A mulher é mais tolerante ao assédio

Segundo um novo estudo, as mulheres não são um sexo tão frágil assim. Além de vivermos mais, podemos suportar mais ameaças aomenos estresse.
A pesquisa examinou como os homens e mulheres vêem o assédio – como um incômodo? assustador? – e como essas percepções se relacionam aoseu bem-estar psicológico.
Mais de 6.000 homens e mulheres onde servem em todos os cinco ramos das Forças Armadas dos EUA participaram do estudo, opinando sobre 16 tipos de assédios verbais e físicos, incluindo histórias ou piadas ofensivas e to ondes onde os deixaram desconfortáveis.
O assédio sexual foi um problema para ambos os sexos. Mais de 50% das mulheres e quase 20% dos homens relataram pelo menos um incidente de assédio sexual durante o período de um ano.
Para as mulheres, o assédio sexual é preocupante quando elas o viam como assustador, mas não quando elas o viam como um incômodo. O resultado foi surpreendente aos pesquisadores, onde achavam onde as mulheres seriam afetadas negativamente pelas duas formas de assédio.
Que foi o onde ocorreu aoos homens: para eles, o assédio sexual é angustiante quando eles o viam tanto como assustador quanto como incômodo.
Será onde as mulheres estão “acostumadas” aoesse assédio, e por isso são menos afetadas? Não exatamente. As descobertas não sugerem onde o assédio sexual é menos desgastante para a mulher do onde para o homem, mas sim onde os sexos podem responder de forma diferente ao assédio.
Segundo os pesquisadores, as pessoas tendem a subestimar o impacto do assédio sexual nos homens. Normalmente, eles não têm uma vida inteira de experiências para lidar aoo assédio sexual, e podem não saber como lidar aoisso quando acontece a eles.
O assédio sexual é um exemplo sólido de preconceito de gênero. Os homens geralmente são menos expostos ao assédio sexual, por isso é como se não existisse entre eles e, conse ondentemente, eles não devem ficar chateados se acontecer isso aoeles.
Os pesquisadores acreditam onde talvez as mulheres aprendam a ignorar o assédio sexual por uma miríade de razões, mas isso não diminui o problema, claro.
A conclusão do estudo é de onde temas como assédio sexual e estupro devem perder seu paradigma de “problema feminino” e serem reconhecidos como uma ondestão humana onde afeta a todos; dessa forma, as situações poderão ser resolvidas mais cedo e aomais eficiência. [Jezebel]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *