variações em função de fatores locais: no sul do continente, a influência das águas aquecidas do Atlântico e do Mediterrâneo permite a existência do clima mediterrâneo, que apresenta verões secos e invernos úmidos e não muito frios; nos Alpes, a altitude do relevo é responsável pela configuração do clima de altas montanhas, conhecido como alpino, que apresenta invernos extremamente rigorosos. Este tipo climático aparece também nos Alpes Escandinavos, nos Cárpatos e nos Pireneus. Na Europa não existem desertos por ser um continente temperado.
[editar]Hidrografia

Bacias hidrográficas da Europa.
Se comparados aos rios tropicais, não há, na Europa, rios muito extensos nem de grande volume de água. Apesar disso, os cursos fluviais são muito aproveitados como vias de comunicação e fontes produtores de energia.
A Europa apresenta uma grande quantidade de rios, que deságuam ora diretamente no oceano, ora em lagos, mares ou outros rios. Desse emaranhado fluvial, destacam-se as bacias:
do rio Reno, que nasce na Suíça, serve de fronteira entre a França e a Alemanha, onde banha uma das regiões mais industrializadas de toda a Europa, e deságua nos Países Baixos (porto de Roterdã). Por ser largamente utilizado na navegação, o Reno interliga-se a outros rios através de canais.
do rio Danúbio, que nasce no maciço da Floresta Negra, na Alemanha, drena importantes rios do centro-sul europeu e deságua no Mar Negro. Além da Alemanha, banha os seguintes países: Áustria, Eslováquia, Hungria, Sérvia, Bulgária, Romênia e Ucrânia.
do rio Volga, o maior rio europeu, cuja nascente se localiza nas planalto de Valdai, na Rússia, drenando muitos afluentes até deságuar no Mar Cáspio.
Merecem menção ainda, por passarem em capitais ou cidades importantes da Europa, os rios Tâmisa, Elba, Mosela, Vístula, Sena, Loire, Ródano, Pó, Tibre, Douro, Tejo, Ebro, Dnieper, Ural, entre outros.
Além da grande quantidade de rios e de mares, a hidrografia europeia apresenta ainda muitos lagos, como os de Constança, de Genebra, de Zurique, na Suíça, e os lagos glaciários que ainda aparecem nas planícies do noroeste da Rússia, na Escandinávia e sobretudo na Finlândia, considerada “o país dos lagos”, por concentrá-los em maior número.
[editar]Vegetação
Atualmente, a maior parte das formações vegetais da Europa já foi destruída, abrindo espaço para a ocupação agrícola ou para a expansão urbana.
Como em todo o mundo, as formações vegetais originais da Europa dependem dos tipos de clima e, conseqüentemente, dos tipos de solo. Assim, na Península Escandinava e na Rússia, junto ao Oceano Glacial Ártico, aparece a tundra. Ao sul dessa formação vegetal, a elevação da temperatura vai favorecendo, primeiramente, o desenvolvimento da taiga e, depois, da floresta de coníferas, que ocupam grande parte da Suécia, Noruega e Finlândia.
Nas áreas de clima temperado oceânico, onde por influência do oceano a umidade é maior, é muito comum a floresta temperada, formada por coníferas e árvores de folhas caducas; essa foi a formação vegetal originalmente dominante, mas hoje é conservada apenas nos maciços montanhosos.
Nas áreas mais secas, dominadas pelo clima temperado continental, próximo aos mares Negro e Cáspio surge vasta extensão de estepes, nas áreas mais secas, e pradarias, nas áreas mais úmidas, com uma vegetação rasteira que em alguns trechos lembra os pampas do Rio Grande do Sul.
No sul da Europa, o clima mediterrâneo, com suas características subtropicais bastante amenizadas pelo Oceano Atlântico, favorece o desenvolvimento de florestas, que hoje, degradadas, apresentam-se como capões de vegetação descontínua, conhecidas como maquis, em áreas de solos arenosos, ou como garrigue, em áreas de terrenos calcários. Essa vegetação é comumente chamada de mediterrânea.
Todo o leste da Europa, ocupado pela Rússia europeia, apresenta a mesma distribuição vegetal do restante do continente: a tundra – no extremo norte -, a taiga, as pradarias e as estepe constituem as formações vegetais dominantes.

Lobo cinza escandinavo
[editar]Fauna
A Europa se inclui na região zoogeográfica paleártica. A ação do homem reduziu o número e a extensão geográfica das espécies selvagens europeias. Na zona mais setentrional vivem animais de peles finas, como a rena e a foca. Nos bosques temperados habitam o urso pardo, a raposa, o lince, a lontra, o lobo, o veado, o gamo, corço, o esquilo, etc. Enquanto na área mediterrânea abundam lebres, javalis, perdizes e faisões. A montanha apresenta uma fauna peculiar (o alce e o cabrito montês). São abundantes as aves e os pássaros, muitos dos quais migram entre as diversas regiões europeias ou entre a Europa e a África.
[editar]Problemas ecológicos

Poluição atmosférica em Paris.
Um problema que a Europa vive com intensidade crescente é a poluição. A intensa atividade industrial associada à alta ocupação do espaço resultam em agressões ambientais graves, mesmo com a implantação de medidas de prevenção. A poluição atmosférica alcança níveis inquietantes nas principais cidades da Europa, onde o número de automóveis em circulação é cada vez maior. Paralelamente, a agricultura europeia também não está livre dos efeitos danosos da chuva ácida, inseticidas, fungicidas e herbicidas.
[editar]Regiões

De acordo com os pontos de vista espacial e económico, podemos dividir o continente em: Europa Ocidental, Europa Setentrional, Europa Centro-Oriental e Europa Meridional. Sendo:
Europa Ocidental: região que abrange alguns dos chamados países atlânticos, ou seja, banhados pelo oceano Atlântico (Reino Unido, Irlanda e França); os que mantêm relação direta com o Atlântico através do mar do Norte: Países Baixos, Bélgica e Alemanha; e os países sem saída para o mar, mas que estão directa ou indirectamente vinculados ao Ocidente (Áustria, Suíça, Luxemburgo e Liechtenstein).
Europa Setentrional: região que engloba a Noruega e a Suécia, localizadas na península Escandinava, além da Finlândia, Islândia e Dinamarca; abrange também a Estônia, Letônia e Lituânia, que a partir de 1990 se tornaram independentes da então União Soviética. A inclusão desses países na região justifica-se por motivos económicos e pela sua proximidade étnica e cultural com os finlandeses.
Europa Centro-Oriental: É formada pelo conjunto dos antigos países socialistas do Leste – Polônia, República Checa, Eslováquia, Hungria, Romênia, Bulgária, Albânia, Sérvia, Montenegro, Kosovo, Eslovênia, Croácia, Bósnia e Herzegovina e Macedônia – e pelas repúblicas que constituíam a antiga União Soviética, em sua parte europeia: Bielorrússia, Ucrânia, Moldávia, Geórgia, Armênia, Azerbaijão e Rússia Europeia.
Europa Meridional: região que, também chamada de mediterrânea, compreende os países situados no sul do continente, quase todos banhados pelo mar Mediterrâneo: Portugal, Espanha, Itália, Grécia e Turquia europeia, além de vários micro-estados – Vaticano, San Marino, Mônaco, Malta e Andorra.
[editar]Economia

As nações europeias segundo a sua renda per capita em 2002.
A economia da Europa é a maior do mundo. Muitos de seus estados pertencem ao primeiro mundo.
No século XIX se realiza a primeira integração moderna da economia de vários estados europeus através da União Aduaneira da Alemanha.
A Alemanha é economicamente a nação mais poderosa de Europa, seguida por França, o Reino Unido, Itália e Espanha, ainda que o país mais rico, em renda per capita, é a República da Irlanda, o país que quando entrou na União Europeia, era o mais pobre do grupo. Existe uma grande disparidade na riqueza econômica dos diferentes países europeus, assim, enquanto nas cinco principais economias o PIB supera os 20 mil euros por pessoa, Moldávia mal ultrapassa os dois mil.
Boa parte da dinâmica econômica do continente se emoldura dentro do funcionamento da União Europeia. Desde 2007, treze estados europeus (em 2007 uniu-se a Eslovênia) compartilham uma mesma moeda, o euro (€).
A nova realidade da economia mundial, que se consolidou em decorrência da última década, esta marcada principalmente pela desintegração da União Soviética, o vertiginoso crescimento da República Popular da China e a materialização da unidade econômica de boa parte de Europa.
No meio destas mudanças surgiram novos pólos para a economia mundial que impulsionaram o chamado processo de “Globalização”.
Uma das particularidades da economia europeia é que vários estados de pouca extensão territorial, sem maiores recursos naturais e sem possuir costas, contam com economias prósperas e um elevado nível de vida. Tal é o caso do Luxemburgo, da Suíça ou do Liechtenstein, bem como do Mônaco, ainda que este último possui costas sobre o Mediterrâneo.
[editar]Moeda

██ Zona Euro
██ Estados da UE que pretendem aderir ao Euro em 1 de Janeiro de 2009 (Eslováquia)
██ Estados da UE que em última instância, são obrigados a aderir ao Euro
██ Referendo a ser realizado sobre a adesão ao Euro (Dinamarca)
██ Estados da UE com uma clausula de exclusão à Zona Euro
██ Áreas fora da UE que usam o Euro com acordo
██ Áreas fora da UE que usam o Euro sem acordo
O euro (€) é a moeda oficial dos países que compõe a União Europeia. O código internacional do euro, de acordo com a norma ISO 4217, é denominado “EUR”.
A palavra “euro” é derivada de “Euro-pa” – União Europeia. Este nome foi a escolha vencedora de um plebiscito em 1996, inventado por um grupo de estudantes espanhóis.
Os primeiros países que adotaram a moeda comum em 1 de Janeiro de 2002 foram: Alemanha, Áustria, Bélgica, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Países Baixos, Irlanda, Itália, Luxemburgo e Portugal.
Alguns pequenos países europeus que não praticavam políticas de moeda própria, logo no início de sua vigência também passaram a utilizar o euro, foram: Andorra, Mônaco, São Marino e Vaticano. Também em territórios, dependências, ou Regiões Autónomas, como os Arquipélagos dos Açores e da Madeira (Portugal); e Guadalupe, Martinica e Guiana Francesa (França).
Em 1 de Janeiro de 2002, 12 países aderiram à moeda única. Em 2007, a Eslovénia entrou para a Zona Euro, e o Chipre e Malta em 2008. A conversão de 1 Euro em relação à antiga moeda nacional precedente de cada país foi:
Alemanha – 1,95583 marco alemão
Áustria – 13,7603 xelim austríaco
Bélgica – 40,3399 franco belga
Chipre – 0,585274 libra cipriota
Eslovênia – 239,640 tólar esloveno
Espanha – 166,386 peseta espanhola
Finlândia – 5,94573 marco finlandês
França – 6,55957 franco francês
Grécia – 340,750 dracma grego
Irlanda – 0,787564 libra irlandesa
Itália – 1936,27 lira italiana
Luxemburgo – 40,3399 franco luxemburguês
Malta – 0,429300 lira maltesa
Países Baixos – 2,20371 florim neerlandês
Portugal – 200,482 escudo português
[editar]Europa Ocidental

Londres, o centro financeiro da Inglaterra.
Os países da Europa Ocidental, de forma geral, são desenvolvidos e a maioria de sua população dispõe de alto PIB per capita e de boas condições de educação, moradia e saúde.
Apesar das diferenças entre as nações europeias ocidentais, as características econômicas comuns mais importantes são: alta mecanização e produtividade da agricultura, geralmente baseada no uso de métodos intensivos e de rotação de culturas, prática do extrativismo mineral em avançadas técnicas, garantindo proteção aos recursos naturais; e industrialização suficiente para prover a população de suas necessidades básicas e, em alguns casos, garantir uma balança comercial extremamente favorável.
Apresentando uma importante e diversificada produção agrícola, destaca-se por ser o continente que possui, em relação ao território, a maior proporção de solos cultivados. A variedade de climas e de tipos de solo, aliada à tecnologia desenvolvida, permite grande produção de milho e de trigo, em áreas de estepes e pradarias; de cevada, centeio e batata, nas áreas anteriormente ocupadas pelas florestas temperadas; e de frutas cítricas, uvas e oliveiras, nas áreas de clima mediterrânico.
Além disso, o continente, de maneira geral, desenvolve avançada pecuária, praticada com métodos intensivos e seleção e aprimoramento racial dos rebanhos. A Suíça, os Países Baixos e a Dinamarca se destacam pela pecuária bovina, voltada para a produção de leite, mas o gado ovino é também significativo.
Embora o subsolo europeu não possua recursos minerais em quantidade comparável à de outras regiões da Terra, as jazidas nele encontradas e exploradas foram suficientes para promover o primeiro surto de industrialização ocorrido em nosso planeta, no Reino Unido (século XVIII).
Com grandes reservas de ferro no Reino Unido, Suécia, Espanha e França, a Europa Ocidental conta ainda com volumosa produção de carvão na Alemanha, Reino Unido, Bélgica, Luxemburgo e França e, em menor escala, de petróleo bruto e gás natural na Alemanha, Reino Unido, Países Baixos, Noruega, Itália e França.
A presença de energia relativamente abundante, associada à mão-de-obra altamente qualificada, possibilitou um grande desenvolvimento de indústrias modernas na Europa. Graças ao desenvolvimento desse setor, houve o predomínio da população urbana sobre a rural e o consequente surgimento de grandes cidades, comércio ativo e complexas redes de circulação.

A região às margens do rio Reno, que atravessa a Alemanha, é uma das mais industrializadas da Europa.
A beleza das paisagens naturais, a imponência e importância histórica das cidades, os inúmeros museus e a grande efervescência cultural constituem fortes atrativos para os habitantes das demais partes do globo, fazendo do turismo outra fonte de recursos para os países europeus ocidentais. Esse setor dispõe de uma sólida infraestrutura, envolvendo transportes, hotelaria, restaurantes, roteiros de viagem, etc.
A diversidade das paisagens europeias e também seus aspectos históricos atraem grande número de turistas do mundo inteiro. Nas fotos, o museu do Louvre, em Paris (França), e a Acrópole, em Atenas (Grécia).
Os países da Europa Ocidental podem ser agrupados em três regiões econômicas: a Europa Centro-Ocidental, a Europa Meridional e os Países Nórdicos.
[editar]Europa Centro-Ocidental
A Europa Centro-Ocidental, à exceção da Irlanda, é bastante industrializada, conta com uma rede de serviços muito desenvolvida e é, em geral, densamente povoada e urbanizada.
Um dos países mais importantes dessa região é o Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, localizado nas ilhas Britânicas e formado por Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Apesar de sua área relativamente reduzida, se comparada à de outras grandes potências, esse país foi durante séculos o mais rico e poderoso império colonial da Terra e ainda hoje ocupa posição de destaque no cenário mundial.
Graças à grande riqueza acumulada e a seus recursos minerais, principalmente ferro e carvão mineral, no século XVIII esse país foi palco da Revolução Industrial. Desenvolveram-se primeiramente manufaturas têxteis e mais tarde siderúrgicas.
Devido a diversos fatores – de origem política e econômica – o Reino Unido tornou-se o berço da Revolução Industrial do século XVIII. Foram as indústrias têxteis as primeiras a transformarem a paisagem urbana britânica.

Devido a diversos fatores – de origem política e econômica – O Reino Unido tornou-se o berço da Revolução Industrial do século XVIII. Foram as indústriais têxteis as primeiras a transformarem a paisagem urbana britânica. Na foto, um motor a vapor.
Nos últimos anos, a indústria britânica, apesar de bastante diversificada e desenvolvida, tem sido abalada pela concorrência de outras potências, como a Alemanha, o Japão e os Estados Unidos.
Graças à industrialização, o Reino Unido é um dos países mais urbanizados do globo – mais de 90% de população urbana. Os centros industriais e urbanos mais importantes, comandados pela Grande Londres, são Birmingham, Glasgow, Liverpool, Manchester, Leeds, Edimburgo e Belfast.
A Irlanda, hoje completamente independente, fez parte do Reino Unido até 1937. Sua economia baseia-se na agropecuária, ainda pouco mecanizada, e sua indústria é também pouco desenvolvida.
Ainda que menos extensa do que Minas Gerais, a França é o maior país da Europa Ocidental e apresenta uma das mais altas populações absolutas do continente. Conta ainda com a grande vantagem de possuir costas no oceano Atlântico e no mar Mediterrâneo.
Seu quadro natural colocou-a numa situação privilegiada para o desenvolvimento das atividades econômicas: o litoral bastante extenso sempre favoreceu a navegação, a pesca e o comércio e a grande variedade de solos e climas perrmitiu-lhe alcançar posição de potência agrícola. Finalmente, suas grandes jazidas de ferro foram decisivas para que a França se configurasse também como extraordinária potência industrial. Suas áreas industriais mais importantes estão situadas nas regiões da Alsácia-Lorena e Normandia e nos vales dos rios Ródano e Loire.
Na Europa, a França se destaca como principal produtora de gêneros agrícolas, sobretudo frutas, legumes e vinhas, em grande parte utilizadas na indústria vinícola.

Apesar de ser destruída durante a Segunda Guerra Mundial, a Alemanha é atualmente a nação mais industrializada da Europa. Na foto, o porto de Duisburg, centro industrial às margens do rio Reno.
A Alemanha é a primeira potência industrial da Europa Ocidental e também uma das primeiras potências comerciais do mundo, dada a grandeza de seu volume de exportações. Os ramos industriais mais desenvolvidos são o de bens de produção (máquinas e utensílios industriais) e as indústrias mecânica, automobilística (Volkswagen, Mercedes-Benz, BMW, Porsche) e química (Hoechst, Basf, Bayer e outras).
Menos de 8% da população economicamente ativa alemã dedica-se à agricultura, mas a elevada tecnologia aí empregada faz do país um dos maiores produtores europeus de centeio, trigo, aveia, beterraba, cevada e batata.
Bélgica, Países Baixos e Luxemburgo, uniram-se, em regime de cooperação econômica, uma entidade chamada BENELUX (BE – Bélgica, NE – Nederland (Países Baixos) e LUX – Luxemburgo). Possuem uma área territorial bastante reduzida, mas são densamente povoados (cerca de 342 habitantes por quilômetro quadrado). Apresentam um parque industrial altamente desenvolvido, além de contarem com importante setor agrícola e de explorarem intensamente os recursos do mar.

O porto de Roterdã, nos Países Baixos, é o mais movimentado do globo.
A região conta, ainda, com importantes terminais marítimos, como o de Amsterdã, Antuérpia e, especialmente Roterdã, o porto mais movimentado do mundo. Graças às ligações fluviais com importantes rios, como o Reno e o Mosa, esse porto escoa produtos da Europa Central, como carvão e ítens industrializados, além de receber importações, com destaque para o petróleo.
As línguas oficiais da Bélgica são o flamengo (dialeto do holandês) e o francês. Do PIB do país, 24,2% são provenientes da atividade industrial e apenas 1% da agricultura. Nos Países Baixos fala-se holandês. De seu PIB, 24,4% vêm da indústria e 2% da agricultura. Apesar de o francês e o alemão serem as línguas oficiais de Luxemburgo, a língua cotidiana é o luxemburguês. Do PIB luxemburguês, 13% vêm da indústria e 1% da agricultura.
Na região alpina, no centro-sul da Europa, encontram-se a Suíça e a Áustria, que apresentam um alto nível de desenvolvimento, garantindo estabilidade social para seus cidadãos.
A pecuária leiteira da Suíça, por exemplo, dá sustentação à produção de laticínios e chocolates, fabricados com cacau importado, de fama mundial. Igualmente renomados são os aparelhos de precisão, como os relógios e máquinas em geral produzidos no país. Devido à sua estabilidade social e neutralidade política, o país tem atraído capitais do mundo inteiro, tornando-se um centro financeiro internacional.
Na Áustria, merecem destaque os cultivos de cereais, batatas, beterrabas (para a produção de açúcar) e vinhas; são também significativos seus rebanhos bovino e suíno. As reservas minerais do país auxiliaram a implantação de industrias, destacando-se as siderúrgicas e as áreas de produção de máquinas, tecidos e alimentos em conserva.
A paisagem alpina é forte atrativo para o turismo, que constitui importante fonte de renda para esses países.
[editar]Europa Meridional
Existe uma grande diferença econômica e, consequentemente, social entre os países da Europa Meridional – Espanha, Portugal, Itália, Grécia e a parte europeia da Turquia – e o restante do continente. Nesses países, a agricultura é ainda uma atividade econômica de peso, inclusive no setor exportador. Apesar das dificuldades naturais apresentadas pelo solo, especialmente na Grécia e na Turquia, cultivam-se vinhas, oliveiras e trigo; o azeite e o vinho que produzem são conhecidas em todo o mundo. Espanha e Itália ainda produzem frutas cítricas.
A industrialização desenvolveu-se tardiamente na península Ibérica e na Grécia, mas já são significativas as indústrias químicas, têxteis, alimentícias e siderúrgicas nessas regiões; também a produção autombilística espanhola já tem projeção em toda a Europa.
O turismo, que tem se expandido bastante, representa outra grande fonte de recursos para esses países.
O nível de desenvolvimento nesses países é menos expressivo que o de outras partes da Europa e as condições de vida são materialmente mais simples quando comparadas à dos demais países ocidentais do continente.

Os preços mais baixos tornam os países da Europa Meridional uma boa alternativa para o turista que vai à Europa. Na foto, vista de Veneza (Itália), um dos patrimônios históricos e arquitetônicos do mundo.
A Itália, particularmente, é um país de agudos contrastes econômicos; no norte, prosperidade material e industrial; no sul, baixo padrão de vida e grande atraso social. É, entretanto, uma grande potência industrial, cujos maiores centros são Milão, Turim, Gênova e Trieste.
São famosas as marcas de automóveis de procedência italiana, como Fiat, Ferrari, Maseratti. Destaca-se ainda a produção têxtil, alimentícia, mecânica e naval.
[editar]Países Nórdicos
Os países nórdicos – Dinamarca, Noruega, Suécia, Finlândia e Islândia – são dominados por um clima bastante frio e apresentam muitas características comuns, como a estabilidade política e o bem-estar social. A população desses países é predominantemente urbana e detém alto PIB per capita. Garantindo um dos mais elevados padrões de vida do globo para seus habitantes, esses países mantêm boas condições de educação, saúde e estabilidade profissional, além de um sistema previdenciário altamente desenvolvido.
A atividade industrial é de alto nível e supre tanto as necessidades do mercado interno quanto à procura externa, sustentando as importações de manufaturados, que contrabalançam as importações de alimentos.
[editar]Leste Europeu

Em 1º de janeiro de 1993, a Tchecoslováquia foi desmembrada em dois novos países: a República Tcheca e a Eslováquia. Na foto, imagem de satélite de Praga, a capital Tcheca.
A antiga Tchecoslováquia, desde meados de 1992, decidiu-se pela separação em duas repúblicas, a República Tcheca e a Eslováquia. As capitais são, respectivamente, Praga e Bratislava.
Carente de várias matérias-primas, a Tchecoslováquia, entretanto, se destacava principalmente pelo perfil industrializado de sua economia. O lado tcheco, formado pela Boêmia e pela Morávia, possui maior área e população e é também mais rico e industrializado. Destacam-se as indústrias siderúrgica, de cristais, de produtos de couro, de cerveja e de tecidos. A Eslováquia, por sua vez, caracteriza-se pela produção agrícola, com para os cereais, trigo, cevada e milho.
Na República Tcheca, destacam-se como centros industriais a capital, Praga e Brno; e na Eslováquia, a capital Bratislava.

Złote Tarasy, o maior shopping de Varsóvia, a capital do país
A Polônia possui considerável produção agrícola, mas a abundância de recursos minerais impulsionou sua industrialização.
A Silésia no sudoeste do país, e os arredores da cidade de Cracóvia são as áreas onde se concentram as reservas carboníferas, sendo também a região mais industrializada do país. Nesses locais instalou-se a maior parte das usinas siderúrgicas e produtoras de eletricidade, que absorvem grande parcela da produção nacional de carvão mineral, além do setor químico, que também se alimenta de grandes reservas de enxofre e de sal.
Merecem ser citadas ainda as indústrias mecânicas de construção naval, de máquinas agrícolas, de veículos, etc. Também a indústria têxtil deve ser destacada, pois se acha fortemente instalada em todo o país, sendo Lodz – segunda cidade da Polônia – seu principal centro produtor.

Os solos férteis asseguram à Hungria uma grande produção agrícola. Budapeste (foto) e arredores, por sua vez, concentram a maior parte das indústrias, sendo também a região mais industrializada do país.
O território da Hungria, caracteriza-se por uma vasta planície fluvial – a planície húngara. A cultura intensiva praticada em terras férteis faz da Hungria uma importante nação agrícola. As áreas de planícies cobertas de pastagens naturais garantem ainda a criação de bovinos, suínos e ovinos.
As riquezas minerais do país servem de apoio à industrialização. O carvão mineral é produto essencial à produção de energia, e a bauxita e o minério de ferro são a base das indústrias metalúrgicas e garantem a produção de máquinas agrícolas, uma das especialidades da Hungria.
Mesmo sob o domínio soviético, a economia húngara se destava pelo dinamismo e busca de soluções novas. Com a democratização, sofre o mesmo processo de adaptação à economia de mercado que os demais países do Leste Europeu.
Existe um ligeiro predomínio de população urbana na Hungria (pouco menos que 60% do total). O centro urbano mais importante do país é Budapeste, a capital.

A cidade de Bucareste tal como vista do espaço pelo satélite SPOT
A Romênia, é banhada ao sul, na fronteira com a Bulgária, pelo rio Danúbio, que em seguida desvia-se para o norte, desaguando no mar Negro, junto à fronteira ucraniana. Assim, suas áreas agropastoris acompanham o rio nas planícies do sul e do leste do país, as quais se apresentam cobertas por formações vegetais naturais, propícias à agricultura e à criação de bovinos e ovinos.
Suas reservas de minérios, aliadas à produção de energia, contribuíram para a sustentação de seu processo industrial. Destacam-se a siderurgia e a fabricação de máquinas, produtos químicos e tecidos, além de uma forte indústria petroquímica baseada na produção de petróleo e gás natural.
Bucareste, com cerca de dois milhões de habitantes, é a capital principal cidade romena.

Na agricultura búlgara, merece destaque o cultivo de cereais e de frutas. Na foto, Plovdiv, a segunda maior cidade do país.
Na Bulgária, a atividade industrial representa 32% do Produto Interno Bruto e justifica o fato de 70% da população búlgara encontrar-se em áreas urbanas. O setor industrial mais forte é o mecânico, voltado principalmente para atender às necessidades da modernização agrícola. São importantes também as industrias química, metalúrgica e têxtil, localizada principalmente em Sófia, a capital. A Bulgária exporta produtos agrícolas, sobretudo cereais.

Paisagem rural típica da Albânia.
O sistema político da Albânia caracterizou-se, durante décadas, como o mais fechado do mundo. Somente a partir dos movimentos de liberalização econômica e política que atingiram o Leste Europeu no final da década de 1980 é que teve início o intercâmbio econômico entre essa nação e o restante do globo. Em 1990, o governo albanês permitiu a entrada de empresas estrangeiras no país, ao mesmo tempo chegaram as primeiras notícias de movimentos por maior liberdade política na Albânia.
A Albânia sempre foi o país menos desenvolvido do Leste Europeu e, atualmente, enfrenta enormes dificuldades de sobrevivência, com a economia inteiramente desestruturada. Banhada pelo Adriático, sua agricultura é tipicamente mediterrânea, destacando-se o cultivo de trigo, oliveiras, algodão, tabaco e beterraba.
Suas indústrias de maior destaque foram a mecânica e a têxtil. Atualmente, o país depende de ajuda financeira internacional.
Desde o começo do século, a antiga Iugoslávia era formada por seis repúblicas e duas províncias autônomas, caracterizadas por grande mistura de povos, línguas e religiões.
O processo de desmembramento, ocorrido a partir de 1990 foi o mais radical e sangrento do Leste Europeu e ocasionou um grave conflito – no qual milhares de pessoas já morreram -, que ainda parece de difícil solução.
Croácia, Eslovênia, Macedônia e Bósnia e Herzegovina declararam-se independentes no decorrer de 1991, obtiveram reconhecimento internacional e foram admitidas na ONU. As restantes repúblicas – Sérvia e Montenegro -, que não desejavam o desmembramento, e as províncias de Voivodina e Kosovo proclamaram-se a nova Iugoslávia, em abril de 1992. Em 3 de junho de 2006, Montenegro declarou sua independência à Sérvia, e no dia 5 de junho, a Sérvia declarou independência, pondo fim ao ex-estado europeu da Sérvia e Montenegro. Em 17 de fevereiro de 2008, Rússia, República Popular da China e Sérvia se opõem ao reconhecimento internacional da independência do Estado do Kosovo, que seria declarada nesta data.
[editar]Demografia

O crescimento da população nos países europeus
Desde a Renascença e a Era dos Descobrimentos, a Europa teve grande influência na cultura, economia e movimentos sociais mundiais. A demografia da Europa é importante não apenas historicamente, mas também na compreensão das relações internacionais e da dinâmica populacional contemporâneas.
As questões demográficas de Europa, atuais e passadas, incluíram emigração por motivos religiosos, relações raciais, imigração econômica, declínio da taxa de natalidade e envelhecimento populacional. Em alguns países, tal como a Irlanda e a Polónia, o acesso ao aborto é atualmente limitado; no passado, tais restrições era comuns em toda Europa, assim como a maioria dos métodos contraceptivos. Ademais, três países europeus (Países Baixos, Bélgica e Suíça) têm permitido uma forma limitada de eutanásia voluntária para doentes terminais.
Em 2005 a população da Europa era estimada em 728 milhões de pessoas de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), o que perfaz pouco mais de 11% da população mundial. Um século antes, a Europa tinha quase 25% da população de toda a Terra. A população europeia cresceu nesses cem anos, mas em outras parte do mundo, particularmente na África e na Ásia, o crescimento foi muitas vezes mais acentuado[8]. De acordo com a Organização das Nações Unidas, a proporção da população mundial residindo na Europa cairá para cerca de 7% em 2050, totalizando 653 milhões de habitantes[9].
[editar]Densidade demográfica

Mapa da densidade populacional europeia.
O relevo e os tipos de clima da Europa, aliados a condições históricas, facilitaram a regular distribuição e fixação da população e seu desenvolvimento econômico.
A população absoluta do continente é superior a 700 milhões de habitantes, resultando numa densidade demográfica de aproximadamente 68 habitantes por quilômetro quadrado.
Mas, embora detentora de grande população absoluta, a Europa possui atualmente um ritmo de crescimento populacional inferior a qualquer outro no mundo. Certos países alcançaram o crescimento zero (número de nascimentos igual ao número de mortes) e alguns outros acusam até mesmo uma regressão populacional, isto é, a população tem diminuído ao invés de aumentar. Embora não deva ser tomado como regra, de maneira geral são os países mais desenvolvidos os que apresentam crescimento vegetativo negativo. Dessa forma, o déficit populacional tende a se acentuar em toda a Europa.
Os principais efeitos do decréscimo populacional são o aumento do número de velhos na população total e a diminuição progressiva da população ativa (carência de mão-de-obra). Nos países que receberam muitos imigrantes estrangeiros, a tendência é que as suas taxas de natalidade sejam superiores às da população de origem européia.
[editar]Etnias
A Europa sempre constituiu um ponto de fixação e cruzamento de povos. Por esse motivo, sua população é composta por um grande número de etnias, que se distinguem pela diversidade linguística (existem no continente mais de 100 línguas ou dialetos), religiosa (cerca de 15 religiões diferentes) e também cultural.
A maior parte dos europeus é branca, dividida em pelo menos três grandes grupos etnolinguísticos: latinos, germânicos e eslavos.

Encravado em Roma, localiza-se o Vaticano, sede do papado e centro mundial do catolicismo.
Os povos latinos habitam nações que integraram o antigo e poderoso Império Romano, correspondendo principalmente às populações dos países do Mediterrâneo Ocidental, entre as quais se destacam as dos portugueses, espanhóis, italianos e franceses.
Os povos germânicos são encontrados na Europa Norte-Ocidental e Central; são eles os alemães, austríacos, holandeses, escandinavos e britânicos. Alguns países mesclam línguas e/ou povos de origem latina e germânica, como Suíça e Bélgica, por exemplo.
Os povos eslavos, geralmente de cabelos e olhos claros, habitam os países da Europa Oriental, entre eles figuram os russos, ucranianos, poloneses, tchecos, eslovacos, sérvios, búlgaros, etc.
Além dos povos que enumeramos e dos resultados das misturas entre eles, podemos destacar os finlandeses, os húngaros, os gregos as minorias celtas, nas ilhas Britânicas, e bascas, na Espanha e na França.
Embora a Europa apresente grande diversidade religiosa, de maneira geral, predomina o catolicismo romano entre latinos e o catolicismo ortodoxo entre os eslavos.
Dentre as minorias, destacam-se os judeus, numerosos até a Segunda Guerra Mundial na Europa Central e Leste Europeu, e os muçulmanos, na Península Balcânica.

Juan Carlos I, espanhol.

Angela Merkel, alemã

Aleksandr Lukashenko, bielorrusso.
[editar]Línguas
Ver artigo principal: Línguas da Europa

Distribuição aproximada das línguas actualmente faladas em Europa.
As línguas europeias estão dentro de três grupos linguísticos: as línguas românicas, derivadas da língua latina do Império Romano; as línguas germânicas, cujos ancestrais vieram de língua do sul da Escandinávia; e as línguas eslavas.
As línguas românicas são faladas principalmente no sudoeste da Europa, assim como na Roménia e na Moldávia, que estão situadas na Europa Oriental. As línguas germânicas são faladas no noroeste da Europa e algumas partes da Europa Central. As línguas eslavas são faladas na Europa Central, Oriental e Sudeste da Europa.
Muitas outras línguas fora dos três principais grupos são faladas na Europa. O idioma Inglês é única entre as línguas germânicas, tendo grande parte do seu vocabulário descendente de línguas românicas. O grupo de línguas célticas também é um grupo distinto, como os restantes já referidos, e embora tenha desaparecido grande parte do seu uso diário, ainda existem diferentes números de falantes de cada uma das seis línguas célticas: irlandês, gaélico escocês e manx, galês, córnico e bretão.
Multilinguismo e a protecção das línguas regionais e minoritárias são objectivos políticos reconhecidoos na Europa de hoje. O Conselho da Europa através da Convenção-Quadro para a Protecção das Minorias Nacionais do Conselho da Europa e da Carta Europeia das Línguas Regionais ou Minoritárias levou á criação de um quadro jurídico a favor dos direitos linguísticos na Europa.
[editar]Religião
Ver artigo principal: Religião na Europa

Religiões predominantes na Europa
██ Cristianismo Católico Romano
██ Cristianismo Ortodoxo Oriental
██ Cristianismo Protestante
██ Sunismo
██ Xiismo
A prevalência das religiões da Europa é a seguinte:
Cristianismo
Catolicismo apostólico romano, que é subdividido em 2 grandes categorias:
Catolicismo latino, países ou áreas com populações significativamente católicas de rito latino: Andorra, Áustria, oeste da Bielorrússia, Bélgica, Bósnia e Herzegovina, Croácia, República Checa, França, sul e oeste da Alemanha, Hungria, Irlanda, Itália, Latgale (região da Letónia), Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Monaco, Sul da Holanda, Polónia, Portugal, Roménia, San Marino, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, centro e sul da Suíça, oeste da Ucrânia, e Vaticano. Existem também grandes minorias católicas no Reino Unido (especialmente na Irlanda do Norte), e em outros países europeus. Na Sérvia, os católicos são uma pequena minoria.
Catolicismo oriental – é encontrado no oeste da Ucrânia, Bulgária, Chipre, Grécia, Arménia, Hungria, Macedónia, Roménia, Rússia, Sérvia, Eslováquia, sul da Itália (Sardenha e Sicília) e Córsega, na França.
Cristianismo ortodoxo oriental, os países com populações significativamente Ortodoxa são: Arménia, Bielorrússia, Bósnia e Herzegovina, Bulgária, Chipre, Geórgia, Grécia, Macedónia, Moldávia, Montenegro, Roménia, Rússia, Sérvia, Ucrânia, parte oriental da Hungria, e minorias no Sul da Itália, Cazaquistão, Albânia, Letónia,Lituânia, Polónia e Finlândia (Carélia).
Cristianismo não-calcedoniano – é encontrado principalmente na Arménia (possui até a sua própria Igreja nacional e autocéfala).
Protestantismo: países com populações significativamente protestantes incluem Dinamarca, Estónia, Finlândia, norte e leste da Alemanha, Islândia, Letónia, Holanda, Noruega, Suécia; leste, norte e oeste da Suíça e Reino Unido. Existem significativas minorias na França, a noroeste Piemonte na região de Itália, Eslováquia, República Checa, Hungria, e uma pequena minoria na Polónia.
Islão, países com significativa população muçulmana são: Albânia, Azerbaijão, Bósnia e Herzegovina, Bulgária, Grécia, Geórgia, Cazaquistão, Montenegro, várias repúblicas de Rússia, Sérvia, Turquia, Crimeia na Ucrânia, e França. [10]
Outras religiões são praticadas por grupos menores na Europa, incluindo:
Judaísmo principalmente em França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e Itália. Ao mesmo tempo, o judaísmo foi amplamente praticado em todo o continente europeu, embora tenha diminuído em números desde a expulsão e do extermínio, e o êxodo do judeus durante parte do segundo milénio.
Hinduísmo principalmente entre imigrantes da Índia no Reino Unido. Em 1998, havia uma estimativa de 1.382.000 hindus na Europa. [11]
Budismo, fracamente espalhado por toda a Europa e em rápido crescimento nos últimos anos, cerca de 3 milhões de adeptos. [12] [13]
Indígenas Europeus, seguidores das tradições e crenças pagãs estão em muitos países (e em rápido crescimento no movimento neopagão na França, Alemanha, Irlanda e Reino Unido), e fé Asatru reconhecida como uma minoria religiosa na Islândia (desde 1973), Noruega e Suécia.
Rastafari , comunidades no Reino Unido, França, Espanha, Portugal, Itália e noutros países.
Sikhismo, quase 1 milhão de adeptos do Sikhismo na Europa. A maioria da comunidade vive no Reino Unido (750.000) e Itália (70.000). Cerca de 10.000 na Bélgica e França. Holanda e Alemanha têm uma população de 12.000 adeptos. Todos os outros países têm menos ou 5000 Sikhs.
Jainismo, pequena adesão, principalmente entre os imigrantes indianos no Reino Unido.
Voodoo, principalmente entre pessoas de raça negra, imigrantes de Caribe e da África Ocidental fixados no Reino Unido e França.
Religiões tradicionais africanas (incluindo Muti), principalmente no Reino Unido e França.
Outras religiões com poucos (ou ao abrigo de um milhão) adeptos na Europa: Animismo, Igreja de Cristo, Eco-religião, Gnose, Paganismo, Testemunhas de Jeová, Menonitas, Igreja Moraviana, Mormonismo ou Os Santos dos Últimos Dias, Panteísmo, Politeísmo, Relativismo Teológico, Cientologia, Adventistas do Sétimo Dia, Igreja Universal, Unitarismo, Wiccan, e Zoroastrianismo.
Milhões de europeus não professam nenhuma religião ou são ateus, agnósticos ou humanistas. As maiores populações não confessionais (em percentagem) são encontradas na República Checa, Dinamarca, França, Alemanha, Holanda, Noruega, Suécia e nas antigas repúblicas soviéticas como Bielorrússia, Estónia, Rússia e Ucrânia, embora a maioria dos antigos países comunistas tenham populações significativamente não confessionais.
[editar]Religiões com estatuto oficial
Um certo número de países da Europa têm religiões oficiais, incluindo Liechtenstein, Malta, Mónaco, Vaticano (católica), Grécia (Ortodoxa Oriental), Dinamarca, Islândia, e Noruega (Luterana). Na Suíça, alguns cantões reconhecem oficialmente catolicismo, protestantismo e outras religiões reformistas. Algumas aldeias suiças ainda têm a sua própria religião.
A Geórgia não tem Igreja estabelecida, mas a Igreja Ortodoxa Georgiana goza de facto de estatuto privilegiado desde a assinatura de uma concordata em 2002 com o estado georgiano. Na Finlândia, tanto a Igreja Ortodoxa Finlândia e a Igreja Evangélica Luterana da Finlândia são oficiais. Na Inglaterra, uma parte do Reino Unido, tem o Anglicanismo como a sua religião oficial. Na Escócia, uma outra parte do Reino Unido, tem o Presbiterianismo como a sua igreja/religião nacional, mas já não é “oficial”. Na Suécia, o órgão da Igreja é o Luteranismo, mas também deixou de ser “oficial”. No Azerbaijão, França, Portugal, Roménia, Rússia, Espanha e Turquia são oficialmente “seculares”.
[editar]Distribuição populacional

Centro histórico de Estocolmo.
No continente europeu não existem regiões extensas que apresentem vazios demográficos, como os que encontramos em desertos, áreas florestais ou de altas latitudes. No entanto, a população européia não apresenta distribuição uniforme, sendo bastante densa próxima às grandes cidades e nas partes industrializadas do ocidente europeu (vale do Ruhr, Amsterdã, Londres, norte da Itália). Mais ao norte (península Escandinava), devido às baixas temperaturas, e nas áreas montanhosas do sul (Alpes), o povoamento apresenta-se mais esparso.
Por ser a porção menos desenvoolvida economicamente, a parte meridional da Europa – que abrange as penínsulas, Ibérica, Itálica e Balcânica – tem uma grande parcela da população ligada ao setor agropecuário. Dessas saíram muitos emigrantes para as áreas mais industrializadas do continente.
Atualmente, os países mais desenvolvidos, que receberam milhares de imigrantes na década de 1970, declararam-se incapazes de continuar acolhendo os estrangeiros, fecham suas fronteiras à imigração e incentivam a reemigração. Por outro lado, o retorno dos imigrantes gera dois graves problemas aos seus países de origem: aumenta o desemprego, ao mesmo tempo que diminui a entrada de divisas pela remessa de ganhos dos imigrantes às suas famílias.
Nos países nórdicos, devido aos obstáculos oferecidos pelo clima, a população é pouco numerosa em relação ao grande território; as maiores concentrações populacionais aparecem nas áreas urbanas do centro-sul da região.

Castelo de Praga acima do rio Vltava.
Esses países proporcionam aos cidadãos excelentes condições de saúde, instrução e habitação, sendo o PIB per capita bastante alto e a assistência social a mais completa do mundo. A cidade de Copenhague, capital da Dinamarca, é a mais populosa da região.
O Leste Europeu, incluindo a Rússia, abriga uma população de aproximadamente 323 milhões de habitantes, pertencentes a diversas etnias. Na Rússia, a ocupação do espaço não é uniforme; áreas extremamente povoadas, sobretudo a oeste, alternam com outras praticamente vazias. Moscou e São Petersburgo são os mais importantes centros urbanos.
Os países mais urbanizados da Europa localizam-se na porção centro-ocidental do continente, como o Reino Unido, a França, a Bélgica, os Países Baixos, a Alemanha e o norte da Itália. Na rede urbana desses países, destacam-se as regiões metropolitanas de Londres, Manchester e Birmingham, no Reino Unido; Paris, na França; Bruxelas, na Bélgica; Berlim, Hamburgo, Munique, Frankfurt é Essen, na Alemanha; e Roma, Milão e Nápoles, na Itália.
[editar]Cultura

Ver artigo principal: Cultura europeia

Liverpool: Capital Europeia da Cultura em 2008
A cultura europeia pode ser melhor descrita como uma série de culturas sobrepostas, e que envolve questões de Ocidente contra Oriente e Cristianismo contra Islão. Existem várias linhas de ruptura culturais através do continente e movimentos culturais inovadores discordam uns dos outros. Assim, uma “cultura comum europeia” ou “valores comuns europeus”, é algo cuja definição é mais complexa do que parece.
[editar]Problemas atuais

Mesmo com a emergência dos Estados Unidos e da União Soviética após as duas guerras mundiais e o crescimento econômico japonês, a Europa continuou sendo um importante centro político, econômico e cultural. Nas décadas de 40-50, o eixo do mundo deslocou-se de Londres e Paris para Washington (Estados Unidos) e Moscou (União Soviética), mas em diversos setores a Europa Ocidental não perdeu a sua importância. Acordos internacionais são firmados na Europa, grupos terroristas agem no Velho Mundo para chamar atenção para suas causas, refugiados dos mais diversos países conseguem abrigo nessa parte do globo. Todos os anos, milhares de estudantes dirigem-se às principais cidades europeias para aperfeiçoar seus estudos, pois o continente é um importante centro irradiador de cultura.

A Alemanha é o país que está recebendo maior número de imigrantes vindos do Leste Europeu.
Desde o final da década de 1980, as grandes transformações do Leste Europeu e a integração dos países da União Europeia têm atraído as atenções mundiais e o continente volta a ganhar destaque especial nas relações internacionais. Após séculos de emigração, atualmente a Europa passou a receber imigrantes de todo o mundo, além dos deslocamentos internos, dos países mais atrasados para os mais desenvolvidos. E essa questão é causa de tensão nos países que os recebem.

O Reino Unido é um dos países onde a presença de imigrantes estrangeiros é causa de tensão e atritos. Na fotografia, o “Santuário” de Jean de Charles de Menezes, na entrada da estação de Stockwell.
No Reino Unido, por exemplo, habitantes das ex-colônias, como caribenhos, indianos e paquistaneses, entre outros, habitam os bairros decadentes dos principais centros industriais do país, entrando, algumas vezes, em conflito com a polícia. Na França, causam preocupação as hostilidades entre franceses e imigrantes, sobretudo norte-africanos, como os argelinos.
A Alemanha Ocidental, que durante a década de 1970 apresentou um boom econômico, recebeu milhares de turcos, gregos, portugueses, espanhóis e italianos, que fixaram moradia em suas cidades industriais. Hoje o país tenta conter a entrada de novas levas de estrangeiros, sobretudo turcos, gregos, portugueses, espanhóis, etc. Outro problema foram os fluxos migratórios do lado oriental para o ocidental após a reunificação do país em 1990.
A Europa Ocidental também enfrenta problemas relativos a algumas questões étnicas e políticas, de origem histórica. Merecem maior atenção a questão irlandesa e a questão basca. A Irlanda, ou Eire, é uma república e constitui um Estado independente, em que mais de 90% dos habitantes são católicos. A Irlanda do Norte, entretanto, é parte integrante do Reino Unido e conta com uma população de pouco mais de dois milhões de habitantes, dos quais apenas um terço é católico.
Essa minoria católica, queixando-se de injustiças sociais, econômicas e jurídicas, pretende separar-se do Reino Unido, sendo apoiada pelos católicos republicanos da Irlanda do Sul. A insatisfação dos católicos levou à formação de um grupo armado conhecido como Exército Republicano Irlandês (IRA), responsável, nas últimas décadas, por violentos ataques contra militares do Reino Unido e freqüentes atentados terroristas.
Desde 1994,o governo britânico e as organizações separatistas irlandesas têm efetuado aproximações diplomáticas que levaram à assinatura de acordos, parecendo indicar uma solução pacífica para a sangrenta questão irlandesa. O terrorismo é um grave problema para alguns países europeus, entre os quais a Espanha. Aí tem atuado a organização separatista basca (ETA), que exige a independência completa de uma área industrializada no norte do país, habitada por uma população de características étnicas e lingüísticas, distintas do restante dos espanhóis. A rivalidade entre os grupos militares bascos e os que se opõem ao separatismo traduziu-se nos últimos anos, em freqüentes atentados e assassinatos. A facção separatista perdeu terreno após algum tempo, e a maioria da população tem apoiado o governo espanhol.
[editar]Estatísticas

Número de países: 49
Área: 10 498 000 km²
População: 744 717 000
Seis línguas mais faladas: russo, alemão, francês, inglês, italiano e polaco
Densidade demográfica: 70 h/km²
Ponto mais alto: Monte Elbrus (5642), Rússia
Ponto mais baixo: Mar Cáspio (-28m), Rússia
Maior rio: Rio Volga (3688 km)
Rio que atravessa a maior quantidade de países: Rio Danúbio
Maior lago: Lago Ládoga (18 400 km²), Rússia
Maior lago artificial: Barragem de Alqueva, rio Guadiana (250 km²), Alentejo, Portugal
Ponto mais ocidental do Continente Europeu: (Cabo da Roca), Portugal
Ponto mais ocidental da Europa: (Ilhéu de Monchique), a ocidente da Ilha das Flores, nos Açores, Portugal
Maior ilha: Grã-Bretanha (229 885 km²), Reino Unido
Maior vulcão: Etna (3.323 metros), Sicília, Itália
Principal cascata: Gavarnie (422 metros), França
País mais rico: Luxemburgo (42 930 dólares/hab. por ano)
País mais pobre: Moldávia (410 dólares/hab. ao ano)
País mais populoso: Rússia (141.377.000 habitantes)
País menos populoso: Vaticano (890 habitantes)
Maior país: Rússia (17.075.200 km²)
Menor país: Vaticano (0,44 km²)
País mais povoado: Mónaco (17.435,9 h/km²)
País menos povoado: Islândia (2,74 h/km²)
Maior IDH: Islândia, 0,968
Menor IDH: Moldávia, 0,708
Referências

↑ valor dado na escala curta usada no Brasil. Na escala longa, usada nos restantes países lusófonos, o valor seria de 12,82 biliões de dólares.
↑ 2,0 2,1 País com partes insulares ou ultramarinas do seu território em África.
↑ País com partes insulares ou ultramarinas do seu território na América.
↑ País com partes insulares ou ultramarinas do seu território na Ásia.
↑ Portugal possui dois territórios ultramarinos no Oceano Atlântico: Açores e Madeira. Ambas gozam do estatuto de Região Autónoma, sendo parte integrante do país, e dotadas de estatutos político-administrativos e de órgãos de governo próprio (Artigo 6.º da Constituição da República Portuguesa).
↑ 6,0 6,1 Geograficamente na Ásia, mas, tal como o Chipre, considerado território europeu.
↑ 7,0 7,1 7,2 Por vezes considerada como parte do continente asiático.
↑ UNPP, 2004 Revision World Population Prospects: The 2004 Revision Population Database. United Nations Population Division, 2005. Visitado em 25 de outubro de 2006.
↑ http://esa.un.org/unpp/p2k0data.asp
↑ / Europe/4385768.stm muçulmanos na Europa: BBC Country guia.
↑ www.adherents.com/Na/Na_306 . Html .
↑ Vipassana Foundation – budistas de todo o mundo.
↑ BuddhaNet – budismo no Ocidente.
[editar]Bibliografia

ANTUNES, Celso. Geografia e participação: Europa, Ásia, África e Oceania. 3ª.ed. São Paulo: Scipione, 1991. 160 p. 4 v. v. 4. ISBN 85-262-1694-5
AUTORES DIVERSOS. Almanaque Abril 2007. 33ª.ed. São Paulo: Abril, 2007. 730 p. 1 v. v. 1.
[editar]Ver também

A Wikipédia possui o(s) portal(is):
Europa e União Europeia
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Definições no Wikcionário
Citações no Wikiquote
Imagens e media no Commons
Notícias no Wikinotícias
União Europeia
Anexo:Lista de animais que vivem na Europa
[editar]Ligações externas

O Conselho da Europa (em português)
O portal da União Europeia (em português)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Onde fica a europa ?

A Europa é a parte ocidental do supercontinente euroasiático. Embora geograficamente seja considerada uma península da Eurásia, os povos da Europa têm características culturais e uma história específicas, o que justifica que o território europeu seja geralmente considerado como um continente.



Descrição geral


A parte continental é limitada a Norte pelo Oceano Glacial Árctico, a oeste pelo Oceano Atlântico, a sul pelo Mar Mediterrâneo, pelo Mar Negro, pelas montanhas do Cáucaso e pelo Mar Cáspio, e a Leste, onde a delimitação é mais artificial, pelos Montes Urais e pelo Rio Ural. A Europa inclui também as Ilhas Britânicas, a Islândia e várias ilhas e arquipélagos menores, espalhados pelo Atlântico, Mediterrâneo e Árctico.


Segundo a mitologia grega, Europa foi uma mulher muito bonita que despertou os amores de Zeus, deus-rei do Olimpo.


O continente europeu, que durante as Grandes Navegações foi chamado de Velho Mundo, estende-se quase que inteiramente na zona temperada, acima de 35º de latitude norte, com apenas uma estreita faixa até o círculo polar Ártico. Devido ao seu litoral muito recortado, a influência oceânica é grande, e as temperaturas são geralmente amenas (não há extremos acentuados), com precipitações que oscilam entre 500 e 1 000 mm anuais. Alternam-se em seu relevo extensas planícies, maciços pré-cambrianos ou palezóicos.


A quase totalidade do continente inclui-se no mundo desenvolvido. A agricultura, mecanizada, emprega em média apenas 10% da população economicamente activa, enquanto um terço desta é ocupado na indústria e a maior parte é absorvida pelo sector terciário. A União Europeia (UE), compreendendo 27 estados membros, é a maior e mais importante entidade política, económica e cultural do mundo. A UE é também a maior economia mundial com um PIB estimado em 12,82 trilhões de dólares [1] ultrapassando largamente os Estados Unidos.


A Europa pertence, com a Ásia, a uma massa de terra chamada Eurásia. O continente europeu tem área de 10,3 milhões de quilômetros quadrados e é banhado ao norte pelo oceano Glacial Ártico, a oeste pelo oceano Atlântico e ao sul pelo mar Mediterrâneo. A leste, a fronteira com a Ásia atravessa a Rússia e a Turquia. Esse limite é determinado pelos montes Urais, pelo rio Ural, pelo mar Cáspio, pelas montanhas do Cáucaso e pelo mar Negro. Três nações transcaucasianas (Armênia, Azerbaijão e Geórgia), cujos territórios se estendem até a Ásia, são consideradas integrantes do continente europeu.


O litoral europeu é bastante recortado e apresenta cinco grandes penínsulas — Ibérica, Itálica, Balcânica, Escandinava e da Jutlândia — e várias ilhas e arquipélagos, entre os quais as Ilhas Britânicas, a Islândia, a Córsega, a Sicília e a Creta.


A maior parte do território europeu é formada por planícies. Mais da metade de sua extensão está abaixo de 200 metros, e a altitude média é de 340 metros. O relevo montanhoso prevalece nas porções norte (onde se localizam os Alpes Escandinavos e as cadeias das Ilhas Britânicas) e sul (cortada pelos Pirineus, Alpes, Cárpatos e Balcãs). No centro, uma vasta planície se estende, quase sem interrupção, dos Pirineus aos montes Urais. O continente não abriga rios extensos: o maior deles, o Volga, tem cerca de 3,5 mil quilômetros.


 

Predomina o clima temperado, mas há variações determinadas pela latitude e pela influência do oceano e da massa continental asiática. O sul apresenta clima mediterrâneo e vegetação de arbustos. No centro e no leste, o clima é continental, tornando-se cada vez mais frio à medida que se avança para o interior. Essa faixa é ocupada por florestas temperadas e de coníferas. No noroeste prevalece o clima oceânico. O extremo norte tem clima polar e sua vegetação típica é a tundra. De acordo com o World Resources Institute, cerca de 40% das florestas do continente foram desmatadas. As maiores extensões de mata nativa são de coníferas e encontram-se na Suécia e na Finlândia.


A Europa tem 744,3 milhões de habitantes e é o único continente onde a população vem diminuindo. Segundo o Fundo de População das Nações Unidas (FNUAP), ela encolherá a uma taxa de 0,1% ao ano entre 2005 e 2010. O envelhecimento da população exige absorção de imigrantes, principalmente profissionais em tecnologia. Por outro lado, o crescimento do desemprego e o aumento da concorrência no mercado de trabalho vêm impondo obstáculos à entrada de mão-de-obra não qualificada.


A concentração populacional é alta no centro e no oeste e menor nas porções norte e leste. Metade dos europeus vive em cidades pequenas, com até 5 mil habitantes. As grandes cidades, como Berlim, Londres, Madrid, Moscou, Paris, Roma e São Petersburgo, concentram um quatro da população. A maioria dos habitantes fala idiomas do tronco indo-europeu, sendo as línguas mais difundidas as do ramo latino (francês, italiano, castelhano, romeno, português, catalão), germânico (alemão, inglês, neerlandês, sueco, dinamarquês) e eslavo (russo, ucraniano, polaco, servo-croata, checo, búlgaro). Há também idiomas de outras famílias lingüísticas, como o húngaro, o finlandês e o basco.


O cristianismo é a religião com o maior número de seguidores na Europa. No continente existe um número significativo de adeptos tanto do catolicismo quanto do protestantismo e da Igreja Ortodoxa.


Sede da Revolução Industrial, a Europa é o primeiro continente a modernizar sua economia. O parque industrial europeu é, até hoje, um dos mais avançados do mundo. Sua agropecuária utiliza intensivamente tecnologia de ponta, e o continente vem registrando progressiva expansão e modernização dos serviços. Persistem, entretanto, muitos contrastes de desenvolvimento entre os países ocidentais e as nações do leste, que fizeram parte do antigo bloco comunista e desde a década de 1990 buscam implantar a economia de mercado.


Na indústria européia, destacam-se os setores automobilístico, têxtil, químico e de telecomunicações. A produção agropecuária é significativa, mas emprega pequena quantidade de mão-de-obra, por causa da utilização intensiva de máquinas e de técnicas avançadas de cultivo. Entre os principais produtos estão leite, carne bovina e suína, centeio, batata, aveia e trigo. Na mineração sobressai a extração de carvão e minério de ferro.


A Europa Ocidental concentra 90% do PIB do continente, mas os países do antigo bloco socialista, que aderiram à economia de mercado na década de 1990, têm crescido nos últimos anos. Maior pólo turístico do planeta, a Europa atrai anualmente 400 milhões de visitantes.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *