Quem foi e o que fez joão figueiredo?

João Baptista de Oliveira Figueiredo (Rio de Janeiro, 15 de janeiro de 1918 — Rio de Janeiro, 24 de dezembro de 1999) foi um general-de-exército e político brasileiro. Foi o último presidente do regime militar, que vigorou no Brasil entre 1964 e 1985.

Durante o seu governo, de 1979 a 1985, promoveu a lenta transição do poder político para os civis. Era filho do general Euclides Figueiredo, que fora comandante da Revolução Constitucionalista de 1932 em São Paulo.[2]

Vida antes da presidência

Iniciou sua carreira Militar em 1928, obtendo o primeiro lugar no concurso para o Colégio Militar de Porto Alegre.

Viveu no exílio na Argentina entre 1932 e 1934 pois seu pai comandara a Revolução Constitucionalista de 1932, no Vale do Paraíba no estado de São Paulo. Seu pai foi exilado quando terminou a Revolução de 1932.

Ingressa na Escola Militar de Realengo, no Rio, em abril de 1935. Onde por ter sido primeiro aluno, recebe o espadim diretamente das mãos do Presidente Getúlio Vargas em 22 de novembro de 1937.

No período da Revolução de 1964 ou Golpe Militar de 1964, Figueiredo foi encarregado de chefiar a agência do SNI (Serviço Nacional de Informações), no Rio de Janeiro. Em 1974 chegou a chefe do SNI.
Presidência da República

Foi candidato a presidência da República pela via indireta, escolhido pelo seu partido, a ARENA, obtendo a vitória no Colégio Eleitoral do Congresso Nacional em 1978 contra o General Euler Bentes Monteiro do MDB, prometendo a “mão estendida em conciliação” e jurando fazer “deste País uma democracia”.

No seu governo, concedeu anistia ampla geral e irrestrita aos políticos cassados com base em atos instituicionais, e voltaram ao Brasil os exilados do regime militar.

Também, em seu governo, em 1982, realizaram-se as primeiras eleições diretas para governador de estado desde 1965.

Como presidente, discursou de forma marcante na Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas, criticando os altos juros impostos pelos países desenvolvidos.

Sua gestão ficou inicialmente marcada pela grave crise econômica que assolou o Brasil e o mundo, com as altas taxas de juros internacionais, pelo segundo choque do petróleo em 1979, altos índices recessivos e inflacionários e com a dívida externa crescente no Brasil, além de um aumento na instabilidade social.

No entanto, em seu último ano de governo o país havia conseguido sair da recessão e o produto interno bruto (PIB) atingido um crescimento superior a 7%. As contas externas também encontraram relativo equilibrio ao final de seu governo, com uma explosão das exportações e aumento da independência nacional do mercado externo, especialmente na área do petróleo.

Implementou, também, o programa de incentivo à agricultura, que tinha como slogan “Plante que o João garante”. Esse programa foi criado por Antônio Delfim Netto, então Ministro do Planejamento, e seu vice José Flávio Pécora. Muitos pequenos agricultores quebraram por causa dos incentivos, que visavam modernizar a agricultura brasileira.

A agricultura, porém, foi realmente modernizada, e o programa é grande responsável pelo Brasil, atualmente, ser um dos maiores e melhores exportadores agrícolas do mundo. O preço dos alimentos como feijão, arroz etc, (alimentos básicos) baixou considerávelmente, antes muito caros para a população mais humilde.

Aconteceu em 1981, uma grande seca no nordeste do Brasil, acontecendo saques a armazéns pelos flagelados, e foram criadas frentes de trabalho para gerar renda para as vítimas da seca.

Também foi dono do maior programa de habitação da história do Brasil, construindo quase 3 milhões de casas populares – mais do que a soma de toda a história do BNH (Banco Nacional de Habitação, que posteriormente foi incorporado à caixa econômica) implantada pelo então Ministro do Interior Mario Andreazza.
Retrato oficial de João Figueiredo.
Retrato oficial de João Figueiredo.

Durante o seu governo ocorreram uma série de atentados terroristas atribuidos a direita, como bombas em bancas de jornais e explosões em organismos que defendiam os direitos humanos.

O mais célebre atentado foi o que aconteceu no Riocentro. No local era realizado um show musical popular com a participação de milhares de jovens. Não se sabe se por acidente ou imperícia, uma bomba de alto poder explodiu dentro do carro de agentes do governo, matando um sargento e ferindo gravemente um capitão, ambos do exército.

O governo negou conhecimento da operação no Rio Centro , mas a partir desse acidente, os atentados cessaram. Foi um dos fatos que mais desmoralizaram a ditadura militar instaurada em 1964, e marcou o início de seu declínio.

Figueiredo atribuia os atentados aos “Bolsões radicais porém sinceros”, ou seja, militares da linha-dura que não queriam que a abertura política de Figueiredo fosse em frente por medo de revanchismo caso as oposições chegassem ao poder.

Em 1985, deixou a cargo do PDS a escolha do candidato da situação, não interferindo na escolha de Paulo Maluf, candidato que não apoiava. Foi sucedido na presidência por José Sarney (seu antigo desafeto de partido), vice de Tancredo Neves, eleito indiretamente pelo Congresso Nacional que, embora fosse candidato da oposição, havia recebido apoio até do ex-presidente Ernesto Geisel, com quem se encontrara três vezes.

Figueiredo não quis entregar a faixa presidencial a Sarney na cerimônia de posse em 15 de março de 1985, pois o considerava um “impostor”, vice de um presidente que nunca havia assumido.

Depois de seu governo, afastou-se definitivamente da vida política. Ficou célebre a sua “declaração de despedida”, dada ao jornalista Alexandre Garcia para a extinta TV Manchete: “Bom, o povo, o povão que poderá me escutar, será talvez os 70% de brasileiros que estão apoiando o Tancredo. Então desejo que eles tenham razão, que o doutor Tancredo consiga fazer um bom governo para eles. E que me esqueçam”.

Foi o presidente do ciclo do regime militar com maior tempo de mandato: seis anos, sendo também o quarto mandatário com mais tempo à frente da Presidência da República, atrás somente de Luiz Inácio Lula Da Silva e Fernando Henrique Cardoso (oito anos) e de Getúlio Vargas (dezoito anos).

[editar] Principais realizações
Ronald Reagan e Figueiredo em montaria a cavalo
Ronald Reagan e Figueiredo em montaria a cavalo

* Anistia aos punidos pelo AI-5 e perdão aos crimes de abuso de poder, tortura e assassinato cometidos por órgãos de segurança.
* Extinção do bipartidarismo, o que dividiu a oposição entre os novos partidos criados e manteve a união dos arenistas, agora no PDS, que garantiram dessa forma a presidência da Câmara.
* Garantiu o processo de abertura política, iniciado por Geisel, que resultou no fim do regime militar.
* Estabeleceu o reajuste semestral do salário.
* No seu governo foi criado o programa Grande Carajás.
* Criação do Estado de Rondônia.
* Amplo programa de reforma agrária no norte do Brasil.

Bibliografia

* FIGUEIREDO, João, Discursos – Presidente João Figueiredo, 4 volumes, Secretaria de Imprensa e Divulgação da Presidência da República, 1983.
* GAROFALO FILHO, Emílio, Câmbio, Ouro e Dívida Externa, de Figueiredo a FHC,

Editora Saraiva, 2002.

* KOIFMAN, Fábio (org.) – Presidentes do Brasil, Editora Rio, 2001.
* MORAIS, Carlos Wagner, O Livro dos Pensamentos do General Figueiredo, Editora Alfa-omega, 1978.
* SILVA, Hélio, João Figueiredo 26º Presidente do Brasil 79 / 82, Editora Três, 1983.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *