Tudo sobe os hidrozoários gimnoblásticos

 


Os hidrozoários gimnoblásticos ou Anthomedusae (Haeckel, 1879) constituem uma ordem da Classe Hydrozoa ou, segundo outros sistemas taxonómicos, uma subordem dos Hydroidea (ou Hydroida). Caracteriza-se pelos seus zoóides – as antomedusas (formas livres medusóides) – que se apresentam nus, não envoltos numa cápsula, sendo, por isso, também chamados de Gymnoblastea (Gymno = nu + Blastos = embrião). Têm ainda sido designados pelos nomes de Gymnoblastica (Perrier – enquanto ordem), Gymnoblastidae (Delage e Hérouard – enquanto subordem) Tubulariae, Tubularida, e Athecata.



Possuem quatro tentáculos muito ramificados, com um manúbrio (grupo central de tentáculos, em redor da boca) alargado, sobre o qual se encontram as gónadas, de origem subepidérmica. Em geral, têm ocelos, mas sem estatocistos (ao contrário do que acontece com as leptomedusas). São medusas craspédotas, ou seja, têm véu ou craspédon.


Os pólipos, solitários ou formando colónias, não apresentam hidroteca.



Haeckel:

Haeckel: “Tubulariae”


 Referências bibliográficas


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *