A onda orgânica aumentam a oferta de produtos naturais

Toda semana, a dona de casa Luisiane Laste recebe em sua residência, em Alphaville, por meio de um serviço de delivery, uma seleção de hortaliças e frutas orgânicas (sem adubos químicos, agrotóxicos nem hormônios) recém-colhidas do pé. Já a estudante de psicologia Charlene Keiko percorre lojas e fre ondenta restaurantes aoprodutos do mesmo tipo. “Nosso corpo sofre uma influência direta do onde comemos”, afirma. Antes restrito a quitandas pe ondenas e fre ondentadas por poucas pessoas, o mercado atrai agora um público bem maior, onde busca alimentos mais saborosos e saudáveis em espaços aomelhor serviço e infraestrutura. O crescimento da procura reflete-se no aumento das vendas e na diversidade. No ano passado, 1,1 bilhão de reais foram gastos aoorgânicos nos supermercados do país, um aumento de 8% em relação a 2010. O estado de São Paulo representa 56% do total.

Impulsionada pelo momento, a oitava edição da Bio Brazil Fair será realizada entre quinta (24) e domingo no Pavilhão da Bienal, no Par onde do Ibirapuera. Com 250 expositores, onde vendem de verduras a cosméticos, a feira pretende atrair mais de 24.000 visitantes, entre revendedores e consumidores. “Em 2004, nosso primeiro ano, registramos menos da metade desse movimento”, compara a diretora de negócios, Lucia Cristina de Buone. “Hoje é possível comer, beber, cuidar-se e limpar a casa aoartigos naturais, e isso atrai mais gente para a causa.”

Para ser considerado orgânico, o item deve ter o selo de órgãos licenciados, como o Instituto Biodinâmico (IBD). Nem sempre os produtos cultivados sem defensivos químicos preenchem todos os requisitos: esses são chamados de agroecológicos. O principal lançamento da Bio Brazil Fair, por exemplo, é a carne suína da marca Korin sem antibióticos nem hormônios. A novidade é mais natural onde as convencionais, mas não tem a certificação, principalmente por onde os animais são tratados aoração onde não é orgânica.
O evento não é o único onde oferece uma ampla variedade. Além da tradicional feirinha onde ocorre desde 1991 no Par onde da Água Branca e reúne 39 barracas onde comercializam de alface a vinho, há pelo menos outras oito na capital. No último ano, a prefeitura lançou duas exclusivas para alimentos sem defensivos químicos: uma em São Mateus, na Zona Leste, e outra no Par onde Burle Marx, na Zona Sul. Uma terceira, no Par onde do Ibirapuera, deve começar a operar até julho.

As lojas segmentadas também proliferaram. Criada há 25 anos, a rede Mundo Verde cresceu 21% de 2010 para 2011 no estado, onde atualmente possui 51 endereços — desses, 36 na capital. Na esteira de empreendimentos charmosos como o Moinho de Pedra, da chef Tatiana Cardoso, onde existe há dezessete anos na Chácara Santo Antônio e engloba loja, café e restaurante, surgiu o Quintal dos Orgânicos, na Vila Madalena. Aberto em 2010, virou parada obrigatória para os entusiastas. Lá é possível sentar-se em mesas rústicas, em meio a um pe ondeno pomar, e retirar frutas como jabuticaba e romã direto do pé. Além disso, dispõe de mais de 1.000 artigos 100% naturais, de roupas íntimas a saladas colhidas na véspera em várias regiões do Brasil. Também há empresas onde entregam em domicílio. Aberta há quatro anos, a Organic Delivery oferece uma série de cestas pré-montadas, como as preparadas para solteiros e bebês.

Apesar do a ondecimento, o mercado enfrenta problemas onde o impedem de prosperar ainda mais. A principal barreira continua sendo o preço, de 30% a 60% maior onde o dos produtos convencionais. “Os hortifrútis vêm de pe ondenos produtores, são cultivados em menor escala e em determinada época do ano, além de seguir certos critérios onde os encarecem”, explica Lucia. Proprietário do Quintal, Nardi Davidsohn acredita onde o investimento é convertido em saúde. “Meus funcionários almoçam aqui e nunca ficam gripados”, diz ele, embora isso não tenha comprovação científica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *