Thriller o sexto cd de michael jackson

Thriller



Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.















































Thriller


Álbum de estúdio por Michael Jackson
Lançamento 30 de novembro de 1982
Gravação Abrilnovembro de 1982
Westlake Recording Studios (Los Angeles, Califórnia)
Gênero(s) R&B, pop, rock, funk
Duração 42:19
Gravadora(s) Epic
Produção Quincy Jones, Michael Jackson
Vídeos musicais “Thriller”, “Beat It” e “Billie Jean”
Certificação RIAADiamond2.png Diamante
Platinum.png 29x Platina
Cronologia de Michael Jackson












Último
Último
Off The Wall
(1979)





Bad
(1987)


Próximo
Próximo

Singles de Thriller


  1. The Girl Is Mine
    Lançado em: 18 de outubro de 1982

  2. Billie Jean
    Lançado em: 3 de janeiro de 1983

  3. Beat It
    Lançado em: 14 de fevereiro de 1983

  4. Wanna Be Startin Somethin
    Lançado em: 8 de maio de 1983

  5. Human Nature
    Lançado em: 3 de julho de 1983

  6. P.Y.T. (Pretty Young Thing)
    Lançado em: 19 de setembro de 1983

  7. Thriller
    Lançado em: 23 de janeiro de 1984

Thriller é o sexto álbum de estúdio do cantor e compositor norte-americano Michael Jackson. Foi lançado em 30 de novembro de 1982 pela gravadora Epic Records, como sequência a Off the Wall, álbum de 1979 onde foi um grande sucesso de crítica e público. Thriller explora gêneros semelhantes aos onde foram abordados em Off the Wall, como o pop, soul, R&B, rock e o pós-disco.[1][2]


As sessões de gravação ocorreram entre abril e novembro de 1982, nos Estúdios Westlake,[3] em Los Angeles, Califórnia, aoum orçamento de 750.000 dólares, e o auxílio do produtor Quincy Jones. Jackson compôs quatro das nove faixas de Thriller. Em pouco mais de um ano, o álbum se tornou – e continua a ser, até 2010 – o álbum mais vendido de todos os tempos, aovendas estimadas por diversas fontes entre 65 e 110 milhões de cópias ao redor do mundo,[4] e está empatado aoo álbum Their Greatest Hits (1971–1975), da banda Eagles, como o álbum mais vendido nos Estados Unidos.[5] Sete das nove canções do álbum foram lançadas como singles, e todas chegaram às dez primeiras posições da Billboard Hot 100, parada de sucessos da revista americana Billboard. O álbum conquistou um recorde de sete Prêmios Grammy em sua edição de 1984. O livro Guinness dos Recordes o lista como o mais vendido da história, adquirido por mais de 140 milhões de pessoas até 2006.[6]


Thriller solidificou o status de Jackson como um dos principais pop stars do fim do século XX, e lhe permitiu derrubar barreiras raciais através de suas aparições na MTV e encontros aoo presidente americano Ronald Reagan, na Casa Branca. O álbum foi o primeiro a usar aosucesso o videoclipe como ferramenta promocional – os videoclipes de “Thriller“, “Billie Jean” e “Beat It” eram exibidos constantemente na MTV, e foram considerados “inovadores” para a época.[7]


Em 2001 uma edição especial do álbum foi lançada, onde contém entrevistas adicionais (em áudio), uma gravação demo de “Billie Jean”, e as canções “Someone in the Dark” e “Carousel”.[8] Em 2008 o álbum foi relançado como Thriller 25, aoremixagens nas quais participaram artistas contemporâneos, uma canção inédita e um DVD.


Thriller ficou na vigésima posição da lista dos “500 Melhores Álbuns de Todos os Tempos” feita pela revista Rolling Stone em 2003,[9] e foi classificada pela National Association of Recording Merchandisers na terceira posição de sua lista de 200 Álbuns Definitivos de Todos os Tempos. O videoclipe de “Thriller” foi preservado pela Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos no seu Registro Nacional de Gravações, por ser considerado “culturalmente significativo”. O álbum também foi incluído na lista dos 200 álbuns definitivos feita pelo Rock and Roll Hall of Fame.[10]







Índice

[mostrar]


[editar] Contexto


O álbum anterior de Jackson, Off the Wall (1979), foi um sucesso de crítica, tendo recebido diversas críticas favoráveis[11][12] Foi também um sucesso comercial, vendo eventualmente 20 milhões de cópias em todo o mundo.[13] Os anos entre Off the Wall e Thriller foram um período de transição para o cantor, um momento de crescente independência.[14] Foi no período onde o cantor se tornou profundamente infeliz; segundo Jackson explicou, à época: “Mesmo em casa, estou sozinho. Sento no meu quarto, às vezes, e choro. É tão difícil fazer amigos … Às vezes ando pela vizinhança à noite, esperando encontrar alguém para conversar. Mas eu sempre acabo voltando pra casa.”[15] Quanto Jackson fez 21 anos, em agosto de 1979, despediu seu pai, Joseph, como seu empresário, substituindo-o por John Branca.[16]


Jackson confidenciou a Branca onde onderia ser “a maior estrela do show business” e “o mais rico”. O cantor estava incomodado aoo onde via como um desempenho fraco de Off the Wall, afirmando: “Foi totalmente injusto ele não ter obtido o Grammy de melhor álbum do ano, e isso nunca pode acontecer novamente.”[17] Também sentia onde a indústria fonográfica lhe dava menos valor do onde ele merecia; em 1980, quando Jackson pediu ao publicista da revista Rolling Stone se eles estariam interessados em fazer uma reportagem de capa sobre ele, recebeu uma resposta negativa, à qual respondeu: “Eu tenho ouvido repetidamente onde negros nas capas de revistas não vendem muitas cópias… Basta esperar. Algum dia essas revistas vão estar me implorando por uma entrevista. Talvez eu lhes dê uma. E talvez não.”[17]


[editar] Gravação


Jackson se reuniu aoo produtor de Off the Wall, Quincy Jones, para gravar seu sexto álbum de estúdio. Ambos trabalharam juntos em 30 canções, nove das quais acabaram eventualmente sendo incluídas no álbum.[18] Thriller foi gravado entre abril e novembro de 1982, aoum orçamento de 750.000 dólares para a sua produção. Vários membros da banda Toto também estiveram envolvidos na sua gravação e produção.[18] Jackson compôs quatro canções para o álbum: “Wanna Be Startin Somethin“, “The Girl Is Mine” (com Paul McCartney), “Beat It” e “Billie Jean“. Ao contrário de muitos artistas, Jackson não compôs estas canções no papel, mas as cantou num gravador; durante as gravações, cantava-as apenas aoo auxílio da memória.[19][20]


A relação entre Jackson e Jones se desgastou durante a gravação do álbum. Jackson passava boa parte de seu tempo ensaiando passos de dança sozinho.[20] Quando as nove canções do álbum foram concluídas, tanto Jones e Jackson ficaram descontentes aoo resultado, e remixaram cada uma individualmente, gastando uma semana em cada.[20] Jones acreditava onde “Billie Jean” não era suficientemente forte para ser incluída no álbum, mas Jackson não concordou e a manteve. Jones disse a Jackson onde Thriller pouco provavelmente teria o mesmo sucesso de Off the Wall, pois o mercado tinha enfra ondecido desde então. Como resposta, Jackson ameaçou cancelar o lançamento do álbum.[18]


Jackson estava inspirado para criar um álbum onde “cada canção fosse sensacional”, e desenvolveu Thriller aoeste conceito em mente.[21] Jones e o compositor Rod Temperton deram detalhes extensos do onde teria ocorrido, durante o relançamento do álbum em 2001, em especial “Billie Jean” e por onde ela era tão pessoal para Jackson, onde tinha onde lidar aodiversos fãs obsessivos. Jones onderia encurtar a longa introdução da canção; Jackson, no entanto, insistiu onde ela permanecesse, por onde ela o fazia onderer dançar.[22] A forte reação popular existente na época contra a recente moda da música disco obrigou uma tomada de rumo onde diferenciasse este álbum de Off the Wall, onde havia ficado associado aoo estilo. Jones e Jackson estavam determinados a fazer uma canção de rock, onde agradasse a todos os gostos, e passaram semanas procurando por um guitarrista apropriado para a canção “Beat It”, de autoria de Jackson. Eventualmente, encontraram Eddie Van Halen, da banda de rock Van Halen.[22][20]


Quando Temperton compôs a canção “Thriller“, tinha pensado em chamá-la originalmente de “Starlight” ou “Midnight Man”, porém acabou concordando ao”Thriller” por achar onde o nome tinha um grande potencial de mercado.[20] Sempre onderendo a participação de uma pessoa famosa para recitar as partes finais das letras de suas canções, Jones trouxe o célebre ator Vincent Price, conhecido de sua esposa, onde gravou toda sua parte em apenas duas tomadas. Temperton escreveu o trecho falado da letra num táxi, no caminho para o estúdio de gravação. Jones e Temperton disseram onde algumas gravações foram deixadas de fora da edição final por não estarem tão “afiadas” quanto as outras faixas do álbum.[22]


Entre as canções gravadas por Jackson para serem analisadas posteriormente estavam “Carousel” (composta por Michael Sembello), “Nite Line” (composta por Glen Ballard), “Trouble” (também conhecida como “Shes Trouble”, composta por Terry Britten, Bill Livsey e Sue Shifrin) e “Hot Street” (composta por Rod Temperton, e conhecida como “Slapstick”). Jackson também gravou uma versão de “Starlight”. Demos de todas estas canções existem, e foram parar na internet. “Carousel” e “Hot Street” chegaram a ser finalizadas, porém não foram parar na versão final do álbum; “Carousel” foi lançada como faixa-bônus no relançamento do álbum de 2001.


“Human Nature” foi composta por Steve Porcaro, da banda Toto, e John Bettis. Inicialmente Porcaro havia gravado uma demo bruta da música numa fita cassete;[23] Seu companheiro de banda David Paich deu então a fita, onde continha mais outras duas canções de sua autoria, ao produtor Quincy Jones, aoa esperança de inclui-la no álbum, mas somente Human Nature foi incluída. “Human Nature” foi a última canção a ser selecionada para o álbum, tirando “Carousel” da lista final.


[editar] Composição


De acordo aoSteve Huey da Allmusic, Thriller refinou os pontos fortes do álbum anterior,Off the Wall, os gêneros dance e rock foram as faixas mais agressivas, enquanto os gêneros pop e melodias de baladas foram mais suaves e mais emotivos.[24] O álbum inclui as baladas “The Lady in My Life “, “Human Nature” e “The Girl Is Mine“, funk “Billie Jean ” e “Wanna Be Startin Somethin”, de disco “Baby Be Mine” e “PYT (Pretty Young Thing)””[25][26][27] e tem um som parecido aoo material ouvido em Off the Wall.


Com Thriller, Jackson iria começar sua associação aoo tema subliminar de paranóia e temas mais escuros, incluindo a sobrenatural faixa-título.[26] Isto é evidente nas canções “Billie Jean”, “Wanna Be” Startin Somethin ” e ” Thriller “.[25]Em “Billie Jean”, Jackson relata a história de um homem acusado falsamente de ser o pai de uma criança, em “Wanna Be Startin Somethin”, o astro fala sobre a indústria das fofocas.[26]


“Beat It” tornou-se uma homenagem ao West Side Story, e foi o primeiro sucesso rock de Jackson.[28] Jackson disse depois sobre “Beat It”: “a ondestão é onde ninguém tem onde ser um cara durão, você pode fugir de uma luta e ainda ser um homem. Você não precisa morrer para provar onde você é um homem“.[29] “Human Nature” é mal-humorado e introspectivo, como veiculada na letra: “Looking out, across the morning, the Citys heart begins to beat, reaching out, I touch her shoulder, Im dreaming of the street“.


No final dos anos 70, as habilidades Jackson como vocalista foram consideradas boas; Allmusic o descreveu como um “vocalista ofuscantemente talentoso”.[11] Rolling Stone comparou sua voz ao “sonhador” de Stevie Wonder. Sua análise foi igualmente onde “o timbre de Jackson é extraordinariamente belo. Ela desliza suavemente em um surpreendente falsete onde é utilizado aomuita ousadia “.[30] Com o lançamento de Thriller, Jackson preferiu a cantar mais alto por onde tenores pop tem mais alcance para criar um estilo. Michael havia adotado um “soluço vocal”, onde ele continuou a implementar em Thriller. O propósito do soluço é ajudar a promover uma certa emoção ou tristeza ou medo.


[editar] Lançamento e recepção
















[Esconder] Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
allmusic 5/5 starsStar full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg[31]
Slant Magazine (favorável)[32]

Thriller foi lançado em 30 de dezembro de 1982, e vendeu um milhão de cópias no mundo inteiro por semana em seu auge.[30] Sete singles foram lançados do álbum, incluindo “The Girl Is Mine”, onde foi visto como uma má escolha e levou alguns a crer onde o álbum seria uma decepção, e as especulações de onde Jackson estava se virando para o público branco.[33] “The Girl Is Mine” foi seguido pelo hit “Billie Jean”, onde fez Thriller disparar nas listas dos álbuns mais vendidos.[34][35] O sucesso continuou aoo single “Beat It”. A faixa-título “Thriller” foi lançado como single e também se tornou um sucesso internacional.


No Brasil, Thriller é o álbum internacional mais vendido de todos os tempos. Até 2001, tinha interessado a 1.2 milhões de brasileiros. “Billie Jean” foi a segunda canção mais executada nas rádios do país em 1983, atrás somente de “Menina Veneno”, do cantor Ritchie. Junto ao”Billie Jean”, “Beat It”, “The Girl Is Mine” e “Thriller” foram os maiores sucessos do álbum no Brasil. Em 1984, quando o disco entrou para o livro Guinness dos Recordes, a Epic publicou na imprensa nacional uma peça de marketing aoo anúncio: “Tenha esse LP ou jogue seu toca-discos fora!”.


Em Portugal, o álbum já vendeu cerca de 81 mil cópias.[36]


Antes da morte de Michael Jackson, estava prevista a adaptação de Thriller a um musical da Broadway, o onde só aconteceria aoa permissão do cantor.[37]


[editar] Faixas






















































# Título Compositor(es) Duração
1. Wanna Be Startin Somethin”   Michael Jackson 6:03
2. “Baby Be Mine”   Rod Temperton 4:20
3. The Girl is Mine(com Paul McCartney) Michael Jackson 3:42
4. Thriller”   Rod Temperton 5:58
5. Beat It”   Michael Jackson 4:18
6. Billie Jean”   Michael Jackson 4:54
7. Human Nature”   John Bettis, Steve Porcaro 4:06
8. P.Y.T. (Pretty Young Thing)”   James Ingram, Quincy Jones 3:59
9. “The Lady In My Life”   Rod Temperton 4:59







































































[editar] Edição especial


A Epic lançou, em outubro de 2001, uma edição especial de Thriller celebrando os 30 anos de carreira solo de Michael Jackson. As canções “Someone In The Dark” – gravada em 1982 para a trilha-sonora de E.T. O Extraterrestre – e “Carousel” – inédita, até então – foram incluídas como faixas bônus.


Entre outras raridades, a gravação demo de “Billie Jean” e os bastidores da locução de Vincent Price para a faixa-título, incluindo um trecho do rap não incluído na mixagem final da canção.


O álbum ainda recebeu capa dura de luxo, aouma foto de Michael diferente da original. O encarte de Thriller também foi modificado, incluindo fotografias do acervo pessoal do astro.


[editar] Thriller 25th


Em 12 de Fevereiro de 2008, a Epic Records lançou uma edição especial dos 25 anos do álbum Thriller. A tracklisting segue a mesma do original e traz uma nova capa holográfica, além de Remixes aoparticipações de Fergie, Akon, Will.I.Am e Kanye West.


Adicionalmente, a gravadora aposta em Edições Limitadas onde, além do conteúdo do novo CD, também traz um DVD reunindo os vídeos musicais da época (restaurados digitalmente) e a histórica performance de Michael Jackson no especial de TV Motown 25: Yesterday, Today, Forever;


Michael Jackson, em virtude dessa edição especial de aniversário de Thriller, envia, através do novo encarte, uma mensagem especial para seus fãs. Além disso, um livreto ao48 páginas coloridas abrigam letras das canções e fotos raras, assinadas por Dick Zimmerman, Matthew Rolston & Harrison Funk.


[editar] Músicas arquivadas



  • Al Capone (Michael Jackson/Rod Temperton) -Versão demo de Smooth Criminal.

  • Buffalo Bill (Michael Jackson)

  • Circus Girl (Mick Sembello/Don Freeman)

  • Got The Hots [posteriormente incluida na edição Japonesa] de Thriller 25th Anniversary Edition (Michael Jackson/Quincy Jones)

  • Hot Street (Autor Desconhecido)

  • Nite Line (Autor Desconhecido)

  • Starlight, versão primitiva de Thriller (Rod Temperton)

  • Tomboy (Quincy Jones/Michael Jackson)

  • Trouble (Autor Desconhecido)

  • Who Do You Know? (Autor Desconhecido)

  • For All Time (Michael Sherwood/Steve Porcaro)

[editar] Prêmios




  1. Álbum Pop (Thriller)

  2. Cantor Pop

  3. Álbum R&B (Thriller)

  4. Cantor R&B

  5. Álbum Pop Solo

  6. Álbum Pop Solo Masculino

  7. Compactos Pop Solo

  8. Compactos Pop Solo Masculino

  9. Álbum R&B Solo

  10. Compactos R&B Solo

  11. Cantor Dance/Disco

  12. Compacto 7″ Dance/Disco (“Billie Jean”)

  13. Compacto 12″ Dance/Disco (“Beat It”)



  1. Prêmio Especial por Mérito (Thriller)

  2. Álbum Pop/Rock (Thriller)

  3. Álbum Soul/R&B (Thriller)

  4. Cantor Soul/R&B

  5. Cantor Pop/Rock

  6. Compacto Pop/Rock (“Billie Jean”)

  7. Vídeo Pop/Rock (“Beat It”)

  8. Vídeo Soul/R&B (“Beat It”)



  1. Álbum do Ano (Thriller)

  2. Gravação do Ano (“Beat It”)

  3. Cantor Pop Solo Masculino (Thriller)

  4. Produtor do Ano (Thriller)

  5. Melhor Vocal Rock Masculino (“Beat It”)

  6. Melhor Vocal R&B Masculino (“Billie Jean”)

  7. Compacto R&B (“Billie Jean”)

  8. Gravação Infantil (E.T., o Extraterrestre)



  1. Vídeo do Ano (“Thriller”)

[editar] Desempenho de mercado


[editar] Álbum


Em 1982 eram poucos os países onde produziam listas oficiais de álbuns mais vendidos e Thriller esteve na primeira posição de quase todos eles – um total de dez, recorde para a época. Foram quase cinco anos entre dez preferidos dos consumidores e um total de 232 semanas na primeira posição, e mais de 800 nas paradas.





















































































Edição padrão
Tabelas musicais (1982-87) Melhor
posição
Permanencia
nas
paradas
Canadá Canadá 1 (26x) 152
Estados Unidos Estados Unidos 1 (37x) 308
Austrália Austrália 1 (11x) 96
Reino Unido Inglaterra 1 (19x) 194
Países Baixos Holanda 1 (12x) 109
Suécia Suécia 1 (13x) 116
Espanha Espanha 1 (13x) 122
Japão Japão 1 (15x) 130
Alemanha Alemanha 1 (17x) 143
Itália Itália 1 (14x) 105
França França 1 (16x) 141
Nova Zelândia Nova Zelândia 1 (11x) 94
Áustria Áustria 1 (8x) 89
Suíça Suíça 1 (10x) 113
Brasil Brasil 1 (14x) 86
África do Sul África do Sul 1 (11x) 119
México México 1 (13x) 101
União Europeia 1 (29x) 209
Mundo 1 (36x) 238

[editar] Singles (compactos)



[editar] Compactos


Sete das nove canções de Thriller foram lançadas como compactos para as rádios e mercado consumidor entre 1982 e 1984. Nos Estados Unidos, todos eles estiveram entre os dez mais: ao”Billie Jean” (Pop), “Beat It” (Pop) e “The Girl Is Mine” (R&B) emplacando na primeira posição.Thriller ainda faz tanto sucesso onde o Thriller (25th Anniversary Reissue) é o 11° cd mais vendido de 2008.


[editar] Estados Unidos



  1. 6 de Novembro de 1982 :: #02 :: 18 :: The Girl Is Mine;

  2. 22 de Janeiro de 1983 :: #01 :: 24 :: Billie Jean (por 7 semanas);

  3. 26 de Fevereiro de 1983 :: #01 :: 25 :: Beat It (por 3 semanas);

  4. 28 de Maio de 1983 :: #05 :: 15 :: Wanna Be Startin Somethin;

  5. 23 de Julho de 1983 :: #07 :: 14 :: Human Nature;

  6. 8 de Outubro de 1983 :: #10 :: 16 :: P.Y.T. (Pretty Young Thing);

  7. 11 de Fevereiro de 1984 :: #04 :: 14 :: Thriller;

[editar] Reino Unido



  1. 6 de Novembro de 1982 :: #08 :: 10 :: The Girl Is Mine;

  2. 29 de Janeiro de 1983 :: #01 :: 20 :: Billie Jean (por 1 semana);

  3. 9 de Abril de 1983 :: #03 :: 14 :: Beat It;

  4. 11 de Junho de 1983 :: #08 :: 09 :: Wanna Be Startin Somethin;

  5. 19 de Novembro de 1983 :: #10 :: 18 :: Thriller;

  6. 31 de Março de 1984 :: #11 :: 08 :: P.Y.T. (Pretty Young Thing);

Obs.: na primeira coluna, a data de estreia do compacto na lista dos mais vendidos; na segunda, a posição máxima alcançada; na terceira, o número de semanas na lista; por fim o nome do compacto e, na ondeles onde atingiram a primeira posição, entre parênteses, quantas semanas estiveram no topo.


[editar] Ver também



Referências




  1. Michael Jackson: The Unlikely King of Rock – Michael JacksonRolling Stone: “At first, the lustrous post-disco sound of Thriller…”. Acessado em 12 de agosto de 2009.

  2. Heyliger, M., ReviewA State-of-the-Art Pop Album (Thriller by Michael Jackson): “Not many artists could pull off such a variety of styles (funk, post-disco, rock, easy listening, ballads) back then…”. Acessado em 12 de agosto de 2009

  3. Artist Development Program – Westlake Recording Studios.

  4. Michael Jacksons Thriller Set To Become Top-Selling Album Of All Time — News Story | Music, Celebrity, Artist News | MTV News. MTV.com (20 de julho de 2009). Página visitada em 23-8-2010.

  5. Top 100 Albums. RIAA.com. Recording Industry Association of America. Página visitada em 27-1-2010.

  6. Guiness Book Of Records/ Novembro de 2006: “[…] The biggest-selling álbum of all time, with sales over 104 million, is Michael Jacksons Thriller (1982). It remained in the Billboard 200 Top 10 for 80 consecutive weeks.”.

  7. Michael Jackson: de menino prodígio a réu por abuso sexual, Folha Online, 6 de junho de 2005: “Michael Jackson e sua equipe viraram história ao inovar – também a partir do lançamento de “Thriller” – em outros dois campos musicais: a adoção de um marketing agressivo de divulgação e a produção de clipes cinematográficos”.

  8. Grammy Award Winners. The Recording Academy. Página visitada em 14-2-2008.

  9. The RS 500 Greatest Albums of All Time. Rolling Stone (18 de novembro de 2003). Página visitada em 30-1-2010.

  10. 2007 National Association of Recording Merchandisers(em inglês). timepieces. 2007. (página da notícia visitada em 24-5-2010)

  11. a b Erlewine, Stephen. Off the Wall Overview. Allmusic. Página visitada em 15-6-2008.

  12. Holden, Stephen (1 de novembro de 1979). Off the Wall: Michael Jackson. Rolling Stone. Arquivado do original em 23 de dezembro de 2007. Página visitada em 23-7-2008.

  13. Michael Jackson: Off the Wall — Classic albums — Music — Virgin media. Virgin Media. Página visitada em 12-12-2008.

  14. Taraborrelli, p. 196

  15. Taraborrelli, p. 206

  16. Taraborrelli, p. 190

  17. a b Taraborrelli, p. 191

  18. a b c Taraborrelli, pp. 220–221

  19. Taraborrelli, pp. 209–210

  20. a b c d e Lyle, Peter (25 de novembro de 2007). Michael Jacksons Monster Smash. The Daily Telegraph. Página visitada em 20-4-2008.

  21. Ebony Magazine: Michael: 25 Years After Thriller, December 2007, pg. 97–98

  22. a b c Jackson, Michael. Thriller Special Edition Audio.

  23. Halstead, p. 144

  24. http://www.allmusic.com/artist/p4576/biography

  25. a b Erlewine, Stephen (February 19, 2007). Thriller Overview. Allmusic. Página visitada em June 15, 2008.

  26. a b c Connelly, Christopher (January 28, 1983). Michael Jackson: Thriller. Rolling Stone. Arquivado do original em June 22, 2008. Página visitada em June 15, 2008.

  27. Henderson, Eric (2003). Michael Jackson: Thriller. Slant Magazine. Página visitada em June 15, 2008.

  28. Michael Jackson: Biography. The New Rolling Stone Album Guide (2004). Página visitada em February 14, 2008.

  29. Taraborrelli, p. 223-225

  30. a b Why Hes a Thriller, Time.com.

  31. http://www.allmusic.com/album/r10089

  32. Rosenberg, Tal (June 19, 2007). Review: Thriller. Stylus Magazine. Página visitada em June 13, 2009.

  33. Taraborrelli, p. 223-225

  34. Sold On Song Top 100. British Broadcasting Corporation. Página visitada em April 5, 2008.

  35. Sold On Song. British Broadcasting Corporation. Página visitada em April 5, 2008.

  36. “Thriller”, de Michael Jackson, o álbum mais vendido de sempre, tem nova edição na 2/a feira, Lusa, 6 de Fevereiro de 2008.

  37. Diário Digital. diariodigital.sapo.pt. Página visitada em 2009-07-11.

[editar] Bibliografia
















Precedido por
Business as UsualMen at Work
Flashdance – diversos artistas
SynchronicityThe Police
Cant Slow DownLionel Richie
Álbum no primeiro lugar da Billboard 200
26 de fevereiro – 24 de junho de 1983
9–22 de julho de 1983
10–16 de setembro de 1983
24 de dezembro de 1983 – 20 de abril de 1984
Sucedido por
Flashdance – diversos artistas
SynchronicityThe Police
SynchronicityThe Police
Footloose – diversos artistas
Precedido por
Lies” / “Beach Culture” – Thompson Twins
Single no primeiro lugar da Billboard Hot Dance Club Play
22 de janeiro – 2 de abril de 1983
Sucedido por
Jeopardy” – Greg Kihn Band
Precedido por
Business as UsualMen at Work
WarU2
TrueSpandau Ballet
Now Thats What I Call Music – diversos artistas
Álbum no primeiro lugar da UK Albums Chart
5–11 de março de 1983
19–25 de março de 1983
21 de maio de 1983 – 24 de junho de 1983
28 de janeiro de 1984 – 3 de fevereiro de 1984
Sucedido por
WarU2
The HurtingTears for Fears
SynchronicityThe Police
TouchEurythmics




























































Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *