Orgulho ferido e vontade de reordenar o mapa explicam atitudes de moscou

A volta do urso russo é um filme melancólico. Há uma combinação de dois fatores políticos de primeira grandeza no comportamento de Moscou em relação a Ossétia-Abcásia-Geórgia: orgulho ferido por um império perdido, e a vontade de reordenar o espaço mais próximo (o “estrangeiro próximo”, como dizem os russos) seja como for. Dois elementos que, diríamos, são “psicológicos” e “emocionais” explicam o comportamento de estados soberanos? Explicam.

Para quem não passou por Moscou nos momentos que se seguiram à implosão do império soviético é difícil avaliar o quanto pesou para os russos a humilhação. Uma boa parte da reação popular à reordenação política do país – falo aqui diretamente do apego a políticos de mão dura, como Vladimir Putin – está ligado ao fato de que a expansão do império não foi apenas uma conquista bolchevista. Os historiadores em geral concordam que foi sua continuação.

Aliás não é dos tempos do comunismo – ou da paranóia de Stalin – que os russos se acham cercados pelo Ocidente, ou desprezados pelas capitais ocidentais, ou ambos. E, na maneira deles perceberem o mundo, não faltam exemplos. A maneira como a Otan estendeu suas fronteiras até a borda da Rússia, por exemplo, atende perfeitamente às necessidades de segurança de países que hoje são de novo parte da Europa Central.

Mas, aos olhos de Moscou, não foi outra coisa senão o uso de uma oportunidade – o esfacelamento da União Soviética e a grave convulsão interna – para limitar ainda mais sua margem de ação. Putin é tudo, menos um jogador de pôquer. E nas várias intervenções públicas nas quais abordou a questão do relacionamento de Moscou com o Ocidente (entendido aqui principalmente como os Estados Unidos e os países centrais da União Européia) sempre deixou claro que um de seus objetivos era o de restaurar o orgulho perdido.

Meu cuidado aqui é o de não cair no argumento bastante simplista de que a atitude russa em relação às províncias separatistas e à própria Georgia é uma “justificada” reação à maneira como Moscou se viu tratada pelo Ocidente. E à forma como os Estados Unidos entraram em guerras no Oriente Médio, ou à forma como os principais países ocidentais reconheceram a independência do Kosovo da Sérbia, uma antiga cliente de Moscou. Explicar um comportamento (no caso, o dos russos) não é apoiá-lo.

Tampouco estou preocupado em estabelecer, neste momento, um julgamento moral. Potências agem de acordo com seus interesses, especialmente em relação a seus vizinhos, e o uso da força jamais foi excluído das relações internacionais. Pode-se caracterizar tudo isso como cinismo e comportamento amoral – prefiro a velha expressão alemã da “Realpolitik”.

O problema aqui é estabelecer se os caminhos de “Realpolitik” escolhidos por Putin no caso da Geórgia restauram a Rússia como uma potência internacional ainda mais forte – ou simplesmente forte, mas não confiável. Se a conduta de Putin frente ao investimento estrangeiro aumenta o poder de barganha econômico internacional da Rússia, ou apenas a torna um parceiro indesejável. Se o entendimento de que países como a Geórgia ou a Ucrânia se tornaram inimigos, por terem passado por reformas políticas muito mais amplas que a Rússia, ajuda Moscou a forjar uma parceria estratégica com a Europa – ou, ao contrário, se a afasta de um objetivo importante de longo prazo.

Conviver com a Rússia ficou mais difícil. Talvez seja apenas isso que Putin consiga.

Entenda o confronto na Ossétia do Sul

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *