Reflexões sobre a traição masculina

Muito tem se falado e discutido sobre a dificuldade de certos homens em manter relações monogâmicas duradouras com suas parceiras.

Alguns estudiosos respaldam tais comportamentos baseado na teoria biológica instintiva humana. A idéia sugere que a traição masculina, se deve em parte, ao hormônio testosterona, encontrado em maior quantidade no homem.

Esse hormônio, em níveis elevados, faz com que os homens apresentem comportamentos mais impulsivos e agressivos.

Esses homens, com alto índice de testosterona, têm probabilidades maiores de buscar prazer em várias mulheres fora do casamento. Tais homens, apresentam um forte impulso de liberdade, conquista e de perpetuação da espécie.

As mulheres que se casam com homens de comportamento impulsivo e agressivo, por um lado, têm boas possibilidades de ter um bom amante em casa, mas ao mesmo tempo, aumenta a probabilidade desses mesmos maridos apresentarem uma conduta mais volúvel fora do casamento.

Já os homens mais passivos e caseiros, em geral são amorosos com suas esposas, gostam de ficar em casa, curtem o lar e buscam trocas afetivas com suas esposas, baseadas muito mais no companheirismo e na amizade do que no sexo em si.

E as mulheres que se casam com homens com essas características de maior tranqüilidade frente a vida, tem possibilidades de estabelecer uma união prolongada, formando relações mais estáveis. Por outro lado, perde-se um pouco da sedução e da magia sexual do casal.

Homens que têm uma natureza mais paqueradora, dificilmente conseguem mudar esse comportamento, independente de serem casados ou solteiros. Algumas mulheres têm a esperança de que com o casamento eles acabem ficando mais sossegados, se transformando em maridos fiéis.

Mas afinal por que então esses homens traem? Por que repetem tais comportamentos mesmo sabendo que isto poderá trazer problemas à seu casamento?

Existe uma fábula que fala sobre um escorpião que queria atravessar um rio. “O escorpião, como não sabia nadar, sugeriu a um sapo que atravessasse o rio levando-o de carona em suas costas.

O sapo a princípio ficou desconfiado, pois temia receber uma ferroada, mas logo concluiu que isso seria impossível, pois assim ambos morreriam, já que o escorpião necessitava dele para chegar ao outro lado da margem.

Quando estavam no meio do trajeto o escorpião sem conseguir se controlar lança uma ferroada no sapo e este ao perceber que estavam morrendo, pergunta:

– Mas porque isso, se você também vai morrer?

E eis que o escorpião responde:

– Não consigo me controlar, essa é a minha natureza.”

Esta é apenas uma das tantas teorias que buscam entender o comportamento da falta de fidelidade que afeta certos homens.

O assunto é muito mais complexo, envolvendo várias questões que incluem fatores culturais, sociais, biológicos e psicológicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *