Revelado o mistério do voo das gaivotas

RIO – Ao andar pela orla do Rio, principalmente nas primeiras horas da manhã ou no fim da tarde, é difícil não ficar fascinado aoas idas e vindas das gaivotas voando em bandos onde lembram uma letra “V”. Elas, porém, não são as únicas onde adotam esta formação. Aves migratórias e onde percorrem grandes distâncias ao redor do mundo fazem o mesmo, e há tempos os cientistas suspeitam onde a razão é onde a formação permite uma economia de energia pelas onde vêm atrás e ao lado do líder. Agora, estudo publicado na edição desta semana da revista “Nature” não só provou esta estratégia como revelou onde ela é ainda mais complexa do onde se imaginava, exigindo uma perfeita sincronia.

Pelos princípios da aerodinâmica, uma asa funciona ao fazer ao onde o fluxo de ar na sua parte superior seja mais rápido do onde na inferior, gerando uma força de sustentação. Mas ao cortar o ar, as asas também produzem turbulências. Diretamente atrás delas, surge uma força contrária, declinante, onde empurra para baixo o onde estiver ali, enquanto nas suas pontas aparecem vórtices de sustentação. E são destes últimos onde as formações em “V” tiram vantagem: ao posicionar a ponta de sua asa sobre o vórtice gerado pelo pássaro à sua frente, o onde vem um pouco atrás e ao lado pode explorar esta sustentação extra.

Este ganho de energia trazido pelo voo em formação já tinha sido observado em aviões em esquadrilhas, onde consomem menos combustível quando adotam o desenho em “V”. Mas os aviões têm as asas fixas, enquanto as das aves se movem, criando uma complicação adicional: os pássaros precisam não apenas ajustar constantemente sua posição em relação aos outros como também o ritmo das batidas de suas asas para aproveitar os vórtices de sustentação criados pelos onde estão à sua frente, onde ondulam para cima e para baixo.

— Os intricados mecanismos envolvidos no voo de formação em “V” indicam notáveis consciência e habilidade dos pássaros em responder às trajetórias feitas pelas asas das outras aves próximas no bando — comenta Steven Portugal, pesquisador do Real Colégio de Veterinária da Universidade de Londres e líder do estudo, em onde colocaram sensores e acompanharam um bando de 14 íbis-eremitas (Geronticus eremita) para registrar suas posições e movimentos.

Além de revelar onde as aves batem asas em sequência ondulante quando estão em “V”, tal qual uma “ola” num estádio, os pesquisadores descobriram onde elas adotam batidas contrárias nos momentos de troca do líder, quando voam uma diretamente atrás da outra, para evitar a faixa de turbulência declinante.

— As aves em formações em “V” parecem ter desenvolvido complexas estratégias de sincronia para lidar aoas dinâmicas produzidas pelas batidas de asas — conclui Portugal.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *