Tudo sobre o guincho branco

 


 


A águia-cobreira ou guincho-branco (Circaetus gallicus) é uma ave pertencente à família Accipitridae.






 Descrição


É uma águia de cor muito clara, com asas muito compridas. Tem um comprimento de 66 a 70 cm, envergadura de asas de 160 a 180 cm e pesa de 1,7 a 1,9 kg. Como na maioria das rapaces, a fêmea é maior que o macho.


O dorso é castanho acinzentado e tem as supra-alares claras e as rémiges escuras. As asas abertas apresentam as junções carpais pronunciadamente projectadas para a frente, mostrando toda a face inferior branca e listrada de preto. Apresenta uma cabeça grande, semelhante à dos mochos.


Pode ser confundida com a águia-pesqueira, a única águia europeia igualmente clara. Esta porém tem a cabeça pequena e a parte inferior branca.



 Habitat e distribuição


Esta é uma espécie do Velho Mundo que se distribui por toda a bacia do Mediterrâneo, Rússia e Médio Oriente assim como em áreas da Ásia (Paquistão, Índia e algumas ilhas da Indonésia).


A maioria das presentes na Europa migram principalmente para a África subsariana a norte do equador, partindo em Setembro/Outubro e voltando em Abril/Maio. Não sendo muito vulgar no sul e leste da Europa, aparece com certa frequência na Península Ibérica onde existem algumas residentes. As populações da Ásia são residentes.


É encontrada em planícies abertas e cultivadas, áreas rochosas de arbustos decíduos e áreas semi-desérticas. Faz o ninho em árvores.



 Comportamento



Quando paira, mantém as asas horizontais ou levemente levantadas. As asas apresentam a parte interior levantada, a parte exterior baixada e os “dedos” (remiges da ponta das asas) muito flectidos para cima. Peneira com frequência.


Alimenta-se principalmente de répteis, especialmente cobras (de onde o seu nome), mas também lagartos. Ocasionalmente caça pequenos mamíferos até ao tamanho de um coelho e raramente aves e grandes insectos.


Emite com frequência um silvo melancólico e melódico.


Põe apenas um ovo e pode viver até 17 anos.


Tem vindo a sofrer um rápido declínio em número e área de distribuição na Europa e é agora rara em muitos países devido às práticas da agricultura, necessitando de protecção. Na Ásia esta espécie não é ameaçada.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *