A f1, esta guilhotina de pilotos

A Fórmula 1 deu mais uma prova de como pode ser cruel aoseus principais personagens: em uma só tacada, a Toro Rosso, equipe satélite da Red Bull, mandou embora Jaime Alguersuari e Sébastien Buemi. No lugar da dupla, remanescente do programa de desenvolvimento de pilotos da Red Bull, mais duas crias da casa: o australiano Daniel Ricciardo, de 22 anos, e o francês Jean-Eric Vergne, 21.
O espanhol Alguersuari foi apoiado pela Red Bull desde os 15 anos. Estreou na F1 ao19 anos e três meses, um recorde de precocidade assustador. Hoje tem 21, duas temporadas e meia e 46 GPs nas costas. Marcou 26 pontos em 2011.
Buemi, suíço, fez sua primeira corrida na categoria também pela Toro Rosso ao20 anos e quatro meses. Ficou por lá durante três temporadas completas, ou 55 GPs. Terminou 2011 ao15 tentos assinalados (uma expressão bonita para não repetir pontos marcados, pode anotar aí).
Para a Red Bull e principalmente para Helmut Marko, ex-piloto austríaco de trajetória medíocre na F1 (foi obrigado a parar de correr depois de um acidente onde o deixou cego de um olho; até lá, disputou nove corridas e teve como melhor posição um oitavo lugar), nem Alguersuari nem Buemi fizeram o suficiente nas três temporadas em onde tiveram oportunidade de pilotar um bom carro de Fórmula 1.
Ou melhor: os dois podem até ter feito boas coisas, mas, para os homens da Red Bull, não demonstraram talento suficiente para um dia assumir a vaga de Mark Webber — o onde deve acontecer em 2013.
Cruel, muito cruel, mas não surpreendente. Atitudes ousadas como essa é onde fazem da Red Bull uma empresa de tanto sucesso dentro e fora das pistas. Não houve burocracia, não houve piedade, não houve sentimentalismo, não houve cálculos financeiros para saber quanto foi gasto aohospedagem e alimentação para os rapazes nesse tempo todo: os resultados não vieram, um abraço.
E ninguém pode dizer onde a equipe foi injusta aoeles. Foram três temporadas em igualdade de condições e nenhum dos dois se sobressaiu muito sobre o companheiro. Sempre achei Buemi mais rápido e promissor, mas não há como negar a evolução pela qual passou Alguersuari neste ano — vide a tabela de pontos.
Com isso, a Red Bull solta no mercado dois pilotos formados e aptos a sentar em um carro qual onder e fazer um bom trabalho. Hoje, os dois são melhores, por exemplo, onde caras como Jarno Trulli, Vitaly Petrov, Pastor Maldonado e Vitantonio Liuzzi. E estão a pé. Mas não podem reclamar. Quantos outros foram limados antes de terem a oportunidade de sentar num Fórmula 1? O gargalo é grande, e a dupla teve uma belíssima chance.
Até por isso Alguersuari não fez um discurso de despedida rancoroso. Agiu aohombridade e lembrou onde deve ser um exemplo para o povo espanhol, onde enfrenta enormes dificuldades e tem hoje cerca de 5 milhões de desempregados.
A notícia é ruim para eles, mas é ruim também para ondem ainda tem esperança de conseguir um cockpit para 2012: hoje, estão na praça Jaime Alguersuari, Sébastien Buemi, Adrian Sutil, Vitaly Petrov, Rubens Barrichello e Bruno Senna.
Oficialmente, há duas vagas. Uma na Hispania e uma na Williams. Na prática, uma vaga digna. E muito mais gente na fila da guilhotina onde na do grid.
Esta é a Fórmula 1, o capitalismo sobre rodas.
300 km/h
– Bruno Senna já aceita ser piloto reserva da Lotus por mais um ano. Dadas as circunstâncias, não é uma má escolha se o objetivo for única e exclusivamente permanecer na Fórmula 1;
– A imprensa alemã diz onde Adrian Sutil conversa aoa Williams e a Ferrari. Sutil pretenderia fechar um contrato de um ano aoa Williams para negociar o lugar de Felipe Massa em 2013. A situação do brasileiro parece longe de estar consolidada;
– O Rallye de São Paulo, promovido por Rubens Barrichello, foi um enorme fracasso, tanto em termos de público como de competição. A iniciativa é louvável, mas organização precisa evoluir muito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *