Política favorito, obama busca apoio internacional para campanha

O senador Barack Obama pôs o pé na estrada e está viajando pela metade do mundo: do Afeganistão à Alemanha, passando pelo Iraque, Reino Unido e França. Desde que se tornou o favorito nas eleições presidenciais americanas, é a primeira viagem “internacional” de Obama, especialmente diante dos temas envolvidos: as duas guerras nas quais estão metidos os americanos no Oriente Médio e o entendimento com seus principais parceiros ocidentais.

John McCain tem razão quando diz que seu adversário está empenhado apenas numa caravana eleitoral. E daí? Dá para se ter uma boa idéia do que o candidato sensação (Obama, claro) tem a dizer quanto às mudanças que pretende impor também à política externa americana. Não parece ser tanta mudança assim.

Foco central, claro, é saber quando e como Obama retiraria as tropas americanas do Iraque. Antes mesmo de ele ser recebido em Bagdá com tapete vermelho, nesta segunda (21/7) a própria Casa Branca havia dito, no fim de semana, que concorda com algum tipo de horizonte de tempo para a retirada de tropas americanas do país.

Não, não foi um jeito pérfido de Bush de tirar as manchetes de Obama. Quem pediu esse prazo foi o próprio primeiro-ministro iraquiano, que está sob forte pressão dos grupos xiitas que o seguram no poder. Que Obama e os xiitas pensem em prazos rápidos para uma saída pode ajudar bastante algum tipo de entendimento. Obama fala em 16 meses de prazo para início da retirada. Os comandantes americanos, que conhecem os xiitas melhor do que ele, acham que é muito cedo.

No Afeganistão os americanos (e colegas da Otan) estão sofrendo mais baixas atualmente do que no Iraque. Há algo de “normal” nesse derramamento de sangue: desde a antiguidade (provavelmente desde muito antes) guerreia-se no Afeganistão durante o verão do hemisfério norte. No inverno, por conta do clima e da topografia, as coisas se acalmam. Na média anual, continuarão morrendo mais soldados ocidentais no Iraque.

Mas o Afeganistão não pode ser tratado sem se considerar o vizinho Paquistão – que proporciona, involuntariamente ou não, as bases das quais operam os inimigos da Otan e dos americanos. E sobre o Paquistão Obama nada disse ainda que configure qualquer tipo de mudança, ou seja, os americanos parecem espectadores num espetáculo que eles não controlam.

Em compensação, a campanha de Obama está tentando controlar o espetáculo da caravana eleitoral na Europa – e já pisou em ovos antes mesmo de desembarcar por lá. Obama escolheu como palco principal Berlim, a capital da Alemanha, imediatamente causando ciumeira em Londres e Paris, que se consideram mais “atlânticas” (com Sarkozy, claro), do que os “suspeitos” alemães, que volta e meia se entendem particularmente com Moscou e outros lugares obscuros ao Leste.

Mesmo na Alemanha, a monumental assessoria externa de Obama (700 colaboradores!) esbarrou em sutilezas que, para os europeus, nada tem de discretas. Ele queria fazer um discurso em frente à Porta de Brandenburgo – exatamente onde Ronald Reagan desafiou Mikhail Gorbachev a desfazer o Muro de Berlim. Os alemães acharam que não era o caso – afinal, Obama ainda não é presidente.

Próxima sugestão foi o aeroporto de Tempelhof, onde pousavam os aviões americanos que garantiram a sobrevivência do lado ocidental da capital alemã quando Stálin mandou bloqueá-la, em 1948. Mas aí “descobriu-se” que o arquiteto do aeroporto era Albert Speer, que além de preferido de Adolf Hitler acabou a guerra como ministro responsável pelo emprego de trabalho escravo na produção de armamentos – e foi condenado como criminoso no Tribunal de Nurembergue.

Obama vai falar, então, em frente à Coluna da Vitória – ornada com os canhões que Napoleão tomou em várias campanhas, e depois os alemães tomaram dos franceses na guerra que levou à fundação do primeiro império alemão, em 1870. Em outras palavras, jeitinho ruim de se chegar, no dia seguinte, a Paris. E Londres, que se acha francamente ignorada pelo candidato democrata americano.

É claro que se trata de perfumaria, se vocês quiserem. Mas dá uma idéia de como pensa a campanha de Obama: como vencedora. E embora as pesquisas de intenção de voto nos Estados Unidos (na França, Alemanha e Reino Unido, Obama seria eleito com mais de 80% dos votos) indiquem uma corrida muito difícil com John McCain, os critérios menos “científicos”, digamos assim, já consagram Obama.

Prestem atenção no principal deles, que acertou 14 das últimas 15 eleições americanas: o barômetro eleitoral de Alan Abramowitz, cientista político da Emory University. Ele diz que McCain já pode ir para casa. E Obama, quem sabe, interessar-se ainda mais pelo que acontece no resto do mundo.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *