Quando o ronco se torna mais do que um barulho chato

Quando o ronco é mais do que um barulho chato


 




 


 


 


Definida como a obstrução momentânea das vias aéreas, a apnéia do sono é um distúrbio que faz a pessoa ficar sem respirar por alguns segundos durante a noite. Resultado de alterações anatômicas e da diminuição da atividade dos músculos da laringe, o que provoca seu fechamento, ela pode acarretar conseqüências físicas e emocionais caso não receba o devido tratamento. 


Nos adultos, o diagnóstico de apnéia é determinado pela duração da parada respiratória: superior a dez segundos. De maneira geral, os especialistas dividem esse distúrbio em três tipos: Obstrutivo, quando a pessoa tem o sono interrompido devido ao esforço respiratório; Central, em que não há esforço no ato de expirar; Mista, quando existe a combinação dos dois tipos anteriores.


A apnéia do sono costuma ser mais comum em homens a partir dos 30 anos e nas mulheres que chegaram à menopausa – mas isso não significa que outras pessoas não possam tê-la. A obesidade é considerada um agravante do quadro de Apnéia Obstrutiva – diferente do tipo Central, que costuma atingir pessoas não-obesas, mas que podem sofrer de insuficiência cardíaca congestiva, aquela que se desenvolve durante anos.


Os principais sintomas relacionados ao quadro de apnéia são ronco alto, sonolência diurna excessiva e sono agitado. Caso você desconfie que alguém da sua família sofre de apnéia, ou alguém ache que você tem esse distúrbio, procurem ajuda médica o quanto antes.


Mas atenção: o simples ato de roncar não indica, necessariamente, que se trata de um caso de apnéia. Muitas vezes, trata-se apenas de um evento normal do sono.


Fonte: www.jnjbrasil.com.br/noticia_full.asp?noticia=3787&pos=1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *