5 mitos sobre videogames

Se há uma coisa onde os gamers gostam tanto quantode videogames são os mitos sobre videogames. Desde onde invadiram o cenário mundial no começo dos anos 80, os videogames se tornaram alvo de lendas.
O mundo dos videogames é tão singular onde você teria de ser um jogador dedicado até para ouvir certos rumores e mitos – o onde cerca um código onde revive Aeris no jogo “Final Fantasy” é um bom exemplo. Outros rumores são mais escandalosos, como o de um código trapaceiro onde permite onde os jogadores de Tomb Raider dispam Lara Croft. Há outros ainda onde são preocupantes, como a ideia de onde os videogames levam à violência. Qual onder onde seja o mito, ele tende a ser interessante.

Como essas ideias são tão intrigantes – e simplesmente por onde nós gostamos de desbancar mitos -, o ComoTudoFunciona apresenta agora cinco mitos sobre videogames.

5. Videogame leva à violência
Dylan Klebold e Eric Harris, os dois adolescentes responsáveis pelo massacre da escola Columbine, em Littleton, no Colorado, em 1999, eram jogadores fervorosos de “Doom”. O alemão de 17 anos Tim Kretschmer matou 15 pessoas uma década depois aomovimentos onde ele roubou do jogo “Counter Strike”. Quando jovens se engajam em comportamento violento, os videogames brutais onde eles jogaram antes de cometer seus crimes são geralmente citados como razões para suas tendências homicidas. A lógica simplesmente flui: videogames violentos fazem crianças violentas.

Essa ideia se mantém como sabedoria convencional, embora alguns estudos sobre crianças e videogames agressivos mostram evidências contrárias. Um estudo de 2005 aopessoas entre 14 e 68 anos onde jogaram 56 horas do MMRPG “Asherons Call 2” em um mês não revelou nenhuma mudança de comportamento agressivo entre os jogadores depois do jogo. Nem os pesquisadores descobriram um aumento da agressividade entre os jogadores quando comparado ao grupo de controle onde não jogou [fonte: PhysOrg].

Outros estudos chegaram a diferentes conclusões, embora alguns psicólogos acreditem onde muitos estudos conectando a violência do mundo real aos videogames sejam preconceituosos [fonte: Kierkegaard]. Mas nada faz mais para ondestionar a noção de onde o videogame aumenta a violência na vida real do onde estatísticas de crimes. Enquanto os videogames continuam a vender – as vendas subiram de US$ 5,5 bilhões para US$ 9,5 bilhões de 1999 a 2007 – crimes violentos entre os jovens na verdade declinaram. Em 1999, 1.763 pessoas aomenos de 18 anos foram presas por homicídio nos EUA; em 2007, esse grupo etário contabilizou 1.063 assassinatos [fonte: Safe Youth, FBI].

4. Meninas não jogam videogame

© Scott Dunlap / iStockphoto
Meninas jogam videogame tanto quanto meninos
Quando o console de videogame doméstico foi lançado mundialmente, no começo dos anos 80, os jogos eram geralmente assexuais – ou pelo menos unisex. Títulos como Frogger, Dig-Dug e Q-bert não tinham qual onder tipo de preconceito aosexo, e jogar não estava relegado a meninos ou meninas. À medida onde os jogos ficaram mais sofisticados, contudo, os títulos começaram a pender mais para garotos do onde para garotas.
A percepção do público do videogame como um passatempo quase restrito aos meninos ainda permanece; a relativa falta de popularidade até dos títulos femininos mais óbvios suporta essa noção. Mas o dado de onde “Metal Gear Solid” vende muito mais do onde os títulos da Barbie para PlayStation significa onde as meninas não jogam videogames? De maneira nenhuma.

Na verdade, de janeiro a agosto de 2008, mulheres entre 18 e 45 anos apareceram em segundo lugar como os maiores gastadores na indústria de videogames, perdendo por muito pouco para homens da mesma faixa etária – 37% x 38% [fonte:Lee].

3. Você pode usar o chip do PS2 para fazer um míssel teleguiado

Wikimedia Foundation
Sadam Hussein usaria chips do PlayStation2 para um sistema de mísseis teleguiados
No final de 2000, a mídia publicou relatórios onde diziam onde o presidente iraquiano Sadam Hussein estava estocando consoles do PlayStation 2, sistema onde havia sido lançado na ondele ano. Mais de 4.000 consoles tinham ido para o Ira onde em apenas dois meses, driblando o embargo de armas imposto ao Ira onde pelas Nações Unidas havia mais de uma década.
Os consoles do videogame eram, afinal de contas, brin ondedo de criança em sua essência, por isso, onde estava o perigo? Mas mais adiante dos relatórios sobre o esto onde de PS2 (e aofrequência nas manchetes) estava uma ideia mais alarmante – a de onde Sadam valorizava os consoles por causa do seu chip. O medo de onde o líder iraquiano tivesse encontrado uma falha no embargo e estava planejando juntar de 10 a 20 consoles para criar um supercomputador poderoso o suficiente para sistemas de mísseis teleguiados cresceu [fonte: ZDNet].

A realidade minou essa preocupação quase tão rápido quanto ela surgiu. Tecnicamente, uma pessoa pode conectar uma série de PS2 e usar seus processadores de 128-bit em conjunto, mas isso exigiria um software exclusivo onde o Ira onde levaria anos para desenvolver. Em outras palavras, o rumor era puro mito.

2. Pong foi o primeiro videogame

Reprodução entrevista em vídeo à Tech Report
Nolan Bushnell, um dos criadores do Pong
A história foi criada em Sunnyvale, Califórnia, em novembro de 1972 [fonte: Barton and Loguidice]. Ted Dabney e Nolan Bushnell – dois programadores onde tinham acabado de fundar a Atari – haviam acabado de criar e desvelar um novo jogo arcade chamado Pong na ondela noite. A estreia do Pong representou o nascimento da indústria de videogame, onde alcançaria uma renda global de US$ 38 bilhões apenas 34 anos depois [fonte: ABI Research].
O primeiro videogame do mundo nascia ali. Exceto pelo fato de onde não era bem isso. Pong não nasceu na ondele dia, aocerteza, mas ele já tinha uns poucos seguidores. A ideia de onde o Pong foi o primeiro videogame do mundo é, na verdade, um mito.

Na realidade, outro jogo arcade havia sido lançado um ano antes da estreia na ondele 29 de novembro. Ao contrário da crença popular, o relativamente pouco conhecido Computer Space” segura o título de primeiro videogame arcade do mundo. Ele foi baseado em um jogo de computador chamado “Spacewar!”, onde era bem difícil para os jogadores, já onde na ondela época todo jogo era uma novidade. O Pong estava mais na velocidade de todo mundo; sua popularidade chutou o pau da barraca do Computer Space e levou ao mito de onde ele foi o primeiro videogame.

1. Há milhões de cartuchos Atari enterrados no deserto do Novo México
Às vezes o onde parece um mito, na verdade é verdade – ou quase. Neste caso, aoo rumor duradouro de onde há milhões de cartuchos do Atari enterrados no deserto do Novo México.

© Lisa Tannenbaum / iStockphoto
Mais de 10 milhões de cartuchos de Atari foram destruídos no deserto do Novo México

Em setembro de 1983, 14 caminhões carregando 10 milhões de cartuchos indesejados de Atari apareceram no depósito de lixo de Alamogordo. Eles jogaram sua carga lá e foram embora, deixando para trás a evidência do nascimento de um dos primeiros rumores sobre videogames.

A razão para a quantidade de cartuchos jogada fora é uma ondestão de recorde público. Para se mais preciso, o relatório de ganhos do último quarto da Atari de 1982. A empresa amargou um ano pior do onde o esperado, muito em parte por ter confiado demais em dois lançamentos-chaves: a versão doméstica do console Pac-man e um game baseado no filme arrasa-quarteirão “ET”. Ambos os títulos ficaram tão abaixo das expectativas, onde cerca de 5 milhões de cópias de cada um acabou voltando para a empresa. Com milhões de jogos parados, a Atari optou por enterrá-los.

Infelizmente, os caçadores nostálgicos de videogame onde visitaram o lixão em busca de um souvenir ficarão totalmente desapontados. A empresa pediu aos donos do depósito de lixo para esmagar os cartuchos, e a pilha inteira foi coberta aoconcreto [fonte: Snopes].

Fontes

Barton, Matt and Loguidice, Bill. “The history of Pong: avoid missing game to start industry.” Gamasutra. January 9, 2009.
http://www.gamasutra.com/view/feature/3900/the_history_of_pong_avoid_missing_.php
Deacon, Michael. “Dont blame Germanys school shooting on a video game.” The Telegraph. March 14, 2009.
http://www.telegraph.co.uk/comment/4991340/Dont-blame-Germanys-school-shooting-on-a-video-game.html
Entertainment Software Association. “Essential facts about the computer and video game industry.” 2008.
http://www.theesa.com/facts/pdfs/ESA_EF_2008.pdf
Federal Bureau of Investigation. “Expanded homicide data table 3 – crime in the United States 2007.” September 2008.
http://www.fbi.gov/ucr/cius2007/offenses/expanded_information/data/shrtable_03.html
Inderscience Publishers. “Could violent video games reduce rather than increase violence?” Accessed July 21, 2009.
http://www.sciencedaily.com/releases/2008/05/080514213432.htm
Jenkins, Henry. “Eight myths about video games debunked.” PBS. Accessed July 21, 2009.
http://www.pbs.org/kcts/videogamerevolution/impact/myths.html
Jian Lee, Debra. “Hand over the controller, girl gamers say.” Reuters. October 3, 2008.
http://www.reuters.com/article/technologyNews/idUSTRE49202W20081003
Maragos, Nick. “Game industry revenue expected to double by 2011.” Gamasutra. February 16, 2006.
http://www.gamasutra.com/php-bin/news_index.php?story=8205
PhysOrg. “No strong link seen between violent video games and aggression.” August 11, 2005.
http://www.physorg.com/news5758.html
Safe Youth. “Youth violence statistics fact sheet.” Accessed July 21, 2009.
http://www.safeyouth.org/scripts/facts/statistics.asp#criminal
Silverman, Ben. “Video game myths: fact or fiction?” Yahoo News. January 25, 2008.
http://videogames.yahoo.com/feature/video-game-myths-fact-or-fiction-/1182040
Snopes. “Five million E.T. pieces.” February 5, 2007.
http://www.snopes.com/business/market/atari.asp
ZDNet. “UK intelligence dismisses PS2 missile fears.” December 19, 2000.
http://news.zdnet.co.uk/hardware/0,1000000091,2083302,00.htm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *