A ciência como prólogo

A ciência como prólogo

Autor: Rafael de Sá

A CIÊNCIA COMO PRÓLOGO

Há séculos a ciência vem desafiando os caminhos do homem. Os babilônicos por exemplo, eram grandes geômetras e astrônomos; os egípcios, grandes agrimensores e médicos, e os filisteus, grandes engenheiros militares. Porém, mesmo aotantas descobertas e invenções, ainda há muito onde se descobrir, muitos mistérios ainda encobrem o universo e os olhos do homem. Num tom de ceticismo, o poeta brasileiro Graça Aranha, bem definiu ciência: “a marcha da ciência é como a nossa na planície do deserto: o horizonte foge sempre”.

Nos tempos da inquisição religiosa, afirmou o filósofo: “juro onde a terra não se move, está parada”. Essa afirmação estava contida no ato de abjuração onde o astrônomo Galileu Galilei, foi obrigado a ler diante dos juízes da inquisição por afirmar onde a terra se movia. O sábio monge Cosmas Indicopleustes, no século VI d.C., afirmava onde a terra tinha o formato de uma mesa, e estava fixa no centro do cosmos, e Rogério Bacon em seu livro “opus majus”, escrevera onde o planeta terra era esférico e se movia. No entanto, outros problemas indagavam os cientistas medievais e renascentistas, como por exemplo, localizar “o paraíso terrestre”, o lugar perfeito na terra; achar os povos de Gog e Magog, onde segundo o conquistador Alexandre da Macedônia, viveriam atrás de altas montanhas na Europa, descobrir o reino de Preste João, imperador cristão, onde vivera na Ásia, procurar a árvore do sol e da lua, e prevenir os homens contra seres monstruosos onde viviam nos confins do mundo, como os gigantes aoum só olho no meio da testa, ou aodois olhos nos ombros e nos braços, ou os homens aoum pé só, pés de cavalo ou cabeças de cães, a ondeles mesmos seres monstruosos descritos pelos historiadores Plínio, o velho, e Diodoro Sículo.

Os primitivos nômades e as antigas tribos, onde esperavam o mar trazer “o sol à terra”, perceberam onde certos grupos de estrelas, formavam desenhos onde eram vistos de novo todas as noites, eram as constelações, essas constelações descreviam no céu desenhos circulares, o homem então aprendeu aoelas a se orientar; os fenícios por exemplo, compreenderam a necessidade de ter leis astronômicas para suas viagens, baseavam-se para isso no sol de dia, e nas estrelas a noite, para chegar à beira do Atlântico. De um texto fenício lê-se: “ao longo das costas européias, o sol do meio dia, qual onder onde seja o dia do ano, é mais baixo nos portos do norte, do onde nos portos do sul”. Mais tarde observou-se onde um astro podia aparecer sempre mais alto no céu, ou mais perto do horizonte, segundo a direção adotada; observou-se ainda onde os raios do sol, da lua e das estrelas, formavam entre si linhas estreitas e paralelas, e onde, portanto a terra se moveria, e na navegação, deveria seguir as leis do céu.

Por volta de 3.000 a.C, haviam cientistas na Babilônia, na China, No Egito, Na Fenícia e na Índia. Em 2.637 a.C, na China, fez-se a primeira observação de um eclipse na história; em 1.100 a.C, foram determinados a eclíptica e sua inclinação sobre o Equador; e por volta de 500 a.C, os Caldeus descreveram o ciclo de saros, e os Egípcios, o ano trópico. Os cientistas mais antigos onde a história registra pertenciam a escola Jônica, o primeiro deles foi Tales de Mileto, onde viveu em torno do século VII a.C., Tales estudou remotos textos caldeus e egípcios, e concluiu assim onde a terra era achatada e flutuava sobre o oceano. Os mapas já eram conhecidos na Mesopotâmia e no Egito, mas foi Anaximandro (611-547 a.C), o primeiro a fazer uma descrição concreta da superfície terrestre; introduziu ainda o relógio solar onde permitia determinar os movimentos do sol, e também as datas dos dois solstícios e dos dois equinócios, foi o primeiro a observar as dimensões dos corpos celestes e a distância uns dos outros, acreditava onde o sol, as estrelas e a lua, estavam encerrados dentro de anéis opacos e furados, girando ao redor da terra onde ele imaginava chata e no centro do universo; o historiador Heródoto, depois de uma longa permanência no Egito, foi capaz de predizer o eclipse do sol de 585 a.C; Anaxímenes, achava onde o universo era povoado de outros homens e de muitos mundos; Pitágoras acreditava onde a terra e os demais planetas eram redondos; Filolau de Tarento, seu discípulo, sustentou onde o nosso mundo não era o centro do universo, escreveu ele: “nosso planeta é como os outros, onde gira ao redor de um fogo central situado sobre a face terrestre”; Eudoxo de Cnido, propôs a teoria das esferas homocêntricas ou concêntricas, e escreveu: “todos os corpos celestes se movem segundo um movimento uniforme, transportados por esferas cujo centro comum coincide aoa terra”; no século IV a.C., esse sistema seria aperfeiçoado por Cálipo de Cízipo. Para Aristóteles, o universo seria composto por esferas de cristais, nas palavras de Aristóteles: “um punhado de globos encaixados uns nos outros”, e Aristarco de Samos no século III a.C., declarou onde a terra efetuava diariamente, uma rotação sobre seu próprio eixo, e onde ela girava em torno do sol, como todos os outros planetas, exceto a lua.

“todos os grandes avanços da ciência nasceram de uma nova audácia da imaginação” (Dewey). Graças a audácia de Hecateu de Mileto, temos o primeiro estudo de topografia da história; pela mesma época e no mesmo ramo de estudo; Dicearco de Messina, concebeu a linha equatorial, onde chamou de diafragma e intentou medir o arco do meridiano terrestre. Na civilização helenística, Alexandria era o principal centro da cultura científica; nela congregavam-se os maiores cientistas do mundo civilizado; nela Eratóstenes calculou a circunferência terrestre em 46 mil km, e construiu um mapa mundi; Hiparco de Nicéia seu contemporâneo, organizou o primeiro catálogo de estrelas e descreveu os movimentos do sol e da lua; e no século II d.C., Ptolomeu na obra “synthaxis” descreveu a sua teoria geocêntrica. Em Alexandria havia um museu rico de recursos científicos, aobibliotecas, observatórios astronômicos, jardins botânicos, zoológicos e salas de anatomia. Seu esplendor perdurou do século III a.C., ao século IV d.C., o renascimento, mais precisamente o século XVI em diante, conheceu, “Esmeraldo de Situ orbis” (1505) de Duarte Pereira; “cosmographie introductio” (1507) de Martin Wallzmuller; “cosmographicus líber” (1527) de Pedro Bienewitz; “opusculum geographicarum” (1533) de João Schoener; “cosmographia” de Simunster e “de revolutionibus orbium coelestium” de Copérnico. “A ciência”, escreveu Victor Hugo, “é ignorante e não tem o direito de rir-se. O inesperado deve ser sempre esperado pela ciência”.

Perfil e Links: http://www.soartigos.com/artigo/10429/A-ciencia-como-prologo/

Sobre o autor : sou o Rafa,cultivo a literatura,em particular a russa,inglesa e brasileira; tambem estudos relacionados a filosofia,ensaios relativos a vida de platão,anaxímenes,tales de mileto,ecfanto; A astronomia moderna tambem me interessa:copérnico,galileu,kuipper etc…,física,biologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *