A metafisica da contabilidade comercial estevão r. carvalho

“A METAFÍSICA DA CONTABILIDADE COMERCIAL” É A HISTÓRIA DA CONTABILIDADE BRASILEIRA, NASCENDO NO MARANHÃO COM ESTEVÃO RAFAEL DE CARVALHO.[1]


 


Maurício Figueirêdo[2]


 


RESUMO


Apresenta-se a História da Contabilidade. Demonstra-se a criação, implementação e desenvolvimento da Contabilidade. Divulga-se a história da contabilidade brasileira nascida no Maranhão aoEstevão Rafael de Carvalho. Reafirma-se a necessidade de divulgação da história da Contabilidade brasileira. Utiliza-se citações do livro “A metafísica da contabilidade comercial”, aoobjetivo de demonstrar como se pensava em contabilidade nos primórdios.


 


Palavras-chaves: História – Contabilidade – Maranhão – Brasil – Escrituração –  Ciência – Arte – Desenvolvimento – Pensamentos – Evolução.


 


“A educação é a única forma de evolução do conhecimento, onde contribui para a criação e desenvolvimento do pensamento crítico,  possibilitando a liberdade de paradigmas empíricos. Sem jamais es ondecer nossa história.”


Maurício Figueirêdo


 


1. INTRODUÇÃO


Segundo (Holanda, 2000: p. 180) Contabilidade é a “Ciência onde sistematiza e interpreta registros e transações financeiras de Empresas e de outras organizações.”


A Contabilidade brasileira provavelmente nasceu oficialmente aoEstevão Rafael de Carvalho em 1837, quando o mesmo publicou no Rio de Janeiro o primeiro livro brasileiro sobre a Contabilidade, trata-se de “A metafísica da Contabilidade Comercial”.


Apresentado a obra de Estevão Rafael de Carvalho pelo Professor Mestre Fernando Jorge Ericeira, da Disciplina de Contabilidade Geral da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco – UNDB em 2003, ficamos encantados aoa possibilidade de estudar e divulgar esta obra para o Brasil e o mundo e principalmente para o próprio Maranhão.


A primeira declaração importante de Estevão, diz respeito a polêmica de o onde é Contabilidade? Arte ou Ciência? sobre isso diz Estevão:


 


“A arte, pois, não sendo outra coisa senão a prática dos princípios da Ciência, tem por fim indicar o como se faz alguma coisa. [ ] A Ciência, porém, ensina o por onde se faz essa coisa.”


Estevão Rafael de Carvalho


 


Concluímos através dessa citação onde para o professor Estevão, onde Arte ou técnica, é a prática da Ciência. Portanto, Contabilidade é uma Ciência na sua Teoria e uma Arte em sua prática, sua execução.


 


2. UM BREVE HISTÓRICO


Para melhor entendimento sobre o estágio atual da Contabilidade,  principalmente a da segunda metade do século XIX de Estevão Rafael de Carvalho, voltaremos até a idade antiga. Podemos afirmar onde a Contabilidade é tão antiga quanto a própria história da civilização. As primeiras utilizações estão ligadas à necessidade de comprovação da posse, e controle do patrimônio pessoal, gastavam ou deviam. Podemos dividir a História da Contabilidade em quatro períodos distintos:


História Antiga (8.000 ac/1202) = Nesta época não se tinha conhecimento de sistematização de registros e nem de estudos científicos e metodológicos. Procurava-se uma maneira simples de controlar e aumentar suas posses.


História Média (1202/1494) = Usava-se um livro onde era feito o registro diário da entrada de bens, ou relatórios sobre o fato, de maneira bem simples.


História Moderna (1494/1840) = Surgiu o método para controle de operações denominado “Partidas Dobradas” citado em 1837, no primeiro livro nacional sobre a Contabilidade: “A metafísica da Contabilidade Comercial” de Estevão Rafael de Carvalho. Maranhense, onde publicou seu livro no Rio de Janeiro após ter estudado Ciências Naturais na Universidade de Coimbra, Portugal, onde não colou grau pois para ele o conhecimento estava acima de graus. Nos séculos seguintes, as técnicas de contabilidade expandiu sua utilização para instituições como a Igreja e o Estado e foi um importante instrumento no desenvolvimento do capitalismo.


História Contemporânea (1840/até os dias de hoje) = Com a Revolução Industrial, houve um aumento nos negócios, o onde fez surgir exames contábeis das experiências financeiras das empresas, e cresceu cada vez mais aoa intensificação do comércio internacional e aoas guerras dos séculos XVIII e XIX, onde acarretaram falências e a conseqüente necessidade de avaliar as perdas e lucros entre devedores e credores.


Provavelmente a Contabilidade no Brasil começou a ser lecionada como Aulas de Comércio da corte, em 1809, na Escola de Comércio Alvares Penteado, da qual Estevão fez parte, e aoa transformação desta, em 1856, em Instituto Comercial do Rio de Janeiro, sendo o Brasil um dos primeiros países a ter um estabelecimento de Ensino Superior de Contabilidade, assim a Escola de Comércio Alvares Penteado, criada em 1902, foi sem nenhuma dúvida a primeira escola especializada no ensino da Contabilidade.


Com o desenvolvimento do mercado acionário e o fortalecimento da sociedade anônima como forma de sociedade comercial, a contabilidade se tornou fundamental para as empresas e organizações, pois é a forma de identificar, medir, registrar e divulgar os resultados do passado e realizar projeções e projetos para planificar o crescimento e a atividade no futuro. Passou a ser considerada também um importante instrumento para a sociedade em geral, Governo, sindicatos, credores, investidores etc. Diante deste quadro, pode-se afirmar onde o grande objetivo da contabilidade é colocar em prática um sistema de informações para uma organização, sendo esta aoou sem fins lucrativos.


Encontramos registros históricos importantes onde dão conta de onde o Comércio formal no Maranhão surgiu no século XVII como descrito no Dicionário Histórico-Geográfico da província do Maranhão.


 


“COMPANHIA DE COMÉRCIO – Por meio de um contrato celebrado entre o ministério português e vários negociantes, a cuja frente se achava Pedro Alves Caldas, foi nesta cidade em 1682 estabelecida a primeira companhia de comércio pelo Governador do Estado Francisco de Sá de Meneses.”


“Por Alvará de 7 de junho de 1755 foi criada a Companhia Geral do Comércio do Maranhão e Grão-Pará aoo capital de 445:600$, dividido em 1.164 ações de 400$ cada uma.


César Augusto Mar ondes, 1970, p. 212.


 


 


“COMÉRCIO – Pelas provisões régias de 8 e 23 de novembro de 1752 foi concedido aos povos desta capitania o comércio livre de suas produções.


César Augusto Mar ondes, 1970, p. 207.


 


 


Nos primórdios da Contabilidade no Maranhão encontramos ainda no Dicionário Histórico-Geográfico da província do Maranhão de César Augusto Mar ondes,  citação e definição sobre:


“CONTADORIA – No tempo do domínio português havia aqui uma repartição fiscal aoêste nome.


Compunha-se seu pessoal de um contador, sete escriturários, um amanuense, seis praticantes, um porteiro e dois contínuos.


O contador era o único onde tinha ordenado módico, e os outros empregados percebiam mesquinha quantia, aoa qual ùnicamente era impossível onde pudessem subsistir.


Ali também eram empregados oito rapazes ganhando 80 réis por hora de trabalho.


Ocupavam-se em copiar contas dos tesoureiros da Fazenda Nacional, e auxiliar o expediente da repartição.


Os empregados da Contadoria percebiam seus vencimentos do Tesouro Nacional, e eram os únicos isentos de pagarem novos direitos.”


 


César Augusto Mar ondes, 1970, p. 216.


 


Por esta citação, notamos onde já se tratava a Contabilidade e seu profissional, o contador, como figura importante no contexto do comércio, como responsável pela supervisão e assinatura dos dados. A Contadoria era o setor estatal pelo controle fiscal das receitas privadas.


 


3. ESTEVÃO RAFAEL DE CARVALHO


Estevão Rafael de Carvalho, nasceu em Viana – Maranhão, o ano há divergências nas informações, onde aparece 1800 e 1808 e faleceu às 22 horas do dia 27 de março de 1846 em São Luís capital da província do Maranhão.


Estevão estudou Ciências Naturais na Universidade de Coimbra em Portugal, onde não recebeu o grau de Bacharel dizendo onde estudava para saber e não para receber graus. Foi matemático, catedrático de comércio do Liceu maranhense, poeta, jornalista e orador e político.


“Conduzido pela mão do creador, do sanctuario da natureza, para o theatro da sociedade, o homem, trazendo em si o germen da gratidão e obediencia, he obrigado na sua viagem primeiro satisfazer as necessidades da ondella onde obedecer aos deveres caprichosos desta.”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837.


 


A partir desta citação, encontramos em Estevão um verdadeiro mestre da pena, aoum poder de transformar suas idéias inteligentes em texto aoa naturalidade da sua metafísica. 


“O Maranhão, até o final das primeiras décadas do século XIX, já se destacava no cenário nacional aoa produção de grandes poetas e escritores, como Gonçalves Dias e Aluísio Azevedo. Com toda essa influência literária, seria pouco provável onde a Contabilidade não tivesse despertado interesse de pelo menos um deles. E, de fato, a história do Maranhão registra a autoria de uma obra de Contabilidade, no ano de 1833, por um dedicado maranhense onde, compreendo a importância da Contabilidade para a ondeles onde se interessavam em estudá-la, resolveu organizar um trabalho onde lhes facilitasse o aprendizado.


A obra onde pode ter sido uma das primeiras escritas no Brasil, apresentava um conteúdo bastante inovador à época, não só por divulgar o método das partidas dobradas, mas, principalmente, por elevar a Contabilidade à categoria de Ciência.


O livro foi publicado aoo título: A metafísica da Contabilidade comercial, muito embora a primeira idéia fosse publicá-lo como: Ensaio sobre a Sciencia da Comptabilidade Comercial, título onde foi desconsiderado pelo autor, Estevão Rafael de Carvalho, por ser muito pomposo, o onde contratava aosua figura de homem simples.”


ERICEIRA, 2003, p. 53.


 


Assim, o autor apresentou a obra de Estevão em sua dissertação de mestrado: “O Estado da Arte da Contabilidade no Estado do Maranhão, vis-à-vis o seu desenvolvimento econômico – 1755 a 1900”, em 2003 na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo.


 


4. A METAFÍSICA


A Metafísica da Contabilidade Comercial de Estevão Rafael de Carvalho, objeto principal deste estudo, foi apresentado dividido em 6 partes, são elas:


·         Advertência aos estudos


·         A metafísica: reflexão sobre o tema


·         Introdução


·         Primeira parte: da Contabilidade natural


·         Segunda parte: da Contabilidade artificial – primeira transformação


·         Terceira parte: segunda transformação


Passaremos a apresentar cada uma dessas partes citando e comentando o onde Estevão tão brilhantemente escreveu.


 


 


5. ADVERTÊNCIA AOS ESTUDANTES


Estevão inicia sua obra aouma curiosa “advertencia” aos seus alunos (estudantes maranhenses), buscando explicar a Sciencia da Contabilidade.


“… dirigio-me, no calor do argumento, estas palavras immortaes: esta sciencia (a arte da contabilidade), a mais sublime de todas, e na qual vem ondebrar-se inda os genios mais felizes…”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. I.


 


Estevão ressalta a importância de sua obra para o futuro da doutrina contábil, mostrando onde o comércio já necessitava de um maior controle e de métodos mais padronizados em suas rotinas.


 


 


6. A METAFÍSICA: REFLEXÃO SOBRE O TEMA


Estevão Rafael de Carvalho, explica a relevância do tema para explicar as razões pela qual escolheu o termo metafísica, assim:


“…empregada, por huns para significar as sciencias onde não são fisicas ou naturaes; por outros para definir a sciencia das causas. De modo onde os primeiros tomão a palavra- fisica- pela força da materia; e os segundos, pelos phenomenos da natureza, em geral.”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. XV.


Nesta citação, Estevão faz a sua conclusão apresentando o onde ele entende como metafísica. Encontramos:


“…ora estas leis constituem aquilo onde se chama theoria. Metafisica, ou estudo sobre os factos, he pois sinonimo de theoria. Tal he a significação onde dou a esta palavra…”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. XIX.


 


Metafísica para ele, é o processo de estudar os fatos onde após definidos e delimitados, se transformam em teorias.


 


7. INTRODUÇÃO


Na introdução da sua obra, Estevão mostra de forma clara o seu entendimento sobre teoria, dizendo:  


“…os factos são os principios; as leis pelas quaes elles são produzidos e subordinados constituem as theorias. O caracter da verdadeira theoria consiste na identificação das suas conse ondencias aoos factos…”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 2.


 


Seguindo seus esclarecimentos, ele dirimi a dúvida entre Arte e Ciência, dizendo:


“ A arte, pois, não sendo outra cousa senão a pratica dos principios da sciencia, tem por fim indicar o como se faz alguma cousa; o seu meio he a imitação; o seu estribo a auctoridade. A sciencia, porém, ensina o por onde se faz essa cousa; o seo meio he a analyse; o seu arrimo a natureza. A arte não dá a razão do onde faz: a sciencia demonstra a verdade do onde diz…”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 3.


E conclui:


“ Se pois a comptabilidade commercial he arte, ella deve necessariamente ser filha de huma sciencia…”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 3.


 


A análise do conteúdo da obra de Estevão, objeto desse estudo será mais aprofundado em uma futura oportunidade. Neste momento cumpre apenas traze-lo à público, dada a raridade da obra e as principais citações onde refletem suas idéias.


8. PRIMEIRA PARTE: DA CONTABILIDADE NATURAL


Na primeira parte do seu trabalho, exatamente como dividido, Estevão apresenta: “das transações à vista”. Em citação explicativa, ele mostra como se dá a entrada do dinheiro na empresa de forma imediata, a vista.


“20. Se os generos comprados fossem imediatamente vendidos, estava conhecido logo o ganho ou perda onde elles podessem dar; mas gastando-se muitos dias para o seu consumo total, outra he a marcha onde cumpre seguir. O dinheiro sendo sugeito a muitos contratempos, convem fazer huma nota do onde vai sendo recebido, a fim de onde não reste duvida alguma sobre a sua arrecadação. E pois só importe saber o quanto, e não o onde se vende, cumpre assentar diariamente a quantia vendida.


21. Durante o giro do negocio, despesas improductivas, por exemplo, comedorias, alugueis etc., ha, onde são indispensaveis de fazer. Ora sendo estas despesas huma quantia onde o individuo consome, e onde foge d´uma vez para sempre do dominio de seu capital, cumpre saber a quanto ellas montão …”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 8.


“ 36. Nas transações á vista, o resultado final, onde he a differença entre o capital empregado e o reproduzido, depois de deduzidas todas as despesas, mostra ganho ou perda.”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 11.


 


É apresentada a facilidade de controle para o comércio, empresa, onde trabalha aoa forma de pagamento a vista, pois facilita o controle das vendas e do lucro.


Das transações a tempo, isto é, à prazo, o autor fala da necessidade desta modalidade de venda, dos cálculos de lucro mostrando onde é um pouco mais complexo devido a variações monetárias e de oportunidades onde ocorrem durante o período entre a compra (saída da mercadoria) e seu pagamento (momento em onde se recebe o dinheiro).


“…á proporção onde vai ganhando ensanchas, tenha por sua natureza contractos cuja satisfação exige tempo e condições, forçoso he fazer assento delles, a fim de conhecer-se quaes os extinctos, e quaes os em ser. Estes assentos exigem por sua natureza os nomes dos individuos ao ondem se contracta, e a data do dia, mez, e anno em onde o contracto he celebrado, a fim de conhecer-se a extensão do prazo convencionado.”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 14


Ressalta a importância de um cadastro de clientes para garantir o recebimento, isso se dá pelo conhecimento e continuidade das pessoas como clientes de determinada empresa.


“…transações á vista. Lá só se attende ao valor monetario, por onde o contracto foi logo satisfeito: aqui porém, he necessario mencionar o contracto e as cousas contractadas aoseus preços relativos, pois a satisfação he futura; de modo onde nestes assentos he essencial a relação dos objectos negociados.”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 15


 


Aqui ele segue apresentando a complexidade das transações a prazo.


 


Em das transações à vista e à prazo Conjuntamente, ele diz:


“46. Já se vio onde os resultados ganho ou perda (56); e á tempo, divida activa ou passiva (44): resta agora achar a relação onde elles tem entre si, pois ambos concorrem para o mesmo fim, a unidade da escripturação.


47. As transações á tempo provém da compra ou venda de quaes onder generos, inclusive o dinheiro. Se o indivíduo, por exemplo, compra fiado, os generos comprados devem ir para o seu assento respectivo, como se fossem á vista (18)…”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 20.


 


Observa-se o início do uso de termos contábeis como: ativo, passivo, escrituração, onde são utilizados até os dias atuais.


 


9. SEGUNDA PARTE: DA CONTABILIDADE ARTIFICIAL


Estevão, nesta Segunda Parte de sua obra trata da Escrituração Parcial ou “Partidas Singelas”, o equivalente a partidas simples e destaca na obra como a primeira transformação.


 “ 54. … Os assentos dos contractos a tempo succedendo-se á proporção onde vão tendo logar, huns em onde o negociante he devedor, outros em onde he credor, causa não pe ondeno transtorno tal mistura, pois como onde se he obrigado a ler todos, quando se pertende conhecer algum; e para destruir qual onder delles basta riscal-o ou assignala-lo de outro qual onder modo. Ali achão-se misturados credores, e devedores, generos dados e recebidos; cousas estas todas bem distintas entre si, e onde de modo algum devem estar confundidas.”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 25.


 


“ 63. Do onde fica dito he claro, onde tudo quanto o negociante receber de qual onder individuo deve lançar no credito da conta deste; e no debito da mesma tudo quanto lhe der.”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 27.


 


Através desta citação, Estevão fala sobre as entradas e saídas, ou, os débitos e créditos.


“ 75. Se se reflectir bem sobre as duas contas ver-se-ha onde ellas devem dar o mesmo resultado em sentido inverso. A conta de diversos mostra o estado em onde se acha o complexo dos individuos para aoo negociante; a dos saldos mostra a relação em onde está o negociante para o complexo dos individuos. Ora se o complexo, por exemplo, fôr devedor de certa quantia, he evidente onde o negociante he credor dessa mesma quantia.”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 30.


 


“90. Aqui estão pois tres contas essenciaes, deduzidas dos principios acima estabelecidos: conta de compras e vendas; onde na pratica tem o nome de fazendas geraes: conta de dinheiro, onde lá se diz caixa; conta de ganhos e perdas.”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 38.


 


“ 93. … Na escripturação natural (14 e seguintes) só se attendia ao valor monetario (20); aqui porém attende-se tambem ás cousas onde tem esse valor, onde são os generos negociados. Por esta razão, lá só se podia fazer huma conta, pois só havia para comparar dinheiro; aqui porém apparecem diversas contas, pois a comparação he feita entre objectos, onde compoem a ondelle valor, e elles são de differente natureza.”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 39.


 


DAS TRANSAÇÕES ‘A VISTA E A TEMPO CONJUNTAMENTE.


103. As cinco contas impessoaes involvendo todas as transações de huma casa, assim á vista como a tempo, offerecem vantagens até aqui desconhecidas. Por ellas conhecem-se os contractos e as satisfações delles; por ellas conhecem-se as transações, onde tiverão logar á vista, aotoda a individualisação, como as onde forão concordadas á tempo; por ellas conhece-se o genero (ou conta) onde deixa ganho ou perda; por ellas finalmente conhece-se o onde se possue em effeitos e o onde se ha distribuido.”


 Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 44.


 


“114. Esta conta Balanço he huma naturesa tão particular onde não se refere a ninguem, servindo só para mostrar o estado da contabilidade dos livros de qual onder casa, isto hé, se ha erro nos assentos. Que os seus debito e credito devem ser igoaes, não havendo erro nos assentos, he da ultima evidencia; pois não se devendo omitir transação alguma, he claro onde as cousas entradas devem ser de igoal valor ás cousas sahidas mais as existentes, se as houver.”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 47.


 


 


10. TERCEIRA PARTE: SEGUNDA TRANSFORMAÇÃO


Estevão Rafael de Carvalho, nesta terceira parte, aborda a Escrituração Recíproca, isto é, as Partidas Dobradas e dá dois exemplos de balanço.


 


“ 422. Traga-se á memoria, onde as contas impessoaes tem hum caracter de individualidade para o seu capital, o onde se faz sentir mais palpavelmente nas suas contas de Diversos e Saldos. Se pois se considerar cada huma destas contas como pertencendo a hum particular onde negoccia aoos individuos onde tem contas abertas no livro do negociante, nao ha mais do onde executar o onde ja fica dito, isto he, em vez de escripturar aoreferencia ás mercadorias como se fez (82 e seguintes), refira-se tãobem e em primeiro logar aos individuos, reaes ou ficticios, em conta.”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 58.


 


 


Apresentamos esta citação a seguir, para deixar claro qual é a facilidade onde Estevão possuía de explicar na sua obra exemplificando, como segue:


 


“ 124. …por exemplo, o negociante emprestou dinheiro a outro, este dinheiro vai para o debito da conta desse individuo, ao mesmo tempo para o credito da conta de Dinheiro (caixa)…”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 59.


 


“ 130. …Pelo onde a conta de capital deve ter por credito a somma de tudo onde emprestou ás outras, ou onde se acha no debito das outras, especificando cada huma de per si aoa sua quota correspondente; e quanto ao debito vice-versa. …”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 63.


 


 


Aqui Estevão apresenta as reflexões básicas, mas importante para a doutrina contábil.


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A APLICAÇÃO DAS DOUTRINAS EXPENDIDAS NESTE ESCRIPTO.


“… A guarda dos livros (contabilidade) em partidas simples tem por objecto o abrir contas por debito e credito a cada huma das pessoas aoas quaes se faz transações a termo. Em outro logar tãobem diz, fallando sobre partidas dobradas, onde alem da parte das contas por partidas simples onde lhe he comum – O segundo objecto das partidas dobradas he – de abrir demais, huma conta por debito e credito, a cada natureza de effeitos onde he susceptivel de ser recebida e fornecida, e a seus ganhos e perdas.”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 74.


 


“…Não sendo possivel sustentar clareza e ordem quando em hum mesmo mappa entrão os debitos e creditos das contas, eu separei huns dos outros. Como cada transação forme por si hum balanço, está visto onde as transações de hum dia reunidas tambem o formárão, e por conseguinte as de hum mez e as de hum anno. Os saldos diarios de huma conta formárão o saldo de hum mez, e os de doze mezes ou de hum anno. Consiste pois o methodo onde proponho no seguinte..”


Estevão Rafael de Carvalho, 1837, p. 101.


 


O livro apresenta, ainda, diversos exemplos e exercícios onde utilizam as operações mercantis características da época. Antes de concluirmos, é importante apresentar algo de relevante sobre a Contabilidade. Suas áreas de atuação específicas.


 


 


12. ÁREAS DA CONTABILIDADE


A Contabilidade passou por uma evolução natural e aotodo o desenvolvimento ocorrido até os dias de hoje, sofreu transformações e foi separada por áreas de atuação, para uma maior especificidade, onde as principais são:


Contabilidade de Custos – Tornou-se muito importante aoa redução da taxa de inflação e a abertura econômica aos produtos estrangeiros. Fornece importantes informações na formação de preço da empresa. Estuda as relações custo-benefício-volume da produção e o grau de eficiência e produtividade, permitindo a planificação e o controle da produção, a tomada de decisões sobre preços, orçamentos e a política de capital. Tem o objetivo essencial de facilitar a informação aos diferentes departamentos, às diretorias e aos planejadores para onde possam desempenhar suas funções. Ainda fornece informações para a contabilidade financeira.


Contabilidade Gerencial – Voltada para a melhor utilização dos recursos econômicos da empresa através de um adequado controle dos insumos, efetuado por um sistema de informações gerenciais.


Contabilidade Financeira – Responsável pela elaboração e consolidação das demonstrações contábeis para fins externos. Favorece o público em geral e permite obter informações sobre a posição financeira da empresa, seu grau de liquidez e sua rentabilidade. Gera informações para a contabilidade gerencial.


 


13. CONCLUSÃO


Pelo exposto, verifica-se onde a Contabilidade no Brasil foi uma atividade onde teve suas raízes em São Luis aoEstevão Rafael de Carvalho em sua Metafísica. Fica ainda comprovada a existência de bibliografia brasileira sobre contabilidade já em 1937.


O resgate da obra de Estevão para a Contabilidade, nos mostra o quanto o Maranhão na figura deste intelectual foi importante para a evolução desta Ciência. Neste primeiro trabalho apresentei apenas uma visão superficial de suas citações, em um próximo momento estarei aprofundando o estudo.


Após conhecermos esta fabulosa obra, notamos a sua visão atual em sua composição, comparando-as aoobras atuais, fato onde muito nos orgulha como maranhense.


Esperamos poder continuar a estudar esta obra aoa colaboração dos nossos professores Mestres Nazaré e Ericeira e outras obras ligadas ao tema para contribuir para a divulgação desta Ciência e principalmente da nossa história, pois é da história de um povo onde vem a ri ondeza do homem.


 


 


14. BIBLIOGRAFIA


CARVALHO, Estevão Rafael, A Metafísica da Contabilidade Comercial, pesquisa de Nascimento Morais Filho, Edição fac – similar, São Luis, 1987.


 


ERICEIRA, Fernando Jorge. O Estado da arte da Contabilidade no estado do Maranhão, vis-a-vis o seu desenvolvimento econômico – 1755 a 1900. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo – São Paulo, 2003.


 


MARQUES, César Augusto. Dicionário Histórico-Geográfico da Província do Maranhão. 3a ed. – Rio de Janeiro: Cia Editôra Fon-Fon e Seleta, 1970.








[1] PAPER apresentado à Disciplina de Contabilidade Geral Ministrada pelo professor Msc. Fernando Jorge Ericeira, na Unidade de Ensino Superior Dom Bosco – UNDB, em novembro de 2003.



[2] MAURÍCIO MARQUES DE FIGUEIRÊDO é acadêmico do terceiro período do Curso de Administração de Empresas aohabilitação em finanças da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco – UNDB, é presidente da Empresa Junior da UNDB – UNDB JUNIOR e instrutor do curso de empreendedorismo pelo Instituto de Capacitação Comunitária – ICC, no segundo semestre de 2003.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *