Silicone é seguro?

Silicone é seguro?


 


Com a Gisele Bündchen, o silicone ficou in novamente. Tecnicamente, silicone significa composto de moléculas formadas por átomos de oxigênio e silício. Será que essa substância  não é prejudicial à  saúde? O implante pode romper? E no caso de arrependimento, dá para retirar o silicone? Seios  com silicone podem amamentar? O Dr. Gláucio Farina esclarece essas e outras dúvidas. 


Afinal, o implante de silicone traz danos à saúde?
Comprovadamente o silicone não faz mal a saúde, se for utilizado de forma correta, com critérios médico-cirúrgicos. Prova deste fato é que todas as seringas descartáveis são lubrificadas com silicone e mesmo os pacientes que recebem injeções diárias ( diabéticos, por exemplo ) não evoluem para doenças causadas pelo silicone. Existem contra-indicações: os pacientes com doenças imunológicas (que tem reação antígeno-anticorpo – lupus por exemplo), não devem receber próteses de silicone.


Qual o máximo de dosagem recomendado para os seios?
Não existe um volume considerado máximo. Uma prótese de 500 ml. é bem volumosa e pode ser incluída em qualquer paciente que deseje. Não se deve confundir injeções de silicone líquido (que são contra-indicadas) com próteses de silicone.


Onde é feito o corte para evitar ou minimizar a cicatriz?
Existem vários locais onde podemos “esconder” as cicatrizes resultantes de uma cirurgia deste tipo. Axilas, sulco inframamário, abdome. Hoje em dia, podemos introduzir próteses via endoscópio que deixa uma cicatriz bastante reduzida.


O implante no seio inviabiliza a amamentação?
O implante sempre é colocado abaixo da glândula mamária, o que não interfere de forma alguma na amamentação.


Existe algum problema para a mulher que engravida depois do implante?
Nenhum, a não ser a possibilidade de apoio, seguido de movimento (báscula), da glândula mamária sobre a prótese de silicone, que daria uma alteração na forma da mama.


A pessoa que tenha feito algum implante sente alterações de acordo com a temperatura? Por exemplo, caso ela fique exposta ao sol, qual o efeito sobre o produto?
A sensação de calor ou frio é dada pela pele (derme/hipoderme). A prótese, para modificar esta temperatura, precisaria de uma fonte de calor ou frio própria, ou seja, o único momento que a prótese tem uma temperatura diferente do organismo  é na sua introdução. Após a cirurgia, toda alteração de temperatura passa a ser regulada  pela pele.


Há possibilidade de rompimento do silicone com um abraço mais apertado ou quando ele é aplicado nas nádegas?
As próteses são extremamente resistentes. Suportam a pressão e têm grande elasticidade. Sua ruptura se faz pelo desgaste de décadas. A prótese glútea é colocada acima da linha de pressão glútea quando sentada – a paciente nunca senta na prótese.


Ele pode ser utilizado nas nádegas e panturrilhas?
Pode, com bons resultados.


No caso de arrependimento, a pessoa pode retirar o implante e voltar à forma anterior?
Sim, porém restará uma cicatriz local  (onde foi introduzida a prótese).


Ele tem prazo de validade, i.e., precisa ser trocado depois de alguns anos?
As novas próteses de silicone seguem com um envelope duplo, ou seja , o silicone gel é revestido duplamente por uma cápsula de silicone. As próteses antigas tinham um só revestimento e “duravam” 10 anos em média. Hoje, mesmo com as novas próteses, fazemos uma revisão após 10 anos.


Pode ser aplicado em todas as idades?
Sugerimos após a puberdade e sem limite  de idade após esta fase  (desde  que  a paciente goze de boa saúde).


Qual a diferença do silicone em gel para o seu congênere texturizado? Qual a recomendação de ambos?
O silicone gel é único. O seu invólucro pode ser: liso, rugoso (texturizado) ou revestido de poliuretano. Para o paciente, o resultado é sempre o mesmo, existindo uma preferência do médico cirurgião por um tipo ou outro de prótese.


Como evitar a aparência artificial da prótese de silicone?
A prótese de silicone tem uma aparência bastante natural quando bem posicionada e quando seu volume é compatível com o biótipo da paciente, evitando-se os exageros.


Por Gláucio Farina


Fonte: www.wmulher.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *